Luísa Mahin

Nascida em Costa Mina, na África, no início do século XIX, Luísa Mahin foi trazida para o Brasil como escrava. Pertencente à tribo Mahi, da nação africana Nagô, Luísa esteve envolvida na articulação de todas as revoltas e levantes de escravos que sacudiram a então Província da Bahia nas primeiras décadas do século XIX.

Quituteira de profissão, de seu tabuleiro eram distribuídas as mensagens em árabe, através dos meninos que pretensamente com ela adquiriam quitutes. Desse modo, esteve envolvida na Revolta dos Malês (1835) e na Sabinada (1837-1838). Caso o levante dos malês tivesse sido vitorioso, Luísa teria sido reconhecida como Rainha da Bahia.

Como negra africana, sempre recusou o batismo e a doutrina cristã, e um de seus filhos naturais, Luís Gama (1830-1882), tornou-se poeta e um dos maiores abolicionista do Brasil. Descoberta, Luísa foi perseguida, até fugir para o Rio de Janeiro, onde foi encontrada, detida e, possivelmente, deportada para Angola, Não existe, entretanto, nenhum documento que comprove essa informação.

 

Fonte: Palmares

+ sobre o tema

Cidinha da Silva e Cecília Floresta discutem Audre Lorde no Clube Lesbos, dia 29/06.

O Clube Lesbos nasceu para discutir livros/filmes com personagens...

Editorial Terra de Direitos: Um Supremo Tribunal Federal diverso fortalece a democracia

Com a aposentadoria de Rosa Weber, a terceira mulher...

Ana Paula Xongani: ‘Trabalho para a revolução de ser uma mulher preta feliz e bem-sucedida’

Apresentadora do GNT e influenciadora digital, ela já chorou...

Debate sobre intelectuais negras na universidade abre o IX Artefatos da Cultura Negra

Aconteceu na noite desta quarta-feira (19) no Salão de...

para lembrar

Filho de casal gay está em coma após ser espancado na escola por homofobia

Um adolescente de 14 anos foi espancado por cinco...

Tons do Outubro Rosa

Os lados A e B da campanha de conscientização...

Violências invisíveis: dados sobre a violência contra a mulher negra

12 milhões de mulheres sofreram algum tipo de ofensa...
spot_imgspot_img

Mãe Hilda de Jitolú, a matriarca do Ilê Aiyê

Em 1988, quando uma educação afrocentrada ou antirracista ainda não estava no imaginário brasileiro, uma mulher preta que nunca frequentou a escola abriu sua casa, em Salvador (BA)...

Aos 80 anos, Zezé Motta celebra uma carreira de grandes feitos e garante: “Eu não paro!”

É com um sorriso solto e uma presença indescritível que Zezé Motta conversa comigo no camarim do estúdio onde fotografamos as imagens e a capa que...

Justiça nega aborto legal de adolescente de 13 anos após seu pai pedir manutenção da gravidez

Uma adolescente de 13 anos que vive em Goiás teve o aborto legal negado pelo TJ-GO (Tribunal de Justiça de Goiás), após o pai da jovem...
-+=