quarta-feira, setembro 23, 2020

    Resultados da pesquisa por 'Igualdade Racial'

    A live do COB foi mediada pela jornalista e escritora Eliana Alves Cruz (YouTube/Time Brasil)

    Atletas brasileiros debatem sobre igualdade racial no esporte

    O COB (Comitê Olímpico do Brasil) veiculou pelas redes sociais, nesta quarta-feira (19), o 11º painel online e, desta vez, a temática foi a igualdade racial no esporte. O encontro reuniu Etiene Medeiros, da natação, Aline Silva, do wrestling, Ygor Coelho, do badminton, e o ex-lutador Diogo Silva, do taekwondo. A conversa foi mediada pela jornalista e escritora Eliana Alves Cruz e, além do racismo, abordou outros tipos de preconceitos. Etiene Medeiros comentou sobre a questão racial na natação (YouTube/Time Brasil) Etiene Medeiros e o preconceito “Só me descobri como mulher negra de uns três ou quatro anos para cá. A natação não é um esporte para negros, não só no Brasil, mas no mundo inteiro. Não é acessível no nosso país, não chega às periferias. O meu irmão (Jamison) é negro e a minha representatividade era ele. Quando mais novos, os únicos negros da nossa ...

    Leia mais

    Igualdade racial na pós-graduação

          Negras e negros correspondem a 24,8% das pessoas que acessam a pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado) no Brasil (PNAD), o que evidencia as dificuldades deste grupo para o acesso, a permanência e a conclusão dos processos escolares. A trajetória escolar de alunas e alunos negras demonstra que os sistemas de ensino têm contribuído para a reprodução das assimetrias raciais, o que na pós-graduação se expressa pela reduzida presença de corpos negros, bem como pela negação e depreciação de sua cultura e conhecimentos.  Frente a necessidade de ações que enfrentem o racismo e ampliem a diversidade racial na pós-graduação, ANIS e Geledés realizam uma proposta de orientação acadêmica voltada para o ingresso de estudantes negras e negros na pós-graduação stricto sensu, como forma de contribuir para a superação da desigualdade racial nas universidades.  O acompanhamento terá como objetivo promover a troca de saberes e experiências entre professoras ...

    Leia mais

    Dez anos do Estatuto da Igualdade Racial

    A Lei Federal 12.288/2010, que instituiu o Estatuto da Igualdade Racial, surgiu a partir de uma viagem que fizemos à África do Sul em 1989. O grupo era composto por mim, Benedita da Silva, Edimilson Valentin, Domingos Leonelli, Carlos Alberto Caó e João Herman. Éramos jovens deputados, ainda em primeiro mandato. Fomos até lá exigir a libertação de Nelson Mandela. A esposa de Mandela, Winnie, nos apresentou a Carta da Liberdade do Povo Sul-Africano contra o Apartheid, aprovada em Soweto, em 1955. O documento que tínhamos em mãos trazia esperança e novos tempos para a África e para o mundo: igualdade de direitos para brancos e negros, vida digna, trabalho justo, distribuição de renda. Tínhamos que enfrentar o debate do racismo e das discriminações no Brasil. Conversamos com o Movimento Negro e com a sociedade. Coube a mim apresentar o projeto de lei do Estatuto da Igualdade Racial. Foram duas ...

    Leia mais
    Imagem reproduzida do site gov.br

    Estatuto da Igualdade Racial chegou 122 anos após Lei Áurea ser assinada

    O Estatuto da Igualdade Racial completou dez anos em 20 de julho. O marco legal traz um conjunto de normas para ajudar gestores no combate à desigualdade racial. Nesta reportagem especial, o repórter André Ricardo conta um pouco da história da legislação contra o racismo e mostra algumas medidas previstas no estatuto. O conteúdo faz parte da campanha Racismo em Pauta, lançada pelo Senado para conscientizar e combater o racismo dentro e fora do Parlamento.

    Leia mais
    Reprodução/Facebook

    Assista: Comissão de Igualdade Racial recebe a Dra. Sueli Carneiro para celebrar seus 70 anos

    A Comissão de Igualdade Racial da OAB-SP, em parceria com as Comissões da Mulher Advogada, Advocacia Assalariada e Graduação, Pós-Graduação e Pesquisa, todas da OAB-SP, celebra vida e obra da Dra. Sueli Carneiro, que completou 70 anos em 2020, debatendo o impacto de suas obras para as ciências jurídicas num diálogo franco e sincero com a homenageada. Participe desta festa! A Comissão de Igualdade Racial da OAB-SP, em parceria com as Comissões da Mulher Advogada, Advocacia Assalariada e... Publicado por Comissão de Igualdade Racial - OAB SP em Quarta-feira, 15 de julho de 2020

    Leia mais
    (Getty Images/Reprodução)

    Desigualdade racial na educação brasileira: um Guia completo para entender e combater essa realidade

    Introdução De caráter estrutural e sistêmico, a desigualdade entre brancos e negros na sociedade brasileira é inquestionável e persiste com a fragilidade de políticas públicas para o seu enfrentamento. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), por exemplo, os negros representam 75,2% do grupo formado pelos 10% mais pobres do país. Se realmente queremos construir uma sociedade igualitária, é necessário compreender qual o papel que cada estrutura socioeconômica desempenha na reprodução do racismo, a fim de desenhar estratégias eficazes para o seu enfrentamento. Nesse cenário, o combate à desigualdade racial na educação é essencial, enquanto elemento indispensável para qualquer mudança, de modo que sem uma educação efetivamente antirracista não é possível pensar em uma sociedade igualitária. Ao longo deste especial, compilamos uma série de informações, dados e análises aqui do Observatório de Educação – Ensino Médio e Gestão para você compreender um pouco mais sobre a ...

    Leia mais
    REUTERS

    Protestos por George Floyd: em seis áreas, a desigualdade racial no Brasil e nos EUA

    A eclosão de manifestações nos Estados Unidos e no Brasil contra a violência que atinge os negros volta a lançar luz sobre a desigualdade e a representatividade racial nos dois países. A BBC News Brasil selecionou abaixo dezenas de indicadores oficiais em seis tópicos acerca da disparidade racial. Em resumo, em relação aos brancos, os negros brasileiros e americanos têm menos escolaridade, acesso à saúde e emprego. Morrem mais de covid-19 e em intervenções policiais. São sub-representados no sistema político e na indústria cultural. Os negros somam 55% da população brasileira e 12% da americana. Cada país adota sua própria metodologia para classificação racial ou étnica. No Brasil, ela é mais flexível e em torno da autodeclaração, sendo ligada a aspectos físicos e socioculturais, por exemplo. Negros é a soma de pretos e pardos. Nos EUA, a regra é mais rígida — baseada na ascendência — para se definir como ...

    Leia mais
    Crédito: iStockPhoto/TommL

    Pandemia de coronavírus deve piorar desigualdade racial no ensino médio

    A pandemia do novo coronavírus deve agravar um quadro já preocupante no ensino médio no Brasil: a desigualdade racial. Dados do Ministério da Saúde mostram que cresce o percentual de pretos e pardos entre internados e mortos por COVID-19. Além disso, um estudo na cidade de São Paulo concluiu que pretos têm 62% mais chance de morrer pela doença do que brancos. Ao mesmo tempo, a população negra tem, historicamente, mais dificuldades para permanecer na escola e concluir a educação básica, como mostram dados analisados pelo Observatório da Educação do Instituto Unibanco. A plataforma com 14 mil documentos, entre análises e curadoria de artigos, teses, dados estatísticos e eventos, além de produção audiovisual sobre ensino médio e gestão em educação pública, será fonte principal, a partir de hoje, de uma série de reportagens sobre o ensino médio no Brasil, realizada pelo Porvir em parceria com o Instituto Unibanco. Uma análise ...

    Leia mais
    Foto: ACNUR/Martim-Gray-Pereira

    Equidade e igualdade racial devem orientar ação dos Estados na resposta à COVID-19

    Especialistas em direitos humanos das Nações Unidas disseram em comunicado divulgado nesta segunda-feira (6) que a discriminação estrutural pode exacerbar a desigualdade no acesso a cuidados de saúde e tratamento para a COVID-19, levando a disparidades raciais nos resultados de saúde e aumento da mortalidade e morbidade entre afrodescendentes. Da ONU Foto: ACNUR/Martim-Gray-Pereira Um número desproporcional de pessoas de ascendência africana trabalha em indústrias de serviços, vive em comunidades densamente povoadas, enfrenta insegurança alimentar e falta d’água e muitas vezes não tem acesso a moradias seguras. Especialistas em direitos humanos da ONU fizeram um apelo urgente aos governos para se comprometerem com a equidade racial e a igualdade racial na prestação de serviços de saúde para todos durante a crise da COVID-19 ou arriscar uma taxa de mortalidade mais alta por causa da discriminação. O Grupo de Trabalho de Especialistas em Pessoas de Ascendência Africana disse em ...

