O rapper 50 Cent lança biografia com tons de autoajuda

O bairro de Southside Queens, em Nova York, era um playground às avessas: as crianças não eram poupadas de um jogo violento que envolvia traficantes, cafetões e prostitutas. A lei do tráfico. O menino Curtis James Jackson cresceu em um ambiente um tanto quanto cinematográfico – uma terra de ninguém, habitada por tipos marginais que poderiam ter saído de filmes de Martin Scorsese e Spike Lee. Não chegou a conhecer o pai. A mãe foi assassinada quando ele tinha 8 anos. Aos 11, trocou os estudos pelo comércio de drogas. Malhou os músculos, entrou para a bandidagem, foi preso e, aos 20, decidiu largar tudo para se dedicar à música. Afiou as rimas – quatro anos depois, no entanto, foi atingido por nove tiros em plena luz do dia. A saga de 50 Cent começou a ser escrita assim: a sangue.

Na emboscada, uma das balas atingiu a mandíbula do rapper. Mas Curtis, um sobrevivente desde criancinha, converteu o trauma em inspiração. Desde aquele maio de 2000, ele exorcizou o incidente de diversas formas: em discos como The massacre (2005), no filme Fique rico ou morra tentando (de 2005, dirigido por Jim Sheridan, de Meu pé esquerdo), em centenas de entrevistas e videoclipes. É uma cena que o persegue desde então – e que ajudou a construir a imagem de um astro indestrutível, capaz de sobreviver a todo tipo de ameaça. O livro A 50ª lei, lançado no Brasil pela editora Rocco, chega para reforçar essa persona. Mas numa embalagem curiosa: não se trata exatamente de uma biografia, mas de uma obra que, com tons de autoajuda, tenta desvendar o “segredo” da celebridade.

O escritor Robert Greene, de Los Angeles, é o responsável por decifrar a psiquê do astro. Formado em estudos clássicos e ex-editor da revista Esquire, Greene escreveu livros como As 48 leis do poder, em que vende fórmulas de liderança inspiradas no exemplo de personalidades como Casanova e Maquiavel. O encontro entre o autor e o rapper rende uma obra que explica didaticamente (com todas as hipérboles a que tem direito) a origem de um fenômeno musical. O aspecto irônico do lançamento é que insufla um cantor que, aos 35 anos, passa por um período de crise comercial, com prestígio em queda e poucos sucessos radiofônicos. O disco mais recente, Before I self destruct (2009), vendeu 436 mil cópias nos Estados Unidos. Já a estreia, Get rich or die tryin%u2019 (2003), emplacou 15 milhões de unidades em todo o mundo.

Sem medo
A temporada de recessão, porém, não abala o formato do livro de Greene, que cria uma equação para os leitores que tentam se tornar tão resistentes quanto o ídolo. Regra número 1: não terás medo. “A fonte de seu poder é que ele não teme absolutamente nada, Ele é um exímio jogador, uma espécie de Napoleão Bonaparte do hip-hop”, observa o escritor. Cada um dos capítulos detalha os mandamentos da “50ª lei”: “transforme limões em limonada”, “saiba quando ser mau”, “comande da linha de frente”, “supere seus limites”. Para o leitor que não se impressiona com esse tipo de orientação filosófica, a força do livro está na construção de um personagem sagaz, que aprendeu com os traficantes a driblar as tretas da indústria musical.

É esse Curtis que, quando desprezado pela Columbia Records, gravou um CD caseiro que, distribuído nas ruas de Nova York, parou nas mãos de Eminem e Dr. Dre. O rapper branquelo – e também atento às ondas do mercado – se associou imediatamente a 50 Cent. A parceria deu tão certo que, hoje, a marca de 50 Cent está associada a CDs (foram mais de 30 milhões de discos vendidos), videogames e grifes de roupas. “A personalidade de Curtis não se manifesta por meio de gritos nem táticas óbvias de intimidação. Sempre ele se comporta assim em público, pode ter certeza: é tudo teatro. Nos bastidores, ele é um sujeito frio. Sua falta de medo reflete-se em sua postura e em suas ações”, explica o livro. Em vez de humanizar a figura do rapper, Greene toma o caminho oposto: acentua o mistério que existe em torno de um herói marrento e, aparentemente, de corpo fechado.

A 50ª LEI
De 50 Cent e Robert Greene. Tradução de Antônio E. de Moura Filho. Editora Rocco.
272 páginas. R$ 38.

Trecho
“O maior medo que existe é o de sermos quem somos de fato. As pessoas querem ser 50 Cent ou qualquer outro. Fazem o que todos fazem ainda que seja inadequado a suas identidades e origens. Só que não se chega a lugar algum assim: a pessoa fica sem energia e não consegue atrair a atenção de ninguém. Depois que senti o poder que eu tinha ao mostrar que eu não queria ser como os outros, nunca mais olhei para trás”

Depoimento de 50 Cent no livro A 50ª lei

 

 

 

+ sobre o tema

Naomi Campbell é alvo de protesto em camisa por receber diamantes de ditador

A modelo britânica Naomi Campbell virou alvo de protesto...

Parangolé foi uma das atrações do Manaus Folia

Léo Santana mostrou seu “rebolation” em Manaus. O Parangolé,...

Marcos Costa mostra cor e preto para pele negra

O top maquiador Marcos Costa abriu seu arsenal multicolorido para a...

Rihanna fala sobre o seu estilo

Além de posar para um editorial bastante colorido para...

para lembrar

Beyoncé recebe quatro indicações ao 43rd NAACP Image Awards

Beyoncé recebe quatro indicações no 43rd NAACP Image Awards....

Estreia: Protegendo o Inimigo estrelado por Denzel Washington e Ryan Reynolds

Estreia: Protegendo o Inimigo estrelado por Denzel Washington e...

Rapper dos EUA é preso por tráfico de drogas no Espírito Santo

Um cantor de rap americano, filho de pais brasileiros,...

Rodney King, ícone dos piores distúrbios raciais de Los Angeles

Rodney King foi encontrado morto neste domingo (17/06), no...
spot_imgspot_img

Veja o trailer de “Uma Dobra no Tempo”, de Ava DuVernay

Saiu o aguardadíssimo primeiro trailer de Uma Dobra no Tempo, filme dos estúdios Walt Disney dirigido por Ava DuVernay, conhecida principalmente por Selma – Uma Luta...

Oprah está simplesmente divina no 1º trailer de ‘Uma Dobra no Tempo’

Já estamos ansiosos para o filme! Saiu o primeiro trailer oficial do novo filme da Disney, Uma Dobra no Tempo, e já estamos ansiosos para a estreia...

Pantera Negra – Atriz fala sobre “mulheres guerreiras” de Wakanda: “Elas são o FBI por lá”

A atriz Danai Gurira, conhecida dos fãs de The Walking Dead como a durona Michonne, vai interpretar outra mulher forte em Pantera Negra: a líder das...
-+=