quarta-feira, julho 8, 2020

    Projetos em Andamento

    blank

    VIII Cúpula das Américas – Coalisão Afrodescendente – abril 2018 Lima – Peru

    Reunidos sem Lima – Perú em representação a Geledés – Instituto da Mulher Negra no processo da VIII Cúpula das Américas, que tem como tema de fundo “governos democráticos frente a corrupção”, a Coalisão Afrodescendente composta por 136 membros de diversos países da região, tomando em conta a Década Afro e considerando a crescente onda de retrocessos em políticas públicas e violações de direitos humanos que se observa no Brasil e em todos os países do continente americano. Entendemos que se faz necessário uma resposta efetiva dos organismos internacionais quanto a temas como corrupção e crie mecanismos de monitoramento que possam estabelecer transparência e informação a população, bem como se expressamos profunda preocupação quanto crescente violência que vem sendo praticada contra defensores/as de direitos humanos e que atinge majoritariamente jovens e mulheres negros/as. por Rodnei Jericó do Geledés Instituto da Mulher Negra No processo da VIII Cúpula das Américas serão...

    Leia mais
    blank

    Sobre o Encontro de Mulheres Negras do Cone Sul na Argentina

    No dia 17 de fevereiro de 2018 foi realizada na sede da Sociedad Caboverdeana de Socorros Mútuos, na provìncia de Avellaneda - vizinha à capital portenha - o primeiro encontro do projeto Mujeres del Cono Sur: Su Retrato en Preto y Blanco. Foi  um dia memorável para o feminismo negro na Argentina, contribuindo para o fortalecimento e legitimação do movimento no país. O evento reuniu cerca de 40 mulheres pertencentes a distintos movimentos sociais afrodescendentes da Argentina, Brasil, Chile e Uruguai para discutir a situação atual e as questões ligadas à defesa dos direitos das mulheres negras do Cone Sul. por Denise Braz* e Bruna Stamato** enviado para o Portal Geledés Foto Romina De León O encontro contou com a presença de representantes de associações como as argentinas Sociedad Caboverdeana de Socorros Mútuos, TeMA - Tertulia de Mujeres Afrodescendientes, Colectiva de Afrodescendientes de la Provincia de Misiones,...

    Leia mais
    blank

    Mulheres Negras nas ruas. Ouçam nossas vozes!

    Somos as mulheres negras de São Paulo que ajudaram a construir a Marcha das Mulheres Negras contra o Racismo, a Violência e pelo Bem Viver, que em 2015 levou a Brasília cerca de 50.000 mulheres fazendo ecoar nossas vozes por todo o Planalto Central, representando as 49 milhões de mulheres negras brasileiras. Enviado por Nilza Iraci para o Portal Geledés Dois anos após a Marcha histórica, nós mulheres negras de São Paulo voltamos às ruas, na 14ª Marcha da Consciência Negra, para celebrar, com as forças progressistas do movimento negro e antirracista, o Dia da Consciência Negra, e para trazer às ruas nossas vozes e dizer que continuamos em Marcha pelas Mulheres, por todas as Mulheres. No momento em que o Brasil como um todo atravessa uma grave crise política, com o desmantelamento de políticas públicas duramente conquistadas, com desmandos por parte de um governo não eleito, com escandalosas denúncias...

    Leia mais
    Foto: Marcus Steinmayer

    Maria Alice Setubal e Sueli Carneiro: Debate racial no Brasil: uma causa de todos

    A construção de uma sociedade mais justa passa, necessariamente, pelo enfrentamento das desigualdades educacionais. E, como apontado recorrentemente por estudos e pesquisas, a busca por essa equidade está diretamente relacionada à temática racial. no Folha O Festival do Livro e da Literatura de São Miguel, realizado pela Fundação Tide Setubal e que chega à sua oitava edição, confirmou-se nessa trajetória como um importante evento de articulação para o diálogo sobre os mais diversos temas, sinalizando a relevância da literatura não só como fim, mas como meio para o debate. As atividades são incorporadas à rotina local com a participação da comunidade, que, em rede, constrói a programação. Durante três dias, 52 pontos na zona leste de São Paulo serão ocupados com mais de 150 atividades. Com o tema "Letras Pretas: poéticas de corpo e liberdade", neste ano o evento promoverá uma reflexão sobre a representação do negro, como autor e...

