Curta nossa página no Facebook

97217 Pessoas curtiram o
Portal Geledés

Reverendo Jesse Jackson

Matéria publicada no Portal Geledés. Clique para ler a matéria na íntegra...

Reverendo_Jesse_Jackson_0001

Presidente Barack Obama e Reverendo Jesse Jackson

Jesse Louis Jackson, Sr. (nascido a 8 de outubro de 1941), é um ativista americano dos direitos civis e pastor batista.  Foi candidato à presidência pelo Partido Democrático em 1984 e 1988.  Fundou as entidades que se fundiram para formar o Rainbow/PUSH.  Numa enquete da AP-AOL, “Vozes Negras”, em fevereiro de 2006, Jackson foi votado como “o mais importante líder negro”, com 15% de votos.[1]

Juventude

Jackson, ao nascer, recebeu o nome de Jesse Louis Burns.  Sua cidade natal é Greenville, Carolina do Sul.  É filho de Helen Burns, mãe solteira, que tinha 16 anos quando ele nasceu.  Seu pai biológico, Noah Louis Robinson, ex-boxeador profissional e figura de destaque na comunidade negra, era casado com outra mulher, quando Jesse nasceu.  Ele não se envolveu com a vida do filho.  Em 1943, dois anos após o nascimento do menino, sua mãe casou-se com Charles Henry Jackson, que adotaria Jesse quatorze anos mais tarde.  Jesse passou a assinar o sobrenome do padrasto.

Estudos

Jackson frequentou a Sterling High School, um estabelecimento de ensino segregado em Greenville, onde se destacou nos esportes.  Após formar-se em 1959, rejeitou o contrato de um time profissional de beisebol para poder matricular-se na Universidade de Illinois, racialmente integrada, na qual conseguiu uma bolsa.  Entretanto, daí a um ano, Jackson transferiu-se para a North Carolina A & T, localizada em Greensboro, Carolina do Norte.  Há diferentes versões relativas a essa transferência.  Jackson alega que a mudança foi motivada pelo viés racial da escola, que incluiu o fato de que ele não podia jogar na posição de zagueiro, apesar de ter sido uma estrela quando cursou o secundário.  O site ESPN.com sugere, entretanto, que alegações de discriminação racial no time de futebol podem ter sido exageradas, pois o zagueiro de Illinois, naquele ano, era um afro-americano, embora não mencione outros fatores que não a raça do zagueiro, o que pode ter contribuído para essa percepção – por exemplo, a dinâmica do time ou as interações com outros jogadores da equipe.[3] Jackson também alega ter sido preterido por seu professor de dicção num concurso público de oratória, apesar do apoio dos colegas de uma das equipes participantes, que o elegeram devido a seus dons e talento.[2] Jackson

abandonou Ilinois no final do segundo semestre e após formar-se na A& T, matriculou-se no Seminário Teológico de Chicago com a intenção de tornar-se pastor, mas desistiu em 1966, para dedicar-se em período integral ao movimento dos direitos civis.[4] Foi ordenado em 1968, sem obter o diploma em teologia, mas foi-lhe conferido o doutorado honorário em teologia em 1990, em Chicago.  Recebeu em 2000 o grau de mestre (Divinity Degree) com base nos créditos anteriores, além de sua experiência de vida e em seu trabalho subsequente.[5][6]

Família

Jackson desposou Jacqueline Lavinia Brown, nascida em 1944, em 31 de dezembro de 1962[7][8] e tiveram cinco filhos: Santita (1963), Jesse Jr. (1965), Jonathan Luther (1966), Yusef DuBois (1970) e Jacqueline Lavinia (1975).[9]

Em 2001 divulgou-se que Jackson tivera um envolvimento com Karin Stanford, que trabalhava em sua equipe, do qual resultou uma filha, Ashley, nascida em maio de 1999.  De acordo com a CNN, em agosto de 1999 a Coalização Rainbow Push havia pago a Karin Stanford 15 mil dólares para atender despesas de mudança e 21.000 dólares por trabalhos contratados.  A promessa de um adiantamento de mais 40.000 dólares, relativa a uma futura contratação, não foi levada adiante, tão logo o relacionamento tornou-se público.[10] Esse incidente levou Jackson a afastar-se do ativismo durante um breve período.[11] Atualmente Jackson paga quatro mil dólares mensais de pensão a esta sua filha.[12]

Ativismo em favor dos direitos civis

Jackson fala em um programa de rádio, na sede da Operação PUSH (Povos Unidos para Salvar a Humanidade), por ocasião de sua convenção anual, em julho de 1973. Foto de John  H. White.

Jackson rodeado de manifestantes com cartazes em apoio à Lei Hawkins Humphrey, exigindo pleno emprego, janeiro de 1975.

Em 1965 Jackson participou das marchas de Selma a Montgomery, organizadas por James Bevel, o dr. Martin Luther King Jr. e outros líderes de direitos civis, no estado de Alabama.  Ao retornar de Selma, ele aderiu aos esforços do SCLC no sentido de estabelecer uma cabeça de ponte na Conferência dos Cristãos Sulistas Sobre a Liderança (SCLC), em Chicago.

Em 1966 King e Bevel escolheram Jackson para ficar à frente da Operação Breadbasket, promovida pela SCLC em Chicago.  Essa organização promoveu-o à direção n acional, em 1967.  Seguindo o exemplo do reverendo Leon Sullivan, de Filadélfia, o objetivo fundamental do novo grupo era promover as “compras seletivas” (boicotes) como um meio de pressionar empresas de propriedade de brancos a contratar negros e a adquirir bens e serviços de fornecedores negros.  Um dos precursores de Sullivan foi o dr. T. R. M. Howard, rico médico e empresário de South Side, o principal contribuinte da Operação Breadbasket.  Antes de mudar-se do Mississipi para Chicago, em 1956, Howard, como dirigente do Conselho Regional da Liderança Negra, havia organizado, com muito sucesso, um boicote contra postos de gasolina, que se recusavam a disponibilizar banheiros para negros.[13]

Quando Martin Luther King Jr.foi assassinado em 4 de abril de 1968 em Memphis, Tennessee, um dia após seu famoso discurso “Estive no alto da montanha” em Mason Temple, Jackson encontrava-se no estacionamento, um andar abaixo.  A participação de Jackson no Show do Dia, da NBC, usando a mesma blusa de gola alta, manchada de sangue, que vestira no dia anterior, motivou críticas por parte de vários auxiliares de King.  Alguns associados de King também contestam a descrição de Jackson sobre seu envolvimento pessoal e a sequência de acontecimentos ocorridos em torno do assassinato de King.[14]

Jackson é conhecido por monopolizar a atenção do público desde que começou a trabalhar para King em 1966.  Seu objetivo primordial tem sido despertar nos negros o sentido de auto-estima. [15]

A partir de 1968 Jackson entrou em conflitos cada vez maiores com Ralph Abernathy, o sucessor de King na presidência da SCLC.  Em dezembro de 1971 a ruptura foi total.  Abernathy suspendeu Jackson devido a “impropriedades administrativas e repetidos atos de violação da política organizacional.”  Jackson pediu demissão, convocou seus aliados e a Operação PUSH nasceu durante aquele mesmo mês.  O novo grupo foi organizado na residência do dr. T. R. M. Howard, que se tornou membro da diretoria e presidiu o comitê de finanças.

Em 1984 Jackson organizou a Rainbow Coalition (Coalizão Arco-Íris) que se fundiu, em 1966, com a Operação PUSH.  A nova organização, no desempenho de seu papel, tornou-se eficaz e importante.  Al Sharpton também deixou a SCLC, em protesto, e formou o National Youth Movement (Movimento da Juventude Nacional).[16]

Em março de 2006 uma mulher afro-americana acusou de estupro três membros brancos de uma equipe esportiva da Universidade Duke.  Durante a controvérsia que se seguiu, Jackson declarou que a Coalização Rainbow/PUSH pagaria, daí em diante, todos os estudos da acusadora, independentemente do desfecho do processo.  Mais tarde, levados a julgamento, os atletas foram declarados inocentes pela Procuradoria Geral da Carolina do Norte.[17]

Em 1995 Jackson voltou a ocupar as manchetes ao escrever para a rede FOX, protestando contra um episódio da série Mighty Morphin Power Rangers, no qual um dos protagonistas, o “Guarda-Florestal Branco” pareceu apregoar as virtudes do “Poder Branco”.  Jackson retratou-se, mais tarde, mas a FOX censurou diálogos desse tipo em futuras transmissões.

Jackson exerceu papel fundamental por ocasião do escândalo provocado pelo comediante Michael Richard, que havia feito comentários racistas em novembro de 2006.  Decorridos alguns dias do incidente, Richards convocou Jackson para desculpar-se, o que ele aceitou.[18]. Eles se encontraram publicamente, como um meio de resolver a situação.  Jackson também se uniu a líderes negros, reivindicando a eliminação da palavra “Negro” na indústria do entretenimento. [19]

Ativismo internacional

Durante os anos oitenta, Jackson alcançou ampla fama como líder e político afro-americano, tornando-se também um conhecido porta-voz de questões relativas a direitos civis.  Sua influência se estendeu a questões internacionais, nas décadas de oitenta e noventa.