    Leia mais
    Imagem retirada do site

    A juventude que fortalece a luta por igualdade racial

    O Brasil foi o último país do ocidente a libertar negros escravizados. A sanção da Lei Áurea aconteceu em 13 de maio de 1888 e jogou sobre a princesa Isabel o protagonismo de um processo que, na verdade, foi construído e conquistado por diferentes setores da sociedade. Um processo sobretudo popular. Pioneiro, o Ceará foi a primeira província do País a libertar a população negra que era explorada, castigada, subalternizada. A abolição no Estado aconteceu quatro anos antes do restante do Brasil, em 25 de março de 1884, marco histórico que em 2011 se tornou a Data Magna do Ceará, através de lei publicada no Diário Oficial do Estado. Mais que um feriado, uma data que não pode passar despercebida, momento para impulsionar reflexões e celebrar um grupo étnico que compõe a cearensidade e conta com a vivacidade de uma juventude que já não aceita narrativas engessadas e manuais de ...

    Leia mais
    Matilde Ribeiro

    Políticas de igualdade racial: refazendo o feito e o desfeito

    Estamos atônitos diante dos desfeitos e desmontes. Porém, temos de nos munir de energias para reavaliar os feitos e, se necessário, revê-los e refazê-los Por Matilde Ribeiro, do Teoria e Debate Matilde Ribeiro (Foto: Pedro Borges/Alma Preta) Em 2020, se finda a segunda década do século 21 e a sociedade ainda se posiciona com perplexidade e distanciamento diante de questões humanitárias, principalmente no diz respeito à população negra, em particular sobre a construção de agenda de igualdade racial. Conforta-nos (aos inconformados com a apatia, hipocrisia e desumanidade) que, mesmo diante de estruturas sociais e institucionais racistas, foram conquistados diversos direitos tardios. Deve-se considerar que a abolição de 1888 não aboliu. Isso promoveu um verdadeiro arrastão da situação de desigualdade e violência, atribuída historicamente a população negra. O racismo está vivo, após 122 anos da abolição da escravização, mesmo com incessantes vozes chamando por justiça racial. Nesse ...

    Leia mais

    ‘Luta por Justiça’ questiona a desigualdade racial na prisão

    Baseado em história real, longa conta a história de jovem advogado que defende pessoas que não tiveram representação legal apropriada Por Larissa Godoy e Matheus Alleoni, Do Terra Michael B. Jordan vive o advogado Bryan Stevenson e Jamie Foxx, o acusado, Walter McMillian (Foto: JAKE GILES NETTER/DIVULGAÇÃO/JC) Luta por Justiça é um dos melhores e mais tristes que você verá em sua vida. Baseado na autobiografia Just Mercy: A Story of Justice and Redemption, de Bryan Stevenson, o filme do cineasta Destin Daniel Cretton conta a história de um jovem advogado que compromete a sua vida a defender condenados que não tiveram representação legal apropriada. Recém-formado em Harvard, Bryan — vivido por Michael B. Jordan, muda-se para o Alabama, Estado norte-americano conhecido por ser altamente segregado e racista, e com o apoio da advogada local Eva Ansley, papel de Brie Larson, cria o Equal Justice Iniciative, ...

    Leia mais

    Christiane Silva Pinto é a criadora do AfroGooglers, comitê de igualdade racial do Google Brasil

    Nos acostumamos a pensar que o Google sabe tudo, mas, quando o assunto é diversidade, é Christiane Silva Pinto quem tem as respostas Por Gabriela Borges, da Trip Christiane Silva Pinto (Foto: Alex Batista) Quando criança, Christiane Silva Pinto sonhava em ser engenheira aeronáutica ou astrônoma. Mal sabia ela que esses planos não dariam certo, mas que a vida a levaria a ser responsável por grandes transformações dentro de uma das maiores empresas de tecnologia do mundo. Em 2014, quando tinha apenas 23 anos, ela criou o AfroGooglers, comitê de igualdade racial do Google Brasil. O trabalho que começou a desenvolver ali aumentou o número de pessoas negras que trabalham na empresa no país. Hoje, aos 28, no posto de gerente de marketing, é uma das principais vozes do mundo corporativo brasileiro na luta por igualdade racial. “Chris é uma dessas garotas fora da curva, com ...

    Leia mais

    Prêmio homenageia sete personalidades que se destacam na luta por igualdade racial

    Evento será realizado no próximo dia 14 de novembro como parte do Mês da Consciência Negra Por Ana Cristina Sampaio e Joanna de Ângelis, Da Agência Alagoas Homenageados da solenidade do Tia Marcelina 2018 (Foto: Letícia Sobreira) Sete personalidades serão agraciadas este ano com o Prêmio Tia Marcelina, uma homenagem à ex-escrava de origem africana, descendente do Quilombo dos Palmares e matriarca do Candomblé em Alagoas. O evento acontecerá no próximo dia 14, no Jatiúca Hotel & Resort, em Maceió, a partir das 18h30. O Prêmio Tia Marcelina é uma iniciativa do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh), em parceria com o Conselho de Promoção da Igualdade Racial de Alagoas (CONEPIR). Foi criado em 2016 pelo governador Renan Filho para reconhecer e agraciar pessoas e entidades que atuam na luta pela igualdade racial e trabalham para ...

    Leia mais
    Jadson Oliveira de Jesus, 21, estuda engenharia do Insper; bolsista, ele afirma que a ênfase de sua mãe em sua educação desde a primeira infância o ajudou a superar barreiras impostas a meninos pretos, mas que além disso precisou de sorte - Bruno Santos/Folhapress

    Desigualdade racial transparece em notas de meninos negros, mostra pesquisa

    Aumento da renda tem impacto menor no desempenho do grupo, diz estudo Por Érica Fraga, da Folha da S.Paulo A enorme desvantagem educacional de meninos pretos que vivem em São Paulo em relação a garotos brancos da mesma faixa etária é ainda maior se ambos pertencerem a famílias de nível socioeconômico mais elevado. Isso significa que, embora a renda dos pais tenha grande impacto sobre o desempenho escolar das crianças no Brasil, parte desse poder de alavanca é perdida dependendo da combinação entre gênero e cor da pele do aluno. A conclusão —reforçada por outros dados— é de um estudo inédito da Fundação Tide Setubal, com foco nas notas de alunos do 5º ano do ensino fundamental em língua portuguesa, na rede pública da capital paulistana, que será divulgado nesta semana. A análise da intersecção entre renda, cor e sexo dos alunos mostra que há um padrão de desempenho escolar ...

    Leia mais
    Centro de Diabetes e Endocrinologia do Estado da Bahia (Cedeba)r (Foto: Elói Corrêa/GOVBr)

    Desigualdade racial no Brasil se expressa também no acesso à saúde

    Política pública de 2009 para combate à discriminação no setor ainda carece de adesão da maioria dos municípios Mayara Paixão, do Brasil de Fato Dez anos após implementação da Política Nacional de Saúde da População Negra, somente 57 municípios do país a implantaram - Créditos: Elói Corrêa/GOVBA Dez anos após implementação da Política Nacional de Saúde da População Negra, somente 57 municípios do país a implantaram / Elói Corrêa/GOVBA A data de 27 de outubro marca o Dia Nacional de Mobilização Pró-Saúde da População Negra. A ocasião propõe refletir e agir sobre as desigualdades raciais existentes no sistema de saúde brasileiro. Dados do Ministério da Saúde mostram que negras e negros, maior parcela da população, são os mais afetados por doenças como a anemia falciforme, hipertensão arterial e diabetes mellitus tipo 2. Neste último caso, a incidência da doença em homens negros é 9% maior do ...

    Leia mais
    Peter Aprahamian/ iStock.

    MPT e agências fazem pacto pela igualdade racial

    No próximo dia 23 de setembro, em São Paulo, o Ministério Público do Trabalho, juntamente com líderes de algumas das maiores agências do Brasil, vão formalizar um pacto para a maior inclusão de profissionais negros no mercado publicitário. Do Promoview Foto: Peter Aprahamian/ iStock. Mais do que isso, a solenidade marca o comprometimento das empresas do segmento com a valorização de diversas iniciativas em um pacto pela igualdade racial. O documento já foi assinado por Africa, Artplan, BETC, DPZ&T, F/Nazca, FCB, JWT, Leo Burnett Tailor Made, Mutato, Ogilvy, Publicis, SunsetDDB, Talent Marcel, Tribal, WMcCann e Y&R. Desde o primeiro semestre de 2019, o Ministério Público do Trabalho tem convocado os profissionais dos departamentos de RH e diversidade das agências para reuniões mensais em sua sede, em São Paulo, para debater o assunto. Mais recentemente, as principais lideranças das empresas foram chamadas para ajudar na construção e ...

    Leia mais

    Exposição de pinturas retrata preconceito, diversidade e igualdade racial em Piracicaba

    Visitação fica aberta até o fim de julho, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h. Entrada é gratuita. Por G1 Piracicaba e Região Exposição Zumbi reúne 15 peças em Piracicaba — Foto: Comunicação/Águas do Mirante A exposição "Zumbi" está com visitação aberta no átrio da Prefeitura de Piracicaba (SP). O público pode acompanhar uma seleção de 15 obras que abordam preconceito, diversidade e igualdade racial. A mostra vai até 31 de julho e a entrada é gratuita. A visitação pode ser feita de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h. Segundo a organização, o objetivo é promover o incentivo e exercício da arte e a reflexão sobre a importância do povo e da cultura africana no Brasil. Os trabalhos foram desenvolvidos pelos colaboradores da Aegea, que administra a concessionária dos serviços de esgoto em Piracicaba, e por integrantes da Casa do Hip Hop, do Núcleo ...

    Leia mais
    Elza Lopes falou que departamento discute projeto para cota raciais no serviço público — Foto: Reprodução

    Departamento de igualdade racial defende cotas para negros no serviço público em Rio Branco

    Proposta foi divulgada no bate-papo do G1 Acre desta sexta-feira (12). Departamento de Promoção da Igualdade Racial também divulgou programação da 7ª Quinzena da Mulher Negra. Do G1 O Departamento de Promoção da Igualdade Racial quer discutir com a Câmara de Vereadores de Rio Branco uma forma de inserir cota racial para o serviço público na capital acreana. Durante o bate papo do G1 Acre, nesta sexta-feira (12), a chefe do departamento, Elza Lopes, falou sobre a proposta desenvolvida e as dificuldades em apresentar projetos sobre as mulheres negras. Através da assessoria, a Câmara informou que ainda não houve uma reunião para tratar o assunto. Na oportunidade, Elza falou ainda sobre a programação da 7ª edição da Quinzena da Mulher Negra, que começa nesta segunda-feira (15) já com uma audiência pública sobre violência doméstica. O evento é em alusão ao dia 25 de julho, que é o Dia Internacional da ...

    Leia mais
    Ornamentada. Com acessórios típicos, Cris Pantoja toca samba raíz, coco carimbó e músicas de rituais indígenas Foto- Fábio Guimarães : Agência O Globo

    DJs indígenas militam em favor de igualdade racial e de gênero

    Cris Pantoja e Renata Machado caíram na profissão de paraquedas e hoje fazem voos altos em busca da desconstrução de preconceitos contra suas origens por Priscilla Aguiar Litwak no O Globo Ornamentada. Com acessórios típicos, Cris Pantoja toca samba raíz, coco carimbó e músicas de rituais indígenas Foto- Fábio Guimarães : Agência O Globo Elas são mulheres, mães, indígenas e utilizam a música popular brasileira para militar sobre suas raízes. Niteroienses, Cris Pantoja, de 36 anos, e Renata Machado, a Aratykyra, de 29, não se conhecem pessoalmente, mas têm muito em comum. Tornaram-se DJs por acaso e hoje chamam a atenção não só pelo talento, mas pelo ativismo contra preconceitos e esteriótipos acerca da cultura indígena . Da etnia Sateré-mawé, a mãe de Cris morava numa comunidade ribeirinha, na Amazônia, no Pará, e veio a Niterói em busca de uma vida melhor. Cris conta que cresceu ...

    Leia mais
    Página 1 de 289 1 2 289

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist