Conheça as mulheres negras mais ricas do mundo

Enviado por / FonteDo Correio Nagô

Um dos principais estereótipos historicamente associados a mulher negra é a pobreza. Porém há mulheres negras, na África e diáspora, que fazem questão de desdenhar dessa imagem racista e construem patrimônios invejáveis. A principal delas chama atenção pela riqueza revelada recentemente ao resto do mundo. Folorunsho Alakija é nigeriana, tem 61 anos e um patrimônio de US$ 3,3 bilhões, sendo considerada hoje a mulher negra mais rica do mundo. Ela é 500 milhões dólares mais rica do que a apresentadora afro-americana Oprah Winfrey, que tinha essa posição até o último levantamento da conceituada revista FORBES. A riqueza de Oprah, a segunda colocada, foi estimada pela revista com a cifra de US$ 2,7 bilhões em setembro desse ano. Folorunsho Alakija é uma das duas mulheres que fazem parte da lista dos 40 africanos mais ricos.

Alakija nasceu em uma casa rica e polígama. Seu pai teve oito esposas e 52 crianças em sua vida. De acordo com Alakija, ela às vezes sentia que seu pai era mais rigorosa com ela do que para seus 51 irmãos. Independentemente disso, lembra ela, o investimento dos pais na educação e formação cultural, a ajudaram até hoje. A empresária começou sua carreira como executiva de banco, depois virou designer de moda e terminou construindo a carreira de magnata do petróleo.

A bilionária nigeriana é casada, tem quatro filhos, e é a fundadora e proprietária da Famfa Oil, uma empresa de petróleo que possui uma participação de 60% do OML 127, um campo de petróleo offshore que produz 200 mil barris de petróleo por dia. Uma lista incompleta de seu patrimônio inclui um apartamento em Hyde Park, em Londres, no valor de 64 milhões de dólares e um jato privado de 46 milhões dólares – um Bombardier Global Express 6000, que ela comprou no início deste ano.

Quando perguntada sobre como ela consegue combinar o casamento e sua riqueza, Alakija disse ao site African Economist: “O dinheiro não tem nada a ver com amor. O amor vem de dentro. O dinheiro é algo que você adquire ao longo do tempo”.

Em maio de 1993 Alakija aplicou-se para uma licença de Prospecção de Petróleo (OPL). A licença para explorar petróleo em um bloco de 617 mil hectares – (agora conhecida como OPL 216) foi concedido à empresa Alakija, a Famfa Limited. O bloco está localizado a cerca de 220 milhas a sudeste de Lagos e 70 km da costa da Nigéria. Alakija foi inteligente! Ela não tinha nenhum conhecimento ou experiência na execução de um campo de petróleo, mas ela decidiu não vender sua licença. Em setembro de 1996, ela entrou em um acordo de joint venture com a Star Deep Water Petroleum Limited (uma subsidiária da Texaco) e nomeou a empresa como conselheira técnica para a exploração da licença, transferindo 40% de sua participação para a Star Deep. Até hoje, Folorunsho Alakija e sua família possuem 60% da reserva.

 

 

+ sobre o tema

Filmes brasileiros esquecidos para pensar racismo e a abolição

Logo no início de “Compasso de espera” (1973), filme...

ONU admite culpa por surto de cólera no Haiti

Cerca de seis anos após a epidemia de cólera...

BA: Movimento negro faz protesto pelo direito dos quilombolas

Fonte: Terra Notícias - Representantes do movimento negro começam...

para lembrar

spot_imgspot_img

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...
-+=