quarta-feira, setembro 23, 2020

    Resultados da pesquisa por 'feministas'

    ONU lembra lutas antirracistas e feministas no Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha

    Esse encontro ficou marcado na história e foi reconhecido pela ONU como o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e da Diáspora, celebrado em 25 de julho. Passados 28 anos dessa reunião, e também no contexto do 5º aniversário da Década Internacional dos Afrodescendentes, é preciso relembrar a história de luta e conquistas dessas mulheres, mas também jogar luz nos desafios que elas enfrentam até hoje como resultado de séculos de discriminação, opressão e desigualdade social. “Precisamos afirmar ao mundo que é urgente e necessária uma nova ordem”, diz Valdecir Nascimento, do Instituto Odara da Mulher Negra, em Salvador (BA). “Ninguém acredita que as mulheres negras podem pensar em uma estratégia de transformação do mundo, pois as pessoas continuam com uma narrativa e um imaginário da negra como coitada, como alguém sem instrução.” “Essa é uma lógica de negação que não cabe mais, e o nosso desafio é ...

    Leia mais
    Arte: @designativista

    Maratona online promove edição de verbetes sobre artistas e feministas negras na Wikipédia

    Com eventos bimestrais, a maratona Edit -a - thon Artes + Feminismos tem o objetivo de aumentar a presença  feminina na Wikipédia, seja nos verbetes ou na edição da ferramenta.  O próximo encontro acontece neste sábado e domingo (18 e 19 de julho), a partir das 14h, em formato online. Gratuito e aberto ao público, o evento de dois dias será realizado na plataforma Zoom. (Veja abaixo as instruções de como participar). A maratona é uma realização da coletiva de pesquisa curatorial  NaPupila, em parceria com o Instituto Moreira Salles e o Wiki Movimento Brasil. A edição deste mês será voltada para a criação e revisão de verbetes sobre o trabalho de artistas e feministas negras, tendo em vista uma perspectiva decolonial. A maratona dialoga com as celebrações do Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra, comemorado em 25/7. No Brasil, a população negra corresponde a mais de 50% dos 209,5 milhões de habitantes ...

    Leia mais
    Imafem teriradao do site GSHOW

    BBB20: feministas liberais, monstrualização de corpos negros e hierarquização identitária na mídia de massa

    Muito foi falado sobre as ações e comentários racistas voltados ao ator Alexandre da Silva Santana (vulgo Babu Santana), homem negro e favelado, na 20ª edição do reality show Big Brother Brasil (BBB20) realizado pela Rede Globo. Tais falas e atitudes tiveram como protagonistas Marcela Mc Gowan, participante do programa autodeclarada feminista e assim qualificada pela mídia, e suas melhores amigas no reality, Gizelly Bicalho e Ivy Moares -- todas mulheres brancas associadas, sobretudo no começo do programa, com discursos pelo fim da opressão contra mulheres e em prol dos chamados empoderamento e liberdade femininas.   O tema e as análises a seu respeito chamaram nossa atenção por mobilizarem questões que, ao nosso ver, merecem ser ainda mais verticalizadas (o que nos propomos a fazer aqui), considerando: 1) a relação entre Big Brother Brasil, um produto midiático de massa, e a realidade de seus participantes, realizadores e espectadores; 2) a porosidade ...

    Leia mais
    Integrantes da Viradouro durante o desfile na Sapucaí.(Foto: RICARDO MORAES / REUTERS)

    Viradouro homenageia “primeiras feministas do Brasil” e é campeã do Carnaval 2020 no Rio

    Com o enredo ‘De Alma Lavada’, escola de samba homenageou As Ganhadeiras de Itapuã, histórico grupo musical de mulheres na Bahia que trabalhavam para comprar alforrias no século XIX Por JOANA OLIVEIRA, do El País Integrantes da Viradouro durante o desfile na Sapucaí.RICARDO MORAES / REUTERS (REUTERS) Ao levar a Bahia ao Sambódromo do Rio de Janeiro, a Unidos do Viradouro consagrou-se, nesta quarta-feira, campeã do Carnaval carioca. Assinado pelo casal de carnavalescos Tarcísio Zanon e Marcus Ferreira, o enredo De Alma Lavada homenageou o grupo musical baiano As Ganhadeiras de Itapuã, que faz samba de roda, para abordar o protagonismo feminino na história brasileira. A Vermelho e Branco de Niterói, como é conhecida a Viradouro, volta a levar o título depois de 23 anos —no ano passado, foi vice-campeã com um enredo sobre histórias encantadas—. A escola deixou para trás a Grande Rio, em segundo ...

    Leia mais
    (FOTO: MÁRIO VASCONCELLOS/CMRJ)

    Instituto Marielle Franco anuncia concurso de ensaios feministas

    O Instituto Marielle Franco divulgou, na terça-feira 21, o futuro lançamento de edital para a publicação de um ensaio feminista inédito escrito por mulheres. Nomeada de “Concurso Marielle Franco de Ensaios Feministas”, a iniciativa é realizada pela Editora Contracorrente, parceira do Instituto no concurso. De acordo com o divulgado, a premiação tem o objetivo de “fortalecer o pensamento feminista e defender a memória e a luta de Marielle” por meio da seleção de ensaios sobre aspectos variados do feminismo, que devem ser escritos por mulheres cis e trans. O edital receberá candidaturas entre os dias 14 de março e 14 de julho, e o processo será feito no site do Instituto, onde é possível se inscrever para receber informações sobre o concurso. A premiação será feita no dia 14 de agosto. A data inicial de recebimento dos trabalhos, inclusive, marca os dois anos do assassinato da vereadora do PSOL e ...

    Leia mais

    A astuta reprodução do discurso patriarcal nos meios feministas

    É assustador como o feminismo midiático se conforma com migalhas. Como, de alguma forma, a exaltação de corpos negros em situações exclusivamente de hiperssexualização, por exemplo, tem sido vista como uma vitória e que pronto, não precisamos mais de debate. Isso é uma ofensa ao real intento do movimento, para dizer pouco. É mais do que isso, é um desserviço, pois só reforça a ideia de que "tá no sangue", de que ser uma mulher devassa e animalesca sexualmente é algo intrínseco à mulher negra. Isso é tudo menos um elogio. Por Letícia Castor Moura, enviado para o Portal Geledés  Mulheres se comparando umas às outras, buscando superioridade e notoriedade sobre suas irmãs, o que já é ruim o suficiente, baseadas no critério do quanto elas estão agradando o “seu” homem sexualmente. Precisamos redirecionar o nosso foco às pautas que realmente importam. Coisas como “quem está comendo não está reclamando”, ...

    Leia mais

    Chimamanda: a voz do feminismo critica o racismo e defende homens feministas

    Chimamanda Ngozi Adichie é protagonista de dois TEDs com mais de 20 milhões de views, virou música da Beyoncé e tema de coleção da Dior. Trajetória para lá de incomum para uma escritora de ficção que jamais pensou em ser ícone feminista. A nigeriana de 41 anos, autora de seis livros e mãe de uma menininha de 3, encontrou-se com Marie Claire Brasil em Washington para uma conversa franca e exclusiva sobre liberdade, gênero, racismo e amor. Polêmica, cravou que os homens são essenciais na luta das mulheres e que podem (e devem) ser feministas Quando Chimamanda Ngozi Adichieentrou no estúdio em Washington D.C. onde foram realizadas as fotos e a entrevista desta edição de aniversário, chegava ao fim uma epopeia marcada por intensas emoções e muitos altos e baixos (por vezes, desanimadores), que começou há pouco mais de um ano e envolveu a dedicação e a energia de uma ...

    Leia mais
    Evento é realizado pela Marcha Mundial das Mulheres, movimento feminista que atua globalmente desde 2000 / Foto: Carmen Silva

    Feministas de todo o mundo se reúnem para debater o avanço do conservadorismo

    Evento da Marcha Mundial de Mulheres acontece em São Paulo e conta com mesas de debates com 30 lideranças mundiais Do Brasil de Fato Evento é realizado pela Marcha Mundial das Mulheres, movimento feminista que atua globalmente desde 2000 / Foto: Carmen Silva A Marcha Mundial das Mulheres, movimento feminista que atua globalmente desde 2000, realiza em São Paulo (SP) o seminário “Resistência e Reconstrução de Movimento: confrontando o neoliberalismo desde a economia feminista e os comuns”. O encontro, que acontece entre os dias 17 e 19 de junho, reúne 30 lideranças de países das Américas, Europa, África, Ásia e Oriente Médio, mais dezenas de outras ativistas. Um dos objetivos do evento é a discussão em torno do conservadorismo como uma tendência do capitalismo global e como isso afeta o avanço de pautas ligadas aos direitos das mulheres. Miriam Nobre, uma das organizadoras do seminário, afirma que é ...

    Leia mais

    Diálogos Feministas: Análise de conjuntura e desafios para a defesa da democracia

    Esta publicação traz uma síntese do debate realizado: uma análise da conjuntura a partir de uma perspectiva feminista e quais os temas prioritários para uma agenda que se contraponha às reformas neoliberais e ao avanço do conservadorismo. Do SOS Corpo Capa da análise Analisar o contexto político do Brasil no período recente não tem sido um exercício fácil. Ainda mais complexo tem sido atuar nesse momento para defender direitos e a própria democracia. Pensar uma ação política unitária da esquerda e, dentro dela, das feministas para se contrapor ao avanço do neoliberalismo e dos fundamentalismos é um grande desafio e uma das tarefas prioritárias para esse campo. Refletir sobre essas questões foi o objetivo do segundo debate da série “diálogos feministas”, organizado pela Fundação Friedrich Ebert em parceria com o SOS Corpo Instituto Feminista para a Democracia. Os diálogos são feitos por um grupo de ativistas ...

    Leia mais
    BEVERLY HILLS, CA - JANUARY 06:  76th ANNUAL GOLDEN GLOBE AWARDS -- Pictured: Regina King arrives to the 76th Annual Golden Globe Awards held at the Beverly Hilton Hotel on January 6, 2019. --  (Photo by Kevork Djansezian/NBC/NBCU Photo Bank)

    Globo de Ouro: Discursos feministas são o destaque da premiação

    Poderosas palavras de Regina King e Glenn Close marcaram a 76ª edição do Globo de Ouro. Sandra Oh celebrou a diversidade. Rafael Argemon no HuffPost  (Photo by Kevork Djansezian/NBC/NBCU Photo Bank) A noite da 76ª edição do Globo de Ouro foi, definitivamente, das mulheres. A premiação, que aconteceu na noite deste domingo (6) foi marcado pelos poderosos discursos feministas de Regina King e Glenn Close. Logo após receber o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante de Drama por Se a Rua Beale Falasse, Regina King surpreendeu a todos com um desafio. "A razão pela qual fazemos isso é porque entendemos que nossos microfones são grandes e estamos falando por todas. E eu quero dizer que vou usar a minha plataforma agora mesmo para dizer que nos próximos dois anos, tudo que eu produzir será 50% feito por e com mulheres", disse a atriz, que acrescentou: "E eu desafio ...

    Leia mais
    Joacine Katar Moreira e Neusa Trovoada, duas das fundadoras do novo instituto NUNO FERREIRA SANTOS

    “Não se pode defender apenas algumas igualdades”, pedem as feministas negras

    Ainda “estamos na fase da infância” do feminismo negro em Portugal, mas há um novo contributo de peso. O Inmune, o Instituto da Mulher Negra, nasce da vontade de várias mulheres de tomar a palavra na produção de conhecimento, sem deixar de fora a acção comunitária. por ALINE FLOR no Publico.PT Joacine Katar Moreira e Neusa Trovoada, duas das fundadoras do novo instituto (Foto: NUNO FERREIRA SANTOS) “Somos uma entidade feminista interseccional e somos uma entidade anti-racista. Isto é o que nos une e o que nos caracteriza”, descreve Joacine Katar Moreira, presidente — ou “presidenta”, como pede para ser tratada — do recém-criado Inmune, o Instituto da Mulher Negra em Portugal. “O facto de sermos o instituto da mulher negra não significa que todas as nossas preocupações tenham que ver especificamente com questões do racismo e do sexismo. Não se pode defender apenas algumas igualdades”, defende a ...

    Leia mais

    Abril: aniversário de muitas lutas feministas

    Será que chegaremos a um tempo em que algumas datas serão comemoradas apenas pela sua importância histórica, não mais para serem relembradas pela atualidade, persistência ou ameaça de retorno dos motivos que as originaram?!?! Essa é uma pergunta que surge quando nos deparamos com um importante calendário de lutas, como o desses últimos dias de abril.  Abril é mês de luta para as mulheres Foto: Reprodução/Facebook/Instituto Geledés Mulheres negras contra o racismo Uma das expressões mais vigorosas e instigantes no movimento brasileiro de mulheres dos últimos anos tem sido o movimento das mulheres negras, sejam elas feministas ou não. No último 19 de abril duas organizações que são pilares dos movimentos negros e dos movimentos feministas fizeram aniversário. No Nordeste do Brasil, em Salvador, o Odara – Instituto da Mulher Negra completou 8 anos de existência. No Sudeste, em São Paulo, o Geledés – Instituto da Mulher Negra** fez 30 anos. O Odara, que ...

    Leia mais
    Stephanie Ribeiro: O Dia Internacional da Mulher é um dia político (Foto: Arquivo pessoal)

    Precisamos retomar nossas raízes feministas

    No Dia Internacional da Mulher, a colunista Stephanie Ribeiro lembra que o 8 março é uma data política: "Nossa existência enquanto mulheres ainda é de sobrevivência, logo, estamos aqui falando e fazendo política. Enquanto o direito sobre nosso corpo nos for negado pelo Estado, nós continuaremos falando e fazendo política. Ser feminista é um ato político coletivo" POR Stefhane Ribeiro Nem tudo que está ligado às raízes pode ser entendido como conservador. No que diz respeito a luta de mulheres, relembrar como esses caminhos foram pavimentados faz parte da nossa luta para que ela seja sempre coerente e uma vanguarda. Por isso, sempre discordei da ideia que via em alguns grupos virtuais de feminismo: Tal teoria não me serve. Como podemos saber se a gente não leu? E realmente é justo entender que a produção de feministas não nos vale? Evidentemente não. Inclusive, mesmo que o contato com o que ...

    Leia mais

    Amelinha Teles: “Refletir sobre o cotidiano nos faz feministas”

    A feminista defende que feminismo é a luta pela igualdade, para que as pessoas possam protagonizar suas vidas, seus trabalhos Por Isabella D'Ercole Do Claudia Foto: Reprodução/Claudia Maria Amélia de Almeida Telles, conhecida como Amelinha, militava clandestinamente no PCdoB, em plena ditadura militar (1964-1985), quando se compreendeu feminista. “Militei muitos anos só com homens. Trabalhei na imprensa clandestina e, ali, só trabalhavam homens. Eu sentia falta das mulheres. Percebia a desigualdade dentro e fora do partido”, relatou à CLAUDIApor telefone. Ao tomar contato com obras como a da ativista e filósofa negra norte-americana Angela Davis, foi solidificando sua posição, entendendo seu lugar no que chama de “coletivo de mulheres que se rebelam frente à discriminação histórica contra elas”. Na mesma época em que a Assembleia Geral da ONU declarou 1975 como o Ano Internacional das Mulheres, Amelinha começou a escrever para o jornal Brasil Mulher, um dos primeiros direcionados às mulheres ...

    Leia mais

    Sobre Feministas Negras e Solidariedade Racial

    Tenho acompanhado nos últimos meses várias polêmicas envolvendo feministas negras nas redes sociais. Elas discutem temas que são importantes para o avanço da justiça racial, mas muitos argumentos apresentados por elas são ferozmente combatidos. Isso não é motivo de surpresa porque discussões sobre questões dessa natureza estão sempre baseadas em interpretações distintas de fenômenos sociais, o que pode levar as pessoas a conclusões diferentes sobre um mesmo assunto. Portanto, discordâncias intelectuais sobre a compreensão desses fatos sempre ocorrerão. Por Adilson José Moreira Do Justífícando Audre Lorde, feminista negra - Foto:  Robert Alexander / Archie Photos - Getty Images Percebo, entretanto, que boa parte das críticas dirigidas a elas não são produto de qualquer tipo de reflexão. Elas decorrem da resistência masculina de se levar a sério qualquer tipo de demanda de direitos formuladas por mulheres, da recusa do reconhecimento das formas como o racismo afeta a vida da ...

    Leia mais

    Entrevista a Sonia Corrêa: “Em 2018, as feministas vão estar na rua!”

    A ativista e investigadora brasileira Sonia Corrêa esteve em Lisboa e conversou com o Esquerda.net sobre a primavera feminista que tem sacudido o Brasil e também sobre os avanços e os recuos, na já tão longa luta pelo fundamental direito ao aborto. Por Sofia Roque Do Esquerda.Net Youtube/imagens Sonia Corrêa é feminista e investigadora em estudos de género, com inúmeras publicações na área dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres. Desde 2002, é também co-coordenadora, com Richard Parker (EUA/Brasil), do fórum global Sexuality Policy Watch(link is external)(Observatório de Sexualidade e Política), e investigadora associada da Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS (ABIA) e do Departamento de Estudos de Género da London School of Economics and Political Science(link is external). No final de dezembro de 2017, Sonia Corrêa esteve em Lisboa e conversou com o Esquerda.net sobre a primavera feminista que tem sacudido o Brasil, desde 2015, e também sobre os avanços e recuos ...

    Leia mais

    Site busca voluntários para atacar feministas com ácido sulfúrico

    Administradoras da página Feminismo Sem Demagogia e familiares receberam ameaças de ataque com a substância química Por Victória Damasceno Do Carta Capital Ilustração: Lumi Mae Através de mensagens de seus seguidores do Facebook, Gleide Davis foi avisada de que era alvo de uma ameaça. Dona da página Feminismo Sem Demagogia, a militante feminista, juntamente com as outras duas administradoras, Vera Dias e Jéssica Milaré, receberam ameaças do site Rio de Nojeira, onde o autor da postagem oferece 10 mil reais para quem se oferecer a jogar ácido sulfúrico no corpo das mulheres. O texto foi publicado na tarde de segunda-feira 22 e dá um prazo de trinta dias para que qualquer indivíduo se habilite a cometer o crime. Para a realização do ataque, o site disponibiliza dados pessoais dos alvos, como nome completo, documentos pessoais, número de telefone e até mesmo o endereço pessoal e comercial, além de uma fatura de cartão de crédito. Apresentado ...

    Leia mais

    Homens cantam ‘lacração’ e esquentam debate sobre letras feministas e ‘lugar de fala’ na música

    Letras com tom de empoderamento têm sido criadas e cantadas por eles; sertanejo diz que 'estilo está em alta'. Para pesquisadora, é preciso ir além do lacre. Por Carol Prado, G1 Já que empoderamento se tornou palavra de ordem na música pop, alguns homens decidiram que também querem lacrar. Letras que arriscam tom feminista têm sido criadas e cantadas também por eles. “Esse estilo está em alta no mercado”, diz ao G1 Mariano, da dupla com Munhoz. Os dois lançaram em novembro “Mulherão da porra”, um funknejo com bordão em alta no vocabulário do tombamento. A letra fala sobre uma garota mais interessada na balada do que num relacionamento sério. Ele explica: “Temos que enfiar na cabeça das pessoas que mulherão da porra não é só a siliconada, que vai para a academia. É a mulher guerreira.” A dupla Munhoz e Mariano (Foto: Equipe MW Produções/Divulgação) As bandas Oriente ("Linda, louca e ...

    Leia mais
    STEVE GRANITZ WIREIMAGE

    Feministas francesas a Catherine Deneuve: “Os porcos e seus (suas) aliado(a)s têm razão de se inquietar”

    Grupo responde ao manifesto liderado por atriz francesa que criticou o movimento #MeToo no 'Le Monde' no El Pais Um grupo de feministas francesas publicou no jornal francês Le Monde uma resposta ao manifesto de cem atrizes, lideradas por Catherine Deneuve, que criticou o suposto "puritanismo sexual" do movimento #MeToo(#EuTambém) ou #balancetonporc (“denuncia teu porco”), que estimula mulheres a denunciar casos de assédio, em um texto divulgado no mesmo jornal. Como parte da campanha #MeToo, atrizes que participaram da cerimônia do Globo de Ouro 2018 foram vestidas de preto em protesto contra o machismo e o assédio sexual em Hollywood, entre elas Natalie Portman e Oprah Winfrey, que em suas falas públicas na cerimônia reforçaram a adesão ao movimento iniciado após as denúncias contra o produtor Harvey Weinstein. Veja a íntegra da resposta do grupo feminista, na tradução da filósofa da UFRJ, Tatiana Roque: "Os porcos e seus (suas) aliado(a)s ...

    Leia mais

    Por que até mesmo as feministas querem viver conto de fadas?

    Neste ano venho refletindo, enquanto feminista, como é muito complexo se desvirtuar da imagem do amor romântico, mesmo que, desde a segunda onda do feminismo, mulheres estejam questionando esses padrões afetivos nocivos. Não é por falta de debate sobre o tema, mas é por falta de que sejamos escutadas e seja revisto o padrão que o amor é construído no nosso imaginário, que mesmo feministas ainda buscamos nosso príncipe com cavalo branco. Por  Stephanie Ribeiro Do Plano Feminino Não, não me venha dizer que isso não é verdade. Muitas de nós não questionam o próprio desejo, aceitações e buscas afetivas. Não estou aqui para cobrar que mulheres feministas sejam perfeitas e 100% coerentes, pois somos humanas, mas é óbvio que mesmo feministas fomos e somos influenciadas pelos padrões sociais patriarcais. Uma das provas disso é a insistência que temos em defender e acreditar em contos de fadas da vida “real” e até mesmo da ficção. ...

    Leia mais
    Página 1 de 97 1 2 97

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist