“How to Get Away With Murder”: a série de advogados que todo advogado não deveria ver. Por Kiko Nogueira

Enviado por / FontePor Kiko Nogueira, do DCM

Se houvesse um motivo apenas para ver “How to Get Away With Murder”, seria a atriz principal, Viola Davis, impecável no papel da promotora Annalise Keating, especialista em casos de assassinato e professora numa faculdade de Direito.

Mas há muitos outros.

A série, cuja primeira temporada está no Netflix, é uma montanha russa de reviravoltas em tribunais em que cada capítulo encerra uma surpresa. No centro da trama está a morte de uma cheerleader. O marido de Annelise, professor da moça, é um dos principais suspeitos.

Os assistentes dela são sete alunos, escolhidos entre os melhores na sala. Recebem um prêmio pelos resultados. A corrida em busca de provas lembra um reality show, em que uns pisam na cabeça dos outros para faturar o primeiro lugar.

Ninguém é o que parece ser — inclusive a heroína Annelise. O honesto Wes (Alfred Enoch, excelente) não é tão gente fina assim; a ambiciosa Michaela tem esqueletos no armário do futuro marido rico; a sincera Laurel é tão sincera quanto a mulher de Eduardo Cunha.

Cada episódio traz um caso diferente, enquanto cenas em flashback mostram os probos meninos de Annelise tendo de lidar com um corpo queimado numa fogueira, o grande mistério do seriado.

Viola Davis ganhou o Emmy pelo papel. Fez um discurso belíssimo sobre negros e oportunidades. É uma daquelas intérpretes sobre as quais você se pergunta como é que não fez mais filmes. (Para refrescar a memória, ela foi indicada para o Oscar de coadjuvante por “Histórias Cruzadas”).

Carismática, arrogante, ela manipula seus estudantes. Todos os futuros advogados querem agradá-la e fazem de tudo — tudo — para que ela reconheça seus esforços. As sequencias em que Annelise/Viola tira a maquiagem e se transforma em uma figura vulnerável são de deixar Meryll Streep no chinelo.

“How to Get Away With Murder” tem a marca da produtora e roteirista Shonda Rhimes, a primeira mulher a emplacar três séries no horário nobre da TV americana: “Grey’s Anatomy”, “Scandal” e “HTGAWM”.

Sanguínea, Shonda respondeu a uma matéria sobre sua predileção por “elencos étnicos” na lata: “O artigo é tão ignorante que vou ignorá-lo”. Volta e meia encrenca também com ativistas de movimentos raciais (ela é negra).

Shonda gosta de dizer que suas histórias podem até não fazer sentido, “mas nunca são entediantes”. “How to Get Away With Murder” é a prova cabal disso.

+ sobre o tema

Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus de 2009 lança 133 poetas

O livro "Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus -...

Um evento histórico: homenagem a Luiz Gama

Nos próximos dias 03 e 04 de novembro, na...

Consciência da população negra foi importante para independência de países africanos

Consciência da população negra foi importante para independência de...

Rapper Diddy e Ciara vêm ao Brasil para o Fashion Rocks

O rapper norte-americano Diddy, também conhecido como P. Diddy...

para lembrar

Rapper francês Féfé faz show em Belo Horizonte

O rapper francês Féfé faz show em Belo Horizonte...

Dobradinha de Pílulas de Cultura em novembro

Neste mês de novembro, as Pílulas de Cultura contam...
spot_imgspot_img

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Nota de pesar: Flávio Jorge

Acabamos de receber a triste notícia do falecimento do nosso amigo e companheiro de militância Flávio Jorge, o Flavinho, uma das mais importantes lideranças...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...
-+=