quinta-feira, setembro 16, 2021
InícioÁfrica e sua diásporaEsquecer? JamaisHistoriadores negros promovem jornada sobre os 170 anos do fim do tráfico...

Historiadores negros promovem jornada sobre os 170 anos do fim do tráfico transatlântico de africanos escravizados

Há 170 anos, o fim do tráfico transatlântico de africanos escravizados passou a ser uma prioridade para o Estado brasileiro, que passou a tomar medidas concretas para interrompê-lo. Assim, a promulgação da Lei n. 581, em 4 de setembro de 1850, também conhecida como Lei Eusébio de Queirós, foi um evento crucial na formação e na história da nação brasileira, por razões que vão além da atuação do então ministro cujo nome batizou a lei.

Em mais de três séculos, o Brasil se tornou o destino de aproximadamente 5,3 milhões de homens, mulheres e crianças, que foram arrancados da África e submetidos à escravidão em minas e plantações de açúcar, algodão e café, nos serviços domésticos e diversas atividades urbanas. Desse total, 4,8 milhões de pessoas sobreviveram à travessia. Ou seja, cerca de 500 mil vidas humanas foram perdidas em quase 10 mil viagens através do Atlântico. Em termos gerais, o Brasil foi a nação que mais recebeu africanos escravizados nas Américas – em torno de 45%, segundo as estatísticas mais recentes.

Em meados do século XIX, o fim do tráfico já havia sido objeto de tratados internacionais assumidos em décadas anteriores, que resultaram, especialmente, na Lei de 7 de novembro de 1831, apelidada de “Lei para inglês ver”. Em 1850, portanto, o Estado brasileiro decretou a segunda lei de abolição do tráfico negreiro, novamente sob pressão inglesa. Nesses dezenove anos que separam uma lei da outra, aproximadamente 800 mil vítimas – uma média de 40 mil pessoas por ano – foram introduzidas no sistema escravista brasileiro, quando essa prática já era
oficialmente um crime.

Quais as consequências do fim do tráfico escravista para a sociedade brasileira como um todo, e em particular para a população negra? Quais os impactos do tráfico nas várias regiões da África devastadas por guerras e mecanismos de escravização que destruíram padrões preexistentes de  organização socioeconômica e política? Como entender a luta contra o tráfico a partir do reconhecimento do papel histórico dos próprios escravizados no combate ao infame comércio? Como refletir sobre a memória do tráfico num contexto caracterizado pelo racismo estrutural, a supremacia branca e o genocídio da população negra brasileira?

De 31 de agosto ao 4 de setembro, sempre a partir das 15h, a Rede de Historiadoras Negras e Historiadores Negros promoverá, em seu perfil do Instagram (@historiadorxsnegrxs), uma série de lives sobre temas como: A África, o Brasil e o tráfico de escravizados; A repressão e a agência africana; Retornos, conexões e circularidades; e As visões e a memória do tráfico de escravizados. A programação é composta por dezesseis historiadoras e historiadores negros atuantes no Brasil, nos EUA, na França, e com experiência de pesquisa em diversos países africanos.

PROGRAMAÇÃO

Jornada “A Abolição do Tráfico Transatlântico de Africanos Escravizados: os 170 Anos da Lei Euzébio de Queirós”

31 de agosto de 2020 – Segunda-Feira
15 horas-18 horas

Reprodução/Instagram

 

Live 1: A África e o Tráfico de Escravizados
Mediação: Aderivaldo Ramos de Santana (Universidade Bordeaux-Montaigne)

Guerra e poder na África Central: os reinos do Congo e Dongo e o tráfico transatlântico – séc XVII – Guilherme Oliveira da Silva (Unicamp)

O fim do tráfico e os trabalhadores africanos: “engagés à temps” no Senegal e os “africanos livres” no Brasil – Juliana Barreto Farias (Unilab/Universidade Cheikh Anta Diop)

Contrapontos africanos: Angola e Congo na era do abolicionismo global – Roquinaldo Ferreira (Universidade da Pensilvânia)

1º de setembro de 2020 – Terça-Feira
15 horas-18 horas

 

Reprodução/Instagram

Live 2: O Brasil e o Tráfico de Escravizados
Mediação: Gustavo Bronze (PUC – São Paulo)

Para além da lida no Atlântico – vida familiar de um capitão negreiro na Cidade da Bahia
setecentista – Raiza C. Canuta da Hora (UFBA/UNEB)

Dinâmicas escravistas numa cidade negra: o Rio de Janeiro após a proibição do Tráfico – Ynaê Lopes dos Santos (UFF)

Os “africanos livres” na Bahia – Isabel Cristina F. dos Reis (UFRB)

 

2 de setembro de 2020
15 horas-18 horas

Reprodução/Instagram

Live 3: A Repressão e a Agência Africana
Mediação: Najara Gonçalves (UNEB-Alagoinhas)

Apreensões, ultimatos, prejuízos e liberdade: as ações britânicas contra o comércio negreiro e os primeiros impactos sobre a praça da Bahia 1810-1812 – Paulo de Jesus (UFRB)

O caso do Clementina, navio negreiro francês, capturado na província de Pernambuco em 1831 e o combate ao tráfico transatlântico de africanos escravizados no Brasil – Aderivaldo Ramos de Santana (Universidade Bordeaux-Montaigne)

Memórias do tráfico: comércio ilegal e experiências cativas nas ações de liberdade de Pernambuco entre os anos de 1880 e 1888 – Maria Emília Vasconcelos (UFRPE)

3 de setembro de 2020
15 horas-19 horas

Reprodução/Instagram

Live 4: Retornos, Conexões e Circularidades Mediação: Maria Emília Vasconcelos (UFRPE)

O comércio de escravizados entre a Bahia e o Golfo do Benim no século XVIII: uma história global – Carlos da Silva Jr (UEFS)

Revisitando “Os Rosários dos Angolas”: o tráfico e outras conexões (Angola-Bahia, século XVIII) – Lucilene Reginaldo (Unicamp)

Tripulantes da História: os percursos do marinheiro Duarte José Martins da Costa e a rede miúda do comércio de escravizados (Rio de Janeiro – Recife – Benin, século XIX) – Valéria Costa (IFSertão-PE)

Retornos para a África de libertos no Brasil no século dezenove: fases, características e o Rio de Janeiro como local de partida – Mônica Lima (UFRJ)

4 de setembro de 2020
15 horas – 18 horas

Reprodução/Instagram

Live 5: As Visões e a Memória do Tráfico de Escravizados
Mediação: Iracélli da Cruz Alves (UFF)

O tráfico de africanos no Brasil nos jornais estadunidenses: Um olhar diaspórico dos abolicionistas negros – Luciana Brito (UFRB)

O Cemitério dos Pretos novos no contexto do tráfico transatlântico de escravizados, no Rio de Janeiro, da primeira metade do séc. XIX – Júlio César Medeiros (UFF)

As travessias da memória: a patrimonialização das memórias do tráfico e da escravidão no Brasil – Francisco Phelipe Cunha Paz (UnB)

RELATED ARTICLES