Nicki Minaj, a “Lady Gaga do hip hop”, lança seu primeiro álbum

Por: Camilo Rocha

 

Como assim, Lady Gaga do hip hop? Bem, foi assim que a edição americana da Billboard chamou a rapper americana Nicki Minaj em matéria de capa na semana passada.

Parece forçada de barra, mas não é. Assim como Lady Gaga, Nicki Minaj é colorida, atrevida, no meio do caminho entre sexy e caricata. E, assim como Gaga fez no pop, a rapper trouxe um pouco de (necessário) deboche a um cenário que andava se levando muito a sério.

Nicki Minaj, 26 anos, descoberta por Lil Wayne, é assunto quentíssimo nos EUA. Esta semana ela lança seu primeiro álbum, Pink Friday. O disco tem várias participações ilustres: Rihanna, Eminem, Drake, Kanye West e will.i.am estão entre elas.

São 14 faixas onde Nicki mostra um estilo de rap agressivo, vigoroso, desbocado e teatral. “Se eu tivesse um pinto, tirava pra fora e mijava em cima deles”, declama em Did It On ‘Em. Na faixa com Eminem, Roman’s Revenge, os dos simulam uma briga de casal. Em meio a muitos palavrões de ambas as partes, o rap de Nicki assume impostações exageradas e divertidas.

Kanye West e Jay-Z são fãs declarados de Nicki. Beyoncé também. Depois de ver um show de Nicki, a cantora fez questão de elogiá-la pessoalmente: “Você quebrou tudo”. Outra popstar famosa que já pagou um pau para Nicki foi Katy Perry. “Acho ela incrível e adoro seu estilo. Amo seu corpo lindo. Ela é gostosa”, disse a cantora de Teenage Dream.

Nicki causou furor alguns meses atrás quando circulou na internet uma suposta sextape sua. Apesar desse escândalo e dos muitos decotes e roupas justas que gosta de usar em fotos e clipes, Nicki não quer ser conhecida apenas pela imagem sexy.

Em uma entrevista à revista Vibe, declarou que “tomei uma decisão consciente de tentar amenizar minha sexualidade. Quero que as pessoas, especialmente meninas novas, saibam que na vida nada pode ser baseado no sex appeal. Você tem que ser mais que isso.”

Nicki certamente tem muitas qualidades a mais. Atitude e personalidade, por exemplo. Em setembro, afirmou numa entrevista que gostaria de ver o fim da homofobia no hip hop. “Eu sei que existem inúmeros rappers gays, eles deveriam sair do armário”, decretou.

Nicki Minaj feat. Sean Garratt – Massive Attack

 

 

 

Fonte: Virgula

+ sobre o tema

Lionel Richie diz que tocará por mais de duas horas no Rio

No o outro lado da linha, Lionel Richie, bem-humorado,...

O limiar do cinema como arte e linguagem contra o racismo

Mostra 'Oscar Micheaux: O Cinema Negro e a Segregação...

Brasil tem novo Centro de Estudos Africanos

  O Centro terá como sede a Universidade Federal do...

para lembrar

Bom Para Todos: Consciência Negra

Somos ou não um país racista? Vendemos a imagem...

10 obras fundamentais da Literatura africana de língua portuguesa

por Sandro Brincher Literatura africana de língua portuguesa Já li em...
spot_imgspot_img

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13 de maio deste ano. Em 1888, a princesa Isabel, filha do imperador do Brasil Pedro 2º,...

Leci Brandão – Na Palma da Mão em curta temporada no Imperator

Com direção de Luiz Antonio Pilar e texto de Leonardo Bruno, musical que celebra vida e obra da artista se apresenta no Imperator Vencedor do Prêmio Shell de Teatro na categoria "Direção" Nome incontornável da música brasileira, compositora e intérprete de...

Podcast Pessoas: Temporada Vidas Negras é destaque do mês no Museu da Pessoa

Nele, cada episódio apresenta a edição de uma entrevista que compõe o acervo do Museu da Pessoa no formato storytelling. O Podcast, lançado em 2020,...
-+=