Oscar de canção pode ser prêmio de consolação a filmes injustiçados; ouça

Enviado por / FontePor Rodrigo Ortega, do G1

O Oscar de melhor canção de 2015 deve ser um prêmio de consolação para filmes elogiados, mas que tiveram menos indicações do que mereciam. Quatro das cinco músicas indicadas são a única chance de estatueta ao seu filme. “Uma aventura lego” e “Mesmo se nada mais der certo” estão na lista. Apenas “Selma” tem outra indicação, a melhor longa. Mesmo assim, também é visto como “injustiçado”, justamente por ter a menção ao prêmio principal, mas não em outras categorias como direção, para Ava DuVernay.

Outra marca comum das cinco indicadas é a mão de compositores veteranos. A Academia de Hollywood deixou de lado a novata Lorde, que era cotada ao prêmio por “Yellow flicker beat”, de “Jogos Vorazes”, e só indicou autores experientes. Alguns “hitmakers” cantam a própria composição (Glen Campbell,John Legend). Outros entregam a terceiros. O ex-New Radicals Gregg Alexander deu a bela balada “Lost stars” para Adam Levine, do Maroon 5.

Saiba mais e ouça as músicas indicadas ao Oscar 2015:

Protesto: ‘Glory’, de John Legend e Common (‘Selma’)

johnlegend_galery
John Legend (Foto: Mario Anzuoni/Reuters)

A canção de protesto é apontada como favorita até agora ao Oscar por críticos. A faixa foi composta e interpretada pelo cantor de r&b John Legend e o rapper Common. É claro que a letra cita o personagem principal do filme, o ativista Martin Luther King. Mas eles também fazem menção aos protestos recentes em Ferguson, que revitalizaram a luta por igualdade racial nos EUA. “Glory” já venceu o Globo de Ouro. O momento da premiação foi o mais citado no Twitter por motivo peculiar: a estranha cara de choro da modelo Chrissy Teigen, esposa de John Legend, ao ser filmada. Se ganhar o Oscar, vai ser um olho no Legend e outro na Teigen. OUÇA A MÚSICA.

Humor indie: ‘Everything is awesome’, de Shawn Patterson (‘Uma aventura Lego’)

tegan_sara
Tegan and Sara (Foto: Imagem retirada do site G1)

Debochada, a música é o patinho bobo no meio das outras quatro concorrentes, cheias de pompas e drama. O compositor é o pouco conhecido americano Shawn Patterson, de 49 anos. Seu discreto currículo tem foco em trilhas de animações, como das séries de TV “Alvin & the Chipmunks” e “Frango robô”. Os intérpretes são a dupla canadense de indie pop Tegan & Sara e o trio de cantores comediantes The Lonely Island. Eles já foram premiados com uma música mais cheia de besteiras. “Dick in a box”, com Justin Timberlake no “Saturday Night Live”, levou Emmy em 2007. VEJA LETRA E OUÇA.

Balada: ‘Lost stars’, Gregg Alexander e Danielle Brisebois (‘Mesmo se nada der certo’)

brazil-rock-in-rio_pres-2
Adam Levine (Foto: Felipe Dana/AP)

A história de “Lost stars” começa em 1998, quando o músico Gregg Alexander se tornou um fenômeno ao liderar o grupo New Radicals, estourar o single “You get what you give” e… despontar para o anonimato. Uma verdadeira “estrela perdida”, ele diz ter se decepcionado com a indústria musical. O músico ficou apenas compondo nos bastidores, algumas vezes com pseudônimos. Chegou a ganhar um Grammy em 2002, com “The game of love”, com Santana. Até que Bono, do U2,  amigo do diretor irlandês John Carney, teve a ideia de apresentá-lo a Gregg Alexander. O resultado foi a balada cantada por Adam Levine, do Maroon 5, em “Mesmo se nada mais der certo”. VEJA LETRA E OUÇA.

Despedida: “I’m not gonna miss you”, de Glen Campbell e Julian Raymond (“Glen Campbell…I’ll be me”)

campbell
O guitarrista Glen Campbell (Foto: AP)

Difícil haver uma história tão comovente para uma música indicada ao Oscar como a de “I’m not gonna miss you”, de Glen Campbell. E nem se trata de roteiro de ficção, mas de documentário. A música foi composta por Glen para o filme sobre sua própria vida. Em 2011, ele foi diagnosticado com Alzheimer, e desde então fez uma turnê de despedida. Sua esposa, Kim, deixou claro que o anúncio da doença foi feito para que os fãs não os vissem confuso no palco e pensassem que ele “estava bêbado”. Na letra de “I’m not gonna miss you”, há uma tocante e otimista intepretação da doença: pelo menos, ao se esquecer das coisas, não vai sentir saudade de sua mulher. De arrepiar. OUÇA A MÚSICA.

Sétima tentativa: “Grateful”, de Diane Warren (“Além das luzes”)

globodouro1
Diane Warren (Foto: AP)

Você pode não conhecer o rosto de Diane Warren. Mas com certeza já ouviu uma de suas sete músicas indicadas ao Oscar. São da autora de 58 anos “I don’t want to miss a thing”, com o Aerosmith, para a trilha de “Armageddon”,  “Nothing’s Gonna Stop Us Now”, com o Starship, para “Manequim” e “Because you loved me”, com Céline Dion, para “Íntimo & Pessoal”. Mesmo com tantos hits, ela não ganhou um Oscar nas seis indicações anteriores. Será que a novata britânica Rita Ora vai dar mais sorte? VEJA LETRA E OUÇA.

+ sobre o tema

Festas, oficinas, feiras: a cultura negra está em todas

Roda de umbigada na Gamboa. Baile black na Praça...

Repensar las politicas culturales en Venezuela

Por Jesús Chucho GarcíaLa globalización trajo consigo una serie...

para lembrar

Thriller, clássico de Michael Jackson, será exibido em IMAX nos EUA

Videoclipe de 1982 chegará às telonas junto com sessões...

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13...
spot_imgspot_img

Gilberto Gil é homenageado na Uerj por contribuições culturais ao país

Cantor, compositor, escritor, produtor musical, imortal da Academia Brasileira de Letras, ex-ministro da Cultura. Dono de vários talentos e posições, Gilberto Gil ganhou nesta...

Sambista ligada ao rap, Leci Brandão rebate críticas de Ed Motta: ‘Elitista’

Leci Brandão, 79, rebateu com estilo as recentes declarações de Ed Motta, que chamou de "burros" os fãs de hip hop, "sem exceção". Sem citar...

Rihanna já tem atriz favorita para possível cinebiografia

Rihanna está se antecipando em relação a como quer ser vista, caso sua história venha a ser uma cinebiografia em algum momento do futuro. A cantora...
-+=