Em 1983 Jackson viajou à Síria com a finalidade de assegurar a libertação de um piloto americano da Marinha, o tenente Robert Goodman, detido pelo governo daquele país.  O avião de Goodman havia sido abatido quando ele participava de uma missão que visava bombardear posições sírias no Líbano.  Após um dramático apelo pessoal de Jackson ao presidente sírio Hafez al-Assad, Goodman foi solto.  Inicialmente o governo Regan mostrou-se cético em relação à viagem de Jackson à Síria, mas depois que este garantiu a libertação, o presidente recebeu Jackson e Goodman na Casa Branca, em 4 de janeiro de 1984.[20].  Esse fato ajudou a promover a imagem e a popularidade de Jackson como um americano patriota e serviu para ajudá-lo em sua candidatura à presidência do país, em 1984.  Em junho desse mesmo ano Jackson negociou a liberdade de vinte e dois americanos detidos em Cuba, após receber um convite do presidente Fidel Castro.[21]

Jackson viajou ao Quênia em 1997 para encontrar-se com o presidente Daniel Arap Moi, como enviado especial do presidente Bill Clinton, com a finalidade de promover eleições livres e justas.  Em abril de 1999, durante a guerra em Kosovo, Jackson viajou a Belgrado para negociar a libertação de três militares americanos capturados na fronteira da Macedônia, quando participavam de uma missão de patrulhamento com forças de manutenção da paz, pertencentes às Nações Unidas.  Encontrou-se com o então presidente Slobodan Milosevic, que mais tarde concordou em soltar os três militares.[22]

Seus esforços internacionais prosseguiram nesta década de 2000.  Em 15 de fevereiro de 2003 discursou diante de um público, estimado em um milhão de pessoas, no Hyde Park, em Londres, no encerramento de uma demonstração contra a iminente invasão do Iraque pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido.  Em novembro de 2004 Jackson visitou políticos e ativistas comunitários na Irlanda do Norte, no empenho de encorajar melhores relações inter-comunitárias e reconstruir o processo de paz, restaurando as instituições governamentais do Acordo de Belfast.  Em agosto de 2005 viajou à Venezuela para encontrar-se com o presidente Hugo Chávez, após controvertidas observações do tele-evangélico Pat Robertson, o qual sugeria que o presidente deveria ser assassinado.  Jackson condenou as observações de Robertson, taxando-as de imorais.  Após encontrar-se com Cháves e manifestar-se no parlamento venezuelano, Jackson declarou que não havia provas de que o país representasse uma ameaça aos Estados Unidos.  Na ocasião, encontrou-se com representantes de comunidades afro-venezuelanas e indígenas.[23]

Em 2005 ele participou da “Operação Voto Negro”, no Reino Unido, uma campanha dirigida por Simon Woolley, visando encorajar as minorias étnicas a votar nas eleições gerais anunciadas para maio daquele ano.[24]

Ativismo político

Campanha presidencial de 1984

Em 3 de novembro de 1983 Jackson anunciou sua campanha à presidência.[25] No ano seguinte ele se tornou o segundo afro-americano, após Shirley Chisholm, a estruturar uma campanha de âmbito nacional para a presidência dos Estados Unidos, concorrendo pelo Partido Democrata.

Por ocasião das eleições primárias, Jackson, que havia sido descrito por oponentes como um azarão, com pouca chance de ser indicado, surpreendeu ao alcançar o terceiro lugar, atrás do senador Gary Hart e o ex-vice presidente Walter Mondale, o qual acabou vencendo a indicação.  Jackson obteve 3.282. 431 votos ou 18,2% do total, em 1984[26] Venceu cinco eleições primárias e em convenções, incluindo os estados de Louisiana, Louisiana, o Distrito de Columbia, Carolina do Sul, Virginia e uma de duas disputas separadas no Mississippi.[27]

Tendo obtido 21% do voto popular, mas apenas 8% dos delegados, ele mais tarde queixou-se de haver sido prejudicado pelas regras do seu partido.  Enquanto Walter Mondale, segundo os comentários de seus auxiliares, estava decidido a estabelecer um precedente ao escolher para vice-presidente uma mulher ou um membro de uma minoria visível, Jackson criticou o procedimento, definindo-o como uma “parada de personalidades.”  Também zombou de Mondale, afirmando que Hubert Humprey era “o último político significativo fora da região de St. Paul, Minneapolis”.[28]

Observações a respeito dos judeus

Em janeiro de 1984, durante uma conversa com Milton Coleman, repórter do Washington Post, Jackson referiu-se aos judeus como “Hymies” (termo depreciativo – observação do tradutor) e a Nova York como “Hymietown” (cidade dos Hymies).  Ele negou inicialmente ter feito esse comentário mas em seguida acusou os judeus de conspirar para derrotá-lo.  Quando finalmente admitiu ter sido um erro usar aquele termo, alegou que o fez em caráter particular a um repórter.[29] Acabou finalmente se desculpando, durante um discurso diante de líderes judeus americanos, numa sinagoga de Manchester, New Hampshire, porém contínuas desconfianças levaram a uma ruptura entre Jackson e muitos judeus.[29]

Entre outras observações de Jackson inclui-se a de que Richard Nixon era menos atento à pobreza nos Estados Unidos, “pois quatro de cada cinco (principais conselheiros de Nixon) são judeus alemães e suas prioridades estão na Europa e na Ásia”; a de que “não aguentava mais ouvir falar sobre o holocausto” e a de que existem “muito poucos jornalistas judeus que têm a capacidade de ser objetivos sobre as questões árabes.”  Em 1979 Jackson declarou, durante uma viagem ao Oriente Médio, que o primeiro ministro israelense Menachem Begin era um “terrorista” e que Israel era uma “teocracia”.[30] Desde então ele desculpou-se por algumas desses comentários e mais tarde foi convidado para discursar em apoio a Al Gore e a Joe Libermann por ocasião da Convenção Nacional do Partido Democrático, em 2000.[31]

Campanha presidencial de Jesse Jackson em 1988

 

Daí a quatro anos, em 1988, Jackson ofereceu-se novamente como candidato do Partido Democrático à presidência.  Dessa vez seus sucessos do passado o tornaram um candidato com mais credibilidade e ele obteve mais apoio financeiro e sua campanha foi mais bem organizada.  Embora muita gente não parecesse acreditar que ele tivesse sérias chances de vencer, Jackson mais uma vez superou as expectativas, pois obteve mais do que o dobro dos votos da eleição de 1984, levando R. W. Apple, do jornal New York Times, a declarar 1988 “o ano de Jackson”.[32]

Obteve 6.900.000 votos, ganhou 11 disputas, sete eleições primárias (Alabama, Distrito de Columbia, Geórgia, Louisiana, Mississippi, Porto Rico e Virgina) e sete convenções (Delaware, Michigan, Carolina do Sul e Vermont).[33] Jackson também foi vitorioso nas convenções do Alaska e Texas, apesar de perder nas eleições primárias deste último estado.[34][35] Após obter 55% dos votos na convenção do Partido Democrata em Michigan, ele foi considerado o mais cotado para a indicação à candidatura presidencial, pois ultrapassou os demais candidatos no número total de concorrentes.

Jackson com o senador de Maryland e o representante Curt Anderson durante uma convenção em Annapolis, Maryland (1988)

No início de 1988 Jackson organizou uma assembléia na ex-fábrica de montagem da American Motors em Kenosha, Wisconsin, aproximadamente duas semanas depois que a nova proprietária, Chrysler, anunciou que fecharia a fábrica no fim do ano.  Em seu discurso, Jackson manifestou-se contra a decisão da Chrysler, afirmando: “Precisamos enfocar Kenosha, Wisconsin, como o lugar, aqui e agora, onde marcamos uma posição para dar um basta à violência econômica!”.  Ele comparou a luta dos operários à luta do movimento em favor dos direitos civis ocorrida em Selma, Alabama.  Como resultado, o sindicato local votou pelo endosso a sua candidatura, mesmo que isso fosse contra as regras da UAW.[36] A campanha de Jackson sofreu, entretanto, significativo revés daí a menos de duas semanas, quando ele foi derrotado nas primárias por Michael Dukakis.  Os votos dados pelos eleitores brancos, em Wisconsin , foram significativamente maiores do que os obtidos na eleição de 1984, porém foram consideravelmente mais baixos do que as pesquisas eleitorais haviam indicado.  Essa discrepância foi citada como um exemplo do assim denominado “efeito Bradley”.

A campanha de Jackson também foi interrompida por alegações que diziam respeito a seu meio-irmão Noah Robinson Jr. (atividades criminosas).[37] Jackson se viu obrigado a responder muitas perguntas sobre seu irmão, frequentemente aludido como “o Billy Carter da campanha de Jackson”. [38]

Jackson quase ganhou de Dukakis em Colorado, mas este obteve confortável vitória em Wisconsin. Diante disso Jackson ficou em segundo plano e Dukakis tornou-se o candidato do Partido Democráta, mas acabou perdendo a eleição presidencial no mês de novembro.[39]

Plataforma da campanha

Em ambas campanhas, Jackson apresentou o que muitos consideraram uma plataforma a bastante liberal.  Ao declarar que queria criar uma “Coalizão Arco-Íris”, integrada por várias minorias, incluindo afro-americanos, hispano-americanos, árabes-americanos, americanos-asiáticos, indígenas, agricultores familiares, a classe pobre e trabalhadora, os homossexuais, bem como americanos descendentes de europeus e progressistas, que não se encaixavam em nenhuma dessas categorias, Jackson apresentou uma proposta de governo que incluía:

