Início África e sua diáspora Entretenimento Colorida, leve e luxuosa! Imperatriz levará ‘África moderna’ e combate ao racismo...

Colorida, leve e luxuosa! Imperatriz levará ‘África moderna’ e combate ao racismo para a Sapucaí

Desfile da Escola de Samba Império Serrano no Rio de Janeiro (Foto: © Tomaz Silva/Agência Brasil)

A Imperatriz Leopoldinense deu mais um passo importante para o Carnaval de 2015 na noite deste domingo. A Verde e Branca realizou, com portões abertos, a apresentação de seus protótipos para o desfile do ano que vem, com o enredo “AXÉ-NKENDA – Um ritual de liberdade”, desenvolvido por Cahê Rodrigues. Com uma grande mistura de luxo e cores, a escola segue compactuando com a proposta do carnavalesco de levar uma “África pop” para a Sapucaí.

Para revelar os figurinos que levará para o Sambódromo no próximo carnaval, uma grande festa marcou a quadra da Imperatriz. Mesmo ainda em recuperação após o incidente da última semana, o carnavalesco Cahê Rodrigues marcou presença, mas não apresentou a cerimônia. A rainha de bateria Cris Vianna foi a responsável por liderar o evento.

Uma temática afro foi responsável por decorar e embalar toda a festa. Com fantasias ricas e bastante coloridas, o desejo de levar para a Sapucaí uma África moderna parece estar sendo seguido à risca. O enredo que foi idealizado após o polêmico caso do arremesso de uma banana em direção do jogador Daniel Alves, no meio do ano, será responsável por uma grande exaltação aos negros e ao lendário Nelson Mandela. O continente africano será o plano de fundo da grande festa leopoldinense em 2015.

Verde, branco, preto, vermelho, amarelo, azul, dourado… Um grande misto de cores vai decorar o riquíssimo carnaval da Imperatriz em 2015. Bem detalhado pelos figurinos, o enredo da Verde e Branca ainda será contado com a leitura tranquila das fantasias de Cahê Rodrigues para o próximo ano. Além do luxo e das muitas cores, as levezas nos traços dos figurinos marcam um momento diferenciado da escola de Ramos. A noite de festa ainda contou com uma apresentação de Elymar Santos ao lado da companhia de dança do coreógrafo Fabio Batista e da apresentação da bateria verde e branca ao lado do intérprete Nego.

A fantasia mais festejada, no entanto, foi a que representava a “banana para o preconceito”: a quadra foi à loucura. A ala das baianas foi a última a ser apresentada na quadra da agremiação, que ainda viu mestre Noca ser o responsável pela demonstração do figurino da bateria Swing da Leopoldina.

O público vibrava a cada figurino que passava pela passarela da quadra verde e branca, mas o ápice foi quando o lendário ex-casal de mestre-sala e porta-bandeira Chiquinho e Maria Helena dançaram com um dos figurinos que a escola levará para a Avenida. A dupla, por sua vez, também conta com uma grande novidade e voltará a desfilar dançando em 2015, como anunciou o carnavalesco da escola.

– Chiquinho e Maria Helena desfilarão à frente do nosso quinto carro, representando a força do negro no carnaval carioca. Eles voltarão a passar pela Sapucaí dançando, como sempre fizeram com maestria defendendo o pavilhão da Imperatriz.

Cahê Rodrigues: ‘Uma África moderna será o nosso plano de fundo’

Principal responsável pelo desenvolvimento do enredo em exaltação aos negros,  o carnavalesco Cahê Rodrigues é um dos mais empolgados com o cronograma da Imperatriz para o próximo carnaval. O artista aproveitou para explicar o modo de desenvolvimento da temática afro escolhida.

– Nosso enredo é uma grande exaltação à raça negra. Não vamos, no entanto, levar aquela África de orixás e búzios. Não será a conhecida África de palha. A Imperatriz quer sim uma África moderna, pop, diferenciada. Fizemos uma pesquisa muito grande para fazer esse carnaval bem diferente em 2015. Será uma forma africana que muitos vão se surpreender.

Cahê ainda aproveitou para exaltar o desejo da Verde e Branca de fazer um desfile com um dos focos principais no combate ao racismo.

– É uma grande luta ao racismo com a homenagem a Nelson Mandela. A Imperatriz quer que todos façam uma grande reflexão contra o racismo nesse carnaval. Ser racista é uma vergonha sim e queremos fazer um espetáculo grandioso que combata isso. Chega de racismo, chega de preconceito. Somos todos iguais.

Imperatriz quer desfile impecável em 2015

O presidente Luizinho Drummond também se mostrou bastante empolgado com o que a Imperatriz vem preparando para o próximo carnaval. O dirigente, no entanto, fez questão de ressaltar uma outra preocupação rumo ao desfile de 2015. Segundo ele, a busca pelo título é sim o maior objetivo e, para isso, a missão ésimplesmente “evitar erros”.

– Estamos fazendo um grande trabalho, com um enredo magnífico do nosso querido Cahê. O objetivo é fazer um desfile para brigar pelo título e, para isso, não podemos errar. Fiz mudanças sim e acredito que todas para melhor. Temos um grande samba e belíssimas fantasias, mas o carnaval mesmo só acontece na Sapucaí. É lá que queremos e vamos mostrar toda a nossa força.

O diretor de harmonia Júnior Escafura destacou a grande aceitação dos segmentos com o que foi apresentado por Cahê como mais um ponto forte da Imperatriz rumo a mais um título do Grupo Especial.

– Estamos muito satisfeitos com o trabalho do Cahê. As coisas estão se desenvolvendo de uma maneira incrível aqui na escola e, para minha estreia, posso dizer que o sentimento está sendo cada vez mais especial. Temos um grande samba, acabamos de conhecer nossas belíssimas fantasias e vamos trabalhar forte para fazer um grande desfile em 2015.

 

 

 

-+=