quarta-feira, janeiro 27, 2021

Resultados da pesquisa por 'mãe solteira'

Feio não é ser mãe solteira. Feio é ser pai quando convém

Outro dia conversava com uma amiga sobre como é difícil criar um filho que vê o pai raramente. Não porque o relacionamento não tenha dado certo ou algum ressentimento possa atrapalhar, mas porque por mais que a porta esteja aberta para a criança conviver com o pai, ele não entra por ela. Por Ju Umbelino Do Vila Mamifera Vamos lá: quem nunca ouviu que a mãe do filho de fulano só dá problema? Ele vê o filho quando quer, dá o dinheiro achando que está ajudando (colega, não é nada além da sua obrigação) e reclama horrores do quanto a mãe da criança só dá problema, cobra presença e aquele papo todo de obrigações que os homens tem pavor, mesmo que seja por alguns minutos. O que muitas pessoas não entendem e não filtram antes de soltar um “ah, mas é só pra te perturbar, não é?”, é que a perturbação ...

Leia mais

Mulher perde emprego por ser mãe solteira e denuncia preconceito

Certos preconceitos se apresentam de forma tão puramente arbitrária e ignorante que fica difícil analisar e escrever sobre eles sem simplesmente apontar a burrice absoluta, e ir às lágrimas em desesperança e injustiça. A página Diário de uma mãe solteira publicou recentemente um exemplo tão lamentavelmente comum quanto sintomático do horror que sofrem as mulheres e as mães solteiras cotidianamente, muitas vezes advindo de outras mulheres e mães. no Hypeness Em três prints, o post mostra uma conversa de whatsapp na qual uma mulher demite uma faxineira por ter descoberto, através do facebook, que a mesma tinha três filhos e não era casada. Sem sequer se esforçar para encobrir seu preconceito, a mulher decreta que não pode permitir “esse tipo de gente” em sua casa. A faxineira foi mandada embora por simplesmente ser mãe solteira – e com requintes de crueldade. A mulher chega a admitir a qualidade do trabalho, mas o horror a total ...

Leia mais

Faxineira é demitida por ser mãe e solteira: “Não posso aceitar esse tipo de gente na minha casa”

Uma página no Facebook denunciou o caso da mulher que foi dispensada via Whatsapp depois que sua contratante descobriu que ela era solteira e tinha três filhos. “Não faz isso, tenho meus filhos para sustentar, sou honesta”, suplicou a mulher. Advogados e outros empregadores já entraram em contato com a página para oferecer ajuda à faxineira. Confira Do Revista Fórum Já tem mais de 9 mil curtidas e e 5 mil compartilhamentos o post da página Diário de uma mãe solteira, no Facebook, que denuncia o caso da faxineira que foi demitida simplesmente por ser mãe de três filhos e estar solteira. Não à toa, milhares de internautas se revoltaram com a atitude da mulher que contratou a trabalhadora e o caso viralizou nas redes sociais. Em um diálogo de Whatsapp enviado à página pela filha da faxineira, a contratante, sem a menor sensibilidade, dispensa a profissional, que suplica pela ...

Leia mais
Francisco Ribeiro Eller (ou Chico Chico), 27 anos (Foto: Marina Zabenzi)

Chicão, filho de Cássia Eller: ‘Batalha das minhas mães é parte do que sou’

Francisco Ribeiro Eller — ou Chicão, para os íntimos, ou Chico Chico, seu nome artístico — acabou seguindo a mesma carreira da mãe, Cássia Eller, mas não acredita que a música esteja no seu DNA. Esse, na verdade, era seu plano B, depois de considerar opções como ser jogador de futebol e professor de Geografia. Há um mês, lançou seu terceiro álbum, "Onde?", ao lado de Francisco Gil (sim, o neto do Gilberto), amizade que nasceu há um ano, mas que parece que vem de berço, tamanha sintonia da dupla. Apesar de ter acompanhado a mãe em turnês ainda bebê e, mais tarde, protagonizado uma batalha histórica por sua guarda , o Chico de 27 anos vive quase como um anônimo: mora no bairro em que cresceu, Santa ...

Leia mais

Mulheres de luta: as mães de ingênuos por força da Lei do Ventre Livre

Em 1880, um número considerável de mães solteiras escravizadas com filhos menores que viviam no Rio de Janeiro, o Município Neutro, recebeu carta de alforria graças aos recursos do “Fundo de Emancipação de Escravos”. O fundo foi um instrumento criado por meio da Lei n. 2.040, de 28 de setembro de1871 – aquela que ficou conhecida como a Lei do Ventre Livre. Ele tinha por fim reunir recursos para a libertação de quantas pessoas escravizadas fosse possível nas províncias e na capital do Império, também chamada de Município Neutro ou corte. Sendo assim, o registro de 271 mulheres alforriadas na capital imperial nos é valioso sob duas perspectivas.  Primeiramente, o dado chama atenção pelo fato de elas constituírem uma das categorias familiares que deveriam ser priorizadas no acesso aos recursos pecuniários. Ou seja, de acordo com os critérios de classificação utilizados por uma junta constituída para qualificar, selecionar ou excluir ...

Leia mais
Reprodução/Facebook

Por que não chamo minha mãe de pãe?

Por meu pai ter sido ausente em quase toda a minha existência, não saberia dizer em que momento a minha mãe foi mãe e em que momento ela fez o papel do meu pai. Até porque não acho nada justo atribuir a ela mais essa responsabilidade. Ele não quis ser pai, ela decidiu ser mãe, ponto. Não vou amenizar dizendo que a minha mãe foi pãe, e resolveu a parte dele.  Não! A parte dele estou resolvendo na terapia mesmo. A minha mãe foi mãe, e fez a parte dela do jeito que entendia que deveria fazer, do jeito que deu, do jeito que pôde. Não vou dar os créditos ao masculino por mais essa. Por que quando uma mulher faz bem algo, é uma ótima profissional, logo tratam de atribuir a atitude dela ao universo do masculino?  Quando chamamos nossas mães, que não tiveram a participação do parceiro na ...

Leia mais
(Foto: Day Rodrigues)

Carta às mulheres solteiras: agência, amor próprio e a solidão da mulher negra

Nesse dia dos namoradXs, eu fiquei com vontade de falar sobre algumas coisas que têm visitado os meus pensamentos. Não me dirijo a vocês com a intenção de fazer generalizações sobre as vivências das mulheres negras, mas se a minha experiência servir para acalentar algumas das minhas irmãs, esse texto fica como um presente pelo dia de hoje. Se isso não acontecer, tudo bem! Seguimos no caminho de aprender com as nossas diferenças! Faz tempo que eu tenho refletido em relação os rumos que a discussão sobre a solidão da mulher negra tem tomado. Entendo a gravidade do fato de mulheres como eu se casarem menos e enfrentarem problemas sexistas e racistas nos relacionamentos, sendo eles interraciais ou não. Contudo, eu, também, sinto a necessidade de trazer para esse debate mais reflexões sobre amor próprio e as escolhas que nós, mulheres, fazemos. Decisões que estão inseridas em um conjunto de ...

Leia mais
Sintomas como fadiga, esquecimento, insônia, irritabilidade, dificuldade de concentração e dores de cabeça são mais comuns entre mulheres com alta sobrecarga de trabalho doméstico Foto: Arte de Paula Cruz

Por que as mães estão exaustas? Entenda o impacto da carga mental na vida das mulheres

Divisão do trabalho doméstico permanece a mesma há duas décadas e ainda sobrecarrega mulheres, sobretudo as mães, que são empurradas a assumir toda a responsabilidade de planejar, organizar e tomar decisões relacionadas à casa e aos filhos Por Leda Antunes, do O Globo Sintomas como fadiga, esquecimento, insônia, irritabilidade, dificuldade de concentração e dores de cabeça são mais comuns entre mulheres com alta sobrecarga de trabalho doméstico Foto: Arte de Paula Cruz   "Sou eu que tomo todas as decisões em casa. Meu marido participa, mas se eu não pedir, ele não faz", diz Gabriela Domingues, 33 anos. Ela e o marido Eduardo moram em Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro, com os filhos Guilherme, de 5 anos, e Maria Eduarda, de 10 meses. Como em inúmeros lares brasileiros, é Gabriela quem organiza e executa todas as tarefas da rotina da casa e das ...

