Ex-Modelo Aponta Racismo em Semanas de Moda e Cobra Ação de Organizadores

Enviado por / FonteDo Terra

A ex-modelo Bethann Hardison enviou quatro cartas na última quinta-feira para os órgãos sociais das semanas de moda de Nova York, Paris, Londres e Milão com acusações de racismo nas passarelas. Segundo ela, a ausência de modelos negros nos desfiles não pode ser vista com naturalidade. As informações são do Huffington Post.

No final da carta, ela citou grifes que seriam racistas, entre os nomes estão Donna Karan, Versace, Céline, Louis Vuitton, Alexander McQueen, Calvin Klein, BCBG, Prada e Chanel. “Assim não há esconderijo”, disse Hardison ao jornal. “Se você diz os nomes, ninguém pode dizer: ‘isso não tem nada a ver comigo’”, explicou.

“Eu estou tentando educar as pessoas. Esta é uma responsabilidade de muitos”, afirmou a ex-modelo. Hardison considerou a ação da Vogue uma representação poderosa da beleza negra, porém, dedicar um desfile para todos os modelos negros “é ofensivo”, segundo ela, e não resolve o problema do racismo. “Deve haver diversidade, todas as nacionalidades, cores, raças e tons de pele serem representados igualmente”, completou.

Steven Kolb, do conselho da semana de moda de Nova York disse que discutiu a carta com a presidente do grupo, Diane von Furstenberg, e que eles continuam a apoiar a diversidade. O conselho britânico informou que, embora não supervisione o casting de modelos, é comprometido com a luta pela diversidade na London Fashion Week.

Didier Grumbach, presidente da Chambre Syndicale, na França, garantiu que a próxima Paris Fashion Week vai representar uma grande variedade de etnias.  Mario Boselli, do órgão responsável pela semana de moda na Itália afirmou que continuará o incentivo, mas não pode impor como deve ser a escolha de modelos. Hardison disse ter respeito pelos designers: “acho que eles são boas pessoas e apenas não entendem quais os reflexos de suas atitudes”.

+ sobre o tema

Após perder cinturão, Jon Jones é retirado do ranking peso por peso e dos meio-pesados

Algumas horas depois da Comissão Atlética da Califórnia declarar o...

Amazonas de Daomé: As mulheres mais temidas do mundo

Bravas guerreiras da África Ocidental repeliram com sucesso invasores...

para lembrar

Depois de tanta confusão, enfim: Lobão tem razão?

Lobão acabou virando o tema cultural da semana depois...

De cabelos escuros, Rihanna promove ‘Battleship’ no Japão

Rihanna apareceu de cabelos escuros no Japão para promover...

Saiu “Políticas da Inimizade” de Achille Mbembe

Saiu "Políticas da Inimizade" de Achille Mbembe. Ao terem fomentado...

“Não haverá filosofia africana a partir de um livro da Europa”

Paulina Chiziane Autora dos livros, Balada de Amor ao Vento (1990), Ventos de...
spot_imgspot_img

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...
-+=