Resultados da pesquisa por 'escravidão'

    O padre Fernando Karadima sai escoltado após dar depoimento no qual negou, insistentemente por duas horas, a existência de abuso sexual. Foto: Christian Zuñiga / El Mercurio, Chile

    Abuso sexual e escravidão na Igreja: Freiras chilenas romperam o silêncio e provocaram comoção no país

    Série de escândalos mobilizou sociedade e reduziu número de fiéis Por Janaína Figueiredo, do O Globo O padre Fernando Karadima sai escoltado após dar depoimento no qual negou, insistentemente por duas horas, a existência de abuso sexual. Foto: Christian Zuñiga / El Mercurio, Chile Nesta semana, a Igreja Católica promoveu um encontro internacional para debater casos de abusos sexuais feitos por seus integrantes . Um dos pontos levantados na discussão é o descrédito que a instituição passa a ter ao não dar uma resposta firme à sociedade. Um dos exemplos que mostram isso é no Chile, onde, no meio do ano passado, foram revelados, por uma TV local, uma série de escândalos envolvendo abusos sexuais e morais dentro da Igreja. Mulheres revelaram terem sido vítimas destes assédios por parte de membros da comunidade eclesiástica - homens e mulheres - em âmbitos internos da instituição. A divulgação dos episódios ...

    Leia mais
    Cena do Filme 12 anos de Escravidão

    Nenhum negro foi indenizado pela escravidão nas Américas

    Cena do Filme 12 anos de Escravidão DESDE SEXTA-FEIRA, dia 8, uma foto emblemática escancarou o racismo e a supremacia branca no Brasil. Nela, Donata Meirelles, então diretora da Vogue Brasil, uma mulher branca, aparece sentada numa cadeira utilizada pelas mães de santo no Candomblé cercada de figurantes negras vestidas com roupas tradicionais de baianas – saias longas rodadas, batas brancas, panos da costa, turbantes, múltiplos colares dourados e prateados, brincos e pulseiras. A imagem fatídica era clara: negros em posições subjugadas ao lado de uma branca em um cenário onde a cultura negra é apropriada com fins festivos – Donata celebrava seus 50 anos. Oitenta por cento da população de Salvador é negra, mas a indústria de turismo que vive da imagem de homens e mulheres negras é branca. “Sorria, você está na Bahia!” Donata se desculpou e pediu demissão da revista. Por Ana Lucia Araujo, do The Intercept   ...

    Leia mais
    Foto: Marcelo Brandt:G1

    Arqueólogos encontram ossadas da época da escravidão em terreno no Centro de São Paulo

    G1 visitou com exclusividade local onde ao menos sete ossadas que pertenciam ao Cemitério dos Aflitos, o primeiro cemitério público de SP, foram achadas durante obra em terreno na Liberdade. Esqueletos estavam a cerca de um metro abaixo do nível da rua. Por Vivian Reis, do G1 Foto: Marcelo Brandt:G1 Escavação arqueológica traz à tona primeiro cemitério público de SP Um grupo de arqueólogos identificou resquícios do Cemitério dos Aflitos, o primeiro cemitério público da cidade de São Paulo, no bairro da Liberdade, sob os escombros de um edifício. De acordo com os pesquisadores, ao menos sete esqueletos da época da escravidão no Brasil, enterrados no período de 1775 a 1858, foram localizados entre outubro e dezembro de 2018. O G1 teve acesso com exclusividade ao local da descoberta das ossadas na terça-feira (4) (veja no vídeo acima). A área localizada entre as ruas Galvão Bueno ...

    Leia mais

    Por que o Brasil não pediu perdão pela escravidão?

    No Brasil, 54% da população se reconhece como afrodescendente, segundo dados do IBGE de 2015, mas quando se observe a representatividade dos negros na sociedade, ainda se percebe um longo caminho para se alcançar a igualdade racial. Do SP Bancarios Vídeo Reprodução YouTube Para chamar atenção sobre práticas que ainda precisam ser banidas da nossa sociedade como o racismo, a intolerância, o preconceito e a discriminação, o Sindicato dos Bancários destaca uma série de vídeos, na playlist Curta Bancários, como parte das atividades do Novembro da Resistência, que envolvem ações em razão do Dia da Consciência Negra, celebrado no dia 20, e do Dia Internacional de Combate à Violência contra a Mulher, em 25 de novembro.

    Leia mais

    Brasil viveu um processo de amnésia nacional sobre a escravidão, diz historiadora

    Sancionada pela princesa Isabel no dia 13 de maio de 1888, a lei que aboliu a escravidão após mais de três séculos de trabalho forçado no Brasil "saiu muito curta, muito pequena, muito conservadora", descreve Lilia Moritz Schwarcz. Por Júlia Dias Carneiro, no BBC Brasil   'O Brasil foi o ultimo país do Ocidente a abolir a escravidão. Às vezes as pessoas falam que foi o último das Américas, mas não. De fato, era chamado na época de retardão', diz Schwarcz. (Imagem: MUSEU PAULISTA/USP)   Em entrevista à BBC Brasil, a historiadora diz que as consequências dessa virada de página abrupta, sem políticas para incluir os ex-escravos à sociedade, são sofridas até hoje. "O que vemos hoje no país é uma recriação, uma reconstrução do racismo estrutural. Nós não somos só vítimas do passado. O que nós temos feito nesses 130 anos é não apenas dar continuidade, mas ...

    Leia mais

    O legado de negros muçulmanos que se rebelaram na Bahia antes do fim da escravidão

    Salvador, 25 de janeiro de 1835. Foi num sobrado de dois andares, na Ladeira da Praça, que teve início o maior e mais importante levante urbano de africanos escravizados já registrado no Brasil. Era por volta de 1h da madrugada quando um grupo de 50 africanos, das mais diferentes etnias, ocupou as ruas da capital baiana. O levante entrou para a história como a Revolta dos Malês. Por André Bernardo, do BBC Pintura 'Negra Quitandeira', de Antonio Ferrigno; indumentária malê teria dado origem ao turbante branco usado no candomblé e na umbanda Foto: ANTONIO FERRIGNO (C.1900) É um episódio que evidencia a importância política que os africanos de religião muçulmana tiveram na história do Brasil - com um legado pouco conhecido que perdura até hoje. "Na Bahia de 1835, os negros que pertenciam a um dos grupos étnicos mais islamizados da África Ocidental eram conhecidos como malês", explica o historiador João ...

    Leia mais

    Direito Civil e Escravidão com Júlio César Vellozo e Silvio Almeida

    O curso discutirá as relações entre Direito Civil e Escravidão no século XIX. Os escravos eram a mais importante propriedade no Brasil Império, tanto do ponto de vista do valor da escravaria, quanto em função do papel do cativo no processo produtivo. Do Sympla Foto retirada do site sympla Desta maneira, o direito civil brasileiro, através de seus principais formuladores, foi obrigado a se debruçar e a elaborar soluções que permitissem a reprodução do sistema e o desenrolar da vida econômica e jurídica em uma monarquia constitucional/liberal. A não concretização de um código civil no país será discutida à luz dessa realidade. Da mesma maneira, serão apresentados debates fundamentais que se desenrolaram no período, como o que envolveu os direitos civis e políticos dos libertos, as possibilidades dos escravos acumularem pecúlio, o estatuto dos libertados em caráter condicional, a questão das sucessões, as hipotecas e outros instrumentos ...

    Leia mais

    Sobre o tráfico negreiro, série Rotas da Escravidão estreia no Brasil

    Desde o século VII e por mais de 1.200 anos, a África foi o principal cenário do tráfico humano mundial. O sistema escravista, implantado no continente africano pelos países europeus, desencadeou a comercialização em massa de seres humanos e resultou em mais de 20 milhões de africanos escravizados ao redor do planeta. Do Filmow Imagem: Curta! / Divulgação A série “Rotas da Escravidão”, que estreia com exclusividade no Brasil no Curta!, revela, ao longo de quatro episódios, os caminhos do comércio de escravos e como a África se tornou o epicentro dessa tragédia social. O primeiro episódio conta 700 anos de história e como as populações subsaarianas se tornaram, ao longo dos séculos, a principal “matéria-prima” do tráfico de escravos. Estreia na Sexta da Sociedade, 19, às 23h. Filho de um sapateiro e de uma quituteira, Solano Trindade foi um poeta e ativista político que fez dos versos uma arma contra as injustiças do mundo. O ...

    Leia mais

    Militantes relembram escravidão no maior ponto de tráfico de pessoas na África

    Ato ocorreu na abertura da conferência pan-africanista, realizada por movimentos populares em Gana Mais de 400 pessoas de 50 países participam do evento em Winneba Foto: / Nina Fideles Por Rute Pina No GGN Brasil de Fato | Elmina (Gana) Militantes de 50 países relembraram, nesta quinta-feira (20), a dispersão forçada da população africana — movimento que também é conhecido como diáspora negra — no maior ponto de exportação de escravos da África. A atividade simbólica ocorreu no Castelo de São Jorge da Mina como abertura da 3ª Conferência Pan African Today (Pan-africanismo hoje, em português) em Winneba, Gana. Para Jonis Ghedi Alason, que integra a comissão organizadora do encontro, o Castelo de São Jorge da Mina é o ponto inicial de uma luta que ainda persiste. "É onde inicia nossa exploração, mas também a resistência dessa exploração. Tem um significado, uma história. É preciso entender ...

    Leia mais
    Jean-Baptiste Debret/Reprodução

    Brasil, 1822: Um País Parido pela Escravidão

    Auriverde pendão de minha terra,  Que a brisa do Brasil beija e balança,  Antes te houvessem roto na batalha,  Que servires a um povo de mortalha!... Navio Negreiro, Casto Alves Por Mário Maestri, do Port.Pravda.Ru Foto: Jean-Baptiste Debret/Reprodução Em janeiro de 1821, no Rio Grande do Sul, Au­guste de Saint-Hi­laire anotava em seu diário que o Reino do Brasil pe­ri­gava ser "per­dido pela casa de Bra­gança" e que "suas províncias" po­diam ex­plodir em na­ções in­de­pen­dentes, "como as colô­nias es­pa­nholas", con­si­de­rando-se a ta­manha di­fe­rença entre as mesmas. O naturalista francês es­crevia coberto de razões: "Sem falar do Pará e de Per­nam­buco, a ca­pi­tania de Minas e do Rio Grande, já menos distanciadas, di­ferem mais entre si que a França da In­gla­terra". Desde sua origem, em inícios dos anos 1500, a Amé­rica por­tu­guesa foi constituída por um mo­saico de re­giões semi-autô­nomas, de frente para a Eu­ropa e para a África, de ...

    Leia mais
    Foto- Hick Duarte

    Fabrício Boliveira: “O machismo é uma escravidão”

    Capa da GQ de setembro ao lado de Emilio Dantas e Chay Suede, o ator que vive Roberval em "Segundo Sol" não quer saber de rótulos e conta sobre a gagueira na infância: "Algo que me acompanha na vida, como o ex-alcoólotra" por Verrô Campos no GQ Foto- Hick Duarte Qual ator, no ar em plena novela das 21h da TV Globo, resolve apagar todo o seu feed do Instagram? Só Fabrício Boliveira. “Me deu uma agonia, senti que seria rotulado pelo que postei antes, me senti aprisionado, foi libertador”, contou rindo como criança quando apronta. O feito já é uma dica do que seria esse novo galã, mais livre. “A ideia de galã já coloca você numa gaveta. O dia em que eu sair de casa de pijama, com o dente mal-escovado e com remela no olho, alguém vai perguntar: ‘mas você não era aquele ...

    Leia mais
    Fox Searchlight

    “12 Anos de Escravidão”: saiba como utilizar o filme no vestibular

    Por completar 130 anos em 2018, a chance de alguma questão relacionada à Lei Áurea aparecer nos vestibulares é alta no Guia do Estudantes Fox Searchlight A ideia desta série de matérias é permitir que você consiga desenvolver um repertório mais amplo e um pensamento crítico mais aguçado com base nas diversas camadas que a sétima arte pode apresentar. As análises dos filmes que faremos aqui buscam mostrar certas relações entre o enredo e temas contemporâneos que podem ser abordados na redação e em outras questões do Enem e dos principais vestibulares do Brasil. O filme “12 Anos de Escravidão” é baseado na história real de Solomon Northup, um homem negro nascido livre no norte dos Estados Unidos que lutou arduamente durante mais de uma década pela sobrevivência e pela liberdade. A história se passa em 1841, época pré-Guerra Civil (1861-1865) e portanto alguns anos antes ...

    Leia mais

    Motel usa temas da escravidão com jaulas e grilhões e causa polêmica

    Para movimento negro, não é possível fetichizar um dos piores períodos da história do Brasil e da população negra Por Luana Benedito no O Dia Motel do Rio Grande do Sul tem escravidão como tema - Reprodução Um motel de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, transformou em fetiche um dos piores períodos da história do Brasil e da população negra brasileira: a escravidão. As suítes do Motel Senzala receberam nomes como Zumbi, Marimba, Quilombo, Alforria, Casa Grande, Escrava e Grilhões. Alguns dos quartos possuem grilhões e correntes. Na suíte Senzala, que tem valor de R$ 150 por duas horas , o cliente ainda tem "direito" à uma jaula. Caso opte pela sexta, sábado ou domingo, o valor aumenta para R$ 210. "A decoração rústica e temática do motel garante um clima especial e único durante a estadia", diz a descrição no site do motel. ...

    Leia mais
    Jackeline Stefanski

    Felipe Antunes se junta ao rapper Xis e canta a tristeza da escravidão na nova “Modelo Guanabara”

    Ultimamente nós temos falado bastante a respeito da banda brasileira Vitrola Sintética. no Tenho Mais discos que Amigos Jackeline Stefanski Desde lançamento de clipe até uma colaboração internacional iniciada no Grammy, o grupo tem feito bonito em trabalhos que chamam a atenção tanto aqui dentro quanto em outros cantos do globo. Foi justamente pensando nessa troca de ideias entre línguas, estilos e países que o vocalista Felipe Antunes convidou uma série de músicos estrangeiros para “Modelo Guanabara”, primeiro single do seu novo livro-álbum solo, CRU, a ser lançado no dia 18 de Agosto no SESC Avenida Paulista. Pois bem, hoje temos o prazer de promover a estreia da canção por aqui e ela conta com o violoncelista holandês Tjalle Rens (que aparece em quase todo álbum), a cantora moçambicana Lenna Bahule, o artista angolano Nastio Mosquito, o rapper Xis, a cantora Kika, o violonista brasileiro Fred Martins e a leitura de um ...

    Leia mais

    71% das vítimas da escravidão moderna são mulheres segundo Índice Global da Escravidão 2018

    O Índice Global de Escravidão 2018 foi divulgado nos últimos dias pela fundação Walk Free, com dados referentes a 2016. Os números são estarrecedores. Do Hypeness Foto: Divulgação Walk Free Foundation Segundo a organização, cerca de 40,3 milhões de pessoas seriam vítimas de escravidão moderna no mundo. Destas, 15,4 milhões são mulheres que vivem em casamentos forçados e 24,9 milhões são pessoas que realizam trabalhos forçados. Foto: Divulgação Walk Free Foundation A prevalência de mulheres que se encontram nessa situação é assutadora: elas correspondem a 71% das vítimas de escravidão moderna, enquanto homens respondem por apenas 29% deste cálculo. O Brasil foi classificado como um país com baixa incidência de escravidão e com fortes respostas do governo a este tipo de prática. Foto: Divulgação Walk Free Foundation Entre os cinco principais produtos importados que envolvem práticas de escravidão moderna em sua produção, o ...

    Leia mais

    Terror e escravidão: “Nó do Diabo” é o “Corra!” brasileiro da era Temer

    "Nó do Diabo" é um filme de terror que reflete sobre como a sociedade brasileira evoluiu --ou não-- desde o fim legal da escravidão. Dividido em cinco partes, e dirigido por quatro cineastas, o longa-metragem guarda nas entrelinhas críticas não muito comuns em filmes de gênero. Por Rodolfo Vicentini Do Uol Cena do filme "Nó do Diabo" (Imagem: Reprodução/Uol) "Quando a gente está falando de trabalho, fala também de terra, relações sociais, relações sexuais e de gênero. Não só de raça e cor", define o co-diretor e roteirista Ramon Porto Mota ao UOL. "A gente precisa superar essa ideia do mito da democracia racial e do homem cordial que foi construído nos anos 1930 com Gilberto Freyre e Sérgio Buarque de Holanda, e essa necessidade de construir uma sociedade brasileira pacífica. O 'Nó do Diabo' reflete essa sociedade construída em cima de conflitos e que tenta jogar os problemas para baixo do ...

    Leia mais
    O quadrinista brasileiro Marcelo D'Salete - Rafael Roncato/Divulgação

    Marcelo D’Salete concorre ao Eisner, maior prêmio dos quadrinhos com HQ sobre escravidão

    Em 2004, leituras sobre o quilombo dos Palmares —em sua maioria escritas por autores brancos— despertaram no quadrinista paulistano Marcelo D'Salete, 38, a vontade de imaginar a perspectiva do negro nas narrativas sobre o Brasil colonial. por Amanda Ribeiro no Folha O quadrinista brasileiro Marcelo D'Salete - Rafael Roncato/Divulgação Desde então, ele se dedica a pesquisas para dar aos negros a possibilidade de contar a própria história. "A fundação de Palmares foi um evento extraordinário. Alguns historiadores contam isso de maneira tão próxima da literatura que fui lendo a história quase já pensando nos personagens", diz o autor, em entrevista à Folha. Quanto mais se dedicava a produzir a história de Palmares, no entanto, mais se tornava evidente a necessidade de conhecer outros quilombos e compreender os mecanismos da sociedade escravista. Em novos estudos, encontrou textos que abordavam casos específicos de escravizados em conflito com seus ...

    Leia mais

    ‘Dicionário da escravidão e liberdade’ joga luz sobre a complexa relação entre os africanos e o Brasil

    Com 50 ensaios, livro mostra que a diáspora foi marcada por luta, revoltas e circulação de saberes por Márcia Maria Cruz no UAI 'A dança, o canto, as religiões eram formas de revolta, já que essas práticas eram proibidas', conta a autora. imagem: UAI A escravidão no Brasil é um capítulo central do processo de africanização da mão de obra nas Américas. Milhares de africanos aqui desembarcaram para substituir os índios, os primeiros cativos dos portugueses. Calcula-se que, apenas entre 1500 a 1800, 4,8 milhões de negros aportaram no Brasil, o último país americano a abolir essa forma perversa de exploração do trabalho, o que reverbera ainda hoje em nossa sociedade sob a forma de preconceito e desigualdade entre negros e brancos. Em 13 de maio, completaram-se 130 anos da assinatura da Lei Áurea. A data não é comemorada pelo movimento negro, que pauta o debate pelo racismo ...

    Leia mais

    A escravidão no Brasil: 130 anos de mentira

    Não tenho nenhuma consideração pela comemoração da abolição da escravatura. E digo mais, depois dos anos escolares acabei sentindo ojeriza por esta data – 13 de maio. Ainda na escola, as aulas que versavam sobre a escravidão pareciam intermináveis, causando-me desespero devido os olhares de "piedade" das crianças brancas em minha direção. E não era somente isto, quando terminavam as aulas, aqueles olhares piedosos davam lugar para a ruindade; a molecada começava a vociferar "a sorte de vocês é que ela não assinou a lápis". Uma ironia sobre a Lei Áurea, assinada pela Princesa Isabel, que culminou no fim da escravidão legal no país. Malditos moleques, maldita escravidão. por Ricardo Corrêa para o Portal Geledés Depois dos anos escolares comecei a experimentar a violência racial de maneira mais aguda. Involuntariamente, claro. Saiba que em qualquer conjuntura o racismo nunca pede licença, ele se apresenta sempre que os negros buscam a igualdade ...

    Leia mais
    Batalha pela abolição já ocorria nas províncias brasileiras anos antes da assinatura da Lei Áurea, e reunia escravos, negros libertos, pessoas da classe média e da alta sociedade Imagem: ANDRÉ VALENTE | BBC BRASIL)

    Muito além da princesa Isabel, 6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

    A decisão veio após mais de três séculos de escravidão, que resultaram em 4,9 milhões de africanos traficados para o Brasil, sendo que mais de 600 mil morreram no caminho. Mas a abolição no Brasil está longe de ter sido uma benevolência da monarquia. Na verdade, foi resultado de diversos fatores, entre eles, o crescimento do movimento abolicionista na década de 1880, cuja força não podia mais ser contida. Entre as formas de resistência, estavam grandes embates parlamentares, manifestações artísticas, até revoltas e fugas massivas de escravos, que a polícia e o Exército não conseguiam - e, a partir de certo ponto, não queriam - reprimir. Em 1884, quatro anos antes do Brasil, os Estados do Ceará e do Amazonas acabaram com a escravidão, dando ainda mais força para o movimento. A disputa continuou no pós-libertação, para que novas políticas fossem criadas destinando terras e indenizações aos ex-escravos - o ...

    Leia mais
    Página 2 de 190 1 2 3 190

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist