Início Áreas de Atuação Mercado de Trabalho Google prioriza estudantes negros em programa de estágio Next Step, no Brasil

Google prioriza estudantes negros em programa de estágio Next Step, no Brasil

imagem- REUTERS

Chamado de Next Step, programa abre nesta segunda, terá 20 vagas e duração de dois anos

por Filipe Oliveira no Folha de São Paulo

imagem- REUTERS

O Google irá priorizar a busca por estudantes negros no Brasil em um novo programa de estágio a ser lançado nesta segunda-feira (28). Chamado Next Step, terá 20 vagas e duração de dois anos.

Vai acontecer em paralelo às seleções de estagiário que já ocorrem para programa de seis meses e que no ano passado escolheram 25 estudantes.

O programa não exigirá fluência em inglês.

​Os selecionados terão aulas do idioma e sessões de mentoria com executivos da empresa.

Fábio Coelho, presidente do Google para o Brasil, diz que o programa busca reduzir a diferença que existe na participação de negros no quadro de funcionários da empresa em comparação com a sociedade brasileira, em que são maioria.

“Entendemos que a empresa que faz produtos para todas as pessoas é melhor quando tem representatividade de todas elas no seu quadro de funcionários.”

Não há dados sobre a participação de negros na unidade brasileira do Google. Relatório da empresa aponta que, nos EUA, eles formam 2,5% da equipe.

Coelho diz acreditar que a falta de domínio de inglês é a principal barreira para a entrada desse público. “É uma questão complicada para os brasileiros, especialmente os com menos acesso a escolas de idiomas.”

Todo estudante com formação prevista para o segundo semestre de 2021 pode participar da seleção. A escolha terá o apoio da consultoria Empodera, especializada em diversidade no mercado de trabalho.

Outra multinacional de tecnologia, a IBM, conseguiu que 50% dos estudantes trazidos para seu programa de jovem aprendiz fossem negros a partir de iniciativa criada em 2016. A companhia não informa o número de selecionados.

Adriana Ferreira, líder de diversidade e inclusão da IBM para a América Latina, diz que não foram reservadas vagas exclusivas, mas, como nessa seleção há menor exigência de inglês e experiência, a diversidade nos currículos aumenta.

Por outro lado, ela diz que é preciso estar em contato frequente com os responsáveis pela escolha dos candidatos para garantir que se atentem à questão da diversidade, ou não se chega a resultados como os do programa.

Entre as iniciativas da empresa para melhorar o ambiente de trabalho e tornar a empresa mais aberta estão o programa de mentoria reversa, em que funcionário de grupos como negros, pessoa com deficiência ou transgênero passa a ter encontros com executivos para troca de experiências e visões de mundo.

Ana Lúcia de Mello Custódio, diretora-adjunta do Instituto Ethos, diz que, apesar de as empresas estarem se tornando mais abertas à diversidade, questões raciais são as que registram progresso mais lento no mercado de trabalho.

Segundo ela, iniciativas espontâneas de empresas que buscam negros em início de carreira indicam interesse no desenvolvimento e na ascensão profissional do grupo.

Um desafio das grandes que querem atrair jovens negros, segundo Custódio, é mostrar a eles que há espaço para esse grupo na empresa.

Isso pode ser feito, de acordo com Liliane Rocha, sócia da consultoria Gestão Kairós, a partir de material de divulgação do programa que tenha grupos variados representados e de parcerias com instituições com grande abertura para esse público.

“Quando você vê um banner de programa de estágio, como é a foto? São dez pessoas e dez brancos. Se, em vez disso, você fizer um material de divulgação com grupo diverso, todos vão se inscrever.”

-+=