    Leia mais
    blank

    Organizações de Mulheres Negras se encontram com relatora da OEA

    Representantes de Criola e Geledés – Instituto da Mulher Negra, estiveram em Montevidéo, Uruguai, reunidas com a Sra. Margarette May Macaulay, relatora especial para os direitos da população afrodescendente e mulheres na CIDH/OEA, no dia 29 de outubro, por ocasião do 165º período ordinário de sessões da CIDH OEA – audiências públicas, para a entrega de relatório atualizado sobre a situação de violências e violações contra as mulheres negras brasileiras. Os casos foram inicialmente apresentados à Relatora durante as audiências realizadas em São Paulo e Rio de Janeiro em agosto de 2016. por Nilza Iraci Diretora do Geledés Instituto da Mulher Negra Também foram acrescentados novos casos que confirmam o alarmante aumento do quadro de violação dos direitos das negras brasileiras no ano de 2017. Apesar de o Brasil ter assumido nas últimas décadas agendas internacionais para a diminuição das desigualdades e enfrentamento da violência de gênero, os instrumentos e...

    Leia mais
    blank

    Estudo analisa mulheres e negras na educação brasileira

    Um projeto desenvolvido entre 2014 e 2016 trouxe para o debate as políticas educacionais no Brasil para a questão do gênero, com apoio do Comitê da América Latina e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher (CLADEM), da Comunicação em Sexualidade ECOS e do Geledés, Instituto da Mulher Negra. Fonte: GGN Uma compilação de artigos aprofunda o desafio da educação e gênero no Brasil, a agenda para as políticas educacionais, o contexto histórico das propostas políticas já ou não implementadas, as mulheres negras na sociedade civil e no campo acadêmico, e como a ONU analisa a educação brasileira. A seguir, a descrição dos artigos, reprodução de trecho da apresentação do documento: Com o objetivo de tornar conhecidos os propósitos e as ações do Projeto Gênero e Educação, a Introdução deste livro apresenta as principais contribuições e o potencial articulador da iniciativa em um contexto político bastante desafiante do...

    Leia mais
    blank

    Ultimos dias para inscrições do curso: Mulheres Negras e Dignidade Humana

    O CESEEP e o GELEDÉS estabeleceram parceria para o Curso de Pastoral e Relações de Gênero de 2017, que será coordenado por responsáveis das duas instituições. Somaram, para tanto, sua experiência no campo da reflexão, da formação e de práticas de intervenção social. por Maria Sylvia do Geledés VAGAS - 30 Valor da Inscrição Inscrição e estudo U$200 Hospedagem e alimentação U$160 TOTAL ................................. U$360 O valor poderá ser parcelado em 3 (três) vezes Maiores informações: Sítio do CESEEP: http://www.ceseep.org.br Fone:: +55 (0) 11-3105-1680 Link para inscrição: http://novo.ceseep.org.br/?page_id=5345 CONTEÚDO/ASSESSORAS E ASSESSORES Aprendizado das línguas e integração do grupo - Dirce Pontes, assistente social, psicodramatista e acupunturista – CESEEP. As América negras - José Oscar Beozzo – teólogo e historiador – CESEEP Mulheres negras – História e trajetórias - Suelaine Carneiro – Coordenadora do projeto de educação do GELEDES – Instituto da Mulher Negra – São Paulo SP Gênero e Raça -...

