Curso: O que é Geração Tombamento?

A estética e a política do movimento são tema de curso online

Por Solon Neto publicado em Alma Preta

Texto e imagens / Solon Neto

A discussão acerca dos limites que definem a chamada “Geração Tombamento” é recorrente em ambientes de militância do movimento negro. Esse debate costuma levantar problemas relacionados com a sociedade de consumo e o processo de empoderamento. Próxima da estética apresentada pelo Afro-Futurismo, movimento artístico que imagina um mundo pós racial, a geração tombamento é marcada pela inovação, a arte, a dança e a música. As inscrições podem ser feitas aqui.

Por um lado, se pensa que os acessórios, tranças, roupas e maquiagens de cores vibrantes, além da atitude confiante, são sinais de uma adesão à sociedade de consumo, uma espécie de empoderamento às avessas que relativizaria demais os aspectos de classe.

Por outro, apontam a incompreensão desse processo como benefício estético e político, de auto aceitação e superação de estereótipos. Um passo que não ignora as contradições do capitalismo e flerta com suas estratégias de consumo para a construção de uma identidade independente e questionadora.

Para Jaqueline Conceição, coordenadora do Coletivo Di Jejê, os motivos para a escolha dessa temática para um curso são evidentes. Para ela, a escolha se justifica pois: “Os processos de articulação entre juventude e cultura, evidenciando a dimensão política da estética são uma prática juvenil, e não é diferente para a juventude negra”.

A coordenadora do projeto acredita que a discussão é uma forma de incentivar a reflexão não só sobre o tema, mas também sobre o desenvolvimento do pensamento dessa nova geração, que em parte é representada pela estética do “tombamento” e precisa reconhecer sua diversidade. “Precisamos pensar os processos de organização, articulação e resistência que a juventude negra vem desenvolvendo na atualidade. Esse é um curso sobre a juventude negra, sobre uma parte da juventude negra, porque nossa juventude é diversa, e diversidade é uma característica dos africanos, seja no continente seja na diáspora”.

Curso online sobre Geração Tombamento

Desenvolvido para a plataforma de ensino Moodle, o curso “Geração Tombamento” se dará em ambiente virtual de aprendizagem, possibilitando que as participantes acessem o conteúdo dentro de sua disponibilidade e rotina.

Renata Prado (foto abaixo), pedagoga, produtora cultural, pesquisadora e ativista do movimento negro, será a tutora do curso. Considerada uma das precursoras do movimento estético em São Paulo, é organizadora da festa Batekoo, um dos espaços já icônicos de manifestação da geração tombamento na capital paulista e outras cidades brasileiras.

O curso ministrado por Renata discutirá o surgimento do conceito de Geração Tombamento, assim como pressupostos teóricos e pesquisas do tema com o objetivo de desmistificar e informar sobre o assunto.

“Qualquer discussão que se proponha a desconstruir paradigmas e superar estigmas é um avanço contra a opressão e exploração. Há uma leitura muito rasa e de senso comum sobre o que se denomina senso comum”, afirmou a coordenadora Jaqueline Conceição.

Os cursos do Coletivo Di Jejê são ministrados por mulheres negras e para mulheres negras. Segundo a coordenadora, devido às necessidade e diferenças trazidas pelo Feminismo Negro. Para ela, “o maior desafio para o Feminismo Negro é ampliar e consolidar seu campo de estudo. Muitas militantes feministas fazem piada com o termo Geração Tombamento, ridicularizando essa expressão juvenil, e isso ao meu ver, precisa ser revisto, afinal feminismo negro para quem, somente para as negras acadêmicas?”.

SERVIÇO:
Curso online: “Geração Tombamento” – Coletivo Di jejê
Ficha de Inscrição: 
https://goo.gl/z1bKrZ
Data do curso: Entre 28 de Fevereiro e 30 de Março de 2017
Local: online
Investimento: R$60,00

+ sobre o tema

Estudante da UFRJ comove a internet com declaração do pai semianalfabeto

Por Daniel Silveira Do G1 Ela criticou quem debocha das pessoas...

II Edital Gestão Escolar para a Equidade – Juventude Negra

Vários estudos mostram que há resultados educacionais significativamente piores...

Cerimônia de formatura em MT reúne 43 índios de 32 etnias diferentes

Formandos do curso de Pedagogia Intercultural que reúne 32...

Aluno da primeira turma de cotistas raciais da UFPR defende tese de doutorado

A UFPR agendou para a próxima terça feira (7)...

para lembrar

Professor Sérgio Nogueira aponta os 10 erros de português mais frequentes

O professor Sérgio Nogueira explicou os dez erros mais...

50 erros de português que você não pode mais cometer

Guia prático para não queimar mais o filme em...

Professor de Harvard revela os preceitos para a ‘boa escrita’

Para Steven Pinker, 'escrever bem requer empatia'. Professor do...

Ocupar escolas, ocupar o discurso especialista

“O indivíduo era sempre descrito em função de seu...
spot_imgspot_img

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção às mulheres, divulgação de livros, sites, materiais sobre a valorização do feminino, ainda há muito...

Como a educação antirracista contribui para o entendimento do que é Racismo Ambiental

Nas duas cidades mais populosas do Brasil, Rio de Janeiro e São Paulo, o primeiro mês do ano ficou marcado pelas tragédias causadas pelas...

SISU: selecionados têm até quarta-feira para fazer matrícula

Estudantes selecionados na primeira chamada do processo seletivo de 2024 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) têm até quarta-feira (7) para fazer a matrícula...
-+=