Nova ordem mundial?

As consequência futuras do covid 19 são imensuráveis. Existe um questionamento constante sobre o que será de nós em meio a ansiedade e estar em casa: trabalhando, refletindo, nos vivenciando de forma ininterruptível e intensa (claro, para quem tem pode estar). Para além disso, é necessário pensar os reflexos da articulação dos novos acontecimentos.

Por  Eduarda da Silva Pereira Santos, enviado para o Portal Geledés

(Foto: Getty Images)

A partir disso, convoco para canalizarmos nossas emoções e pensamentos na “Nova ordem mundial” que está sendo firmada pelo coronavírus. Seria a introdução de uma nova crise de paradigmas? Aquele momento da história que “tudo muda”? Sendo isso ou não, não podemos esvaziar o sentido político, econômico e social que a “guerra biológica” está pondo em cheque, é para além de uma questão de saúde, o que, por sí só, já é muita coisa.

Hoje, um dos serviços mais valorizados são os de entrega, como Rappi, UberEats, etc. Como pensar a supervalorização, do dia para noite, de serviços socialmente preteridos e quais os desdobramentos disso? Seria utópico pensar que quem deveria ganhar mais com o aumento da quantidade de pedidos seriam os entregadores e não as grandes empresas?

Para pensarmos tal questão, o recorte racial precisa ser preponderante. Se essa for realmente a introdução de um novo cenário, as novas teoria não devem silenciar a raça e o racismo, como foi feito anteriormente em nome de uma questionável estabilidade, mas sim, coloca-los como fator normalizado dentro de uma estrutura estruturante mundial.

Dito isso, é impossível não abarcar a questão capitalista nessa nova configuração de um possível desenvolvimento. Silvio Almeida em seu livro “Racismo estrutural” diz que seria impossível pensar um Brasil desenvolvido sem pensar em um projeto nacional que atacasse o racismo. Será que realmente a nova ordem vai se interessar em quebrar estruturas que sustentam e regulamentam instituições e, mais do que isso, que moldam os perfis dos dominados e dominadores?!

Enfim, acredito que agora seja hora de questionar e tentar mudar uma realidade opressora que impera há muito tempo. Adiante, em meio a pandemia, cuidar do mais velhos, cuidar de quem te criou, é necessário. Essencial. Vamos nos mantes seguros, confiantes, e, como diz Caetano, atentos e fortes.

Leia Também:

Coronavírus na África, a terceira onda

A importância de estarmos juntos, mesmo à distância.

 


** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

+ sobre o tema

Mercado imobiliário dos EUA revela piora na desigualdade racial em uma década; entenda

Sharan White-Jenkins é uma mulher negra, proprietária de um...

Literatura africana em sala de aula: uma proposta didática

A relação entre história e literatura vem de longa...

Leci Brandão sai em defesa da Vai-Vai: ‘Nenhuma instituição está acima da crítica’

'A crítica social é necessária na medida em que...

Nota de esclarecimento GRCSES VAI-VAI

Em 2024, a escola de samba Vai-Vai levou para...

para lembrar

Saíram os cursos do primeiro semestre de 2018 da Maloca Arte e Cultuara. BORA SE INSCREVER!

Venham participar e fortalecer a Maloca. Enviado para o Portal...

Martin Luther King: 50 anos e Geledés – Instituto da Mulher Negra: 30 anos: Exemplos de coragem, inteligência e generosidade na luta contra o...

Martin Luther King, ativista norte-americano, lutou corajosamente contra a discriminação...

Creche na pauta do feminismo negro

“Falar de mulheres negras é essencial para a luta...

Amor afrocentrado é, além de cuidado, desintoxicação

Já faz algum tempo que eu queria falar sobre...
spot_imgspot_img

As Ações afirmativas em tempo Espiralar: (re)existência, luta, palavra e memória

“A voz de minha bisavó ecoou criança nos porões do navio, ecoou lamentos de uma infância perdida. A voz de minha avó ecoou obediência...

Espelho, espelho meu… Na bolinha dos olhos, há alguém mais preto do que eu? O colorismo como elemento de divisão da negritude e da...

Ao menos nos últimos dez anos, ocorre um fenômeno em meio ao universo intelectual e militante do movimento negro brasileiro, que é a retomada...

Dois anos sem Moïse

No mês de janeiro a morte do refugiado congolês Moïse Mugenyi Kabagambe completará dois anos. Moïse foi vítima de uma agressão brutal que o...
-+=