Resultados da pesquisa por 'blackface'

    Escritora Cidinha da Silva (Foto: Elaine Campos)

    Retrospectiva em preto e branco, sem blackface!

    Nos últimos cinco anos no Brasil, o debate racial vem ganhando a cena da vida comum, rompendo os limites dos movimentos sociais, notadamente do movimento negro clássico. O tema se expande e se consolida na agenda de direitos humanos, na perspectiva de garantia do direito fundamental de viver sem racismo. Por Cidinha da Silva para o Portal Geledés Também os muros do debate acadêmico têm sido ultrapassados. O debate policial faz movimentos brandos de destaque do matiz de raça tão negado, mas, eficazmente acionado nas situações de arbítrio e violência que abatem 82 homens negros por dia e um número ascendente de mulheres negras, segundo informa o Mapa da violência 2015. O principal responsável por evidenciar a supressão da vida da pessoa negra no país é o Movimento Negro em sua ação diuturna de enfrentamento ao racismo, em todas as instâncias, circunstâncias, espaços tradicionais e novos. Muitas vezes invisibilizado, negligenciado, mas, ...

    Leia mais

    Alunas de medicina fazem blackface e ironizam: “inclusão social”

    Foto com piadas racistas foi feita por estudantes do Centro Universitário de Araraquara (Uniara) durante os jogos das faculdades do curso e divulgada nas redes sociais Por Leonardo Furhmann, na Revista Fórum  Um grupo de alunas da Faculdade de Medicina da Uniara (Centro Universitário de Araraquara), no interior paulista, fez uma foto com blackface durante uma competição universitária e publicou nas redes sociais com diversos comentários irônicos a respeito da questão racial no país. Leia mais sobre blackface A publicação causou indignação nos usuários do Facebook. A autora da postagem colocou a hashtag #pestenegra. Outras duas colegas, que também aparecem na foto, fizeram comentários preconceituosos. “Inclusão social ahahahahahha”, publicou uma delas. “Negritudes”, completou outra. A etapa paulista dos Jogos Universitários de Medicina (Jumed) foi realizada no último final de semana, na cidade de Barra Bonita. As estudantes que estão na imagem foram procuradas via redes sociais, mas não responderam ao SPressoSP. ...

    Leia mais

    A ‘blackface’ de Teló é fruto de nossa ignorância sobre o racismo. Por Marcos Sacramento

    O cantor Michel Teló poderia ter evitado o mico de posar no Instagram com o rosto pintado de preto se o assunto “racismo” estivesse mais presente nas suas conversas do dia a dia. Teló e boa parte dos seus fãs não sabia que o ato de passar tinta preta no rosto, chamado de blackface, surgiu no século XIX nos Estados Unidos como uma forma de ridicularizar os negros em espetáculos de humor. Por  Marcos Sacramento Do Diário do Centro do Mundo No país com maior número de negros fora da África, o mito da mestiçagem foi introduzido na mentalidade nacional com tanta competência que ainda hoje pessoas acreditam que episódios de discriminação racial não passam de mal-entendidos e acusam de vitimismo as reivindicações por ações afirmativas. Teló, aparentemente, não faz parte desse grupo. No postagem no Facebook onde pede desculpas pelo blackface, ele reconhece que existe discriminação por aqui. “No ...

    Leia mais

    O problema é que o que Michel Teló fez é chamado de Blackface

    Sertanejo publicou uma foto com metade do rosto pintado, mas isso se chama blackface, uma prática antiga que virou símbolo do preconceito racial no ClicRBS Michel Teló teve boa intenção, mas acabou virando piada na internet nesta quinta-feira, quando postou em seu Facebook uma foto na qual aparecia com metade do rosto pintado de preto. Junto com a imagem, ele publicou um texto que dizia "contra todo e qualquer tipo de preconceito", e ainda convidou a mulher, a atriz Taís Fersoza, e outros amigos a entrarem na corrente postando fotos suas com o rosto pintado da mesma maneira. A ideia do cantor era protestar contra o racismo, mas o que ele acabou fazendo é chamado de blackface, uma prática teatral que ficou popular nos Estados Unidos, no século 19. Os atores se pintavam com carvão para interpretar papéis de negros de forma debochada e estereotipada. Não demorou para que o ...

    Leia mais

    Blackface no cinema – Uma história de racismo

    Nesta semana, um caso em Joinville ganhou repercussão nacional. A professora de uma escola particular da cidade, ao se fantasiar para uma festa junina, maquiou o rosto de preto, com a intenção de homenagear as bonecas de gesso negra conhecidas como “Namoradeiras de Minas Gerais”. As fotos da festa foram publicadas nas redes sociais e os movimentos negros da cidade questionaram a fantasiam, levantando um grande debate sobre racismo. por Claudia Morriesen no Clube do Cinema Para muitas pessoas que desconheciam o termo blackface, a reação em torno do fato foi exagerada. Para situar a blackface na história, o Clube do Cinema dá sua contribuição com exemplos no cinema. leia outras materias sobre blackface A necessidade do 'negro imbecil' para o racismo brasileiro No início da história do cinema, a blackface era usada para que atores brancos fizessem os papeis de personagens negros. A maquiagem escura era aplicada no rosto e em todas as partes da pele que ficassem visíveis. Às vezes, ...

    Leia mais

    Blackface em Joinville

    Mais uma vez temos nossas características ridicularizadas. Deformadas por grupos de pessoas brancas com o pensamento doentio de se divertir constrangendo a diferença do outro. Usando uma técnica antiga, de um racismo antigo, mas que ainda é incorporado por pessoas que não estão nem aí com o sofrimento alheio. Que contribuem para colocar mais um tijolo nessa construção histórica de estereótipos racistas. O caso a ser denunciado aconteceu nesse último sábado, dia 20 de junho de 2015, no Colégio dos Santos Anjos, onde uma professora se pintou e se fantasiou com uma caricatura difamatória de mulher negra. Causando risos e muitas fotos em redes sociais, como se estivessem diante de uma aberração. A ‘’Nega’’, como é chamada, é um retrato caricato de uma mulher negra, reforçando estereótipos criados pelo homem branco. Por Diogo Conceição no Chuva Ácida Técnica muito conhecida no mundo do teatro e do cinema como blackface, e ...

    Leia mais

    Companhia de teatro usa blackface e é acusada de racismo

    No último sábado (02), militantes do movimento negro e ativistas feministas se uniram para convocar um ato de protesto contra a companhia de teatro Os Fofos Encenam, que fará apresentação de duas peças no espaço Itaú Cultural, a partir do dia 12 de Maio. O motivo do repúdio é o uso de “blackface“, uma pintura que imita pessoas negras de forma caricata e debochosa. Por Jarid Arraes, do Questão de Gênero  Centenas de pessoas manifestam repúdio nas redes sociais (Imagem: Reprodução / Facebook Em nota publicada na página do evento, a companhia de teatro afirmou que “a máscara do negro foi forjada por todos os circos e em todos eles apresenta as mesmas características“, numa tentativa de justificar seu uso e afastar as acusações de racismo. Enquanto é verdade que o blackface é algo antiquíssimo, utilizado amplamente, esse argumento não anula o racismo inerente à prática; ...

    Leia mais

    Blackface na torcida também é racismo

    A caracterização de pessoas negras de forma estereotipada, geralmente com intuito de ridicularizá-las em tom humorístico, é conhecida como “blackface” e já é recorrente há mais de um século no Ocidente Por Jarid Arraes No último dia 20 começaram a circular nas redes sociais fotos de torcedores franceses que compareceram a um jogo da Copa vestidos de “baianas”. Os homens em questão usavam roupas de renda branca, turbantes e colares típicos e, apesar de alguns terem até mesmo pintado o rosto com tinta preta, foram amplamente retratados pela mídia como um mero grupo de rapazes bem humorados. Já na última partida entre Alemanha e Gana, torcedores alemães se pintaram com tinta preta e usaram camisetas evidenciando a palavra “GHANA”. Nesse caso, a FIFA declarou que abriria uma investigação e procuraria “evidências de discriminação”.Não é recente o fato de que pessoas brancas colorem seus rostos de preto, colocam perucas de cabelo ...

    Leia mais
    negamaluca8

    ‘Nega Maluca’ and the popularization of blackface in Brazil

    Although the season of Carnaval has yet to start, when I came across these images, I was a little disturbed. I can't say that I was shocked because the image of blackface seems to be a global thing nowadays. Even so, it still disgusts me when I see it.So what's the story here?Every year for Carnaval in Brazil, Samba schools and blocos prepare to make their progressions for thousands of spectators. If you've ever seen videos of Brazilian Carnaval, particularly those from Rio de Janeiro, you know that the progressions and costumes can be quite elaborate. But, was'sup with the bloco composed of participants made up in blackface and the bright, red lipstick of the Spike Lee Bamboozled or Al Jolson variety? The bloco in the photos is known as the Bloco da Nega Maluca (Bloco of the Nega Maluca) and the group has been in existence for 34 years ...

    Leia mais
    Reprodução/ Insecure

    A resposta pro cinismo branco é o deboche preto

    O bom humor é uma das características mais marcantes do famoso jeitinho brasileiro, parece que gerações e gerações inconscientemente aprenderam a serem bem humoradas, mesmo com toda a dificuldade que é viver no Brasil.  Indo além da superfície, essa suposta cordialidade mascara diversos traumas sociais brasileiros, um deles é o jeito “bem humorado” que lidamos com nossas relações raciais. Sandra Dahia, professora da UFPB, pesquisa como o riso aparece como solução “bem humorada” para lidar com a nossa tensa relação racial. Segundo a pesquisadora, para a branquitude, lidar de forma bem humorada com a questão racial seria uma das maneiras de evitar o desgaste nessa complicada relação. Através de piadas e brincadeiras duvidosas o brasil conseguiria velar ainda mais o racial em sua democracia harmoniosa, evitando conflitos desnecessários. Não é à toa que em uma certa data do ano um trecho editado tendenciosamente fora de contexto de uma entrevista de ...

    Leia mais
    Montagem de Tropa de Elite (Foto: Reprodução) e Segundo Sol (Foto: /Instagram/João Cotta/Divulgação/Imagem retirada do site Rolling Stone)

    Como violência policial e racismo são normatizados pela produção audiovisual brasileira

    O adolescente João Pedro morreu há um mês, no dia 18 de maio de 2020. Vítima de uma ação das polícias civil e federal, o estudante negro foi baleado dentro de casa no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, Região Metropolitana do RJ. Parentes acharam o corpo 17 horas depois, no IML(Instituto Médico-Legal) de Tribobó. O caso é apenas mais um que representa a violência policial e o racismo sistêmico no Brasil. Apesar de declarações relacionadas à morte do adolescente, as mobilizações nacionais se intensificaram com a morte de George Floyd, homem negro assassinado por policiais brancos nos Estados Unidos. Alguns questionamentos feitos nas redes sociais remetem ao porquê de brasileiros se mobilizaram fortemente apenas após o caso George Floyd - e um dos motivos pode ser a forma que produções audiovisuais a e própria imprensa brasileira acabam, muitas vezes, normatizando a violência e o racismo. “Isso mostra muito sobre ...

    Leia mais
    (foto: Juliana Barbosa Pereira/Editora Nova Fronteira/Divulgação)

    ‘O pequeno príncipe preto’ traz menino negro ao protagonismo da narrativa

    Obra literária infantil, de Rodrigo França, coloca a criança negra no papel de protagonista do clássico Por Adriana Izel, do Correio Braziliense  (foto: Juliana Barbosa Pereira/Editora Nova Fronteira/Divulgação) Um dos livros mais lidos e conhecidos do mundo, o clássico O pequeno príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry, foi o ponto de partida para a obra O pequeno príncipe preto, que ganhou uma versão literária em 2020 pela Editora Nova Fronteira após dois anos em cartaz nos palcos de teatro e ter sido assistido por 60 mil pessoas. Escrito pelo ator, diretor, dramaturgo, artista plástico e articulador cultural Rodrigo França, o livro nasceu da necessidade de colocar uma criança negra no papel de protagonista. “É difícil encontrar personagens na literatura infantil de meninos e meninas negros. É uma provocação, porque não há príncipes e princesas negros”, conta em entrevista ao Correio. O pequeno príncipe preto tem três pontos ...

    Leia mais
    CARLOS SERRAO AT @CARLOS_SERRAO
A bailarina brasileira Miranda Silveira, que integra o San Francisco Ballet.

    Como as bailarinas não brancas estão mudando a paleta de cores da dança

    Dançarinas negras e latinas estão usando seus corpos, mentes e convicções para mudar o mundo do balé, por dentro e por fora. Por Rohina Katoch Sehra, do HuffPost (CARLOS SERRAO AT @CARLOS_SERRAO)A bailarina brasileira Miranda Silveira, que integra o San Francisco Ballet. As origens aristocráticas e a associação de longa data com a ópera são responsáveis por uma aura euroclássica em torno do balé. Algumas ideias nesse sentido ainda persistem – que somente uma educação de alto nível é capaz de destrinchar seu verdadeiro significado e que seu lugar são casas de espetáculo chiques, frequentadas somente pela elite. Apesar de documentar o declínio do balé no fim do século 19 e nos mostrar o sofrimento das dançarinas pelas mãos dos patronos – homens ―, os trabalhos do artista francês Edgar Degas deixaram de lado esse contexto horrível, pelo menos na imaginação popular. Hoje em dia, as ...

    Leia mais
    GETTY IMAGES

    Prada vai receber “treinamento de sensibilidade” após caso de racismo

    Isto inclui Miuccia Prada e todos os funcionários de Nova York e executivos de Milão Da  GLAMOUR GETTY IMAGES O jornal americano The New York Times publicou uma grande reportagem à respeito dos desdobramentos do caso de racismo o qual a marca italiana Prada foi acusada em 2018. Na época, a advogada Chinyere Ezie postou uma foto de uma vitrine da loja e apontou "blackface" de bonecos expostos. O caso viralizou na internet e ganhou ainda maiores proporções após o Diet Prada, conta no Instagram que faz críticas do mundo fashion, repostar a denúncia. A Prada rapidamente tirou os bonecos de circulação, mas mesmo assim, a Comissão de Direitos Humanos de Nova York – órgão responsável por supervisionar as leis desta área no estado americano – assinou um acordo com a Prada que implica em "Treinamento de sensibilidade". Isto quer dizer que, a partir de já, ...

    Leia mais
    Foto Natalia de Sena

    Racismo recreativo: atualizando os estereótipos contra as mulheres negras

    No último sábado, 18 de janeiro, o programa Caldeirão do Huck da Rede Globo trouxe como “atração” no quadro Gonga La Gonga a apresentação de um artista regional com uma boneca caracterizada de “nega maluca” - um estereótipo que reforça o lugar da mulher negra ridicularizada.  Os episódios de desqualificação e de racismo em emissoras de TV se repetem o tempo todo, principalmente contra mulheres negras. Recentemente, no SBT, uma mulher negra foi discriminada no ar pelo apresentador Silvio Santos, o que lhe rendeu uma representação junto ao Ministério Público de São Paulo, sob a acusação de racismo. Na edição do reality show A Fazenda, no dia 05/11/19, uma participante negra sofreu ofensas racistas, na forma de injúria, por parte de um produtor da TV Record. Emissoras de TV e de rádiodifusão são concessões públicas, têm disciplina constitucional prevista no art. 221, onde se verifica que essas deverão atender à ...

    Leia mais
    Fotografia de 2001 mostra o premiê canadense, Justin Trudeau, com 'blackface' - Reprodução

    Em gesto racista, premiê do Canadá aparece em foto com rosto pintado de marrom

    Candidato à reeleição, Trudeau se apresenta como defensor de minorias Da Folha de S.Paulo  Fotografia de 2001 mostra o premiê canadense, Justin Trudeau, com 'blackface' (Imagem retirada do site da Folha) A campanha à reeleição do primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, entrou em crise após uma imagem de 2001 do político com o rosto inteiramente pintado de marrom ser publicada pela revista Time nesta quarta-feira (18). A prática, chamada de "blackface", é racista. O termo surgiu para descrever atores brancos que encenavam papéis de negros no teatro, ambiente proibido para essas pessoas até meados do século 20. A imprensa internacional também se referiu ao gesto como "brownface", já que o primeiro-ministro representava uma pessoa de origem árabe. O primeiro-ministro canadense lamentou o episódio. "Eu deveria ter sido mais cauteloso naquela época, mas não fui e por isso peço sinceras desculpas", disse. "Eu me fantasiei de Aladdin ...

    Leia mais

    MOTELX 19: ‘Horror Noire’ é a aula de história que precisamos

    A secção Doc de Terror brilhou, inesperadamente, no terceiro dia do MotelX, com a poderosa peça Horror Noire: A History of Black Horror (2019). O documentário oferece uma coletânea dos vários tipos de representação afro-americana no cinema de terror, ao longo dos anos, em formato de diálogo. Desde Jordan Peele, a Ken Foree ou Richard Lawson, os testemunhos abarcam diversos pontos de vista, unidos no debate de um tema comum: o racismo estrutural norte-americano. Por Matilde Dias, Do Espalha Fatos  (Foto retirada do site Morbidly Beautiful) É estranho pensar como o preconceito chega a estar enraizado em nichos tão ínfimos como o cinema de terror, meio de predominância masculina e branca. Todos conhecem a piada do negro ser o primeiro a morrer neste tipo de filmes, mas, do ponto de vista caucasiano, há pouca reflexão sobre o assunto. De facto, existe uma agenda por trás das pequenas coisas, muitas vezes desvalorizada. Apenas alguém que se ...

    Leia mais
    REUTERS/CHARLES PLATIAU

    Gucci cria novo cargo a favor da diversidade, igualdade e inclusão

    A norte-americana Renée Tirado foi a escolhida para ocupar o posto depois de a casa de moda ter sido muito criticada. por Teresa David no Public.Pt REUTERS/CHARLES PLATIAU À semelhança da concorrente Chanel, a italiana Gucci está a investir na igualdade, diversidade e inclusão. Depois de uma polémica que envolveu uma acusação de racismo por ter sido divulgada uma fotografia de uma modelo branca com uma camisola preta de gola alta a tapar parte da cara que lembrava a blackface, a marca de luxo nomeou a norte-americana Renée Tirado para o novo cargo de directora global da diversidade igualdade e inclusão. A advogada, que já teve a mesma responsabilidade na Liga Americana de Baseball, estará em Nova Iorque e responderá directamente ao CEO da casa italiana, Marco Bizzarri. Na Gucci, caberá a Renée Tirado desenvolver e implementar estratégias a fim de criar um local de trabalho que responda pela igualdade e inclusão, e o seu ...

    Leia mais
    Photo by Ashley Lowrey

    Após acusação de racismo, Gucci nomeia 1ª chefe de diversidade

    Grife italiana se envolveu em polêmica ao lançar um suéter Do Época  Renée Tirado (Photo by Ashley Lowrey) A grife italiana Gucci anunciou Renée Tirado como diretora global de sua primeira divisão de diversidade, equidade e inclusão, revelou um comunicado divulgado à imprensa. A nomeação ocorre após a marca criar o departamento de diversidade depois do lançamento de uma peça considerada racista. De acordo com a Gucci, o objetivo da nova diretora é criar novas estratégias para aumentar a representatividade e tornar o ambiente de trabalho mais inclusivo. No início do ano, a marca foi acusada de cometer racismo após lançar um suéter de lã preta que se assemelhava a uma "blackface", prática de pintar o rosto com carvão ou tinta preta para emular a pele de uma pessoa negra. A peça tinha uma espécie de balaclava que chegava até o nariz e tinha a abertura da boca na cor vermelha, ...

    Leia mais
    Foto: Cena do filme "Cara Gente Branca"

    Por um Carnaval livre de racismo; veja como denunciar

    Sexualização da mulher negra e piadas racistas são alguns exemplos de casos de discriminação que ocorrem durante a folia Por Rede Feminista de Juristas, do CatracaLivre  Foto: Cena do filme "Cara Gente Branca"   Por: Amanda Vitorino, Beatriz Rodrigues Yagui, Fernanda Cseh, Gabriela Biasi, Luana Pereira da Costa, Pamela Michelena e Talita Monteiro Maia, membras da Rede Feminista de Juristas O que é racismo? Racismo é o preconceito ou discriminação com base em raça, etnia e características físicas. É um comportamento social historicamente construído, motivo pelo qual não é possível falar em “racismo reverso” de negros contra brancos, por exemplo. Como é um comportamento e uma crença desenvolvido ao longo de séculos, reforçado por leis e Estados durante anos, o racismo é uma estrutura maior do que simplesmente uma discriminação pontual. O período escravocrata foi marcado por desigualdades e opressões cujas consequências perduram até hoje. Juridicamente, as pessoas ...

    Leia mais
    Página 2 de 7 1 2 3 7

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist