MC Afrika Bambaataa e o futuro do hip hop

“Fight the Power”. Título da mais famosa música do grupo de rap Public Enemy, lançada no fim dos anos 1990, é também uma das frases que não abandonam o discurso de Afrika Bambaataa, um dos pais do hip hop, movimento que completa 35 anos em 2010. Desde o fim de março, o MC (e também DJ) está no País para cumprir agenda de shows e palestras.

Na última terça-feira, em São Bernardo, conversou com seguidores. O Grande ABC sempre faz parte das turnês do artista. Desde 2002, a sede brasileira da ONG criada por Bambaataa, a Zulu Nation, funciona em Diadema, coordenada por King Nino Brown. A principal bandeira é a transformação social de comunidades carentes por meio dos cinco elementos do hip hop – MCs, DJs, b-boys (e b-girls), grafite e o conhecimento.

Em quase quatro décadas de existência, o hip hop como movimento social deposita suas esperanças de longevidade fora do Bronx, onde nasceu. “Nos Estados Unidos, a maioria está acomodada e dominada pela indústria musical, fazendo dinheiro. Alguns poucos ainda lutam por mudanças em seu bairro e no mundo”, critica o MC.

O Brasil tem grandes chances de ser forte, acredita. “Aqui o trabalho continua crescendo. Os brasileiros têm um espírito de colaboração independentemente de pobreza e riqueza. Todos sabem o quanto lutaram, o que superaram. Mas é preciso perceber que há algo de muito errado quando existem pessoas vivendo na miséria por conta de tanta ganância”, justifica.

SEM AFETAÇÃO – Apesar do evidente respeito dos hip hoppers ao ‘mestre”, como é conhecido, a plateia não se mostrou intimidada e crivou Bambaataa, que estava acompanhado de outros músicos, de perguntas. Na pauta, desde a função da moda como expressão do movimento musical até as diferentes vertentes que o estilo engloba.

A opinião do artista sobre o que os brasileiros estão fazendo artisticamente também gerou bastante curiosidade. Nomes como Marcelo D2, Racionais MCs e Rappin Hood foram indicados como bons exemplos do som. Mas a lista de trabalhos tupiniquins admirados não parou por aí, surpreendendo os hip hoppers que torcem o nariz para o funk carioca. A batida frenética que facilmente gruda nos ouvidos, conhecida no Exterior simplesmente como ‘baile funk” foi elogiadíssima.

“É o que mais chega do Brasil lá fora, embora muitos aqui digam que não gostam por conta das letras, cheias de referências a sexo. Mas nada impede fazer funk com letras que mostrem a sua verdade”, afirmou, citando Mr. Catra como exemplo.
Bambaataa também questionou o público, como forma de medir o nível de sabedoria sobre a identidade dos habitantes do continente. Pelo sorriso que exibiu ao fim do encontro, todos parecem ter passado pela sabatina

 

+ sobre o tema

Lázaro Ramos substitui José Wilker na transmissão do Oscar

Lázaro Ramos foi escalado pela Globo para substituir José...

Erykah Badu anuncia shows em São Paulo e Rio de Janeiro

Erykah Badu anunciou dois shows no Brasil. O primeiro será...

para lembrar

Yacy e Yara Sá: conheça as gêmeas que estão conquistando o mundo da moda

Elas nasceram e cresceram em São Luís, no Maranhão,...

For Blacks in Cuba, the Revolution Hasn’t Begun

By ROBERTO ZURBANO Havana   The author Roberto Zurbano...

Atração do Rock in Rio, Alicia Keys confirma dois shows em SP

Alicia Keys é mais uma das atrações de destaque...

Barack Obama comemora 55 anos com artistas da black music

Barack Obama comemora 55 anos com Jay Z, Kendrick...
spot_imgspot_img

Tony Tornado relembra a genialidade (e o gênio difícil) do amigo Tim Maia, homenageado pelo Prêmio da Música Brasileira

Na ausência do homenageado Tim Maia (1942-1998), ninguém melhor para representá-lo na festa do Prêmio da Música Brasileira — cuja edição 2024 acontece nesta quarta-feira (12),...

Violência contra territórios negros é tema de seminário com movimentos sociais em Salvador

Diante da escalada de violência que atinge comunidades negras e empobrecidas da capital e no interior da Bahia, movimentos sociais, entidades e territórios populares...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...
-+=