Leia mais
Imagem- Arquivo Pessoal - Universa

Mãe posa amamentando a filha para foto da colação de grau e viraliza na web

O que era para ser uma "simples" foto da colação de grau, fez de Isis do Santos uma inspiração para milhares de outras mães na internet. por Gustavo Frank Da Universa Imagem- Arquivo Pessoal - Universa Na imagem compartilhada nesta segunda-feira (29) em seu Facebook, com mais de 18 mil curtidas e 14 mil compartilhamentos, a mato-grossense, que atualmente mora em Natal, no Rio Grande do Norte, aparece amamentando a filha Paola, de 2 anos, enquanto posa para o clique memorável de beca. “Eu fiquei muito surpresa com a repercussão da foto, nunca imaginava. Não tinha essa pretensão! Quando fiz as fotos já tinha conversado com minha família que queria tirar uma foto amamentando ela, gosto muito da amamentação. Foi bom para mim e para a saúde dela”, conta Isis à Universa. Sobre a amamentação, ainda vista como um tabu para muitas pessoas, a mãe, de 30 anos, ...

Leia mais

Mãe relata que seguranças de terminal no ABC a impediram de amamentar: ‘atentado violento ao pudor’, alegaram

Thais Magalhães foi abordada por três seguranças do terminal de ônibus Vila Luzita, em Santo André, Grande SP. Por  Bárbara Muniz Vieira, G1 Terminal de ônibus Vila Luzita, em Santo André, no ABC Paulista (Foto: Reprodução/Google Street View) Uma passageira de 21 anos afirmou que foi impedida de amamentar no Terminal de Ônibus Vila Luzita, em Santo André, Grande SP, na manhã desta terça-feira (10). A dona de casa Thais Magalhães disse ao G1 que foi abordada por três seguranças quando foi tentar amamentar seu bebê de um mês. Segundo ela, os seguranças disseram que ela não poderia amamentar no local por se tratar de atentado violento ao pudor e que chamariam a polícia caso ela insistisse. “Eu tinha saído de uma consulta médica e já fazia uma hora que eu estava esperando o ônibus quando decidi amamentar meu bebê. Tirei ele do sling, levantei a blusa e estava arrumando o sutiã de ...

Leia mais
Tattooed Pin up woman showing her arm off

10 coisas que toda mulher solteira do século 21 deve saber

O empoderamento feminino é uma tendência cada dia mais presente na sociedade. Para nossa alegria, não é mesmo? Mas, como somos frutos de uma sociedade machista, muitas mulheres ainda ficam meio perdidas nessa coisa do que pode e do que não pode no quesito "libertação feminina dos ideais da família tradicional". *Texto escrito por Lorena Muniz, no Superela. Além disso, existe todo um conflito em torno do ideal distorcido de que toda mulher verdadeiramente empoderada deve rejeitar a ideia de casar e ter filhos. Moça, isso é falso. O que toda mulher verdadeiramente empoderada faz é se questionar sobre as razões que a levam a querer o que ela quer. O casamento que ela tanto almeja é por uma imposição social ou porque ela realmente acha maravilhosa a ideia de construir uma vida ao lado de alguém? Ela quer ter filhos porque acha que essa é a missão natural das ...

Leia mais
(Foto: Reprodução/ Twitter)

Sobre as mães de filhos mortos

minha mãe partiu, se eu fosse me lamentar hoje por isso estaria a falar de um filho e não de uma mãe. Reprodução/ Twitter Enviado por  Lelê Teles via Guest Post para o Portal Geledés  quero falar da mãe. é verdade que eu não tenho mais aquela mulher que eu ligava só pra ouvir a voz dela sorrindo: "oi minha mãe". "oi, meu filho". não, não vou falar daquela feliz-sorridente que tem o melhor filho do mundo e que é a melhor mãe do mundo. essas que apareceram na minha timeline de hoje. hoje sou solidário às mães que enterraram seus filhos. hoje elas vão olhar pro telefone e seus corações irão chorar. é antinatural demais uma mãe enterrar um filho. tanto o é que não há palavra, em língua nenhuma, que tente sintetizar esse estado da alma. é um significado sem significante. porque se a ...

Leia mais

Refugiadas e Mães: 5 histórias que vão te emocionar

Você provavelmente já sabe, mas não custa repetir: o mundo vive hoje uma das piores crises de refugiados de sua história. Por Gabriela Bazzo Do Brasil Post Mais afetadas pela situação de vulnerabilidade em que se encontram, as mulheres mais sujeitas à violência do que os homens. Elas correm o risco serem violentadas e estupradas tanto nos conflitos em seus locais de origem quanto no trajeto até os países que irão - ou não - acolhê-las. Além disso, muitas vezes essas mulheres viajam junto com os filhos e sem seus companheiros, o que torna a jornada mais difícil e perigosa. Em homenagem ao Dia das Mães, escolhemos algumas histórias emocionantesde mulheres refugiadas e de seus filhos (biológicos ou do coração). Odile "Eu sou do Congo, de Brazzaville. Tenho seis filhos e costumava trabalhar vendendo frutas e verduras no mercado", conta Odile à ACNUR, Agência para Refugiados da ONU. Ela, que estava ...

Leia mais

Solteiras aos 27 anos, o drama das ‘mulheres que sobraram’ na China

"Sempre achei que ela tinha uma ótima personalidade. Mas ela não é muito bonita, fica na média. É por isso que ela é uma 'mulher que sobrou'", diz uma mãe sobre a filha solteira. Do BBC A cena faz parte de uma de uma propaganda que está viralizando na China por tratar do estigma das mulheres que passaram dos 35 anos e ainda não se casaram. O anúncio está provocando um acalorado debate por tratar das chamadas "sheng nu", algo como "mulheres que sobraram", um problema latente em uma sociedade em que as mulheres devem priorizar o casamento e a maternidade. Com quatro minutos e feita no estilo documentário, a campanha "Marriage Market Takeover" (algo como "invadindo o mercado de casamentos") foi feito pela marca de produtos de beleza SK-II. Em um comunicado enviado à BBC, o presidente da empresa, Markus Strobel, disse que o vídeo faz parte de uma ...

Leia mais

Movimento Negro denuncia racismo da justiça catarinense contra mãe quilombola

Ação do Ministério Público de Santa Catarina fez com que Maria das Graças perdesse a guarda de duas filhas, ambas com menos de 6 anos Reportagem: Luara Loth, Priscila dos Anjos e Nícolas David (Colaboração do Coletivo Estopim) Fotos: Priscila dos Anjos No Medium “Eu sou Natalina Felipe, moro na Comunidade Quilombola Toca Santa Cruz”. Com nove autoafirmações como esta foi iniciada a coletiva de imprensa organizada pelo Movimento Negro Unificado (MNU) para denunciar aos grupos de mídia independentes de Florianópolis, o racismo do Poder Judiciário e do Ministério Público de Santa Catarina contra Maria das Graças de Jesus, mãe e quilombola, mas que, agora, vive há quase um ano com saudades das duas filhas caçulas. O evento foi realizado na sede do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina. Gracinha, como é chamada por todos que acompanharam sua trajetória, é analfabeta e conta com a ajuda do MNU para se ...

Leia mais
Homens abandonam mães de bebês com microcefalia

Triste realidade: Homens abandonam mães de bebês com microcefalia em Pernambuco

Em Pernambuco, Estado com maior número de notificações de microcefalia, muitas mães têm sido abandonadas pelos companheiros após descobrir que o filho do casal é portador da má-formação. Médicos ouvidos pela reportagem relatam que os casos são cada vez mais frequentes e afetam principalmente jovens em relações instáveis. Médicos que trabalham no atendimento de pacientes com microcefalia contam que os homens têm mais dificuldade do que as mães para aceitar a deficiência do filho. "Eu me surpreendi com a quantidade de mães que estão cuidando do filho sozinhas, porque o pai simplesmente resolveu largar a família", conta uma pediatra que não quis se identificar. O rompimento também atinge relações mais duradouras. Após dois anos de namoro e nove de casamento, a promotora de eventos Carla Silva, de 32 anos, foi abandonada pelo pai dos seus três filhos quando ainda estava internada na maternidade. O motivo, conta, era a condição da caçula, ...

Leia mais

Minha mãe e o filme “Que horas ela volta?”

O geógrafo e colunista do Favela 247 Iuran Souza, 21, de Guarapiranga, na zona sul de São Paulo, entrevistou sua mãe, Dona Nice, doméstica de 45 anos, sobre o  filme Que horas ela volta?. Questionada sobre domésticas que dormem no emprego, Dona Nice não titubeia: "Sim, são tratadas como escravas. Acordam mais cedo, dormem mais tarde, têm que servir o café no horário certo, têm que bater na porta para acordar o patrão... O filme é totalmente real". Iuran conclui: "Nunca escondi ser filho de doméstica, impossível se envergonhar de uma mulher que, devido à violência doméstica, se tornou mãe solteira, me sustentou sozinha dos quatro aos 11 anos. E mesmo sem um Real de pensão, nunca deixou faltar o leite ou o Danone na geladeira, e nos meses bons garantia até o Sucrilhos no prato" Por Iuran Souza Do Brasil247 Na ultima segunda-feira (11) a TV Globo exibiu o já ...

Leia mais

Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe

O livro "Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada", de 1960 relata a vida na favela e revela o cotidiano simples e forte de uma mulher negra, catadora e mãe de três filhos, que escrevia nos cadernos que encontrava no lixo. Por Camila Maciel, do Brasil de Fato  “15 de julho de 1955 – Aniversário de minha filha Vera Eunice. Eu pretendia comprar um par de sapatos para ela. Mas o custo dos gêneros alimentícios nos impede a realização dos nossos desejos. Atualmente, somos escravos do custo de vida. Eu achei um par de sapatos no lixo, lavei e remendei para ela calçar...” Trecho de abertura do livro O Quarto de Despejo, 1960 As lembranças da infância na favela do Canindé, zona norte de São Paulo, ainda emocionam a professora Vera Eunice de Jesus Lima, 61 anos. Filha de Carolina Maria de Jesus (1914-1977), uma das primeiras escritoras negras do Brasil, ela contou que nunca ...

Leia mais

A mãe preta já encheu sua mamadeira, vá mamar em outro lugar!

Esse negócio de mãe preta ser leiteira já encheu sua mamadeira, vá mamar noutro lugar (trecho de Cada Macaco no seu galho, Riachão) Por Emanuelle Goes Do População Negra e Saude Sem nenhuma intenção de escrever sobre este tema, fui obrigada a fazer isso, diante da imagem apresentada ao lado, onde uma mulher negra de seios fartos segura em seus braços uma criança branca, em alusão a Semana Mundial da Amamentação (1° a 07 de agosto).  As Amas-de-leite eram mulheres negras escravizadas que eram obrigadas a amamentar as crianças brancas da casa grande, no entanto para serem amas-de-leite essas mulheres deveriam seguir alguns requisitos. Segundo Lélia Gonzalez (1983), a figura da ama negra, da mãe preta, é o momento em que somos vista com uma imagem positiva de bondade e ternura e até vira gente, mas aí ele começa a discutir sobre a diferença entre escravo (coisa) e negro (gente) e logo, de novo, chegam ...

Leia mais

Se minha mãe tivesse me abortado

Já me perguntaram algumas vezes: “E se sua mãe tivesse te abortado?”. E aí vai a minha resposta. Se minha mãe tivesse me abortado: Texto de Laryssa Carvalho. - Foto de Yao Yao no Flickr em CC Possibilidade 1: Ela teria morrido, pois, como mulher negra pobre periférica, não poderia ir a uma clínica de aborto, muito menos viajar para outro país onde se poderia fazer o aborto legal e seguro – como as ricas fazem. Possibilidade 2: Ela teria sido presa, pois o aborto, no nosso país, é crime. Possibilidade 3: Ela não teria passado pelo drama de ser mãe solteira (e abandonada) em uma família pobre e religiosa. Ela não teria que ter saído de casa tão cedo. Ela não teria passado fome. Ela não teria abandonado seus estudos. Ela poderia ter feito uma graduação em ensino superior. Ela não precisaria ter se submetido a um branco burguês, do qual ...

Leia mais
Página 1 de 18 1 2 18

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist