terça-feira, dezembro 1, 2020

    Resultados da pesquisa por 'feminismo negro'

    osmundo-pinho

    Osmundo Pinho – ‘Pagodão’: Corpo, Historicidade e Contradição

    por Osmundo Pinho para o Portal Geledés "Anti-Baixaria" Por iniciativa da deputada baiana Luiza Maia (PT), com o apoio de diversas personalidades locais (incluindo o Governador Jacques Wagner), e de feministas e pesquisadoras do campo das relações de gênero, a Assembleia Legislativa do Estado da Bahia tem discutido o que se convencionou chamar de "Lei Anti-Baixaria". O Projeto de Lei no. 19.137/2011 que pretende impedir que verbas públicas sejam empregadas para pagar artistas que em sua obra aviltem a imagem da mulher e estimulem a violência contra ela. Como bem argumentado por Cecilia Sardenberg (2011), tal projeto se inscreveria no rastro histórico das lutas por incorporação de direitos para a mulher e contra a violência e a sua desvalorização social. Como lembra a Professora Sardenberg, a nova lei meramente regulamentaria o Art. 282 da Constituição Estadual, que afirma que o Estado da Bahia "garantirá, perante a sociedade, a imagem social da ...

    Leia mais
    ano afrodescendente

    2011 foi o ano Internacional do Afrodescendente e este continua menosprezado

    A ONU estabeleceu 2011 como o ano internacional do afrodescendente. As efemérides são, somente na aparência, momentos de comemoração. Na realidade, devem ser momentos de reflexão, de denúncia e de avaliação de perspectivas. Destaquem-se alguns pontos a repensar. 1. Mestiçagem, construção da nação e identidade. Predominou no Brasil a valorização de uma união nacional, que seria a confluência -pacífica, cordial e amistosa- entre brancos, negros e indígenas, num ideal de mestiçagem que seria, por sua vez, o contraponto de experiências dolorosas como o Jim Crow dos Estados Unidos ou o apartheid da África do Sul. Mas sempre foi um ideal de "mestiço" tanto mais aceitável quanto mais próximo fosse do branco europeu que do indígena ou do negro vindo da África: foi muito mais uma aculturação eurocentrada e de branqueamento. Marisol de la Cadena destaca, contudo, que na denominada América Latina conviveram tanto a hibridação empírica (mescla de sangues) quanto ...

    Leia mais
    afro21

    Apoderamiento, Descolonizacion, y Democracia Sustantiva: Afinando Principios Etico-Politicos para las Diasporas Afroamericanas de cara a los desafíos del Milenio!

    por Agustin Lao-Montes "El problema del siglo XX es el problema de la línea de color", declaraba a principios del siglo pasado el eminente intelectual Afroamericano WEB DuBois. Dicha celebrada máxima probo ser profetica y reveladora tanto de la centralidad de la cuestión racial y del problema del racismo en los dramas principales de la época, como de la importancia protagonica de la agencia histórica de los pueblos y poblaciones Africanas y Afrodescendientes en los desarrollos mas importantes del mundo moderno sobre todo en las gestas por la libertad y la igualdad que son los valores orientadores de cualquier proyecto de justicia y democracia. Hoy, en los umbrales del siglo XXI, luego de las luchas de independencia que lograron la descolonización formal de Africa y el Caribe, posteriormente al movimiento de los 1960s-70 por los derechos civiles y el poder negro cuyo eje fue en los Estados Unidos pero que ...

    Leia mais
    escritora Lia Vieira

    Lia Vieira – Só as mulheres sangram por Ricardo Riso

    Alguns aspectos de uma escrita negro-brasileira de autoria feminina em "Só as mulheres sangram", de Lia Vieira Ricardo Riso, 18 de outubro de 2011. RESUMO: Os contos de Só as mulheres sangram, de Lia Vieira, procuram revelar diversos aspectos do cotidiano dos negros, em especial o cotidiano das mulheres. Ambientados em diversos espaços, os contos traçam um panorama abrangente dessas experiências negras excluídas do cânone literário brasileiro, apresentando paradigmas ainda não assimilados pela crítica literária tradional. A presente análise aborda os dilemas de um cotidiano negro urbano e rural, a preservação de um passado negro a partir da oralidade e escora-se na importância de uma literatura negro-brasileira, de uma escrita feminina negra, assim como na questão da afetividade entre os negros tendo como suporte teórico ensaístas como Cuti, bell hooks, Miriam Alves, Fernanda Felisberto e Sueli Carneiro. Lia Vieira, pseudônimo de Eliana Vieira, é uma autora com vasta publicação de ...

    Leia mais
    O que fala esse corpo de mulher5

    O que fala esse corpo de mulher? Sexismo, (in)correção política e Gisele Hope

    Quando alguns personagens participam de determinadas discussões, inevitavelmente são vítimas de ataques que se repetem: sofrem de transtornos emocionais (recalque, inveja, ressentimento, ódio etc.), não possuem senso de humor, são desmedidos, são paranoicos pois veem o que não existe, são politicamente corretos. No debate acerca de uma campanha publicitária da marca de lingerie Hope, estrelada por Gisele Bündchen, contra as feministas, como previsível, foram desferidos todos esses ataques. É uma medíocre tática de desqualificação contra quem realiza uma crítica, mas que goza de um amplo apelo. por Fabiano Camilo * * * Começo pela contracrítica à (suposta) correção política dos enunciados feministas, que aparenta ser fundamentada e relevante. Afirmar que alguém é politicamente correto consiste, em geral, não apenas em uma reprovação, mas também em uma ofensa. Por conseguinte, quem adota uma atitude socialmente rotulada como politicamente correta, como a defesa de uma minoria, tende a não querer ser julgado ...

    Leia mais
    Lélia Gonzales (Foto: Acervo JG/Foto Januário Garcia)

    Lélia Gonzalez: Mulher Negra na História do Brasil

    A guerreira Lélia Gonzalez passou à condição de "ancestral". A atualidade da luta que travou; sobre a qual refletiu e ensinou nos faz reviver um pouco de sua trajetória. Que seu exemplo seja guia nessa luta que, a cada caminhada, constatamos mais a fazer: a luta contra o racismo. Lélia Gonzalez nasceu "de Almeida", em Belo Horizonte-MG, em 1º de fevereiro de 1935. Tinha 59 anos quando faleceu, em 10 de julho de 1994, no bairro de Santa Teresa, na cidade do Rio de Janeiro. Quando Lélia era criança, sua família instalou-se no Rio, na favela do Pinto, bairro do Leblon, ao lado do Clube de Regatas do Flamengo, onde jogava (e depois foi técnico) seu irmão, Jaime de Almeida (nascido em 1920), por quem nutria enorme admiração e nos passos de quem seguiu torcendo pelo Flamengo e gostando muito de futebol. Logo depois, a família mudou-se para o subúrbio, ...

    Leia mais

    Vamos falar de outras feminilidades: Se não sou uma mulher?

    "Se não sou uma mulher" . Essa frase tem ecoado muito na minha cabeça. É uma frase que todas nós conhecemos, obviamente, do famoso discurso que Sojourner Truth fez, de mesmo título. É uma frase que, pra mim, evoca a depreciação histórica da mulheridade negra nos Estados Unidos da América do Norte. O que a sra. Truth disse, na Ohio de 1851, durante a Convenção de Mulheres em Akron foi o seguinte : "Aqueles homens ali dizem que as mulheres têm que ser ajudadas para subir nas carruagens, e que têm que ser levantadas sob as valas, e que merecem ganhar o melhor lugar, onde quer que estejam. Ninguém nunca me ajuda a subir nas carruagens, nem a passar pelo lamaçal, muito menos me dá lugar melhor nenhum! E eu não sou uma mulher?" Por : Laverne Cox Ela continua: "Eu dei à luz 13 crianças, e vi a maioria delas ...

    Leia mais
    enegrecendo a midia

    Enegrecendo a pauta da mídia paraibana

    Por Mabel Dias A feminista Sueli Carneiro, do grupo Geledés –Instituto da Mulher Negra, de São Paulo, afirma em um seus textos que o feminismo precisa enegrecer. Parafraseando esta ativista do movimento de mulheres negras do Brasil, digo que, além do feminismo, o jornalismo teria que também ser enegrecido. Esta semana o movimento de mulheres negras celebrou o dia 25 de julho, estabelecido em 1992 durante o I Encontro de Mulheres Afro-Latinas Americana e do Caribe, realizado na cidade de Santo Domingo, República Dominicana, como Dia da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha. A Bamidelê – Organização de Mulheres Negras na PB realizou debates com as fundadoras da organização, Solange Rocha e Efu Nyaki, e com Jurema Werneck, da Criola e da Articulação Nacional de Mulheres Negras, do Rio de Janeiro, além da exposição Visões Negras – simbologias, trajetórias e histórias que conta toda a caminhada da Bamidelê nestes 10 ...

    Leia mais
    Em 1969, Angela Davis foi demitida do cargo de professora de filosofia da Universidade da California por sua associação com o partido comunista americano e com os Panteras Negras. A filósofa viria a ser perseguida, colocada na lista dos 10 criminosos mais perigosos do país, condenada e presa sem provas e com altas doses de espetacularização. (Foto: Antonio Scorza / Agência O Globo)

    Mulheres rebeldes II: Ângela Davis

    Angela Davis: Obama vai aprender algumas lições no Brasil Aos 65 anos, Angela Davis continua a mostrar por que se tornou um ícone do movimento negro norte-americano nos anos 1970. Bastam minutos de conversa com a hoje pesquisadora e professora da Universidade da Califórnia, em Santa Cruz (EUA), para perceber a facilidade em expor, numa linguagem clara, linhas de raciocínio complexo, fruto do aprofundamento que marca sua produção acadêmica. Um exemplo é quando explica a visão que tem do feminismo, para além do embate de gênero. A jovem ativista de outrora continua também a fascinar a juventude. Este segmento foi o público mais constante nas palestras que ela realizou, na última semana, em Salvador, como convidada da 12ª Edição da Fábrica de Ideias, programa anual sediado no Centro de Estudos Afro-Orientais da Universidade Federal da Bahia (Ceao/Ufba ). Coordenada pela doutora em sociologia Ângela Figueiredo e pelo doutor em antropologia ...

    Leia mais
    Logo_FAR

    Dimensões do antirracismo na construção da revolução brasileira

     Desde sua fundação o Partido dos Trabalhadores (PT) vem se constituindo com o principal instrumento político da classe trabalhadora em nosso continente. Coerente com os anseios por transformação demandados pelas classes populares e oprimidas, o PT reivindicou para si as tradições do marxismo revolucionário como elemento estratégico no processo de emancipação da classe trabalhadora. Clédisson Júnior * A aposta na constituição de um bloco composto por significativas forças sociais, que historicamente vêm convergindo em suas perspectivas estratégicas, permitiu que hoje esse campo político dirigisse um processo que propõe o redimensionamento do papel do Estado, conferindo-lhe integralidade a partir da ampliação dos direitos sociais e o empoderamento de todos os brasileiros e brasileiras, assim como o fortalecimento das instituições públicas e o aprofundamento da dinâmica participativa da população nas deliberações do governo. O processo em curso se organiza a partir de eixos estruturantes que visam à democratização da esfera pública, reestruturação ...

    Leia mais
    feministas-pt

    Carta a Presidenta Dilma18.11.10

    Salvador, 18 de novembro de 2010 A Sua Excelência a Senhora Dilma Vana Rousseff Presidenta Eleita do Brasil Brasília, DF Senhora Presidenta, O ano de 2010 ficará marcado em nossa história como aquele em que a população brasileira consagrou a primeira mulher na Presidência da República. Passados setenta e oito anos da nossa conquista do direito ao voto, sua eleição representa uma vitória da cidadania, que precisa se constituir, materialmente, em instrumento para a efetivação do princípio da equidade entre homens e mulheres nos espaços político-institucionais de poder. Logo após a declaração de sua vitória nas urnas, ouvimos pela primeira vez a voz de uma mulher que, como Chefe do Estado Brasileiro, fez de nossa esperança a certeza de que chegou a hora de propagar as boas-novas. Chegou a hora de dizer, olhando nos olhos de todas as meninas: sim, as mulheres podem! Porém, o que mais podem as mulheres com a eleição da primeira Presidenta da República? ...

    Leia mais
    dilma_54

    Dilma e os anteparos do poder

    Não é que as mulheres ocupem lentamente os altos cargos da República. Lenta mesma é a política masculinista que ainda hoje cria obstáculos ao surgimento de outras tantas Dilmas, Michelles e Cristinas, garante cientista social Ela ganhou. E em 1º de janeiro de 2011 vai protagonizar um momento histórico. Aos 62 anos, Dilma Vana Rousseff deverá tomar posse como a primeira presidente eleita do País, a bordo de 56 milhões de votos.O feito foi celebrado pela ex-presidente chilena Michelle Bachelet, hoje à frente da ONU-Mulheres, como "uma mudança cultural que acaba de começar". Por mais seca que possa aparecer, a chanceler alemã Angela Merkel mandou congratulações "do fundo do coração". Cristina Kirchner, em luto pela perda do marido-parceiro no poder, não se furtou a saudar a colega brasileira: "Bem-vinda ao clube das companheiras de gênero". Hugo Chávez, mais econômico e direto, fez seu assédio político cortando a frase de Cristina ...

    Leia mais
    carolina-11

    Critérios de periferia

    A tarefa de levar o modelo de organização dos movimentos sociais para a periferia teve esse resultado imprevisível: nossa organização veio trazer respostas para a periferia, mas é a favela que está colocando nossos movimentos em questão. O texto que se segue pretende contribuir com um recomeço de conversa, que trate das novas oportunidades reveladas e encobertas por nossa estrutura organizativa.   Por Carolina Malê O que foi radical ontem se encontra paralisado hoje. Os movimentos sociais sobreviventes de duas décadas de reação neoliberal vivem agora seu último fôlego, sufocados por fora e deformados por dentro. A falta de rumo não é estática: ela se aprofunda e, pior, se naturaliza. Estamos virando caricaturas de nós mesmos: mística mecanicamente comovente, formação dogmaticamente questionadora, lutas previamente ajustadas ao limite da negociação. A resistência tem limite e os movimentos existentes não podem mais se superar em seus próprios termos. Não podemos ...

    Leia mais
    maria_da_penha

    Entre a vida, a morte, a discriminação, a (in) justiça, a impunidade e o poder

    Por Ane Cruz, Aparecida Gonçalves e Eunice Léa de Moraes Entre copa do mundo, eleição, desaparecimento, assassinato, amor, ódio, morte, nascimento, estupro, publicidade ofensiva e desvalorização da mulher, a sociedade brasileira assistiu nas últimas semanas notícias estarrecedoras de uma barbárie contra as mulheres que choca e ainda assola o Brasil do século XXI. Ao iniciarmos esta reflexão, gostaríamos de fazer um registro do lugar de onde escrevemos - mulheres, feministas, negras, indígenas, educadoras, militantes partidárias, indignadas com as injustiças, discriminações, preconceitos e violência, que principalmente nós mulheres negras e indígenas sofremos no dia-a-dia de nossas vidas. Portanto, as duas questões: de gênero e étnico-racial, para nós, estão entrelaçadas, num contexto complexo, perverso, injusto, de muita luta diária, de muitas insistências e desistências. Mas de muita alegria e dignidade de ser mulher. E ser mulher em uma sociedade que nas últimas décadas lutou contra a ditadura militar, transitou de uma idéia ...

    Leia mais
    deborahduprat

    Audiência de Cotas Dra. Deborah Duprat (Vice-Procuradorageral da República)

    O SENHOR MINISTRO RICARDO LEWANDOWSKI - (PRESIDENTE E RELATOR) - Declaro reiniciados os trabalhos e, segundo o cronograma preestabelecido, teremos a honra de ouvir a manifestação da Doutora Deborah Duprat, Vice- Procuradora-Geral da República, que fará uso da palavra pelo tempo regulamentar.   AUDIÊNCIA PÚBLICA - ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL 186 - RECURSO EXTRAORDINÁRIO 597.285 A SENHORA DEBORAH DUPRAT (VICE-PROCURADORAGERAL DA REPÚBLICA)   - Obrigada. Senhor Presidente, Senhor Ministro Joaquim Barbosa, todos os presentes, senhoras e senhores, acho que este é o momento em que cabe ao Ministério Público fazer uma abordagem diferente daquela lançada no seu parecer que já integra os autos desta ação direta de inconstitucionalidade. Não se trata de uma abordagem diferente; trata-se mais certamente de uma abordagem complementar. Eu gostaria, portanto, de inserir o tema "cotas" dentro da Constituição - esse é o grande propósito ao final desta reunião -, e lembrar que toda ...

    Leia mais
    Kevin Lamarque/Reuters

    Obama chora em evento por ativista americana

    Presidente americano não segurou as lágrimas em memorial   O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, não segurou suas lágrimas em um memorial nesta quinta-feira (29) para Dorothy Height, que morreu aos 98 anos no último dia 20 nos Estados Unidos. Considerada a "avó do feminismo", Dorothy militou junto com Martin Luther King (1929-1968) e esteve ao lado do líder negro quando, em 1963, ele fez seu discurso histórico "Eu tenho um sonho". (Crédito: Jim Watson/29.04.2010/AFP) Fonte: R7

    Leia mais
    (Foto: Lucíola Pompeu)

    A rainha do lar virou cidadã

    Neste 8 de março de 2010, o Dia Internacional da Mulher assopra cem velinhas. A data foi proposta pela socialista alemã Clara Zetkim (1857-1933). Ela e suas companheiras queriam um dia de visibilidade para a luta das mulheres. Algo semelhante ao impacto do Primeiro de Maio - Dia do Trabalhador. Por: Fernanda Pompeu Um século depois é notável o que as mulheres fizeram para si mesmas e para a sociedade como um todo. Conquistaram o direito ao voto, o direito a ser proprietárias e a tomar decisões sem a tutela do pai, tio, marido, irmão ou primo. O direito de ingressar nas universidades. O direito de prestar concursos públicos, entre muitos outros. No cotidiano, o progresso foi estonteante. Tomar uma cervejinha sem ser importunada, trocar um noivado por estudos no exterior, ter disponibilidade de viajar a trabalho, falar em público são ações cada vez mais comuns. Tendo consciência ou não, ...

    Leia mais
    homens-e-mulheres

    Mulheres Homens e Homens Mulheres

    Estou tentando entender quais são as diferenças entre homens e mulheres e quais dessas diferenças reforçam o sexismo e qual delas emancipam os gêneros. Sei que vou cometer excessos e isto assusta. Este mês teremos mulheres sendo reconhecidas no mundo todo. Já expressei minha opinião sobre a comemoração de "dia", mas sei que datas como esta servem para que não nos arranquem a última flor do nosso jardim e nada mais nos reste. Servem para continuarmos a luta para a conquista de todos os dias. Por: Sérgio São Bernardo Agora, precisamente sobre mulheres e homens, digo que não acredito em homens feministas, mas acredito na existência de mulheres machistas. Uma forma mimetizada de assumir parte do tipo de poder fundado em modelos de nossos algozes. O sindicalista faz isso com o empregado de seu sindicato; negros "classe A" fazem isso em relação a outros negros "classe B", ricos que foram ...

    Leia mais
    feminismo

    8 de março 2010 – 100 anos de luta feminista

    ARTICULAÇÃO DE MULHERES BRASILEIRAS Neste 8 de março, há cem anos instituído como dia de luta das mulheres feministas, estaremos de novo nas ruas e praças enfrentando os conservadores e representantes do sistema de dominação que nos oprime e explora: as transnacionais beneficiadas com os grandes projetos de desenvolvimento, os latifundiários, expressão mais antiga do patriarcado no país, a igreja conservadora e os fundamentalistas que criminalizam, humilham, perseguem e maltratam as mulheres que recorrem ao aborto ou que defendem a LEGALIZAÇÃO DO ABORTO. 8 DE MARÇO 2010100 ANOS DE LUTA FEMINISTA: E mais mil anos se for preciso! Em muitos estados, não estaremos sozinhas. Movimentos de defesa dos direitos humanos, movimentos de luta por terra, movimentos diversos de mulheres do campo e da cidade, diversas expressões do feminismo se juntarão contra as forças militares, da grande mídia, das oligarquias e agronegócio, e todos e todas que, desde janeiro deste ano, ...

    Leia mais
    fsm-mapa2

    FÓRUM SOCIAL MUNDIAL: Progamação Completa

      25/1, segunda-feira   9h Mesa de Saudação do Fórum Social 10 Anos Depois Grande Porto Alegre Local: Gasômetro Participantes: Autoridades locais, estaduais, federais Representantes históricos do FSM da sociedade civil Aldalice Otterloo - ABONG (Brasil) Taoufik Ben Abdallah - ENDA (Senegal) Prefeito José Fogaça     11h Mesa de Abertura Seminário Fórum Social Mundial - Balanço de 10 Anos Local: Gasômetro Participantes: Lilian Celiberti - Articulación Feminista Marcosur (Uruguai) Raffaella Bollini - ARCI (Italia) Nandita Shah - National Network of Autonomous Women's groups (India) Candido Grzyzibowski - IBASE (Brasil) Francisco Whitaker - CBJP (Brasil) João Antônio Felício - CUT (Brasil) João Pedro Stédile - MST (Brasil) / Oded Grajew - Cives - Associação Brasileira de Empresários pela Cidadania (Brasil) Olívio Dutra     14h30 Ato de assinatura do termo que oficializa Memorial do Fórum Mundial Social e Lançamento do Carimbo comemorativo aos 10 anos do Fórum. O carimbo será ...

    Leia mais
    Página 51 de 52 1 50 51 52

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist