Descolonizando o Conhecimento: uma palestra-performance de Grada Kilomba

06/03, das 16h às 18h|Local: CCSP – Centro Cultural São Paulo

Por Grada Kilomba Enviado Para Portal Geledés

A palestra-performance será realizada em inglês.

Sinopse

Descolonizando o Conhecimento é uma palestra-performance na qual Grada Kilomba utiliza vários formatos, de textos teóricos e narrativos a vídeo e performance, a fim de transformar as configurações de poder e de conhecimento. Este projeto expõe não só a violência da produção de conhecimento clássico, mas também como essa violência é realizada em espaços acadêmicos, culturais e artísticas, que determinam tanto ‘quem pode falar’ como ‘sobre o que é que se pode falar’. Para tocar nessa ferida colonial, Grada Kilomba levanta questões relacionadas aos conceitos de raça, gênero e conhecimento – “que conhecimento é reconhecido e a quem pertence este conhecimento?”– e explora formas de produção alternativa de conhecimento.

Histórico

Grada Kilomba é uma escritora, teórica e artista interdisciplinar portuguesa, com origens em São Tomé e Príncipe e Angola. Estudou Psicologia Clínica e Psicanálise no ISPA, em Lisboa, e é doutora pela Freie Universität, em Berlim. O seu trabalho aborda memória, trauma, raça, gênero e a pós-colonialismo, e já foi traduzido em várias línguas e publicados em inúmeras antologias internacionais, além de encenado internacionalmente. Os seus projetos são especialmente conhecidos por criarem um espaço híbrido onde as fronteiras entre as linguagens acadêmicas e artísticas se dissolvem. É coeditora de “Mythen, Masken, Subjekte” e autora de “Plantation Memories”. Tem ensinado em diversas universidades internacionais. Foi professora de Estudos de Gênero e Estudos Pós-Coloniais, na Universidade de Humboldt, em Berlim.

Atualmente, Grada Kilomba é curadora no Teatro Maxim Gorki, em Berlim, onde desenvolve uma série com artistas refugiados. Também tem apresentado o seu trabalho em renomeados espaços de exibição, teatros e universidades, como o Vienna Secession Museum, Brussels Bozar Museum, London Maritime Museum, Maxim Gorki Theater, Berliner Festspiel Haus, Ballhaus Naunynstrasse, Theater Münchner Kammerspiel, universidades de Estocolmo, Amsterdã, Londres, Viena e Rio de Janeiro, entre outras.

Saiba mais em: http://gradakilomba.com

+ sobre o tema

Por uma consciência humana

Há muitos séculos, desde a célebre “descoberta” do Brasil,...

Livros angolanos expostos em Lisboa serão matéria de estudo

Lisboa (do correspondente) – Alguns dos 50 títulos...

Por que o sucesso destas mulheres negras incomoda tanto?

Taís Araújo, Maju Coutinho, Cris Vianna e, agora, Sheron...

para lembrar

Caneladas do Vitão: Uma vez Anielle, sempre Marielle 2

Brasil, meu nego, deixa eu te contar, a história...

Dizem que `num´pega, mas um dia ainda vão aprender que pega

Domingo passado, folheando revistas velhas, bati o olho numa...

Há exatos 30 anos, morria Marvin Gaye

Se estivesse vivo, Marvin Gaye, ícone da soul music...

Primeira vereadora negra eleita em Joinville é vítima de injúria racial e ameaças

A vereadora Ana Lúcia Martins (PT) é a primeira...
spot_imgspot_img

Negra Li mostra fantasia deslumbrante para desfile da Vai-Vai em SP: ‘Muita emoção’

A escola de samba Vai-Vai está de volta ao Grupo Especial para o Carnaval 2024, no Sambódromo do Anhembi, em São Paulo, neste sábado...

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“O Itamaraty me deu uma bofetada”, diz embaixadora Isabel Heyvaert

Com 47 anos dedicados à carreira diplomática, a embaixadora Isabel Cristina de Azevedo Heyvaert não esconde a frustração. Ministra de segunda classe, ela se...
-+=