  • Criar um programa que reconstruísse a infra-estrutura dos Estados Unidos e proporcionasse empregos a todos os americanos
  • Reforçar prioridade à guerra contra as drogas, dando menor ênfase a sentenças mínimas para os usuários de drogas, algo que ele considerava ter um viés racista, e estabelecendo punições mais rigorosas para banqueiros implicados na lavagem de dinheiro e de outros que fizessem parte da cúpula dos fornecedores de droga
  • Reverter a política econômica da era Regan em favor dos mais ricos, taxando suas fortunas em dez por cento e destinando o dinheiro ao financiamento de programas de bem-estar social
  • Cortar até quinze por cento do orçamento do Departamento de Defesa, ao longo de sua presidência
  • Declarar a África do Sul da era do apartheid uma nação indigna
  • Instituir imediatamente o congelamento dos arsenais nucleares e dar início a negociações de desarmamento com a União Soviética
  • Conceder indenizações aos descendentes de escravos negros
  • Apoiar a agricultura familiar, restabelecendo muitos dos programas agrícolas formulados pelo New Deal da era Roosevelt
  • Criar um sistema único de pagamento de planos de saúde, ao alcance de toda a população
  • Ratificar a Emenda de Igualdade de Direitos
  • Aumentar as subvenções federais para a educação básica e proporcionar o ensino secundário grátis para todos
  • Reforçar mais estritamente a Lei dos Direitos de Voto
  • Apoiar a formação de um estado palestino

Com exceção da resolução de implementar sanções contra a África do Sul, devido a sua política de apartheid, nenhuma dessas propostas foi incorporada à plataforma do partido, em 1984 ou 1988.

Posicionamento sobre o aborto

Embora Jackson fosse um dos membros mais liberais do Partido Democrata, seus conceitos sobre o aborto estavam mais de acordo com as visões anti-aborto.  Certa vez ele apoiou a Emenda Hyde, contrária à subvenção a abortos praticados por mulheres de baixa renda através do programa federal de saúde Medicaid.  A esse respeito, escreveu um artigo publicado em 1977 pelo National Right to Life Comittee News:

"Existe quem argumente que o direito à privacidade é de ordem mais elevada do que o direito à vida... essa foi a premissa da escravidão.  Não se podia protestar contra a existência ou o tratamento dispensado aos escravos nas fazendas, pois era assunto privado e, portanto, não se tinha o direito de contestar tal situação.  O que acontece com a mente de uma pessoa e com o tecido moral de uma nação que aceitam abortar a vida de um bebê sem o menor escrúpulo?  Que espécie de pessoa e que espécie de sociedade teremos daqui há vinte anos, se a vida puder ser tirada com tamanha ligeireza?  É esta questão, a questão de nossas atitudes, de nosso sistema de valores, de nossas mentes voltadas para a natureza e para o valor da vida que constituem a questão fundamental com que a humanidade se defronta.  O fracasso em responder afirmativamente a tais questões pode transformar nossa vida na terra em um inferno.”

No entanto, desde então Jackson tem adotado uma visão mais aberta, favorável ao direito de escolha, acreditando ser fundamental o direito de uma mulher interromper a gestação, algo que não deve ser infringido de modo algum pelo governo.[40]

Atividades políticas posteriores

Jackson candidatou pelo Distrito de Columbia como uma espécie de suplente de senador, quando esse cargo foi criado em 1991,[41] atuando como tal até 1997, quando não se candidatou à reeleição.  Era um cargo não remunerado, que se destinava basicamente a fazer lobby em favor do Distrito de Columbia.[42]

Em meados da década de noventa foi sondado para o cargo de embaixador dos Estados Unidos na África do Sul, mas declinou, pois preferiu dedicar-se à campanha de seu filho Jesse Jackson Jr., que se candidatou à Câmara dos Representantes.[43]

Embora, no início, Jackson se mostrasse crítico da “Terceira Via” ou das políticas mais moderadas de Bil Clinton, ele tornou-se um aliado indispensável para a obtenção do apoio da comunidade afro-americana ao presidente e acabou se tornando íntimo conselheiro e amigo da família Clinton.  O presidente condecorou-o com a Medalha da Liberdade, a mais elevada honraria da nação concedida a civis.  Seu filho Jesse Jackson Jr. também se tornou uma personalidade política, sendo eleito para a Câmara dos Representantes como candidato por Illinois.  Em 2002 o acadêmico Molefi Kete Asante incluiu Jesse Jackson em sua lista dos 100 Maiores Afro-Americanos.[44] Em 2003 Jackson surpreendeu muitos observadores, recusando-se a apoiar as campanhas de Al Sharpton ou da ex-senadora Carol Moseley Braun, os dois candidatos afro-americanos, que disputavam a indicação do Partido Democrata na eleição presidencial de 2004.  Em vez disso, Jackson ocultou suas preferências até quase o final das eleições primárias, quando permitiu que o representante de Ohio, o democrata Dennis Kucinich, de Ohio, outro candidato à presidência, discursasse numa assembléia do Rainbow/PUSH, em 31 de março de 2004.  Embora não manifestasse preferência declarada pelo republicano Kucinich, ele o descreveu como alguém que “assume o pesado encargo de dizer “você é quem faz mais sentido, porém não pode vencer”.  Jackson também escreve para a publicação The Progressive Populist.

Jackson foi alvo da conspiração terrorista dos suprematistas brancos, em 2002.

Eleição presidencial de 2004

Jackson reuniu informações e apoios para investigar a controvérsia em torno da eleição presidencial de 2004, particularmente os resultados dos votos em Ohio e sua recontagem.  Solicitou um debate no Congresso sobre a questão, pedindo uma apuração justa e a adoção de padrões nacionais de votação, afirmando que as eleições nos Estados Unidos são conduzidas adotando-se diferentes padrões em diferentes estados, sendo marcadas por artimanhas partidárias, viés racial, uma incompetência disseminada e constituem indisfarçável escândalo.

Jackson declarou ter alguma esperança de que na eleição de 2004 poderia ocorrer uma reviravolta, embora reconhecendo suas dúvidas.  Comparou as irregularidades na votação de Ohio com as da eleição presidencial da Ucrânia, em 2004.  Declarou que se Ohio fosse a Ucrânia, a eleição presidencial americana não teria sido avalizada pela comunidade internacional.  Afirmou que Kenneth Blackwell, Secretário de Estado de Ohio, não era isento e que podia muito bem ter sido pressionado pelo presidente George W. Busch e pelo vice-presidente Dick Cheney a fim de entregar Ohio ao Partido Republicano.

Baseando-se em informações obtidas em diálogos conduzidos pelo republicano John Conyers e descobertos durante a fracassada recontagem de votos por ocasião da eleição presidencial em Ohio, solicitada por David Cobb, candidato do Partido Verde, e por Michael Badnarik, candidato do Partido Libertário, Jackson sugeriu que os mecanismos da eleição em Ohio eram “manipulados” e que alguns eleitores afro-americanos foram forçados a ficar numa fila debaixo de chuva, durante seis horas, até votar.  Quando lhe foram pedidas provas, Jackson não apresentou fatos, mas declarou: “Baseio-me na desconfiança do sistema, na anomalia das pesquisas eleitorais, na falta das listas de apuração.”

No dia 6 de janeiro de 2005 a equipe da Comissão Judiciária dos Democratas, na Câmara dos Deputados, publicou um relatório de cem páginas sobre a eleição em Ohio.  Esse desafio à eleição foi rejeitado por 74 votos contra e 1 a favor pelo Senado dos Estados Unidos, e por 267 contra e 31 votos a favor pela Câmara dos Deputados.  Muitos democratas pertencentes à alta hierarquia do partido preferiram distanciar-se do debate, incluindo John Kerry, embora Jackson solicitasse pessoalmente sua ajuda.  Ainda assim, prosseguiu o apelo por uma reforma da legislação eleitoral e pela proteção aos direitos do eleitor.

A questão Terri Schiavo

No início de 2005, Jackson visitou os pais de Terri Schiavo e apoiou seu mal sucedido esforço de mantê-la viva.[45]

Protesto contra armas de fogo e prisão

Em 23 de junho de 2007 Jackson foi preso devido a uma manifestação diante de uma loja que vendia armas em Riverdale, bairro pobre da periferia de Chicago, Illinois.  Jackson e outros protestavam contra o fato de que a loja, segundo se propagava, vendia armas de fogo a membros de uma gangue local e estava assim contribuindo para a decadência da comunidade.  De acordo com os relatórios da polícia, Jackson se recusou a parar com o bloqueio da loja, impedindo os fregueses de entrar.  Ele foi acusado de atentado à propriedade privada.[46]

Eleição presidencial de 2008

Em março de 2007 Jackson declarou seu apoio ao então senador Barack Obama, por ocasião das eleições primárias do Partido Democrata.[47] Mais tarde, ainda em 2007, criticou Obama por “agir como se fosse branco”, em reação a um episódio de espancamento, conhecido como Jena 6.[48]

Em 6 de junho de 2008, durante uma entrevista para a Fox News, ouviu-se Jackson dizendo baixinho ao dr. Reed Tuckson, outro participante:[49] “Sabe, Barack tem se referido em tom depreciativo a negros... Quero dar um corretivo nele. [50] Jackson exprimia sua decepção com o discurso de Obama no Dia dos Pais, a seu ver um desaponto.[51] Um porta-voz da Fox News declarou que Jackson “havia se referido aos pretos usando o termo negro”, em seus comentários sobre Obama.  A Fox News não divulgou o vídeo na íntegra nem uma transcrição completa dos comentários de Jackson.[52] Mais tarde, após a entrevista, Jackson desculpou-se e reiterou seu apoio a Obama.[50]

Em 4 de novembro de 2008 Jackson estava presente no comício realizado após a vitória de Obama, esperando que este aparecesse.  Durante vários momentos, antes que Obama discursasse, Jackson não conteve as lágrimas.[53]

Ver também

Bibliografia

  • Dudley, K. (1994). The End of the Line: , Chicago: University of Chicago Press. ISBN 0-226-16908-1
  • Jackson, Jesse L., Jr., com Frank E. Watkins, A More Perfect Union: Advancing New American Rights.., ISBN 1-56649-186-X, Welcome Rain Publishers: New York, 2001.

Notas

  1. ^ CBSNews.com
  2. ^ a b "Jesse Jackson". MSN Encarta. Msn. http://encarta.msn.com/encyclopedia_761557067/Jackson_Jesse_(Louis).html.
  3. ^ ESPN.com: GEN - Edwards: The man who would be King in the Sports Arena
  4. ^ Gale - Free Resources - Black History - Biographies - Jesse Jackson
  5. ^ "Rev. Jesse Jackson Sr. Receives Master's Degree From Chicago Theological Seminary"
  6. ^ "Jackson Closes A Chapter"
  7. ^ NNDB: Jesse Jackson.
  8. ^ Purnick, Joyce; Oreskes, Michael (1987-11-29). "Jesse Jackson Aims for the Mainstream". The New York Times. http://query.nytimes.com/gst/fullpage.html?res=9B0DE7DC113CF93AA15752C1A961948260.
  9. ^ Voices & Viewpoints: Jesse Jackson.
  10. ^ CNN.com - Operation PUSH documents financial ties with Jackson lover – 1o. de fevereiro de 2001
  11. ^ Salon.com Politics | Jackson retreats
  12. ^ "Mother wants Jesse Jackson to 'be a father' to illegitimate child". CNN.com. 2001-08-16. http://archives.cnn.com/2001/US/08/16/jackson.mistress/. Obtido em
  13. ^ David T. Beito and Linda Royster Beito, Black Maverick: T.R.M. Howard's Fight for Civil Rights and Economic Power (Urbana: University of Illinois Press, 2009)
  14. ^ Joyce Purnick and Michael Oreske, Jesse Jackson Aims for the Mainstream, New York Times, 29 de novembro de 1987.
  15. ^ Thomas, Evan (1984-05-07). "Pride and Prejudice". Time. Time, Inc.. http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,954291,00.html. Obtido em 1o.-05-2008.
  16. ^ Interview with Al Sharpton, David Shankbone, Wikinews, 3 de dezembro de 2007.
  17. ^ Beard, Aaron (2007-04-11). "Prosecutors Drop Charges in Duke Case". Associated Press. http://www.sfgate.com/cgi-bin/article.cgi?file=/n/a/2007/04/11/national/a113721D83.DTL. Obtido em 4-04-2007.
  18. ^ Sharpton: Comedian's apology not enough - CNN.com
  19. ^ http://www.cnn.com/2006/SHOWBIZ/TV/11/27/michaelrichards.ap/index.html
  20. ^ Missão de Jesse Jackson em Damasco
  21. ^ New York Times
  22. ^ PBS Frontline chronology
  23. ^ Jesse Jackson Says Venezuela No Threat, Praises Venezuelan Government Concerns | venezuelanalysis.com
  24. ^ Operation Black Vote - Jesse Jackson tour kick starts!
  25. ^ Jackson and White, p. 33.
  26. ^ Purnick, Joyce, and Michael Oreskes. "Jesse Jackson Aims for the Mainstream". The New York Times, 29 de novembro de 1987.
  27. ^ "1984 Texas Jackson-for-President Campaign Collection: An Inventory of Records at the Houston Metropolitan Research Center, Houston Public Library"
  28. ^ Thomas, Evan. "Trying to Win the Peace", Time, 2 de julho de 1984.
  29. ^ a b Larry J. Sabato's Feeding Frenzy. "Jesse Jackson's 'Hymietown' Remark – 1984". Washington Post. http://www.washingtonpost.com/wp-srv/politics/special/clinton/frenzy/jackson.htm.
  30. ^ Frum, David (2000). How We Got Here: The '70s. New York, New York: Basic Books. p. 273. ISBN 0465041957.
  31. ^ "Don't ask, don't tell". Salon. 17-08-2000. http://archive.salon.com/politics/feature/2000/08/16/jackson/index.html.
  32. ^ R.W. Apple, Jr. (1988-04-29). "Jackson is seen as winning a solid place in history". The New York Times. http://query.nytimes.com/gst/fullpage.html?res=940DE4DC173CF93AA15757C0A96E948260&sec=&spon=&pagewanted=all. Obtido em 5-01-2008.
  33. ^ "Keep Hope Alive". Jesse Jackson, p. 234-235.
  34. ^ http://query.nytimes.com/gst/fullpage.html?res=940DE7DD123FF933A15750C0A96E948260
  35. ^ http://query.nytimes.com/gst/fullpage.html?res=940DE2DC1039F931A25750C0A96E948260
  36. ^ Dudley (1994)
  37. ^ Robinson há muito havia entrado em conflito com um criminoso, Leroy “Hambone” Barber, que o assaltara a mão armada.  Enquanto Barber estava na prisão, Robinson escreveu-lhe cartas, afirmando que se vingaria violentamente dele, assim que ele fosse solto (essas cartas causariam dificuldades a Robinson no futuro).  Noah Robinson procurou certificar-se de que sua promessa se realizaria, contatando o líder de uma gangue, que estava na prisão, chamado Jeff Fort e de quem era amigo havia muito tempo.  Fez chegar a ele dez mil dólares, para que juntasse um bando, que atacaria Barber e o assassinaria.  A polícia do Estado de Illinois chegou à conclusão de que Robinson havia encomendado o crime.  Ele foi indiciado por assassinato e condenado à prisão perpétua.
  38. ^ "Shakedown"
  39. y Kenneth Timmerman
  40. ^ Dionne, E. J. Jr. (1988, April 6). "Dukakis Defeats Jackson Handily in Wisconsin Vote", The New York Times
  41. ^ Reimpressão de um artigo publicado no Washington Post em 1988.
  42. ^ Robin Toner (1990-07-06). "Jackson to Run For Lobby Post In Washington". The New York Times. http://query.nytimes.com/gst/fullpage.html?res=9C0CE3D61E3DF935A35754C0A966958260. Obtido em 5-01-2008.
  43. ^ Richard L. Berke (1991-03-27). "Behind-the-scenes role for a 'shadow senator'". The New York Times (The New York Times Company). http://query.nytimes.com/gst/fullpage.html?res=9D0CE2D9143EF934A15750C0A967958260. Obtido em 5-01-2008.
  44. ^ Berke, Richard L. (1998-03-06). "TESTING OF A PRESIDENT: THE COUNSELOR; Once a Nemesis, Jackson Has Become the President's Spiritual Adviser". The New York Times. The New York Times Company. http://query.nytimes.com/gst/fullpage.html?res=9900E4DA1E31F935A35750C0A96E958260. Obtido em 2008-04-25.
  45. ^ Asante, Molefi Kete (2002). 100 Greatest African Americans: A Biographical Encyclopedia. Amherst, New York. Prometheus Books. ISBN 1-57392-963-8.
  46. ^ CNN.com - Terri Schiavo's mom pleads: 'Give my child back' -. 29 de março de 2005.
  47. ^ Rev. Jesse Jackson Arrested During Anti-Gun Protest - CommonDreams.org
  48. ^ Jesse Jackson backs Obama for 2008 - Barack Obama News - MSNBC.com
  49. ^ "Jesse Jackson: Obama needs to bring more attention to Jena 6". CNN.com.  19 de setembro de 2007.
  50. ^ Jackson regrets vulgar Obama comment, Michael Calderone, Politico, 10 de julho de 2008
  51. ^ a b "Jackson apologizes for 'crude' Obama remarks". CNN.com., 9 de julho de 2008. http://www.cnn.com/2008/POLITICS/07/09/jesse.jackson.comment/index.html. Obtido em 10-07-2008.
  52. ^ Bai, Matt (2008-08-06). "Is Obama the End of Black Politics?". The New York Times. The New York Times Company. http://www.nytimes.com/2008/08/10/magazine/10politics-t.html?. Obtido em 21-11-2008.
  53. ^ Ao que se diz, Jesse Jackson também empregou o termo “negro”, cometendo assim uma gafe, sem perceber que estava sendo gravado.
  54. ^ "Jesse Jackson breaks down". CNN.com. 19 de setembro de 2007.
  55. ^ Our Campaigns - NY US President - RTL Convention Race - 23 de agosto de 1980.
  56. ^ Our Campaigns - US President - D Primaries Race - 20 de fevereiro de 1984.
  57. ^ Our Campaigns - US President - D Convention Race - 16 de julho de 1984.
  58. ^ Our Campaigns - US President - D Primaries Race - 1o. De fevereiro de 1988.
  59. ^ Our Campaigns - US President - D Convention Race - 18 de julho de 1988.
  60. ^ Our Campaigns - DC Shadow Senator Race - 6 de novembro de 1990.

Categorias: African American politicians | African American religious leaders | African Americans' rights activistsPresidential Medal of Freedom recipients | United States presidential candidates, 1984 | United States presidential candidates, 1988 | African American United States presidential candidates

Pesquisa de texto e tradução:

Carlos Eugênio Marcondes de Moura

Fontes pesquisadas:

Texto: "http://en.wikipedia.org/wiki/Jesse_Jackson"

Imagens: Google Imagens

Matéria publicada no Portal Geledés. Clique para ler a matéria na íntegra...

Comente e participe
iFOCUS Consultoria Joomla! Portal, site e template Joomla! Projeto e mídias sociais: Odemur Marangoni