Início África e sua diáspora Patrimônio Cultural LP inédito com composições de portelenses históricos é lançado mais de seis...

LP inédito com composições de portelenses históricos é lançado mais de seis décadas após gravação

'Escola de Samba Portela 1959' revela sambas de Manacéa, Jair do Cavaquinho, Chatim e Walter Rosa

Entre inéditos e primeiras versões, LP traz “Manhãs brasileiras”, de Manacéa/Foto: Luis Alvarenga

Graças a um bando de apaixonados por samba, um tesouro está vindo à tona. O lançamento do LP “Escola de Samba Portela 1959” (neste sábado, 18, a partir das 19h, no Centro Cultural São Paulo) é o final feliz de uma epopeia. No disco há composições dos portelenses históricos Manacéa, Jair do Cavaquinho, Chatim e Walter Rosa.

Como, na fase de pré-venda, esgotaram-se as 40 bolachas de cor branca (R$ 300) e as 25 azuis (R$ 280), só há pretas (R$ 230). A tiragem total é de 500 unidades. A partir da próxima segunda-feira, LPs serão vendidos pela internet. Informações estarão nas páginas do Instituto Glória ao Samba no Facebook e no Instagram. Mais à frente, as músicas ficarão disponíveis nas plataformas digitais.

Integrantes do instituto, uma associação de aficionados pelo gênero, descobriram em 2008, no site do Immub (Instituto Memória Musical Brasileira), a menção a um disco intitulado “Escola de Samba Portela 1959”. Até então, só se conhecia o de 1957. Consultaram pesquisadores e colecionadores, mas ninguém sabia do que se tratava. Havia apenas uma pista: teria sido produzido pelo selo Festa.

A busca começou para valer em 2012. O jornalista Paulo Mathias, que desde então trabalha numa biografia do compositor e líder Paulo da Portela, procurava alguma informação enquanto fazia entrevistas, vasculhava a hemeroteca da Biblioteca Nacional e consultava livros para a sua pesquisa. Foi em 2017 que achou o nome de Gracita Garcia Bueno, identificada como sobrinha de Irineu Garcia, o dono do Festa.

Encontraram o telefone de uma associação de artistas plásticos da qual Gracita fazia parte. Souberam, então, que estava com ela o acervo do selo e que dele fazia parte o material do “Portela 59” — como o disco é mais conhecido. Ela relutou, mas aceitou mostrar.

Ao lado da jornalista Ana Paula Orlandi, que escrevia uma monografia sobre o Festa, Mathias e seu colega Rafael Lo Ré puseram a fita DAT para tocar e ouviram sete sambas. Emocionados, comprovaram que “Portela 59” não era uma lenda, como chegaram a temer que fosse.

Faltava tentar saber por que só havia sete, se no site do Immub estavam listadas 12 músicas. E por que o material não fora lançado.

— É um mistério por que não saiu — diz Mathias. — Mas descobrimos que os outros cinco sambas foram compostos apenas nos anos 1960. Então, entraram depois na lista, talvez para algum projeto de compilação.

-+=