terça-feira, abril 20, 2021

Resultados da pesquisa por 'homem negro'

michelle-obama-livro

Brancos foram pedra no sapato de Obama, diz escritora; leia trecho

O presidente dos Estados Unidos Barack Obama recebeu o Prêmio Nobel da Paz nesta sexta-feira (9). O comitê do Nobel na Noruega destacou seus trabalhos para a paz na esperança de um futuro melhor. O prêmio foi concedido ao presidente menos de nove meses após ele assumir a Presidência. Sua eleição, um acontecimento sem precedentes na história norte-americana, quebrou barreiras raciais e alterou para sempre o panorama político mundial. A história do líder é de admiração, assim como a de sua mulher Michelle que, após a infância pobre em Chicago, venceu barreiras sociais e raciais para estudar em duas das melhores universidades do mundo, Princeton e Harvard. No livro "Michelle Obama: A Primeira-Dama da Esperança", a autora Elizabeth Lightfoot revela o que está por trás da mulher que é amante, mãe das filhas e maior inspiração para o homem mais poderoso do planeta. Leia abaixo trecho do livro. "Durante as ...

Leia mais
O casal Michelle e Barack Obama (Foto: Mark Wilson / Staff/Getty Images)

Origens da primeira-dama contêm um complexo caminho desde a escravidão

WASHINGTON – Em 1850, o senhor mais antigo de uma propriedade da Carolina do Sul pegou uma caneta e dividiu cuidadosamente suas posses. Entre máquinas de tecer, foice, toalhas de mesa e o gado que ele legou aos seus herdeiros longínquos, havia uma escrava de seis anos avaliada logo depois em US$ 475.  Em seu testamento, ela é descrita simplesmente como “Melvinia, a garota negra”. Após a morte do homem, ela foi levada para longe das pessoas e lugares que conhecia e despachada para a Georgia. Enquanto ela ainda era apenas uma adolescente, um homem branco a teria engravidado de seu primeiro filho sob circunstâncias perdidas ao longo da história. Nos anos da escravidão norte-americana, essa dolorosa história seria completamente normal, a não ser por uma razão: essa união, consumada cerca de dois anos antes da Guerra Civil, marcou as origens de uma árvore genealógica que se estenderia da Geórgia ...

Leia mais
rap

A luta do rap com a tragédia

Fonte: O Povo- Tradicionalmente, a construção do rap brasileiro se estabelece a partir de três grandes questões: o racismo, a pobreza e a violência. Cada vez mais assumida por espaços oficiais, como a imprensa e a academia, essa produção incorpora novas temáticas e discussões As experiências estéticas produzidas pela juventude dos bairros das periferias das grandes cidades brasileiras ganharam uma visibilidade incomum através do movimento hip hop, que é um verdadeiro laboratório de linguagens desenvolvidas pelos seus artistas iniciados nas artes de rua: o rap, o grafite, o break, o basquete de rua. O mais novo elemento do hip hop, o ``conhecimento``, se divide em duas áreas. Uma delas abriga os estudos da teoria e da história do hip hop, e de cada uma de suas artes em particular. Na outra área, a literatura periférica ou marginal, que vem vêm alcançando níveis surpreendentes de publicações. Os autores trabalham em conexão, ...

Leia mais
pelo-fim-do-racismo-Abre

Pelo fim do racismo

O Brasil acabou com a escravidão há 121 anos. Os descendentes dos escravos, porém, não são livres social e economicamente: o racismo é o obstáculo. Velado, "cordial" ou odioso, ele persiste mesmo sendo um crime. É urgente pôr fim a esse sentimento selvagem que impede o avanço do país e da humanidade - como mostram as vozes de brasileiros e estrangeiros neste manifesto "Sou capaz de relatar a ladainha usual de pequenos insultos que me foram direcionados ao longo de meus 45 anos: seguranças me seguindo quando entro em lojas de departamento, casais brancos que me jogam a chave de seus carros quando estou esperando pelo valet, carros de polícia que me param por nenhuma razão aparente... Conheço o gosto amargo da raiva ao engoli-la a seco" . BARACK OBAMA, PRESIDENTE AMERICANO, NA AUTOBIOGRAFIA A AUDÁCIA DA ESPERANÇA (ED. LAROUSSE, 2007)   "Não importa se a pessoa é branca, preta, ...

Leia mais
(Ilustração: Angelo Agostini)

A Revolta dos Malês

O conhecido sociólogo e escritor Clóvis Moura em entrevista concedida à Secretaria de Cultura da UNE - reproduzida pelo Centro de Cultura Operária da Bahia (CCO), cujo tema abordado era a "Cultura Afro-Brasileira" - afirmou que em nosso país "existe uma história que não é contada, e nela estão os heróis que temos de mostrar que existem". Acrescentou: "tínhamos necessidade de rever essa história e recolocar no seu devido lugar os heróis da plebe". Em 24 de janeiro de 1835 irrompia em Salvador, uma insurreição armada, que passaria à história como Revolta dos Malês ou a Grande Insurreição. Esta revolta faz parte de um grande ciclo de rebeliões ocorridas na Bahia desde o início do século XIX, e que se estenderia até o ano de 1844. Estas insurreições, todas levadas a efeito por negros inconformados com o cativeiro, estão povoadas desses "heróis da plebe" e fazem parte de nossa história ...

Leia mais
Tia Ciata é considerada matriarca do samba brasileiro e referência do candomblé no início do século
DIVULGAÇÃO / ACERVO DA ORGANIZAÇÃO CULTURAL REMANESCENTES DE TIA CIATA

Tia Ciata

A imagem que temos hoje de Tia Ciata surgiu em maio de 1949, quando o radialista e pesquisador Almirante realizou na Escola Nacional de Música (Rio de Janeiro) a conferência O Samba Não Nasceu no Morro, com o apoio musical de Aracy de Almeida e O Pessoal da Velha Guarda. Almirante buscou demonstrar que era uma lenda afirmar que o samba teria nascido no morro; ele seria, ao contrário, o resultado de uma série de manifestações de origem negra que se concentraria, particularmente, na Cidade Nova. Citou como exemplo que o "Pelo Telefone", que considerava o primeiro samba gravado, nasceu em 1916 na casa de tia Ciata, na rua Visconde de Itaúna, 117, freqüentada por músicos que nunca haviam morado no morro. As festas na casa de tia Ciata serviam ainda para a divulgação de sambas novos, pois o rádio ainda não existia, as festas da Penha aconteciam apenas nos ...

Leia mais
business as usual

Museu mostra como europeus se aproveitaram da escravidão

Liverpool - Há uma expressão em Inglês que resume a "naturalidade" da dinâmica mercantil: business as usual, ou seja, um negócio comum, como outro qualquer. Pois é assim que o Museu Internacional da Escravidão retrata o comércio transatlântico de escravos, que vigorou dos séculos XVI ao XIX. Inaugurado na famosa cidade dos Beatles em 23 de agosto de 2007 - por ocasião dos 200 anos do Ato pela Abolição do Comércio de Escravos -, o museu inglês expõe os fundamentos econômicos da escravidão. Cumpre, dessa maneira, os três principais objetivos a que se propõe: mostrar como milhões de africanos foram escravizados, evidenciar a participação crucial de Liverpool (e da Inglaterra como um todo) no processo, e enfatizar as conseqüências dessa exploração para as diferentes partes envolvidas. Os conteúdos dos painéis que fazem parte do museu, localizado na revitalizada Albert Dock, servem de complemento ao (pouco) que se aprende sobre a escravidão ...

Leia mais
(FOTO: CHRISTIAN HARTMANN/REUTERS - 27.01.2015)

Christiane Taubira

Christiane Taubira, nascida em 2 de fevereiro de 1952 em Cayenne, Guiana, é uma política francesa. É presidente do Walwari (« leque », em língua indígena) e membro do Partido Radical de Esquerda. Christiane Taubira vem de uma família modesta. Sua mãe, que cuidava de idosos, criou sozinha seis filhos. Após seus estudos no Liceu Félix Eboué, em Canyenne, Christiane Taubira prosseguiu seus estudos na França, onde tornou-se economista (primeiro, segundo e terceiro ciclo de Ciências Econômicas em Paris II - Assas e Panthéon). Obteve igualmente diplomas em sociologia e etnologia afro-americana (Sorbonne e Jussieu) e em agro-alimentação (terceiro ciclo do Centro Francês da Cooperação Agrícola Paris e Bordeaux) (Foto: Joël Saget, AFP) Regressando à Guiana, desempenhou as seguintes funções: • Professora de Ciências Econômicas • Diretora do CNAM (Guiana) • Diretora Geral do Caricoop (Cooperação Agrícola Antilhas-Guiana), do Atpag (Serviços Ténicos da Pesca Marítima) e ...

Leia mais
O Rastafari

O rastafari

Introdução A expansão do Cristianismo Ortodoxo nas Américas ocorreu, principalmente como resultado da influência das levas de imigrantes que se transferiram para o Novo Mundo provenientes do Leste Europeu. Essa foi regra geral, exceto em dois casos: no Alaska e no Caribe. O caso do Caribe é o menos conhecido em termos de pesquisa histórica incluindo a Jamaica onde a Igreja Etíope se estabeleceu com notável vigor regional. Eu espero que este pequeno artigo inspire alguém de grande conhecimento a estudar o assunto apropriadamente; e se isso também puder conduzir a um entendimento mais profundo do Universo Cristão, tantas vezes mal entendido em sua expressão na Jamaica, então, que Deus seja louvado! por Cristianismo Rastafari Origens Igreja Cristã Ortodoxa Africana Garveista Marcus Garvey foi um lider negro jamaicano, um nacionalista, figura proeminente do Universal Negro Improvement Association (UNIA), uma influente organização do movimento Black Power surgido na década de 1920. ...

Leia mais
christiane_taubira01

Christiane Taubira

Christiane Taubira, nascida em 2 de fevereiro de 1952 em Cayenne, Guiana, é uma política francesa. É presidente do Walwari (« leque », em língua indígena) e membro do Partido Radical de Esquerda.   Christiane Taubira vem de uma família modesta. Sua mãe, que cuidava de idosos, criou sozinha seis filhos. Após seus estudos no Liceu Félix Eboué, em Canyenne, Christiane Taubira prosseguiu seus estudos na França, onde tornou-se economista (primeiro, segundo e terceiro ciclo de Ciências Econômicas em Paris II - Assas e Panthéon). Obteve igualmente diplomas em sociologia e etnologia afro-americana (Sorbonne e Jussieu) e em agro-alimentação (terceiro ciclo do Centro Francês da Cooperação Agrícola Paris e Bordeaux) Regressando à Guiana, desempenhou as seguintes funções: • Professora de Ciências Econômicas • Diretora do CNAM (Guiana) • Diretora Geral do Caricoop (Cooperação Agrícola Antilhas-Guiana), do Atpag (Serviços Ténicos da Pesca Marítima) e do Occe (Cooperação e Comércio Exterior com ...

Leia mais
Hamiltonbirge

Ayabás

Fonte: Ìrohin Por Hamilton Borges Walê   Hoje eu não ia escrever. Ficar calado é o que quero nesses dias tristes. Os dias são pálidos pra mim agora, dias sem música, sem barro molhado às 17 horas, sem afetos desinteressados desses que protegem .No fundo tô triste por que o candomblé de dona Hilda tá calado. Quem me provocou essas letras foi olamento de Cláudia Santos em Imagem/memória de quem vê o passado como eu: desde a Ladeira do Curuzu, protegidos pelas saias de nossas avós. Um chamego sagrado nesses tecidos, algo que fortalece e você só descobre 40 anos depois e aí se pergunta: como cheguei aqui? Minha Avó é Hedit dos Santos, filha de Guiomar dos Santos, neta de uma africana sem pais que às criou e deixou terras pelos lados de lá onde nasci. Foram as primeiras moradoras do Curuzu de Baixo, pros lados da Progresso, Progressista ...

Leia mais
Martin Luther King (Foto: Willian H. Aden/ Evening Standard/ Getty Images)

Martin Luther King

A nossa geração não lamenta tanto os crimes dos perversos quanto o estarrecedor silêncio dos bondosos Martin Luther King nasceu em 15 de janeiro de 1929 em Atlanta na Georgia, filho primogênito de uma família de negros norte-americanos de classe média. Seu pai era pastor batista e sua mãe era professora. Com 19 anos de idade Luther King se tornou pastor batista e mais tarde se formou teólogo no Seminário de Crozer. Também fez pós-graduação na universidade de Boston, onde conheceu Coretta Scott, uma estudante de música com quem se casou. Em seus estudos se dedicou aos temas de filosofia de protesto não violento, inspirando-se nas idéias do indu Mohandas K. Gandhi. Em 1954 tornou-se pastor da igreja batista de Montgomery, Alabama. Em 1955, houve um boicote ao transporte da cidade como forma de protesto a um ato discriminatório a uma passageira negra, Luther King como presidente da Associação de ...

Leia mais
te artigo tem como intenção analisar a influência cultural dos africanos no Brasil.

A influência africana no processo de formação de cultura afro-brasileira

A influência africana no processo de formação de cultura afro-brasileira, neste artigo tem como intenção analisar a influência cultural dos africanos no Brasil. Por meio da revisão bibliográfica observa-se o intenso intercâmbio cultural ocorrido entre os escravos africanos, os indígenas e os europeus. Essas trocas culturais ocorridas por vários séculos durante o período colonial brasileiro contribuíram para a formação de uma cultura híbrida e bastante rica. No que se refere à contribuição africana é evidente, principalmente, na culinária, dança, religião, música e língua. Percebe-se, que, essa matriz africana teve um papel importante na formação e delineamento da identidade cultural afro-brasileira, uma que, os escravos possuíam uma grande diversidade cultural devido à sua origem distinta e por pertencerem a diversas etnias com idiomas e tradições distintas, pois, eram oriundos de diversas regiões do continente africano. Já, no Brasil esses africanos souberam assimilar, interpretar e recriar certas práticas de outras culturas com ...

Leia mais
RacismoCrime1

A ferocidade da aversão ao outro

Fonte: Estadão. Com Por Gilles Lapouge*     Neste ensaio, o tecido social esgarçado pela xenofobia e pelo racismo, numa Europa que se pretende unida A Europa é uma bela ideia, uma ideia muito agradável. Pois não é que aboliu, entre os 27 países que a compõem, as fronteiras que separam homens, produtos ou moedas? Se eu quiser ir a Praga, pego alguns euros e o trem. E chego lá.   No entanto, as fronteiras subsistem. Não no interior da Europa, mas em torno dela. Um cinturão de alfândegas, postos de observação, milicianos e militares rodeia o "continente sem fronteiras". Esse cinturão às vezes é terrestre. Por exemplo, a leste, especialmente entre a Grécia e a Romênia (países da União Europeia) e a Turquia (que não pertence à União Europeia e ainda tem a indelicadeza de ser muçulmana). Outras vezes os postos de guarda estão nas costas, de preferência nas ...

Leia mais
(Foto: Imagem retirada do site Galileu)

Cheikh Anta Diop

Cheikh Anta Diop, nascido em 29 de dezembro de 1923 em Thieytou, falecido em 7 de fevereiro de 1986 em Dakar, foi um historiador e antropólogo senegalês. Em seus estudos, elae enfatizou a contribuição da África e, em particular, da África negra, à cultura e à civilização mundiais. Hoje suas teses são contestadas e pouco retomadas na comunidade científica ocidental. O Homem e sua Obra Cheikh Anta Diop nasceu em 29 de dezembro de 1923 em Thieytou, na região de Diourbel (Senegal). Sua família era de origem aristocrática wolof. Aos 23 anos foi para Paris, a fim de estudar física e química, mas interessou-se também pela história e pelas ciências sociais. Seguiu, em particular, os cursos de Gaston Bachelard e de Frédéric Joliot Curie. Adotou um ponto de vista especificamente africano diante da visão de certos autores da época, segundo a qual os africanos são povos sem passado. Em 1951, sob ...

Leia mais
carlos-eduardo

Juventude negra e segurança pública

por Carlos Eduardo Dias Machado A carne (Seu Jorge, Marcelo Yuca e Wilson Capellette) A carne mais barata do mercado é a carne negra Que vai de graça pro presídio E para debaixo do plástico Que vai de graça pro subemprego E pros hospitais psiquiátricos A carne mais barata do mercado é a carne negra Que fez e faz história Segurando esse país no braço, meu irmão. O gado aqui não se sente revoltado Porque o revólver já está engatilhado E o vingador é lento, mas muito bem intencionado Esse país vai deixando todo mundo preto E o cabelo esticado E mesmo assim, ainda guardo o direito De algum antepassado da cor Brigar por justiça e por respeito De algum antepassado da cor Brigar bravamente justiça e por respeito   Não é coisa da sua cabeça?   É conhecido de todas as pessoas que moram nas periferias dos grandes centros ...

Leia mais

Manifesto: Racismo e crimes no Hipermercado Carrefour

No dia 07 de agosto de 2009 Januário Alves de Santana, funcionário da Universidade de São Paulo - USP foi com sua esposa, dois filhos, irmã e cunhado fazer compras no Hipermercado Carrefour, na loja da Avenida dos Autonomistas, em Osasco. Na dependência do estabelecimento foi vítima de tortura por motivação racial, dois crimes hediondos enquadrados, na constituição e nas leis 9.455/1997 e 719/1989 (Lei Caó). Sob suspeição de um crime inusitado - roubar seu próprio carro - Januário Santana foi espancado com socos, cabeçadas, chutes e coronhadas, numa salinha da loja por cerca de cinco seguranças. Ao mesmo tempo ouvia impropérios relacionado a sua raça. A vítima e sua esposa, Maria dos Remédios do Nascimento Santana, pagaram o preço de serem negros e comprarem um carro EcoSport, que está sendo pago em 72 parcelas de R$ 789,00. No local do evento, depois de acionada a Polícia Militar tornou-se cúmplice do ...

Leia mais
piada-racista

Piada racista pode custar cargo a ministro francês

Diário de Notícias - Uma frase dita a propósito de um luso- -argelino ameaça pôr fim abrupto à carreira política de Brice Hortefeux. "Um está bem, quando são vários é que há problema", disse o homem que alguns já anteviam como chefe do Governo. A oposição socialista e as associações contra o racismo exigem a demissão de Brice Hortefeux. Num vídeo divulgado pelo jornal Le Monde, o ministro do Interior graceja com uma militante do seu partido que lhe apresentou um militante luso-argelino do seu partido dizendo-lhe: "É o nosso arabezinho." Resposta do ministro: "É sempre preciso ter um por perto. Um está bem, quando são vários é que há problemas."   O jovem militante do partido conservador francês UMP, Amine Benalia-Brouch, estava longe de imaginar que uma breve conversa com o ministro do Interior pudesse originar uma viva polémica em França. No sábado passado, o jovem de origem ...

Leia mais

Apoio ao documento REPARAÇÃO Carrefour

Fonte: Írohín-Jornal Online- Estimadas Companheiras, Estimados Companheiros, Estamos divulgando o documento abaixo que será encaminhado ao Hipermercado Carrefour e aos Setores de Segurança na Cidade e no Estado de São Paulo. Caso sua organização nos autorize a colocar seu nome com uma das apoiadoras do documento, favor encaminhar os dados da Organização para o endereço: [email protected], para que possamos colocar sua assinatura no documento que será entregue. Estaremos colhendo as assinaturas até o próximo dia 12 de setembro. Favor reproduzir em suas listas de contatos pedindo que as autorizações sejam encaminhadas para o endereço grifado para serem colocados no documento oficial. Asé. veja o texto para o qual solicitamos sua assinatura adiante. Racismo e crimes no Hipermercado Carrefour No dia 07 de agosto de 2009 Januário Alves de Santana, funcionário da Universidade de São Paulo – USP foi com sua esposa, dois filhos, irmã e cunhado fazer compras no Hipermercado ...

Leia mais
tarrusRiley

Cantor volta às raízes do reggae

Fonte: Folha de São Paulo - Nos 28 anos passados desde a morte de Bob Marley, o reggae tem procurado um novo porta-estandarte. O cantor e compositor rastafari Tarrus Riley, 30, não é o primeiro a candidatar-se ao papel, mas seu nome já vem sendo mencionado em conjunto com os dos maiores astros do reggae. Riley possui uma voz expressiva e imediatamente reconhecível, além de um dom para criar letras e melodias que captam os altos e baixos da vida e do amor -o bebê recém-nascido que não deixa seus pais dormirem, o marido que se queixa de que os beijos de sua mulher esfriaram-, de uma maneira que é familiar para seu público jamaicano e encontra eco no resto do mundo. Riley tem personalidade persistentemente alegre e vive contando piadas, embora leve seu trabalho a sério. Em entrevista por telefone, ele disse que sua missão é "preservar nossa cultura" ...

Leia mais
Página 182 de 186 1 181 182 183 186

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist