segunda-feira, julho 6, 2020

    Resultados da pesquisa por 'Luana Barbosa dos Reis'

    Governo do Estado de São Paulo: Justiça para Luana Barbosa dos Reis, mulher negra lésbica morta pela PM

    Por que isto é importante Por Paulo Cesar Pereira Do Avaaz Luana Barbosa dos Reis saía de casa no dia 09 abril de 2016, por volta das 19h, para levar o filho de 14 anos a um curso de informática, quando foi abordada por três policiais militares, e brutalmente espancada na frente do próprio filho. Foi levada para o 1° Distrito Policial de Ribeirão Preto, onde foi registrado um termo circunstanciado. Quando liberada, familiares registraram em vídeo a situação de Luana, suja, cheia de hematomas, com a fala enrolada e quase inconsciente. Internada na Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas, veio a falecer no dia 13, sofrera uma isquemia cerebral aguda causada por politraumatismo crânio-encefálico. A família doou seus órgãos. Em entrevista ao Portal G1 o tenente coronel da PM, Francisco Mango Neto afirmou que Luana se mostrou exaltada, e que o uso da força foi necessário para contê-la. Oras, que perigo representa uma mulher desarmada diante de ...

    Leia mais

    Do luto à luta: não esqueceremos Luana Barbosa dos Reis, morta por PMs em Ribeirão Preto

    LUANA  DOS REIS, PRESENTE ! Hoje completa 6 dias desde a  morte de Luana Barbosa dos Reis. Ela, mulher lésbica-mãe-preta-periférica, de Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Seis dias que sua vida foi roubada por polícias militares da cidade de Ribeirão Preto.  Sete dias que a dor e a indignação em busca de justiça se somaram, tornando combustível de luta para que  morte de Luana não caia no  esquecimento. Há sete dias que começou a ser trilhado o caminho em busca de aliados & reparação à família, em busca de investigação, punição para os assassinos. Por Jész Ipólito Do Racismo Ambiental Não há outra palavra a ser usada que não ASSASSINOS! Polícias militares abordaram Luana na rua, no caminho para levar o filho à um curso, no início da noite. Tudo que eles precisaram foi de uma recusa da parte dela em não permitir que fosse revistada por HOMENS. Vejam, Luana não era HOMEM e sabia do seu ...

    Leia mais

    Mãe, negra e periférica: assassinato de Luana Barbosa permanece impune após três anos

    Luana Barbosa foi morta depois de ter sido espancada por PMs em Ribeirão Preto (SP) Do Brasil de Fato A mãe de Luana, Eurípides Barbosa, relata o racismo sofrido pela família ao longo das gerações (Foto: Divulgação) Após três anos do assassinato de Luana Barbosa, o caso ainda corre judicialmente sem a efetiva responsabilização dos agressores. Negra, lésbica, mãe e periférica, Luana foi morta aos 34 anos por lesões cerebrais provocadas por três policiais militares que a espancaram na esquina de sua casa, no bairro Jardim Paiva II, zona Norte de Ribeirão Preto (SP). As agressões ocorreram após Luana recusar ser revistada pelos soldados do 51º Batalhão da PM, exigindo uma presença policial feminina. Ela foi encaminhada a Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas (HC-UE), mas morreu cinco dias depois da violência. O laudo do Instituto Médico Legal (IML) anexado ao inquérito à época confirma a morte por isquemia cerebral em decorrência de espancamento. Luana havia saído com a ...

    Leia mais
    Luana Barbosa dos Reis morreu após abordagem da PM em Ribeirão Preto (Foto: Reprodução/EPTV)

    Irmã de Luana Barbosa alega racismo e homofobia, e pede ‘júri popular’ a PMs

    Testemunhas foram ouvidas na 1ª audiência do caso, marcada por manifestação na porta do Fórum. Defesas nega agressão e pedem julgamento de policiais por lesão corporal seguida de morte. Do G1 Luana Barbosa dos Reis morreu após abordagem da PM em Ribeirão Preto (Foto: Reprodução/EPTV) A primeira audiência de instrução sobre a morte de Luana Barbosa dos Reis, após uma abordagem policial em Ribeirão Preto (SP), foi marcada por protestos de movimentos negros e LGBT, na tarde desta quarta-feira (18). O caso ganhou repercussão depois que a ONU Mulheres e o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH) afirmaram se tratar de "caso emblemático da prevalência e gravidade da violência racista, de gênero e lesbofóbica no Brasil." Segurando cartazes e gritando palavras de ordem, como “Luana, presente”, os manifestantes ficaram em frente à entrada principal do Fórum, por onde passaram os familiares de Luana ...

    Leia mais

    Polícia conclui que morte de Luana Barbosa foi causada por agressões

    Negra, lésbica e periférica, a mulher foi morta após um espancamento cometido por policiais militares em 2016, em Ribeirão Preto (SP) por Tatiana Merlino, da Carta Capital  Negra, lésbica e periférica, Luana morreu após ser espancada por três policiais. (Arquivo Pessoal) A Polícia Civil de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, finalizou o inquérito policial que investigava a morte de Luana Barbosa dos Reis, ocorrida em 13 de abril de 2016. A conclusão foi de que houve lesão corporal seguida de morte. O inquérito foi encaminhado ao Poder Judiciário no dia 5 de abril, informou a Secretaria de Segurança Pública, por meio de nota. Agora, cabe ao Ministério Público denunciar ou não os policiais Douglas Luiz de Paula, Fábio Donizeti Pultz e André Donizeti Camilo, do 51º Batalhão da PM. "É uma boa notícia, mas acho que ela chega com muito atraso”, afirma Daniel Rondi, advogado da família. "Minha preocupação é que com ...

    Leia mais

    Declaração Feminista Negra dos EUA sobre o assassinato de Marielle

    Manifestantes acendem luzes em protesto contra o assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes, na Cinelândia – Rio de Janeiro. (Reprodução/Folha de S.Paulo) Do  #AgoraÉQueSãoElas “Aquelas de nós que estão fora do círculo da sociedade que define mulheres aceitáveis; aquelas de nós que foram forjadas no calvário da diferença – aquelas de nós que são pobres, que são lésbicas, que são negras, que são mais velhas – sabem que a sobrevivência não é uma habilidade acadêmica. É aprender a estar sozinha, impopular e às vezes insultada, e como construir uma causa comum com os outros identificados como fora das estruturas, a fim de definir e buscar um mundo no qual possamos todos florescer. É aprender a pegar nossas diferenças e transformá-las em força. Pois as ferramentas do Senhor da casa grande nunca desmantelarão a casa grande. Eles podem nos permitir vencê-lo temporariamente em seu próprio jogo, mas nunca nos permitirão realizar ...

    Leia mais

    Lesbocídio! Projeto junta dados de violência contra lésbicas no Brasil.

    Em abril de 2016, Luana Barbosa dos Reis – uma mulher lésbica, negra, mãe e periférica – morreu após ser espancada por três policiais militares na frente do filho de 14 anos em Ribeirão Preto (SP). Do Sapatomica A repercussão deste caso de lesbocídio, vinculado ao fato de não existir informações específicas sobre violência contra lésbicas no Brasil, fez com que a estudante de Serviço Social pela UERJ, Milena Carneiro, decidisse criar um projeto para reunir histórias e dados desses crimes. “Eu, enquanto lésbica não feminilizada, sofro agressões por ser lésbica desde que me entendo por gente. Ver o assassinato da Luana me instigou a refletir sobre onde estavam os outros casos”, afirmou a estudante ao Catraca Livre. As lésbicas são vítimas de violências diárias, como estupro corretivo e feminicídio. Entre 2012 e 2014, estima-se que cerca de 9% das vítimas de estupro que procuraram o Disque 100 — serviço ...

    Leia mais

    Projeto reúne dados de violência contra lésbicas no Brasil

    'As lésbicas são invisibilizadas em vida e em morte', diz Milena Carneiro, idealizadora do 'Lesbocídio' Por Heloisa Aun, da Catraca Livre  Em abril de 2016, Luana Barbosa dos Reis – uma mulher lésbica, negra, mãe e periférica – morreu após ser espancada por três policiais militares na frente do filho de 14 anos em Ribeirão Preto (SP). A repercussão deste caso de lesbocídio, vinculado ao fato de não existir informações específicas sobre violência contra lésbicas no Brasil, fez com que a estudante de Serviço Social pela UERJ, Milena Carneiro, decidisse criar um projeto para reunir histórias e dados desses crimes. "Eu, enquanto lésbica não feminilizada, sofro agressões por ser lésbica desde que me entendo por gente. Ver o assassinato da Luana me instigou a refletir sobre onde estavam os outros casos", afirma a estudante ao Catraca Livre. As lésbicas são vítimas de violências diárias, como estupro corretivo e feminicídio. Entre 2012 e 2014, estima-se que cerca de 9% das vítimas de ...

    Leia mais

    Oito de Março para Luana e Veronica

    As mulheres negras elegeram o 25 de Julho; e as mulheres e homens trans, o 29 de Janeiro. No entanto, neste “Mês da Mulher”, vale refletir sobre estes dois casos emblemáticos Por Carmela Zigoni Do Outras Palavras Luana Barbosa dos Reis e Veronica Bolina não foram esquecidas. No entanto, a invisibilidade social que cerca a morte da primeira e a prisão da segunda fazem parte da lesbofobia e transfobia — determinantes, ao lado do racismo, das relações em nossa sociedade. A múltipla violação de direitos humanos pelas quais elas passaram são tijolos a mais na construção de uma sociedade racista e machista que cala diante de tamanha violência. O silêncio é quase generalizado, seja na imprensa de massa, seja nos próprios veículos alternativos de mídia, com poucas e exceções. Cabe aos movimentos LGBTI, ao lado de familiares e amigos, buscar manter a vivas suas histórias. Nesta semana do Dia Internacional das ...

    Leia mais

    Justiça Militar arquiva caso de Luana dos Reis

    MP diz que não há materialidade do crime; caso será levado à Justiça comum. Luana dos Reis foi agredida ao exigir que uma policial a revistasse, diz família. Do G1 A Justiça Militar do Estado de São Paulo (JMSP) arquivou a investigação contra três policiais militares suspeitos de agredir Luana Barbosa dos Reis, de 34 anos, durante uma abordagem em Ribeirão Preto (SP). Ela morreu cinco dias depois da ação, devido a isquemia cerebral e traumatismo craniano em decorrência de espancamento. A família alega que Luana foi agredida após negar que policiais do sexo masculino a revistassem. A irmã dela, a professora Roseli Barbosa dos Reis, acusa os policiais de racismo e homofobia, uma vez que a vítima era negra e lésbica. A ONU Mulheres e o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH) pediram "investigação imparcial", afirmando que a morte de Luana é um "caso emblemático da ...

    Leia mais

    Mulheres negras pedem justiça para Luana Reis, morta após ser espancada por PMs

    Manifestantes ocuparam uma via da avenida Paulista, na capital paulista, em protesto contra a violência sofrida por Luana Barbosa dos Reis, que faleceu em consequência de isquemia cerebral dias depois de ser agredida por policiais militares em Ribeirão Preto (SP) Por Alê Alves (texto), especial para a Ponte Jornalismo e Daniel Arroyo (fotos e vídeo) Na última terça (03/05), um grupo composto majoritariamente por mulheres negras protestaram em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), na avenida Paulista, em São Paulo, contra a morte de Luana Barbosa dos Reis, de 34 anos, por uma isquemia cerebral dias após ser espancada por três policiais militares na periferia de Ribeirão Preto, interior paulista. Organizado por alguns coletivos dos movimentos negro, feminista e LGBT, o protesto durou cerca de duas horas. Com faixas e cartazes com inscrições “Luana, presente”, “Deixem-nos viver” e “Mulheres negras em marcha contra o racismo, machismo e genocídio”, ...

    Leia mais

    OAB pede afastamento de policiais acusados de espancar e matar Luana Reis

    Solicitação foi feita à Corregedoria da PM-SP. “Fizemos isso para que eles não influenciem nas investigações e para a própria família se sentir mais segura”, explica coordenador da entidade Por Alê Alves, no Ponte A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) solicitou, na quarta-feira (04/05), o afastamento de Douglas Luiz de Paula, Fábio Donizeti Pultz e André Donizeti Camilo, os três policiais militares acusados de espancar Luana Barbosa dos Reis na noite de 8 de abril, no bairro Jardim Paiva II, em Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Cinco dias após permanecer internada, Luana morreu em decorrência de uma isquemia cerebral e traumatismo cranio-encefálico.   Segundo o coordenador da Comissão do Negro e Assuntos Antidiscriminatórios da OAB, Eduardo Martins, o pedido feito na Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo se baseia em decreto estadual que autoriza o afastamento de policiais e sua destinação a outras atividades até o fim das investigações. “Fizemos ...

    Leia mais

    A história de Luana e o genocídio da população negra no Brasil

    "Mas tinha ficha criminal" "Deus quis assim, virou anjinho" "Bandido bom é bandido morto" Por Stephanie Ribeiro Do Brasil Post Quando um negro morre no Brasil, essas três frases são usadas de forma constante como as melhores respostas para fazer do genocídio sistêmico da população negra um eufemismo. Foto: Arquivo Pessoal Então, precisamos falar sobre Luana. Luana Barbosa dos Reis era uma mulher negra, periférica, lésbica e mãe. Ela morreu após ser tratada de forma brutal e covarde pela polícia militar de Ribeirão Preto (SP). Luana foi abordada pela polícia (algo rotineiro para qualquer negro em face à segurança pública despreparada, racista, sádica e corrupta). Não acreditaram que ela era uma mulher. Ela foi revistada de maneira invasiva, truculenta e ilegal. O seu golpe de defesa, justificado pelo abuso de poder, serviu de desculpa para um espancamento. Luana foi espancada na rua, na frente de seu filho ...

    Leia mais

    Luana Interrompida: no caminho da vida o racismo e a lesbofobia

    “Não serei livre enquanto outra mulher for prisioneira, mesmo que as correntes dela sejam diferentes das minhas” Audre Lorde Por Emanuelle Goes Do População negra e Saude Luana ceifada, Luana exterminada, Luana assassinada, causa básica da morte: racismo e lesbofobia, Luana transgrediu a sociedade brasileira porque queria ser inteira, queria ser só ela, amar outras mulheres iguais a ela, mas ela não estava autorizada a tamanha façanha, o estado brasileiro não autoriza, os lesbofobicos não autorizam, os misóginos não autorizam, os racistas não autorizam, então a policia executa. Para situar a historia no dia 9 de abril de 2016, Luana Barbosa dos Reis, mulher lésbica-mãe-preta-periférica, do interior de São Paulo, foi abordada por três policiais militares e espancada na frente do próprio filho de 14 anos. Internada na Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas, faleceu quatro dia depois, não resistindo aos ferimentos, sofreu uma isquemia cerebral aguda causada por politraumatismo ...

    Leia mais

    Feministas apoiam Dilma: “Os avanços não podem ser interrompidos”

    Semana passada, Luana Tolentino, aflita, mandou um torpedo: “O que acha de as feministas fazerem um manifesto de apoio à reeleição de Dilma?”. por Conceição Lemes Em seguida, outro: “A gente tem de lutar pra que os avanços na vida de milhões de brasileiros e brasileiras, iniciados com Lula, continuem!”. No terceiro, ela mesma já havia decidido encarar o desafio: “Avançar mais é preciso!” Os leitores do Viomundo já conhecem Luana, através de vários de seus textos que publicamos, como este e este. Luana já foi empregada doméstica. Certa vez a patroa deixou-lhe apenas pão mofado para o café. Mas ela batalhou e virou o jogo.  Hoje Luana é professora, historiadora, ativista dos movimentos Negro e Feminista. Luana enviou um e-mail para cerca de 40 feministas no intuito de que, juntas, construíssem o documento.  De início, apenas três responderam positivamente: Ana Pimentel, Maria Katiana e Tica Moreno. “O texto do documento foi elaborado de maneira coletiva, a muitas mãos (risos). Em alusão ao número do ...

    Leia mais
    Mapeando o Axe

    Mapeando o Axé – Pesquisa registrou quatro mil terreiros localizados em quatro das 26 capitais do país

      Com o objetivo de conhecer a realidade dos terreiros, um mapeamento foi realizado através de uma parceria entre o Ministério da Cultura, por meio da Fundação Cultural Palmares (FCP), e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) foram parceiros do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no trabalho de Mapeamento das Comunidades Tradicionais de Terreiro, nas capitais e regiões metropolitanas dos estados de Minas Gerais, Pará, Pernambuco e Rio Grande do Sul. Os resultados da pesquisa apontaram que 4.045 terreiros de religiões de matriz africana estão situados nas quatro capitais (Porto Alegre, Recife, Belém e Belo Horizonte) dos estados pesquisados. O intuito desse mapeamento é saber, por exemplo, quem são, onde estão situados, quais são as principais atividades, como se encontra a situação fundiária, a infraestrutura e os ...

    Leia mais
    20110512150625

    Lista dos Aprovados no CuiabaVest 25/05/2010

          LISTA DOS APROVADOS CUIABAVEST 25/05/2010 Atenção Alunos aprovados no teste seletivo do Cuiabá Vest. Início das aulas: Dia 12/04/10 As matrículas serão feitas nos pólos a partir do primeiro dia de aula. Documentos para Matrícula: - Cópia do RG; - Cópia do CPF; - Cópia do Comprovante de Endereço; - Cópia do Documento de Conclusão do Ensino Médio; - Comprovante de inscrição.     NOME e PÓLO ONDE VAI ESTUDAR ADEMILSON DE MAGALHAES ARRUDA CENTRO II - NOTURNO - Capela Santa Rita ADILSON RIBEIRO DE SILVA PEDREGAL - NOTURNO - Escola Delmira de Figueiredo ADNILSON SILVA GONÇALVES PEDREGAL - NOTURNO - Escola Delmira de Figueiredo ADOLAR ADAMS FILHO PEDREGAL - NOTURNO - Escola Delmira de Figueiredo ADRIANA ARAÚJO GOMES FUNEC- NOTURNO - Rua Pedro Celestino 26 - sobre o banco Santande ADRIANA BARBOSA DOS SANTOS COXIPÓ - NOTURNO - Regional Sul - seleção de 22/03/10 ADRIANA GONÇALVES ...

    Leia mais
    Marielle Franco, assassinada aos 38 anos, tinha uma risada alta e compartilhava a liderança com a equipe (Foto: Márcia Foletto / Agência O Globo)

    On the Imperative of Transnational Solidarity: A U.S. Black Feminist Statement on the Assassination of Marielle Franco

    “Those of us who stand outside the circle of this society’s definition of acceptable women; those of us who have been forged in the crucibles of difference—those of us who are poor, who are lesbians, who are Black, who are older—know that survival is not an academic skill. It is learning how to stand alone, unpopular and sometimes reviled, and how to make common cause with those others identified as outside the structures in order to define and seek a world in which we can all flourish. It is learning how to take our differences and make them strengths. For the master’s tools will never dismantle the master’s house. They may allow us temporarily to beat him at his own game, but they will never enable us to bring about genuine change. And this fact is only threatening to those women who still define the master’s house as their only source ...

    Leia mais

    Orçamento para combate à homofobia é zero em 2017; Brasil lidera assassinato de LGBTs

    País também é o que mais mata travestis e transexuais no mundo; governo diz que vai fazer campanhas publicitárias Por Juliana Gonçalves, do Brasil de Fato   Último relatório do Grupo Gay da Bahia constatou que uma pessoa LGBT morre a cada 25 horas no Brasil / Elza Fiuza/ Agência Brasil Negra, pobre e lésbica, Luana Barbosa dos Reis morreu depois de ser agredida por polícias em SP, em 2016. No mesmo ano, o adolescente Itaberlly Lozano foi assassinado pela própria mãe, Tatiana Lozano Pereira por ser gay. Em dezembro, o vendedor Luis Carlos Ruas, foi espancado até a morte ao tentar defender uma travesti de uma agressão. Em março de 2017, o caso da travesti Dandara dos Santos, torturada e morta em Fortaleza (CE), causou revolta após a publicação de um vídeo nas redes sociais com cenas do crime. Esse são apenas alguns dos casos mais recentes que revelam o poder ...

    Leia mais

    Mais da metade das mulheres mortas pelas polícias entre 2005 e 2015 eram negras

    Agência Patrícia Galvão compila dados de violência contra as mulheres negras revelando o racismo patriarcal e estrutural por Luciana Araújo no Agência Patrícia Galvão Duas pesquisas divulgadas em junho evidenciam o peso do racismo patriarcal, institucional e estrutural na dinâmica da violência que atinge as mulheres negras no Brasil. O 3 de julho marca no Brasil o Dia Nacional de Combate à Discriminação Racial. Importante nesta data destacar que as 49 milhões de pretas e pardas que vivem no país, segundo dados do Censo 2010 do IBGE, têm estado historicamente sobrerrepresentadas em todos os índices de violações a direitos. Nessa mesma direção, os dados da pesquisa Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, realizada pelo DataSenado entre 29 de março e 11 de abril, com a participação de  1.116 entrevistadas por telefone, ressaltam como o racismo potencializa e torna ainda mais cruel as violências contra negras frente àquelas praticadas contra mulheres não negras. Já o Atlas ...

    Leia mais
    Página 1 de 3 1 2 3

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist