Em exposição na cidade, Carlinhos Brown se lança como artista plástico

Enviado por / FontePor Nahima Maciel

Carlinhos Brown costuma acordar no meio da noite para pintar. Acontece com a música também, mas a pintura tem tomado espaço considerável. Há seis meses, Brown encarava a atividade como hobby. Uma visita de Jorge Hereda, presidente da Caixa Econômica Federal, mudou a perspectiva. “Ele foi à minha casa e disse ‘tem um monte de coisa boa, vamos fazer uma exposição’. Eu disse ‘não, sou tímido, sou músico e isso aí é para curtir’. Ele ligou no outro dia e disse ‘vamos fazer uma exposição sim, você vai ser lançado como um artista visual'”, conta o músico, feliz por dividir o espaço da Caixa Cultural com obras de Debret e de artistas contemporâneos de Angola. Em O olhar que ouve, Brown mostra 25 pinturas feitas nos últimos cinco anos, quando retomou desejo acalentado desde a infância.

Filho de um pintor de parede, Brown inúmeras vezes acompanhou o pai em serviço, mas o fascínio pelas cores atrapalhava. Um dia, coloriu as paredes do cliente e levou bronca. A orientação era pintar de branco e gelo. “Eu não queria ficar pintando só uma cor”, lembra. “Mas meu pai via que eu tinha dons musicais e me entregou para o mestre Pintado do Bongô, que me conduziu na música. Nos últimos cinco anos, me veio a vontade de me expressar através das telas.”

A pintura de Brown não chega a ser figurativa, não representa cenas, paisagens ou figuras, mas também não é completamente abstrata. A falta de formação e o autodidatismo conferem às composições liberdade adquirida graças à maturidade e ao desprendimento de escolas ou estilos. “O que me guia é o gesto. O gesto e a ignorância. E junto à ignorância, que é a falta de conhecimento, a surpresa. Vejo que, se existe algo de arte em mim, se revela pelo gosto e por certa satisfação de que aquilo tá bom ou ruim”.

 

 

 

+ sobre o tema

“A mais terrível de nossas heranças”, por Darcy Ribeiro

“Apresado aos quinze anos em sua terra, como se...

É difícil não se emocionar com este vídeo dos bastidores de ‘A Rainha de Katwe’

Já falamos aqui no HuffPost Brasil que estamos ansiosos...

Nigéria reduz para 152 o número de mortos em acidente aéreo

O governo da Nigéria reduziu nesta segunda-feira para...

Uma conversa com Carmen Luz sobre o cinema feminino em movimento

Revista Vogue O mundo esperou 93 anos para ver uma...

para lembrar

Manifestações culturais afro-brasileiras se encontram na 33ª Lavagem da Escadaria

A tradicional Lavagem da Escadaria da Catedral Metropolitana de...

4 pessoas que eram negras e que a história representa como brancas

Vários nomes da história apenas chegam até nós por...

É preciso combater o racismo por Leci Brandão

Em São Paulo, a imprensa diariamente mostra casos de...

Brasil amplia presença nos países africanos de língua portuguesa

Autor: Alexandre Schossler   Presença das novelas da...
spot_imgspot_img

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Estou aposentada, diz Rihanna em frase estampada na camiseta

"Estou aposentada", é a frase estampada na camiseta azul que Rihanna, 36, vestia na última quinta-feira (6), em Nova York. Pode ter sido uma brincadeira, mas...
-+=