    Leia mais
    blank

    O PLP 2.0 Aplicativo de Combate a Violência contra Mulher é premiado pela OEA

    O aplicativo PLP 2.0 foi um dos premiados pela OEA- CITEL ( Inter-American Telecommunication Comission ) com outros 2 projetos de Combate a Violência contra Mulher. *************** The Secretariat of the Inter-American Telecommunication Commission (CITEL) of the Organization of American States (OAS), has the honor to inform you the three (3) winning proposals of theContest of the Call for Awards “ICT to prevent and eradicate violence against women”. The winners are: *************** La Secretaría de la Comisión Interamericana de Telecomunicaciones, CITEL, de la Organización de los Estados Americanos, OEA tiene el honor de informarles sobre las tres (3) iniciativas ganadorasde la Convocatoria Premiación “Las TIC para Prevenir y Erradicar la Violencia contra las Mujeres”. Los ganadores son: A plataforma PLP 2.0 de enfrentamento à violência contra mulher foi criado para fortalecer a rede de proteção para mulheres em situação de violência. O Geledés Instituto da Mulher Negra e Themis Gênero e Justiça  são a idealizadora desta...

    Leia mais
    blank

    Racismo no Brasil choca relatora da OEA sobre direitos das mulheres e afrodescendentes

    Responsável pela fiscalização do cumprimento das leis e tratados internacionais que regulam os direitos de mulheres e negros nos países integrantes da Organização dos Estados Americanos (OEA), a jamaicana Margarette Macaulay chegou a questionar se o Brasil seria efetivamente uma democracia, diante do nível das violações cometidas contra nacionais, ou permitidas pelas instituições brasileiras por omissão, e que foram relatadas a ela em audiência pública. Por Luciana Araújo, da Agência Patrícia Galvão Foi encerrada no último dia 30 de setembro a missão oficial da comissária da Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre os Direitos das Mulheres e das Pessoas Afrodescendentes, Margarette May Macaulay. A relatora atua com direitos humanos desde 1966 e já foi juíza da CIDH antes de assumir as relatorias atuais. Mesmo assim, na audiência pública promovida pelo Geledés – Instituto da Mulher Negra em São Paulo, a relatora ficou com os olhos marejados...

    Leia mais
    blank

    Mulheres negras vítimas de violência denunciam casos à OEA

    Mulheres negras que sofreram diversos tipos de violência vão relatar hoje (30) à Organização dos Estados Americanos (OEA), durante audiência pública na capital paulista, casos nos quais foram vítimas. Os depoimentos serão colhidos pela relatora de Direitos de Afrodescendentes e Mulheres da OEA, Margarette Macaulay, que veio ao Brasil conhecer essa realidade e receberá também o dossiê sobre a violência sofrida por mulheres negras no Brasil das mãos de ativistas das organizações Geledés e Criola. Por Camila Boehm e Eliane Gonçalves, do EBC  No Brasil, os assassinatos de mulheres brancas tiveram redução de 9,3% em dez anos (2002 a 2013), enquanto os assassinatos de mulheres negras tiveram um aumento de 54,2% no mesmo período, segundo dados do dossiê, que é uma compilação de dados oficiais do país. “O dossiê é resultado de um relatório que nós apresentamos para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA denunciando as violações, as violências...

    Leia mais
    blank

    E-book Marcha das Mulheres Negras

    É com imensa alegria que a Articulação de Organizações de Mulheres Negras - AMNB lança o E- book com a história e memória fotográfica do processo de construção, mobilização, divulgação e realização da Marcha das Mulheres Negras contra o Racismo, a Violência e pelo Bem Viver nas cinco regiões do Brasil. A Marcha das Mulheres Negras realizada no dia 18 de novembro de 2015 que colocou em Brasília cerca de 50 mil mulheres de todos os cantos do país, foi resultado dos esforços coletivos das milhões de mulheres negras, que durante três anos e em lugares diferentes do país e do mundo acreditaram na construção de um momento político que revelaria e visibilizaria a luta, a resistência, as denunciais, as angustias e as vozes das 50 milhões de mulheres negras brasileiras. A Marcha foi um Marco para o movimento de mulheres negras brasileiras e o mais importante movimento político no...

    Leia mais
    blank

    Vandalismo no centro de referência e promoção da igualdade racial

    É com tristeza que comunicamos o vândalismo pelo qual passou o Centro de Referência de Promoção da Igualdade Racial, que está localizado no prédio do antigo Telecentro, na Vila Maria. de Rodnei Jericó - coordenador do CRPIR para o Portal Geledés O Centro de Referência é um serviço público e gratuito municipal que prevê a prestação de atendimento e orientação multiprofissional em casos de discriminação racial. O espaço conta com oficinas, debates, palestras, ações pedagógicas e outras atividades relacionadas à inclusão e igualdade, tornando-se um equipamento permanente de vigilância, valorização e respeito à identidade. Depois de haverem pichado a nossa placa, agora a arrancaram e quebraram. Além de ser depredação de patrimônio público, também nos parece que algum setor na localidade não está satisfeito com a implantação do nosso CRPIR. Um viés racista também não pode ser descartado. Veja as fotos: leia também: São Paulo ganha novo Centro de Referência de...

    Leia mais
    blank

    Lançamento – Dossiê sobre a situação dos direitos humanos das mulheres negras no Brasil: Violências e Violações

    As organizações Criola (Rio de Janeiro) e Geledés (São Paulo) e a AMNB – Articulação de Mulheres Negras Brasileiras lançaram, no  domingo, 11∕09, ás 11:00h (Ala Mar Vera Cruz 1-2) durante o 13º Fórum da AWID – Construindo o Poder Coletivo, o Dossiê sobre a situação dos direitos humanos das mulheres negras no Brasil: Violências e Violações. por Maria Sylvia para o Portal Geledés O dossiê, que foi elaborado sob a coordenação de Jurema Werneck e Nilza Iraci, expõe diferentes formas de violações de direitos humanos de mulheres negras brasileiras e foi apresentado na 157 sessão da Comissão da OEA – Organização dos Estados Americanos. O dossiê traz informações, a partir de dados governamentais, que demonstram a persistência do racismo na sociedade brasileira e seus impactos na vida das mulheres negras. Os dados expostos informam que houve crescimento no número de assassinatos de mulheres negras, enquanto houve diminuição de assassinatos...

    Leia mais
    blank

    CRPIR – Vila Maria convida para 2º cine debate em agosto

    Entrada franca Jorge L.S. Nunes *Coordenador do Centro de Referência de Promoção da Igualdade Racial - Vila Maria [email protected]  | [email protected] Fones: 11 94952.4960 (Tim/WhatsApp) 11 96139.0163 (Oi) CENTRO DE REFERÊNCIA DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - VIla Maria Travessa Particular Fernão Martins da Costa, 105 Vila Maria Alta | 02134-010 | São Paulo | SP. Tel: 11 94296.4606 (Institucional) PREFEITURA DE SÃO PAULO Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial

    Leia mais
    blank

    Vídeo PLP 2.0 – App de enfrentamento a violência contra mulher

    PLP 2.0 aplicativo de combate a violência contra mulheres ganhador do 1º Desafio de Impacto Social Google Brasil, que selecionou quatro instituições no Brasil para criar tecnologias sociais. A proposta venceu o prêmio do Juri Popular, por meio de votação online. O projeto foi desenvolvido pelas organizações não governamentais Geledés Instituto da Mulher Negra, de São Paulo e Themis Gênero e Justiça de Porto Alegre. O propósito do aplicativo é dar agilidade no atendimento de casos extremos de violência e fortalecer a rede de proteção à mulher por meio da tecnologia e também ressalta o protagonismo da atuação das Promotoras Legais Populares (PLPs) que disseminam a ferramenta dentro das comunidades.

    Leia mais
    blank

    “Eu falo sem medo, e você?”

    “Eu falo sem medo, e você?”. Essa é a pergunta que mulheres de todo o país vão fazer em agosto, por causa dos 10 anos da Lei Maria da Penha. Vamos mostrar que estamos mobilizadas em todo o Brasil pelo fim da violência contra a mulher e convocar todas a também falarem sem medo! A campanha é uma iniciativa dos 33 grupos apoiados pelo Fundo Fale Sem Medo em 2016. O Fundo Fale Sem Medo é uma parceria entre o Instituto Avon e o Fundo ELAS que apoia projetos que atuam pelo fim da violência contra as mulheres. Compartilhe os vídeos e ações da campanha usando as hashtags #EuFaloSemMedo e #10anosLeiMariadaPenha e fortaleça essa ideia!   leia também: Juntas – O aplicativo do PLP 2.0 no enfrentamento à violência contra as mulheres

    Leia mais
    aplicativo Juntas. imagem Geledés

    Juntas – O aplicativo do PLP 2.0 no enfrentamento à violência contra as mulheres

    MULHERES CONECTADAS CONTRA A VIOLÊNCIA! Fique em Rede com o Aplicativo JUNTAS do PLP 2.0 Entre no site juntas.geledes.org.br e baixe o aplicativo JUNTAS. Ele possibilita que mulheres em situação de risco estejam conectadas às redes de pessoas e entidades que atuam no enfrentamento à violência contra as mulheres. Não fique sozinha! Busque auxílio e proteção! Você tem direito a uma vida sem violências! #EuFaloSemMedo #10AnosLeiMariadaPenha    

    Leia mais
    blank

    A direita está mais mobilizada que a esquerda nas redes

    Estudo mostra que páginas de movimentos conservadores e contrários ao PT acumulam mais curtidas no Carta Capital Desde a abertura do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff, no dia 12 de maio, a direita se mostra muito mais mobilizada nas redes do que a esquerda. É o que mostra o Mapa das redes de mobilização no Facebook, construído pelos professores Esther Solano (Unifesp), Pablo Ortelllado (USP) e Marcio Moretto (USP). O retrato, feito entre 11 e 25 de junho na rede social que possui no Brasil 99 milhões de usuários ativos mensais, mostra que as páginas de direita se sobressaem quanto ao número de curtidas, seja em posts e conteúdo compartilhado ou mesmo na própria página de apresentação. De acordo com os especialistas que apresentaram resultados preliminares da pesquisa na última quinta-feira (28), se na época da votação na Câmara e no Senado do processo de impeachment a atividade do espectro...

    Leia mais
    blank

    25 de julho: Mulheres Negras arrastam mais de 2 mil pelas ruas de São Paulo

    Entre as palavras de ordem estava “Fora Temer” e “queremos” o fim do racismo, sexismo, da violência doméstica e da cultura do estupro Agência Áfricas de Notícias – por Claudia Alexandre Em caminhada pelas ruas do centro de São Paulo, cerca de 2 mil mulheres participaram, nesta segunda-feira, da Marcha de Mulheres Negras. O evento marcou o 25 de Julho, Dia internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, que também motivou manifestações em todo o país. A concentração teve início às 17 horas, na Praça Roosevelt e por volta das 20 horas, seguiu pelas ruas da Consolação e Xavier de Toledo até o Largo do Paissandu, onde fica a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, um dos patrimônios da cultura afro-brasileira na cidade. A data marca a luta de resistência da mulher negra contra a opressão de gênero, raça e exploração de classe e foi firmado em...

    Leia mais
    blank

    Mulheres Negras ocupam hoje as ruas de São Paulo em marcha

    Negras marcham contra as opressões de raça, gênero e classe Por Juliana Gonçalves, do Brasil de Fato Com uma articulação orgânica e coletiva, grupos de mulheres negras promovem ato no centro da capital paulista nesta segunda-feira, 25 de julho, data em que se celebra o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e Dia Nacional da Mulher Negra. A concentração está prevista para às 17h na Praça Roosevelt, região central, e seguirá até o Largo do Paissandú, onde está localizado o monumento Mãe Preta, em frente à Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos. Essa data é um marco de luta e resistência das Mulheres Negras, conquistada em 1992, em razão do diagnóstico de que todas as Mulheres Negras passam pelo mesmo tipo de opressão e desigualdade. No Brasil, além da data internacional, há a homenagem a Tereza de Benguela, que liderava o quilombo Quariterê, onde hoje está localizado...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist