Com protagonistas mulheres e negras, filme “Garotas” discute amizade feminina

Enviado por / FontePor Luísa Pécora, do IG

A primeira cena de “Garotas”, drama francês que estreia nesta quinta-feira (30), já indica se tratar de um filme disposto a contrariar padrões. Depois de um jogo amador de futebol americano, marcado pela correria e os empurrões de sempre, a retirada dos capacetes revela rostos inesperados: os de meninas negras.

É a primeira de várias ocasiões em que “Garotas” desafia estereótipos de gênero e do próprio cinema. Ao discutir a amizade feminina, a diretora Céline Sciamma (de “Lírios D’água” e “Tomboy”) faz com os homens o que tantos filmes fazem com as mulheres: os reduz a coadjuvantes que existem apenas para servir às narrativas delas.

Para o filme, Sciamma escalou quatro atrizes amadoras, encontradas num longo processo de testes com garotas francesas. A ótima Karidja Touré interpreta Marieme, jovem de 16 anos que vive em situação difícil na periferia de Paris. O pai não está por perto, a mãe trabalha como faxineira e pouco para em casa, o irmão mais velho é violento e as irmãs mais novas são sua responsabilidade.

Sem tempo para os estudos, Marieme é informada de que suas notas não são boas o suficiente para que faça o curso que deseja. Neste momento de desamparo, encontra Lady (Assa Sylla), Adiatou (Lindsay Karamoh) e Fily (Mariétou Touré): “Você tem cara de marrenta”, diz Lady, a líder. “E daí?”, pergunta Marieme. “E daí que isso me interessa.”

Rapidamente ela se torna parte do grupo: troca as tranças pela chapinha, as roupas largas por um visual sexy e a timidez pela atitude. “Você faz o que quiser”, ensina Lady a Marieme, conforme ela começa a ser dona das próprias decisões,

É ela quem decide, por exemplo, a hora de perder a virgindade, em outra ocasião em que o filme inverte o que (ainda) costuma ser considerada a ordem natural das coisas: ela, não ele, toma a iniciativa. Outras quebras de expectativa virão: garotas brigando nas ruas, traficando drogas, enfrentando a autoridade masculina.

Sciamma quer falar mais sobre garotas do que sobre racismo: seu tema principal é como uma menina vira mulher e o papel do grupo nesse processo. Mas a diretora não ignora o contexto social em que filma, mostrando como a falta de oportunidades e a violência muitas vezes forçam as jovens a crescer e endurecer.

O que torna “Garotas” um filme comovente é o fato de, apesar das pequenas contravenções, Marieme não querer muito mais do que aquilo que o título indica: poder ser uma garota. “Quero ser como todo mundo, normal”, ela diz.Em uma cena central, as quatro jovens da gangue alugam um quarto de hotel e se produzem com roupas roubadas. À primeira vista, parecem se preparar para uma noitada nas ruas. Mas não: se divertem dublando “Diamonds”, da cantora Rihanna, em meio a abraços e gargalhadas. É, sem dúvida, o ponto alto do filme, e uma das raras vezes em que o cinema recente representou com perfeição o que é ser uma garota.

+ sobre o tema

Oprah Winfrey vai entrevistar filha de Whitney Houston

Oprah Winfrey vai entrevistar a filha de Whitney Houston,...

Halle Berry está com os cabelos longos e encaracolados

Halle Berry está com os cabelos longos e encaracolados:...

Pagodeiro metrossexual! Thiaguinho abre o jogo e confessa: ‘Eu sou vaidoso!’

O cantor Thiaguinho foi ao Domingão do Faustão para...

para lembrar

Carta aberta a uma mãe

Carta aberta de uma mãe que não sabe o...

Descolonizar a língua e radicalizar a margem

Uma resenha sobre “Um Exu em Nova York” de...

“Kbela”, filme sobre a relação da mulher negra com o cabelo crespo, foi eleito melhor do MOV

O curta-metragem carioca Kbela, da diretora Yasmin Thayná (PUC-Rio),...

Evento gratuito voltado à literatura afro-brasileira é realizado em Porto Alegre

12ª Festipoa Literária começa nesta segunda-feira (29) e segue...
spot_imgspot_img

Novas imagens de Jaafar Jackson como Michael Jackson em cinebiografia chocam web: ‘É o próprio MJ’

Se tem uma cinebiografia que está chamando a atenção dos fãs de cinema ultimamente, essa com certeza é "Michael", longa inspirado na obra e vida de Michael Jackson. Para...

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...
-+=