Resultados da pesquisa por ' racismo'

    Jovens são vítimas de racismo em restaurante no Centro de São Paulo

    Jovens denunciam episódio de racismo e agressão em restaurante durante o Carnaval Por André Nicolau, Do Catraca Livre (Foto: Imagem Geledés) Após curtirem mais um dia de Carnaval, na última segunda-feira, 24, os jovens Lucas Matheus dos Santos, 24, e Peterson Damião dos Santos, 35, foram ao restaurante Esquina da Praça, na República, centro de São Paulo, encontrar um grupo de amigos. A receptividade foi a pior possível: foram alvo de racismo e agressão por funcionários do estabelecimento e saíram de lá feridos, diretamente para tendas de atendimento de saúde espalhadas pela região. Os planos mudaram rapidamente: em vez de comer alguma coisa antes de voltar para Itaquera, bairro onde vivem na zona leste, tiveram de procurar delegacias. Este novo episódio de racismo, marcado por ofensa, intolerância e violência, começou assim que chegaram ao restaurante: aguardavam pacientemente a entrada, quando perceberam outros clientes passarem à frente ...

    Leia mais

    O chicote, o racismo e o poder de mulheres

    Que existe racismo no Brasil, não há dúvidas. Que isto é estrutural, institucional ou (como diria Frantz Fanon) existencial, também é sabido por parte da população que tem autocrítica. Porém, pouco se fala sobre o que acontece quando o poder está em mãos de mulheres negras. Por  Jaqueline Vasconcellos, enviado para o Portal Geledés Jaqueline Vasconcellos (Arquivo Pessoal) Na pirâmide social da exclusão, são as mulheres negras que estão no assoalho e que são pisadas por toda sorte de opressores. Porém, em se tratando de mulheres com algum nível de poder, existe certo esforço social, em especial dos homens ao seu redor, em tornar velado o racismo e o machismo, mas ainda assim, não deixá-las achar que as ordens são dadas por elas. Alexandra Loras, ex-consulesa da França, mulher negra, denomina essa cordialidade como “apartheid cordial”, para definir o que mulheres negras enfrentam em nosso país. ...

    Leia mais
    Mais de 50 universidades nos EUA já se comprometeram a não usar reconhecimento facial nos campi (Foto: Scharfsinn86 // Getty Images)

    Racismo em I.A. leva universidade a desistir de reconhecimento facial no campus

    Denúncia da ONG Fight for the Future mostrou à UCLA problemas no uso de uma inteligência artificial disponível no mercado No Época Negócios Mais de 50 universidades nos EUA já se comprometeram a não usar reconhecimento facial nos campi (Foto: Scharfsinn86 // Getty Images) A Universidade da Califórnia (UCLA) desistiu, no dia 18/2, de usar reconhecimento facial em seu campus. A tecnologia vinha sendo avaliada como ferramenta e segurança, para identificar os frequentadores da universidade. A desistência ocorreu após a ONG Fight for the Future fazer um teste: usou um software disponível no mercado para comparar as faces de 400 integrantes da comunidade universitária (alunos, professores e funcionários) aos rostos de criminosos e contraventores fichados. A análise retornou nada menos que 58 falsos positivos. A maior parte dessas respostas erradas ocorreu na avaliação de rostos de pessoas não-brancas. Na experiência, a ONG usou um software da ...

    Leia mais

    O patógeno do preconceito: O coronavírus espalha racismo contra – e entre – os descendentes de chineses

    O medo da covid-19 faz as pessoas se comportarem mal, incluindo alguns chineses Por The Economist, na Carta Maior  Foto: Luca D´Urbino “EI, MENINO VÍRUS! Não vem contaminar a gente!" Assim, Andrew Zhou, um chinês-canadense em Vancouver, foi ridicularizado no recreio da escola. No dia 8 de fevereiro, Hao Chunxiang, um estudante universitário chinês na Holanda, reclamou no Facebook que no elevador de seu dormitório haviam sido pintadas, com spray, as palavras "MORRA CHINÊS". No Japão, a hashtag #ChineseDon'CometoJapan (Chineses não venham ao Japão) está em alta no Twitter. Rhea Liang, uma médica na Austrália, tuitou que um de seus pacientes havia se recusado a apertar sua mão por causa de sua etnia. Em meio à ansiedade global sobre a disseminação do novo coronavírus, detectado pela primeira vez em dezembro na cidade chinesa de Wuhan, as dezenas de milhões de descendentes de chineses que vivem fora ...

    Leia mais

    Intolerância religiosa, racismo, misoginia e homofobia serão temas de um dos carnavais mais politizados do Grupo Especial

    Em 2020, mesmo enredos aparentemente menos engajados flertarão com questões contemporâneas Por Rafael Galdo, Do O Globo Hélio de la Peña, Carla Cristine e Nando Cunha vão desfilar no Salgueiro, que leva para a Avenida discussão sobre o racismo (Foto: Marcelo Theobald / Agência O Globo / Agência O Globo) A imagem de Jesus pregado a uma cruz que chegará a 20 metros de altura, na Mangueira. Mulheres ativistas e o símbolo do feminismo estampado em fantasias da Viradouro. Um “planeta fome” na Mocidade. No Salgueiro, a homenagem a artistas negros que lutam contra o racismo. E, na Grande Rio, padres, pastores, pais e mães de santo juntos, numa alegoria para representar um terreiro de candomblé. Impassível ninguém ficará aos desfiles do Grupo Especial que começam hoje à noite na Sapucaí. Aprofundando um rumo trilhado nos últimos carnavais, o deste ano levará ao Sambódromo assuntos que ...

    Leia mais

    “Fora nazista”: torcida reage e homem é preso por racismo durante jogo

    Durante partida na Alemanha, torcedor insulta e imita macaco para provocar zagueiro do time adversário, é denunciado por colegas de arquibancada e detido. "A reação de vocês foi exemplar", agradece jogador. Do DW Leroy Kwadwo (c.) é consolado por jogador da equipe adversária após insultos racistas de torcedor (Foto: picture-alliance/dpa/nordphano) Um torcedor foi preso numa partida da terceira divisão do futebol alemão na noite da última sexta-feira (14/02), após ter sido identificado por outros espectadores como autor de ofensas racistas contra um jogador da equipe visitante. Um apoiador do time local, o Preußen Münster, proferiu insultos racistas e imitou ruídos de macaco para provocar o zagueiro Leroy Kwadwo, de origem ganesa, do Würzburger Kickers. Outros torcedores presentes no estádio o apontaram e ajudaram os seguranças a identificá-lo para que pudesse ser preso, sob gritos de "fora nazistas". "Isso é algo que não tem lugar em um ...

    Leia mais
    Divulgação/Conectas

    Nota de repúdio ao ato de racismo em edifício sede da Conectas

    Fato ocorreu na manhã desta quinta (20), em encontro com movimentos sociais e entidades da sociedade civil que lutam contra a violência institucional Do Conectas  Divulgação/Conectas Na manhã desta quinta-feira (20), a Conectas co-organizou em nossa sede um encontro com movimentos sociais e entidades da sociedade civil que lutam contra a violência institucional. Na chegada dos convidados e convidadas, uma participante sofreu racismo durante o processo de identificação junto à portaria do edifício. Outros participantes também relataram tratamento racista na recepção do prédio. A gravidade do episódio causou enorme sofrimento e indignação em todas as pessoas presentes, reunidas justamente para tratar de estratégias do combate à violência do Estado, marcada pelo racismo estrutural. O ocorrido levou à suspensão da atividade. Atos racistas como o de hoje são frequentes na vida das pessoas negras e devem ser combatidos firmemente, evitando qualquer forma de cumplicidade. Conectas tem o ...

    Leia mais
    As considerações aqui tecidas buscam estreitar as trocas com as forças negras da sociedade brasileira e abrir interlocuções com organizações pan-africanas - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

    Racismo Estrutural: Onde fica o Direito?

    A ausência negra na prática da advocacia diz muito sobre a institucionalidade branca Por Vera Lúcia Santana Araújo, do Brasil de Fato  As considerações aqui tecidas buscam estreitar as trocas com as forças negras da sociedade brasileira e abrir interlocuções com organizações pan-africanas - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil “Uma história de vozes torturadas, línguas rompidas, idiomas impostos, discursos impedidos e dos muitos lugares que não podíamos entrar, tampouco permanecer para falar com nossas vozes”. A provocação trazida é da Introdução de Grada Kilomba, psicanalista, escritora, artista interdisciplinar portuguesa, em sua obra Memórias da Plantação – episódios de racismo cotidiano, e, em curtíssima síntese, podemos asseverar que bem expressa a sólida base do racismo estrutural, processo sistêmico, construído e retroalimentado para conferir privilégios a certos e determinados estratos das gentes, promovendo artificial divisão humana. É histórica a construção de hierarquias sociais através da instituição de critérios que ...

    Leia mais
    João Almeida

    Pesquisa da UFMT aprova o racismo Institucionalizado

    Existe racismo institucional na Universidade Federal de Mato Grosso? Este é o tema da tese da Mestra em Educação Leydiane Vitória Sales. Ao mostrar o racismo institucional e suas facetas, evidencia as características e essências de um projeto de "Estado e Nação". Por Gilda Portella, do Mega Pop Foto: João Almeida Para ela, “A partir do momento em que há uma arquitetura social, política e social para a eliminação da identidade negra como o projeto de branqueamento com aval do governo brasileiro, é uma das formas de projeto de Estado-Nação. Assim como as diferenças salariais entre negros/as e brancos/as na sociedade brasileira”. “Os anos que se levaram para que a população negra tivesse acesso ao ensino superior, que tivesse políticas públicas de fomento às ações afirmativas. São exemplos das operacionalidades do racismo institucional como um projeto de Estado e Nação”. (Esse é um termo do autor ...

    Leia mais
    José Evaristo S. Netto (Reprodução/Facebook)

    ‘Racismo e modernidade a partir da ideia de realidade simulada: física quântica e psicologia negra Sakhu Sheti

    Um ensaio sobre a compreensão do racismo a partir da ideia de realidade simulada Por José Evaristo S. Netto, no @joseevaristo José Evaristo S. Netto (Reprodução/Facebook) O que me motivou a escrever este singelo ensaio foi a ideia de iniciar a organização de um pensamento afrocentrado, decolonial, que me facilitasse avançar na compreensão e no exercício de uma corporeidade e um “existir no mundo” sadios. Este texto também é fruto da minha preocupação com as identidades precarizadas, relacionadas em grande parte com o afastamento e abandono dos arquétipos e das memórias tradicionais africanas e afrodiaspóricas, ancestrais, tão importantes para a nossa centralidade e a percepção de “ser africano no mundo”. Percebo a incorporação de “identidades precárias de consumo” e “proto arquétipos sintéticos”, “temperadas” pelos sistemas culturais de consumo ligadas aos valores da colonialidade, da modernidade, e entendo que a noção de realidade vai sendo forjada sem agência ...

    Leia mais
    Avanço do coronavírus pelo mundo aumenta preconceito contra asiáticos
Imagem: Carlos Garcia Rawlins/Reuters

    #EuNãoSouUmVírus: epidemia do covid-19 dispara racismo contra asiáticos

    "Ai, miga, sai com esse coronavírus daqui", ouviu a atriz Ana Hikari, durante uma festa pré-carnaval em São Paulo. Por Juliana Sayuri, do TAB  Avanço do coronavírus pelo mundo aumenta preconceito contra asiáticosImagem: Carlos Garcia Rawlins/Reuters "Sua chinesa porca, fica espalhando doença para todos nós" foram as palavras dirigidas à estudante Marie Okabayashi, em um trem do metrô do Rio de Janeiro. Você não é chinês, né? Não quero pegar coronavírus" foi a pergunta lançada a Leonardo Yamaguti, que trabalha em uma loja de produtos eletrônicos, em Campo Grande (MS). "Uso de máscaras cirúrgicas; utilização apenas do elevador privativo; e higienização das mãos com álcool gel" foram as condições impostas pelo Edifício Berrini 550, um condomínio empresarial na zona sul de São Paulo, para permitir a entrada de chineses. "Proibida a entrada de chineses. Não quero que espalhem o vírus", informa o cartaz de uma confeitaria ...

    Leia mais
    Imagem retirada do site

    “Outra educação é possível: feminismo, antirracismo e inclusão em sala de aula “

    Obra discute educação e inclusão, e Jaycelene Brasil conta sua experiência em escolas de Xapuri Por TIÃO MAIA, , do ContilNet Imagem retirada do site ContilNet A coluna “Opinião” do UOL, um dos maiores sites de notícias do país, publica, nesta quarta-feira (12), artigo da professora acreana Jaycelene Brasil. Socióloga, militante de direitos humanos e pesquisadora das questões raciais e de gênero, Brasil escreve sobre o livro da também professora, historiadora mineira, mestra em educação e militante do movimento negro e feminista Luana Tolentino. O livro, intitulado “Outra educação é possível: feminismo, antirracismo e inclusão em sala de aula”, lançado pela editora Mazza em 2019, é, de acordo com a autora do artigo, “uma obra icônica de crônicas que evidenciam suas experiências vividas ao longo de dez anos à frente de turmas dos Ensinos Fundamental e Médio”. De acordo com Jaycelene Brasil, o livro “chama a ...

    Leia mais
    GETTY IMAGES

    Prada vai receber “treinamento de sensibilidade” após caso de racismo

    Isto inclui Miuccia Prada e todos os funcionários de Nova York e executivos de Milão Da  GLAMOUR GETTY IMAGES O jornal americano The New York Times publicou uma grande reportagem à respeito dos desdobramentos do caso de racismo o qual a marca italiana Prada foi acusada em 2018. Na época, a advogada Chinyere Ezie postou uma foto de uma vitrine da loja e apontou "blackface" de bonecos expostos. O caso viralizou na internet e ganhou ainda maiores proporções após o Diet Prada, conta no Instagram que faz críticas do mundo fashion, repostar a denúncia. A Prada rapidamente tirou os bonecos de circulação, mas mesmo assim, a Comissão de Direitos Humanos de Nova York – órgão responsável por supervisionar as leis desta área no estado americano – assinou um acordo com a Prada que implica em "Treinamento de sensibilidade". Isto quer dizer que, a partir de já, ...

    Leia mais
    Taynara Silva, professora

    Após ser alvo de racismo por diretora, professora vai palestrar em colégios sobre antirracismo

    Após a professora Taynara Silva ter sido alvo de racismo por parte da diretora de uma escola particular em Maceió, a história da jovem, de 25 anos, ganhou um novo capítulo: ela recebeu propostas de emprego e vai palestrar em colégios sobre a importância de ser antirracista. Por Raíssa França, do Cada Minuto  Taynara Silva, professora (Foto: Dayane Silva) Taynara disse ao blog que a luta dela contra o racismo sempre existiu, mas que com o caso que ocorreu na última semana, a intenção agora é de se “erguer levando mulheres pretas com ela”. Com os convites que vieram para a professora depois que o caso ganhou repercussão, Taynara não tem dúvida de que as palestras vão levar uma proposta pedagógica para a sala de aula. Segundo ela, não adianta falar sobre o racismo. “Não adianta se limitar falar sobre o racismo para as pessoas. ‘Olha ...

    Leia mais
    Cecil atualmente, com uma foto sua de juventude (Imagem retirada do site Hypeness)

    O fotógrafo que desafiou o racismo nos EUA e registrou a luta pelos direitos civis no país

    Quando Cecil J. Williams começou a trabalhar como fotojornalista, nos anos 1950, um fotógrafo negro era uma absoluta raridade, especialmente em um estado notoriamente racista como o da Carolina do Sul, onde Cecil nasceu e foi criado. O estado era segregado, negros eram separados de brancos em locais públicos, a violência racista era uma ameaça constante, mas a resistência e a luta pelos direitos civis eram crescentes – e foi esse movimento que Cecil decidiu registrar. E não somente: sua foto orgulhosamente bebendo água em um bebedouro designado somente para a população branca (com uma placa em primeiro plano na qual vergonhosamente se lê “somente brancos”) tornou-se símbolo do horror racial que tomava conta dos EUA de então, mas também da luta e da força para derrubar a pior sombra de nossa civilização. Tirada em 1956 pelo amigo e fotógrafo Rendall Harper em um posto de gasolina, a foto hoje ...

    Leia mais
    Foto: Rafael Martins

    “O racismo elege, a partir dos corpos, quem morre e quem vive”, diz Naira Gomes

    Os dois recentes casos de violência de grande repercussão contra vítimas negras em Salvador, ocorridos no início deste ano, fundamentaram a proposta da Marcha do Empoderamento Crespo para a realização de um ciclo formativo antirracista para agentes de guarda e policiais. As ocorrências, contra duas irmãs gêmeas e um adolescente, tiveram como ponto comum o ataque relacionado à estética capilar e características do fenótipo negro. O tema foi discutido por Naira Gomes, uma das fundadoras da entidade de mulheres negras que tem como uma das pautas a luta contra o racismo pelo viés estético, na manhã desta segunda-feira, 10, durante o programa ‘Isso é Bahia’, na Rádio A TARDE FM. Por Shagaly Ferreira, da A TARDE Foto: Rafael Martins Para Naira, os episódios demonstram como as práticas racistas estão atreladas à estética, de forma a determinar, inclusive, as condições de vida e de morte para os ...

    Leia mais
    Super Choque  (Divulgação/DC Universe)

    ‘Super-Choque’ e sua grande aula sobre questões sociais, racismo e ancestralidade

    Em uma época onde a representatividade cresce cada vez mais, foi possível mostrar que existem personagens de quadrinhos que fogem do padrão. Por Marcos Marques, do HQzona Super Choque (Imagem: Divulgação/DC Universe) Recentemente, a Marvel fez a sua grande aposta em Pantera Negra, um filme que trouxe um novo ar para Hollywood com um elenco de pessoas negras trazendo muito empoderamento, crítica social e se destacando por ser um dos melhores filmes já feito não apenas no gênero de super-herói, mas no modo geral. Mas não apenas a Marvel foi a percussora em trazer um super-herói negro para os cinemas, como a DC foi a grande responsável por trazer uma das animações mais incríveis para a televisão de muitas crianças e adolescentes dos anos 2000, vai me falar que você não ficava ansioso e cantava a introdução de Super-Choque? A animação fez um grande sucesso pelo ...

    Leia mais

    Da estratégia de caramujo de Machado de Assis ao racismo estrutural: black money e a imprensa de resistência

    A técnica jornalística, a atitude e a escrita de Machado de Assis são reconhecidas por todos da área, mas poucos sabem de sua “estratégia de caramujo” enquanto homem negro em uma sociedade sem democracia racial. O trabalho de tipógrafo, revisor, crítico teatral e cronista nos jornais do século XIX deram a Joaquim Maria Machado de Assis segurança e tempo para exercer o que mais gostava: escrever com criticidade. No entanto, tudo isso não apaga sua origem negra (pai e avós paternos), sua negritude e sua luta antirracismo. Sendo o modo como escreve, o lugar de onde fotografa com palavras a realidade (realismo machadiano) e a escolha estratégica de vida as fontes de toda sua genialidade. Tal genialidade não é a que devemos cobrar dos nossos jornalistas atuais, porém não podemos tolerar deles, ainda mais de homens brancos, atitudes racistas como a do âncora do Bom Dia São Paulo, Rodrigo Bocardi, ...

    Leia mais
    Imagem: Geledés

    Jovem senegalês é agredido em novo caso de racismo na Itália

    Um jovem senegalês de 20 anos, residente em Palermo, foi espancado na madrugada de domingo (9) por um grupo de adolescentes, em mais um caso de racismo registrado na Itália. Por Ansa, DO iStoÉ Jovem senegalês é agredido em novo caso de racismo na ItáliaFoto: Ansa / Ansa - Brasil O episódio ocorreu na Via Cavour, considerada o centro da vida noturna da região, quando Kande Boubacar voltava do trabalho. Na ocasião, os agressores surpreenderam e atacaram o rapaz com chutes e socos no rosto, enquanto gritavam “negro de merda, saia daqui”. O senegalês foi resgatado por duas pessoas e levado ao hospital Civico para receber os primeiros socorros. Ele sofreu uma lesão no olho e deve se recuperar em cerca de 10 dias, segundo os médicos. A polícia local investiga o caso e já solicitou as imagens de vigilância da área para identificar os autores ...

    Leia mais
    (Photo by Getty Images)

    Qual é a diferença entre bullying e racismo nas escolas?

    O livro Discriminação Racial é sinônimo de Maus-Tratos: A importância do ECA para a proteção das crianças negras, realizado pelo Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert), traz importantes reflexões a respeito da defesa dos direitos humanos, ao assumirmos a problemática da discriminação racial no Brasil. Organizado por Hédio Silva Jr e Daniel Teixeira, o livro apresenta um artigo da Professora Doutora Ellen de Lima Souza, a respeito da diferença entre bullying e racismo. Por BRUNA RIBEIRO, do Estadão  (Photo by Getty Images) Em debates sobre educação antirracista, muito se fala sobre a urgência de admitirmos que racismo não pode ser tratado como bullying dentro das escolas. No texto Bullying não é sinônimo de racismo, a autora inicia a reflexão a respeito do entendimento colonial de que “diferença” e “desigualdade” são sinônimos, quando na verdade não são. Segundo a autora, as relações sociais foram polarizadas, fortalecendo ...

    Leia mais
    Página 4 de 700 1 3 4 5 700

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist