segunda-feira, julho 6, 2020

    Resultados da pesquisa por 'Frantz Fanon'

    Pastor Candidato quer eliminar referências públicas das religiões afro-brasileiras na Bahia

    Pastor Candidato quer eliminar referências públicas das religiões afro-brasileiras na Bahia

    Por Maria Frô De todas as propostas esdrúxulas dos mais de 14 mil candidatos a deputado federal nas eleições de 2014, a campanha do pastor candidato, Elionai Muralha, chega ao requinte da intolerância. Ele prega abertamente uma verdadeira caça às bruxas ao patrimônio cultural baiano: quer retirar todas as esculturas dos orixás de locais públicos na Bahia. Carybé, Jorge Amado, Pierre Verger e tantos outros artistas, escritores e pesquisadores das religiões de matrizes africanas devem estar dando muitas voltas no túmulo e espero que os vivos como Mario Cravo e toda sociedade pensante brasileira reajam.  O que é mais assustador é que o ataque vem de uma pessoa negra. Só Frantz Fanon pode explicar a ignorância fundamentalista do candidato pastor que ataca uma tradição herdada dos africanos que se confunde com a própria identidade baiana. As religiões afro-brasileiras são patrimônio imaterial e as esculturas dos orixás, patrimônio brasileiro. Os orixás ...

    Leia mais
    rio-dos-macacos

    Uma fábula colonial para tempos pós-modernos: A violência simbólica contra o homem negro na novela “Em Família”

    por Daniel Dos Santos Marcello Melo Júnior é um dos atores negros que admiro muito dentro do núcleo ainda muito insuficiente de negras e negros nas novelas da Rede Globo. A sua beleza e talento me chamou bastante atenção desde a primeira vez em que o vi encarnado em um personagem da penúltima novela de Manoel Carlos, aquela da grande polêmica levantada pela “Helena negra”, interpretada pela Taís Araújo. Hoje, Marcello Melo Júnior se destaca de forma interessante na novela Em Família, também de autoria de Manoel Carlos, com seu personagem Jairo, protagonista das cenas mais quentes, eróticas, agressivas e explosivas da teledramaturgia atual, manifestações muito preocupantes para a construção das representações imagéticas sobre os homens negros no imaginário popular. Jairo insere-se na narrativa da novela Em Família de maneira muito obtusa. O personagem só faz sentido a partir do drama da personagem Juliana (Vanessa Gerbelli), detentora de uma espécie ...

    Leia mais
    SOBRE DE-HUMANIDADE E OS USOS DO SOFRIMENTO NEGRO

    Sobre de-humanidade e os usos do sofrimento negro

    Gustavo Melo Cerqueira Há pouco mais de um ano estava eu numa conferência internacional na Duke University, na cidade de Durham, Carolina do Norte. A conferência reunia pesquisadores, artistas e ativistas de diversos países do continente Americano. Variados temas seriam abordados na conferência, e na mesa de abertura estava Walter Mignolo, que viria a ser co-convener do grupo de trabalho sobre decolonialidade do qual eu participaria. Aproveitando o momento, e na onda de muitas discussões sobre afropessimismo nas quais eu estava envolvido na Universidade do Texas em Austin, perguntei aos integrantes da mesa de abertura: já que estamos falando sobre decolonialidade, não seria também o caso de começarmos a nos questionar, e mesmo a investir na formação de uma corrente de pensamento sobre de-humanidade? Digo, não está na hora de de-humanizarmos um pouco a discussão, em vez de sempre recorrermos a uma tal essência humana que pretensamente nos une a ...

    Leia mais
    Foto: IEA

    Racismo nas altas esferas, quem tem medo de um negro que sabe? Professor Kabengele Munanga quebra o silêncio acadêmico

    O Professor Kabengele Munanga foi preterido na seleção dos 59 estudiosos que foram beneficiados pela bolsa do programa "Professor Visitante Nacional Sênior " da Capes. Foto: IEA por marcos romão Kabengele havia aceito a sondagem da Professora Georgina Gonçalves dos Santos, para atuar na jovem Universidade do Recôncavo Bahiano -UFRB-, através de uma posssível bolsa de pesquisador visitante nacional sênior da CAPES. Kabengele foi preterido, foi desmeritado na alta esfera de decisão, na cúpula do poder que decide no Brasil, quem foi, é e será beneficiado por bolsas para aprender ou distribuir seus conhecimentos. Segundo palavras do Professor José Jorge de Carvalho, Coordenador do INCTI, em seu documento em apoio à Kabengele para reivindicar a bolsa: "Com toda sua clareza do intelectual militante e engajado e sua posição político-ideológica a respeito da inclusão dos negros e indígenas no ensino superior, docência e pesquisa, talvez Kabengele fosse ...

    Leia mais
    kabengele-mulanga

    Quem tem medo de um negro que sabe?

    Racismo nas altas esferas, quem tem medo de um negro que sabe? por Marcos Romão O Professor Kabengele Munanga, foi preterido na seleção dos 59 estudiosos que foram beneficiados pela bolsa do programa "Professor Visitante Nacional Sênior " da Capes. Kabengele havia aceito a sondagem da Professora Georgina Gonçalves dos Santos, para atuar na jovem Universidade do Recôncavo Bahiano -UFRB-, através de uma posssível bolsa de pesquisador visitante nacional sênior da CAPES. Kabengele foi preterido, foi desmeritado na alta esfera de decisão, na cúpula do poder que decide no Brasil, quem foi, é e será beneficiado por bolsas para aprender ou distribuir seus conhecimentos. Segundo palavras do Professor José Jorge de Carvalho, Coordenador do INCTI, em seu documento em apoio à Kabengele para reivindicar a bolsa: "Com toda sua clareza do intelectual militante e engajado e sua posição político-ideológica a respeito da inclusão dos negros e indígenas no ensino superior, ...

    Leia mais
    fannonbanner

    Mini Curso – História da África: reflexões em defesa de uma Filosofia Africana no mundo contemporâneo.

    Professor Ms. Gustavo de Andrade Durão Doutorando do Programa de História Comparada (IH-UFRJ), Pesquisador do Laboratório de Estudos Africanos da UFRJ (LeAfrica) Ementa: Debates sobre obras que abrangem a História da África e as formas de pensamento filosófico existentes no pensamento africano. Análises sobre o debate hegeliano em relação à História da África. Estudos das obras de proeminentes pensadores europeus como Levi Strauss, Hannah Arendt e Jean-Paul Sartre. Diálogos com uma perspectiva africanista do pensamento filosófico. Estudo das produções filosóficas e etno-filosóficas de pensadores do cânone africano: Yves Mudimbe, Paulin J. Hountondji, Achille Mbembe, Kwame A. Appiah, Aimé Césaire, Frantz Fanon, Léopold Senghor e Abiola Irele. Análise comparada das obras filosóficas africanas à luz dos modos de agir e pensar, com ênfase nas críticas ao colonialismo e ao pressuposto de inferioridade intelectual dos negros. Desenvolvimento de uma interpretação para as obras dos autores africanistas que laboraram para o protagonismo dos ...

    Leia mais
    Ricardo Stuckert/Agência Brasil

    “O racismo fica escancarado ao olhar mais superficial”, entrevista Abdias Nascimento

    Ao longo de seus 96 anos, Abdias Nascimento esteve presente e participou de inúmeras passagens importantes das lutas negras do século 20, não só no Brasil, mas também nos Estados Unidos e na África. Sua vida é ela mesma a própria história da luta negra. A luta pelo reconhecimento dos direitos, a dignidade e a autonomia da população negra tem heróis de muitos países, entre África e Américas. É uma luta tão antiga quanto a diáspora negra produzida pelo vergonhoso comércio de africanos que vigorou no Atlântico por quase quatro séculos. É por se tratar de uma luta de tantos povos, lugares, tempos e pessoas que impressiona tanto conhecer a vida do ativista brasileiro Abdias do Nascimento. Ao longo de seus 96 anos, Abdias esteve presente em e participou de inúmeras passagens importantes das lutas negras do século 20, não só no Brasil, mas também nos Estados Unidos e na ...

    Leia mais
    407x305xpublicaamarildodivAmarildo.jpg.pagespeed.ic.7HV11T-YEo

    Os crimes de maio e as manifestações de junho e o Amarildo: o extermínio nosso de cada dia – Por: Deivison Nkosi

    Na semana passada um caso chamou a atenção da opinião pública internacional: o julgamento e absolvição do vigia George Zimmerman pelo assassinato do jovem negro Trayvon Martin de 17 anos. O réu já havia confessado o crime, mas o "justificou" alegando que o jovem mantinha atitudes suspeitas no momento em que foi alvejado, pelo fato de estar vestindo uma blusa com capuz. O incidente, ocorrido em fevereiro de 2012 reaqueceu o debate racial nos EUA e motivou agora, com a absolvição do réu, a eclosão de intensos protestos em mais de 100 cidades do país. O caso foi amplamente noticiado pela imprensa brasileira e ofereceu uma pista importante para as similaridades entre o racismo daqui e o de lá: O Negro é suspeito até que prove o contrário. Ocorre que por aqui, o assassinato cotidiano de negros tende a ser naturalizado e de certa forma justificado pela chamada política de ...

    Leia mais
    Americanos-no-Malawi-300x199

    A instalação de tropas dos EUA em 35 países africanos

    Por Marco Antonio L. Do Vermelho John Pilger: A invasão real da África não está nos noticiários Uma invasão da África de grandes proporções está em andamento. Os Estados Unidos estão instalando tropas em 35 países africanos, a começar pela Líbia, Sudão, Argélia e Níger. Isto foi informado pela Associated Press no dia de Natal, mas ficou omisso na maior parte da imprensa anglo-americana. Por John Pilger, em seu site A invasão pouco tem a ver com "islamismo" e, quase tudo a ver com a aquisição de recursos, nomeadamente minérios, e com uma aceleração da rivalidade com a China. Ao contrário da China, os EUA e seus aliados estão preparados para utilizar um grau de violência já demonstrado no Iraque, Afeganistão, Paquistão, Iémen e Palestina. Tal como na guerra-fria, uma divisão de trabalho exige que o jornalismo ocidental e a cultura popular providenciem a cobertura de uma guerra sagrada contra ...

    Leia mais
    (Foto: Lisa Terry / Liaison Agency/ Getty Images)

    Ato-debate internacional pela liberdade do ex-pantera negra Mumia Abu-Jamal

    Mumia Abu-Jamal é um preso político. Ex-Pantera Negra, jornalista, sempre denunciou (e o faz até hoje) o terror policial nas comunidades negras dos EUA. Em dezembro de 1981, Mumia foi preso, acusado de assassinar um policial em Filadelfia. Apesar de provas que apontam outra pessoa como o provável assassino, ele foi condenado à morte. Em 2011, depois de anos de ações de um amplo movimento internacional em seu apoio, ele saiu do corredor da morte e agora segue preso, condenado à prisão perpétua. A luta de Mumia foi e segue sendo contra essa sociedade racista e pela liberdade. Aqui como lá, ainda hoje a violência policial e o encarceramento em massa têm alvo certo: os jovens negros e pobres das periferias de todo o Brasil. Em tempos em que a violência policial em São Paulo vive uma escalada de horror, debater a liberdade de Mumia e relembrar sua história ganha ...

    Leia mais
    IsaacJulien

    Isaac Julien: Geopoéticas

    Curadoria de Solange FarkasDe 4 de setembro a 16 de dezembro de 2012No SESC Pompeia, São Paulo, e SESCTV   Quatro instalações em múltiplas telas, criadas ao longo da última década, compõem o segmento central da primeira individual do artista britânico Isaac Julien no Brasil. A exposição Isaac Julien: Geopoéticas tem curadoria de Solange Farkas e acontece no SESC Pompeia, com exibição paralela de destaques da filmografia de Julien pelo SESCTV. A mostra abrange um período de duas décadas de produção de Julien, e procura revelar ao público brasileiro o duplo caráter de sua obra: a exposição dá relevo tanto à profunda preocupação do artista com os temas de identidade cultural, afirmação social e questões de gênero e políticas quanto à sua rigorosa atenção aos aspectos formais, que envolvem um uso muito preciso de cores e matizes, construções narrativas multifacetadas e sobreposições visuais e sonoras. O título da exposição refere-se ...

    Leia mais
    Consciencia Negra 2011 na Franca

    Ações brasileiras contra discriminação em destaque na França

    Luiza Duarte Militantes, pesquisadores, representantes de organizações não governamentais e líderes políticos se reúnem em Paris para a Quarta Semana da Consciência Negra Brasileira, organizada pela associação Afromundos. Até este domingo 23 de outubro, será o momento para fazer um balanço das ações e políticas defendidas pelos diferentes atores do movimento negro. No Brasil, 10,6% da população indígena e afrodescente vive com menos de um dólar por dia, segundo dados publicados no último ano pelo IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, enquanto 5,1% da população eurodescendente vive na mesma situação. Mesmo sendo possível constatar entre 1999 e 2009 uma melhora estatística, como a do percentual de jovens negros que concluíram o ensino superior, os indicadores raciais comparativos determinam que estamos longe de garantir a igualdade de condições de acesso a saúde, educação, moradia e mercado de trabalho no país e de superar o racismo. A RFI conversou com Mireille ...

    Leia mais

    Definições sobre a branquitude

    por Hernani Francisco da Silva Os Estados Unidos, principalmente nos anos 1990, com os critical whiteness studies tornaram-se o principal centro de pesquisas sobre branquitude. Todavia, existem produções acadêmicas sobre essa temática na Inglaterra, África do Sul, Austrália e Brasil. No entanto, W. E. B. Du Bois talvez seja o precursor em teorizar sobre a identidade racial branca com sua publicação Black Reconstruction in the United States. Na galeria dos pioneiros em problematizar a identidade racial branca não podemos deixar de considerar Frantz Fanon. Em 1952, esse pensador caribenho e africano com sua publicação Peau noire, masques blancs defendeu o argumento de abolição da raça. Esse autor estava preocupado em libertar o branco de sua branquitude e o negro de sua negritude, porque a identidade racial seria um encarceramento que obstaculizava a pessoa de chegar e gozar sua condição humana. O ativista Steve Biko também pode ser incluído entre os ...

    Leia mais
    A História de Luísa - Tornar-se Negro - Cap. V

    Narcisismo e Ideal de Ego – resumo “Tornar-se negro” – Cap. IV

    por José Ricardo D' Almeida Ao fim do capítulo anterior (III) Neusa Santos observa que seu estudo é exemplificado com trechos de depoimentos obtidos em entrevistas e marcados por sua própria experiência "na pele". Eles servem assim de referência para dar voz ao negro que "enquanto sujeito introjeta, assimila e reproduz como sendo seu o discurso do branco e os seus interesses". Isto é viabilizado pela eficácia dos mecanismos ideológicos que possuem suporte nos processos psíquicos. Para compreender este funcionamento é preciso conhecer como ela indica, dois conceitos fundamentais da teoria da psicanálise: Narcisismo e Ideal de Ego, "forças estruturantes do psiquismo que desempenham um papel chave na produção do negro enquanto sujeito - sujeitado, identificado e assimilado ao branco". Dois outros conceitos são ainda referidos - Ego Ideal e Super Ego - e são também essenciais para compreendermos o que se procura explicar, e com uma ...

    Leia mais
    politicamente correto

    As origens da expressão “politicamente correto”

    Se pudéssemos resumir de forma simplificada a grande descoberta dos estudos da linguagem no século XX, o resumo seria: a língua não é um instrumento neutro. Dito assim, parece à toa. Mas quando desempacotamos as premissas e conclusões que se desprendem desse enunciado, algumas consequências se impõem para a prática política de esquerda. Não se trata só de que os sujeitos que se utilizam da linguagem não são neutros, mas que os próprios vocábulos, estruturas e entonações da língua trazem consigo uma história carregada de sentidos culturais e políticos. Não é do interesse dos que lutam ao lado dos mais fracos ignorar ou minimizar essa história. A expressão "politicamente correto" se firmou na língua inglesa como parte de uma ofensiva da direita estadunidense nas chamadas guerras culturais dos anos 1980 e 1990. Embora haja ocorrências da expressão em textos da New Left (a Nova Esquerda), foi naquelas batalhas que o ...

    Leia mais
    1214

    ONGs denunciam “sabotagem” a reunião contra o racismo

    por Thalif Deen, da IPS   Nova York, Estados Unidos, 16/8/2011 – Uma coalizão de organizações não governamentais acusa a Secretaria Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) de "sabotar" uma reunião de alto nível contra o racismo, ofuscando-a com outra cúpula, sobre segurança nuclear, marcada para o mesmo dia. A reunião de alto nível da Assembleia Geral para comemorar o décimo aniversário da Declaração de Durban Contra o Racismo já estava marcada para 22 de setembro, em decisão tomada pelos Estados-membros em dezembro do ano passado. Contudo, depois da crise nuclear no Japão, em março, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, por iniciativa própria, decidiu realizar uma cúpula sobre segurança atômica por ocasião da próxima sessão da Assembleia Geral. Esta reunião foi agendada para o mesmo dia do encontro de alto nível sobre racismo, gerando protestos por parte da sociedade civil. A Coalizão Durban+10 inclui a Rede dos Estados ...

    Leia mais
    ABDIAS3

    ABDIAS DO NASCIMENTO, EL ORICHA QUE INCORPORÓ AL NEGRO BRASILERO

    Abdías fue el líder negro más importante del Brasil en el siglo XX e inicios del XXI. Fue gran amigo de Manuel Zapata Olivella y lo acompañó, encabezando una delegación de su país, en el Primer Congreso Negro de las Américas llevado a cabo en Cali en 1978. Falleció a los 97 años, el 24 de mayo pasado en Rio de Janeiro y fue enterrado con todos los honores por el gobierno brasilero. Publicamos apartes de su discurso al recibir el Doctorado Honoris Causa por la Universidad Federal de Bahía. Traducción: Jenny Alzate Estudiante de Licenciatura en Literatura Recibo un título de doctor de la misma academia que hace décadas vengo cuestionando y contestando por su postura de marginalizar, humillar, despreciar y discriminar al pueblo afrodescendiente. Vuelvo y reitero: continúo cuestionando y contestando a la academia brasilera. Sé que la postura de esa academia no mudó de forma significativa, pues ...

    Leia mais
    16e8bfabalanza400p

    Apio ao escracho

    Por Lia Os comentarios contra o escracho e a inversão dos fatos Sobre a necessidade de ser amado e o pacto com agressores! Pensando no escracho e nas posiçoes de pessoas, que assim como eu, não fica quieta, não compactua, e não se faz de mansinha quando assiste cenas de agressões, machistas, classistas ou racistas percebi algo em comum que acontece quando anunciamos aquilo que esta em nossa frente: a violência, a agressão e etc muitas vezes é invertida e colocada naquele que faz o anuncio (caso do escracho). Deixa explicar melhor : andamos numa rua e tem uma bosta bem fedida na calçada, ai uma pessoa chega e diz : olha a bosta alí. Muitas vezes, o outro que escutou você dizer que a bosta estava lá sai reclamando que a pessoa que anunciou que a bosta estava na rua é o culpado por acabar com o passeio feliz ...

    Leia mais
    (Foto: Lisa Terry / Liaison Agency/ Getty Images)

    Mumia Abu Jamal: Do corredor da morte ao mundo

    "Porque é preciso muita gente para fazer a revolução, e muita gente para preservá-la". Durante um ano tentamos uma entrevista com Mumia, um dos presos políticos mais conhecidos do mundo. Enviamos cartas e pedidos através de todos os contatos possíveis que tivemos à mão, entre eles os membros do coletivo Amigos de Mumia México, os quais se ofereceram amavelmente para nos apoiar com uma gestão que tinha como destino o corredor da morte da prisão de Waynesburg, Pensilvania, onde Mumia permanece preso há 29 anos. Até que, certo dia, deslizou por baixo da porta um envelope com o nome de M. A. Jamal como remetente. Chegava a nós a primeira entrevista que concede a um meio mexicano o ativista da causa afroamericana nos Estados Unidos, ex-membro do Black Panthers Party, o Partido dos Panteras Negras. Na carta de duas páginas escrita a máquina, Mumia fala da necessidade de organização social, ...

    Leia mais
    mumiaj

    Mumia Abu Jamal: Do corredor da morte ao mundo

    "Porque é preciso muita gente para fazer a revolução, e muita gente para preservá-la". Durante um ano tentamos uma entrevista com Mumia, um dos presos políticos mais conhecidos do mundo. Enviamos cartas e pedidos através de todos os contatos possíveis que tivemos à mão, entre eles os membros do coletivo Amigos de Mumia México, os quais se ofereceram amavelmente para nos apoiar com uma gestão que tinha como destino o corredor da morte da prisão de Waynesburg, Pensilvania, onde Mumia permanece preso há 29 anos. Até que, certo dia, deslizou por baixo da porta um envelope com o nome de M. A. Jamal como remetente. Chegava a nós a primeira entrevista que concede a um meio mexicano o ativista da causa afroamericana nos Estados Unidos, ex-membro do Black Panthers Party, o Partido dos Panteras Negras. Na carta de duas páginas escrita a máquina, Mumia fala da necessidade de organização social, ...

    Leia mais
    Página 5 de 6 1 4 5 6

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist