terça-feira, julho 14, 2020

    Resultados da pesquisa por 'escravidão'

    Depois de 12 Anos de Escravidão, Steve McQueen prepara filme sobre Paul Robeson

    Depois de ter levado 12 anos escravo ao cinema, o realizador britânico Steve McQueen confessou durante uma cerimónia em Nova Iorque que o seu próximo filme seria em torno do ator, cantor, escritor e ativista americano dos direitos políticos e civis, Paul Robeson. por  Jorge Pereira no C7nema Filho de um homem que escapou à escravatura, o jovem Paul Robeson abandonou uma carreira jurídica depois de experenciar o racismo no trabalho, embarcando então numa carreira de ator e cantor, que lhe rendeu a fama mundial. Robeson foi o primeiro ator negro a interpretar o Otelo, de Shakespeare, na Broadway e é considerado por muitos o responsável por abrir as portas a outros atores negros, tais como Sidney Poitier e Harry Belafonte. As Minas de Salomão (1937), Abgenação (1940) e Seis Destinos (1942) foram alguns dos filmes em que participou no cinema. No auge de sua fama, Robeson decidiu tornar-se um ativista político contra o fascismo e o racismo. Durante a era McCarthy nos EUA, Robeson foi denunciado ...

    Leia mais

    No próximo dia 25 a OAB/RJ fará ato de apoio à Comissão da Verdade da Escravidão Negra

    No próximo dia 25, às 16h, a OAB/RJ e a Caarj realizarão um ato de apoio à criação da Comissão da Verdade da Escravidão Negra pela OAB Nacional, que visa a apurar os crimes cometidos nesse contexto histórico e fazer um resgate social da contribuição negra no país a partir de pesquisa sobre episódios pouco conhecidos. A decisão da criação do grupo foi anunciada durante a 21ª Conferência Nacional dos Advogados, em outubro, e aprovada em votação no início de novembro. da OAB/RJ "Será um ato de celebração", afirma o presidente da Comissão de Igualdade Racial (CIR) da OAB/RJ, Marcelo Dias: "Vamos celebrar o fato de a OAB federal ter tomado esta medida fundamental para a comunidade negra, que considero a maior conquista do movimento negro nos últimos anos".Entre os fatos deixados de lado pela história oficial e que serão revistos está, por exemplo, o protagonismo em revoltas e insurreições e a contribuição da população negra ...

    Leia mais

    As empregadas e a escravidão

    Por caminhos tortos, Joaquim Nabuco teve uma das suas iluminações quando escreveu: “A escravidão permanecerá por muito tempo como a característica nacional do Brasil”. Sim, por caminhos tortos, porque depois de uma frase tão magnífica, de gênio do futuro, Joaquim Nabuco sem pausa continuou, num encanto que esconde a crueldade: “Ela (a escravidão) espalhou por nossas vastas solidões uma grande suavidade; seu contato foi a primeira forma que recebeu a natureza virgem do país, e foi a que ele guardou; ela povoou-o como se fosse uma religião natural e viva, com os seus mitos, suas legendas, seus encantamentos; insuflou-lhe sua alma infantil, suas tristezas sem pesar, suas lágrimas sem amargor…”. Por:  Urariano Mota no, Correio do Brasil  Penso na primeira frase de Nabuco, a da escravidão como característica do Brasil, depois que o Congresso deu um primeiro passo para a superação da herança maldita. Não quero falar aqui sobre as conquistas legais para as empregadas ...

    Leia mais
    Imagem: iStock/RomoloTavani

    Projeto de Museu-Valise da História da Escravidão, parceiro da Unesco

    Apresentamos a exposição  itinerante de Cooperação Internacional “As Aguas da Memória”, a Rota do Ex-cravo,parceiro do programa a Rota do Escravo – Unesco, no âmbito da década dos afro-descedentes (2015-2025) decretada pela ONU. Por:  Inêz OLudé via Guest Post para o Portal Geledés Imagem: iStock/RomoloTavani O Museu-Valise  da História da Escravidão, inspirado do museu –valise de Duchamps,  é um projeto de  resgate  histórico, social e  cultural da escravidão no Brasil e no mundo, através de atividades artísticas com foco na cultura dos povos de ascendência africana. Constituído de uma exposição de obras de arte e por meio de um projeto de arte educação multidisciplinar. O ensino das artes como parte do processo de educação, integrando os saberes ancestrais. A proposta além de  resgatar e difundir a história e a cultura africana do Brasil, permite de ter  uma visão global da história da escravidão no mundo,com efeito, pensamos ...

    Leia mais
    oab

    OAB vota criação da Comissão Nacional da Verdade da Escravidão Negra no Brasil

    O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) criou, hoje (3), a Comissão Nacional da Verdade da Escravidão Negra no Brasil, no âmbito da entidade, para investigar os fatos relativos à escravidão de africanos e seus descendentes. A intenção, também, é fazer um resgate histórico e da contribuição da população negra para o desenvolvimento do país. Para o presidente do Instituto da Advocacia Racial e Ambiental, Humberto Adami, a comissão cria um espaço para a escravidão do negro ser passada a limpo. “Para que se consiga ver o que aconteceu, a tragédia e o holocausto do povo negro, do povo africano no Brasil, e a partir daí se possa buscar com mais firmeza a aplicação de política de ação afirmativa, para que os brasileiros que estão em uma situação de cidadão de segunda classe partam para a verdadeira igualdade”, disse. Em sessão plenária, o conselho decidiu, ainda, encaminhar ...

    Leia mais

    Conselho Federal votará criação de Comissão da Verdade para apurar escravidão

    A votação, no dia 3 de novembro, sobre a possibilidade de criação de uma Comissão da Verdade na OAB Federal para apurar os crimes da escravidão negra no país foi anunciada no 1º Ciclo de palestras da Comissão Nacional de promoção da igualdade, evento realizado durante a 22ª Conferência Nacional dos Advogados. O presidente do Conselho Federal, Marcos Vinicius Furtado, defendeu a necessidade de uma apuração maior sobre esses casos. Para o presidente da Comissão de Igualdade Racial da Secional do Rio de Janeiro, Marcelo Dias, essa foi a maior conquista do debate que tratou também das políticas de ações afirmativas e de reparação para os negros no Brasil. A palestra com o tema Reparação da Escravidão do Negro no Brasil – propostas e possibilidades contou com a presença da ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Luiza Bairros; dos desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio ...

    Leia mais
    Como é ser negro no Brasil, após 126 anos depois da escravidão?

    Como é ser negro no Brasil, após 126 anos depois da escravidão?

    Beth Muniz E como vive a imensa maioria dos negros? ***** Janaína Jay Viegas (foto), primeira pessoa negra da família materna e primeira branca da família do pai. - O programa Caminhos da Reportagem exibirá novamente o episódio A Pele Negra, que recebeu Menção Honrosa na categoria Documentário de TV, no 36º Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos. O programa entrevista jovens de classe média e média alta, professores universitários, moradores da Rocinha e de Madureira (Zona Norte do Rio de Janeiro), para responder à pergunta: como é ser negro no Brasil? “Eu já namorei com um rapaz que adorava ostentar o quanto eu sambo. Só que quando eu chegava em casa ele me dizia 'você nem é tudo isso' “, diz Manoela Gonçalves, mãe e estilista. Ela está na estatística do último censo do IBGE: as mulheres negras são as que menos se casam. “Sou a ...

    Leia mais

    Escravidão ajudou a enriquecer a Suíça

    O banqueiro Jacob Zellweger foi um dos financiadores do tráfico de escravos. O banqueiro Isaac Thellusson apoiou expedições negreiras. Jacques-Louis Pourtalès ficou milionário trocando tecidos por escravos na África | Fotos: Reprodução Documentos revelam que banqueiros suíços ganharam dinheiro com o tráfico de escravos, diretamente ou financiando expedições para comprá-los. Até a República de Berna aplicou dinheiro em empresa escravista por Euler de França Belém no Jornal Opção Um banqueiro disse que tinha como justificar sua fortuna, mas não seu primeiro milhão. Parece ser o caso de alguns milhões da Suíça. Jamil Chade, do “Estadão”, publicou no domingo, 28, a reportagem “Escravidão ajudou a enriquecer a Suíça”, na qual conta que os banqueiros do país traficaram “pelo menos 175 mil escravos africanos”. A Suíça é vista como um país tranquilo e, nas guerras, neutro. O sociólogo suíço Jean Ziegler e outros estudiosos sustentam que o sistema bancário do país “lava” ...

    Leia mais

    A renda básica e a abolição da escravidão

    Eduardo Matarazzo Suplicy: A renda básica e a abolição da escravidão Em 2004, foi sancionada a lei nº 10.835 –a Lei da Renda Básica de Cidadania–, que garante a todas as pessoas que vivem no Brasil receber uma transferência de renda. Conforme diz a lei, a instituição da RBC (Renda Básica de Cidadania) será realizada em várias etapas, com prioridade para os segmentos mais vulneráveis da sociedade.  As transferências, feitas em parcelas mensais, devem ser suficientes para atender às necessidades de cada pessoa dentro do contexto de desenvolvimento e de possibilidades do Orçamento do Brasil. Quando o Poder Executivo definir o valor a ser concedido, terá de levar em consideração as limitações impostas pela Lei de Responsabilidade Fiscal.  Leis relacionadas com o Plano Plurianual e as diretrizes orçamentárias deverão especificar os cancelamentos e as transferências de despesas, bem como quaisquer outras medidas necessárias para a implementação da RBC. É justo ...

    Leia mais

    Projeto fotográfico tocante registra a escravidão moderna que fingimos não ver

    Jaque Barbosa, Hypeness Facilmente caímos na tentação de pensar que a nossa liberdade e direitos são coisa garantida, esquecendo que há pessoas para quem isso não passa de um sonho. Lisa Kristine pôs o dedo na ferida de forma extraordinária: documentando a escravidão moderna, aquela que fingimos não saber que existe. A ativista está há 28 anos retratando culturas indígenas ao redor do mundo, mas foi em 2009 que ‘acordou’ para o problema da escravidão dos nossos dias. A estimativa de que existem mais de 27 milhões de pessoas escravizadas e a sua falta de conhecimento sobre o tema a envergonhavam. Assim começou sua jornada, que acabou em Modern Day Slavery, uma série cativante e ao mesmo tempo dolorosa. Seja um mineiro no Congo ou um trabalhador de olaria no Nepal, a escravidão existe e tem rostos. Lisa foi conhecê-los. Na sua intervenção na conferência TED, em janeiro de 2012, a fotógrafa deixa ...

    Leia mais
    Operações encontram haitianos e bolivianos em condições parecidas à escravidão

    Operações encontram haitianos e bolivianos em condições parecidas à escravidão

    Trabalhadores dormiam no mesmo lugar em que trabalhavam Duas operações de fiscais do trabalho, com acompanhamento da polícia, libertaram nesta sexta-feira (19) bolivianos e 12 haitianos que trabalhavam em condições análogas à escravidão em fábricas clandestinas de confecções em dois bairros de São Paulo. A SRTE-SP (Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo) comunicou a jornalistas que foi a primeira vez que esse tipo de operação recupera cidadãos de origem haitiana. Os dois casos, um no bairro do Brás e o outro no de Mandaqui, foram denunciados pelo Sindicato das Costureiras e em ambas situações os estrangeiros viviam no próprio local de trabalho. No primeiro, os imigrantes confeccionavam peças para a marca brasileira As Marias, que será multada, segundo os fiscais. A empresa, no entanto, emitiu um comunicado no qual culpa pela situação uma terceira empresa que prestava serviços para a marca. De acordo com a SRTE-SP, os estrangeiros ...

    Leia mais

    Educação e fim do preconceito completariam a abolição da escravidão no Brasil, afirmam debatedores

    Para concluir o processo de abolição da escravidão no Brasil é preciso investir em educação e no fim do preconceito racial. Essa foi a conclusão dos participantes da audiência pública promovida pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) que debateu as formas de garantir a efetiva inclusão dos negros na sociedade e homenageou o abolicionista Joaquim Nabuco. Um dos debatedores, José Tomás Nabuco Filho, neto do abolicionista, lembrou a luta do avô por mais de uma década pela libertação dos escravos, quando enfrentou a oposição da maioria na Câmara dos Deputados à época. Já o bisneto, Pedro Nabuco, apontou a instrução pública, a liberdade religiosa, a representação política e a reforma econômica e financeira entre as propostas do bisavô para consolidar a emancipação dos escravos no Brasil. - Ele percebeu que o abolicionismo era a primeira etapa de uma universalização da cidadania e de um país verdadeiramente democrático – disse. ...

    Leia mais

    Comissão irá debater abolição da escravidão amanhã

    Intenção é proporcionar inclusão de negros de maneira completa Por Carolina Souza A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) realizará audiência pública interativa para debater o fim efetivo da abolição da escravidão no país. O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) propôs a discussão pois acredita que a Lei Áurea não libertou os negros de maneira completa, já que os descendentes dos antigos escravos ainda não têm acesso à educação. Além disso, o senador também salienta que os negros ainda não usufruem de seus direitos e ainda são muito marginalizados. Os participantes da audiência devem ser: o secretário da Cultura do Distrito Federal, Hamilton Pereira da Silva; o vice-presidente Grupo Cultural Olodum da Bahia, Marcelo Gentil; o professor e escritor Hélio Santos; e o professor da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) Augusto Sérgio dos Santos de São Bernardo.  Também foram convidados para o debate familiares do abolicionista Joaquim Nabuco: Vivi ...

    Leia mais

    escravidão: essa vergonha é nossa

    Por alex castro a escravidão africana nas américas foi talvez a maior tragédia da era moderna. estima-se que cerca de 11 milhões de pessoas tenham sido transportadas à força da áfrica para as américas. (outras estimativas mais agressivas calculam que cerca de 40 a 75 milhões de vidas africanas tenham sido perdidas por causa do tráfico, entre mortas em guerras para obter pessoas escravizadas, em emboscadas para capturar essas pessoas, ou em marchas forçadas para os portos exportadores no litoral.) dentre as muitas nações responsáveis por esse lucrativo e criminoso tráfico, a maior culpada é portugal. (principais transportadores de pessoas escravizadas para as américas: portugal, 4,6 milhões; reino unido, 2,6 milhões; espanha, 1,6 milhão.) dentre as muitas nações que compraram essas pessoas e que construíram sua riqueza em suas costas, a maior culpada é o brasil. (principais destinos de pessoas escravizadas nas américas: brasil, 4 milhões; américa hispânica, 2,5 milhões; ...

    Leia mais

    M.Officer pode ser banida do mercado por trabalho análogo à escravidão

    Marca de roupas pertencente a empresário e playboy Carlos Miele subcontratava bolivianos por pagamentos de R$ 3 a R$ 6 por peça, em jornadas de 14 horas diárias de trabalho; oficina irregular servia de local de moradia para seis famílias; contratação em regime análogo à escravidão e dumping social rendem a Miele processo de R$ 10 milhões movido pelo Ministério Público do Trabalho 247 – Pela prática de trabalho análogo à escravidão, a marca M.Officer, do dublê de empresário e playboy Carlos Miele, pode ser banida do mercado e está sofrendo um processo de R$ 10 milhões movido pelo Ministério Público do Trabalho. Os fiscais do trabalho descobriram uma oficina contratada da M5 Têxtil, empresa de Miele que contra a M. Officer, que empregava trabalhadores estrangeiros em regime de trabalho análogo à escravidão. Trabalhadores de nacionalidade boliviana, na maioria em condições irregulares no País, costuravam peças que podem ser vendidas a preços acima de R$ 1 mil ...

    Leia mais

    Brasil: movimento quilombola pode ser o maior programa do mundo de reparação pela escravidão

    Este artigo é o primeiro de uma série de duas partes sobre o movimento dos quilombos. Quando Luiz Pinto estava crescendo, seus pais proibiam a família de falar sobre escravidão. O assunto trazia à tona memórias horríveis. A avó de Pinto nasceu escrava. Antes do nascimento do neto, ela se jogou num rio, tirando a própria vida depois de ser estuprada pelo filho de um rico e branco dono de terras. Escravidão e racismo viraram temas tabu na casa dos Pinto, uma coleção de casas de tijolos alaranjados empoleiradas num morro do Rio de Janeiro de onde se vê a estátua do Cristo Redentor ao longe, por entre as árvores. “Só a conheço por fotografias”, diz Pinto, um sambista de 72 anos. Hoje, o legado da escravidão no Brasil toma muito do tempo de Pinto. Ele viaja pelo Estado do Rio de Janeiro e vai e volta de Brasília para ...

    Leia mais

    Mostra traz registros fotográficos da dinâmica da escravidão no Brasil

    Escravos em terreiro de uma fazenda de café – Vale do Paraíba, c. 1882 A dinâmica da escravidão no Brasil A Galeria Fiemg, em Ouro Preto, recebe a exposição ‘Emancipação, inclusão e exclusão. Desafios do Passado e do Presente – fotografias do acervo do Instituto Moreira Salles’, com fotografias de Marc Ferrez, Victor Frond e George Leuzinger, entre outros. A exposição tem curadoria de Lilia Schwarcz, Maria Helena Machado e Sergio Burgi e faz parte do evento Fotógrafos em Ouro Preto, que reúne mostras, oficinas, palestras e atividades voltadas para a fotografia, suas técnicas e suas particularidades. A Galeria Fiemg é parceira do evento. A mostra é composta por imagens fotográficas de negros livres ou escravos, no Brasil, ocupados com seus trabalhos, seja na área rural ou nas cidades. São carregadores, vendeiros, barbeiros, lavradores. As novas técnicas de fotografia e impressão possibilitaram a ampliação das imagens originais e a descoberta de gestos, ...

    Leia mais

    Pescadores africanos denunciam no Uruguai escravidão em barco chinês Comente

    Montevidéu, 21 mai (EFE).- Um grupo de 28 pescadores de Serra Leoa e Gana denunciaram no Uruguai terem sido escravizados e vítimas de maus-tratos e desnutrição em um barco chinês que atracou em Montevidéu, informaram nesta quarta-feira fontes do governo e sindicais. Os pescadores desembarcaram em péssimas condições físicas na capital uruguaia durante o fim de semana e denunciaram no sindicato da categoria e para as autoridades a situação no barco, no qual estavam há sete meses trabalhando sem receber salário. Além disso, os homens acusaram os donos do barco pesqueiro de golpeá-los, humilhá-los, negar água potável e fornecer apenas arroz com sal nas refeições, explicou hoje à Agência Efe Carlos Vega, secretário-geral do Sindicato de Trabalhadores do Mar do Uruguai (SUNTMA). O governo uruguaio informou em comunicado que se inteirou do caso ontem, forneceu assistência médica aos afetados e encaminhou uma denúncia apresentada pelo representante legal dos africanos para ...

    Leia mais

    Os Negros, a Cidadania, a Economia e a Escravidão. Para não esquecer

    por Davis Sena Filho Tem um pensamento que eu gosto muito. Mais do que gostar, eu acredito neste pensamento, porque, para mim, ele significa a verdade. "Raça não existe; o que existe é a espécie humana". Quando o homem, ou melhor, a humanidade se organizou em sociedades. Quando ela passou a dominar a agricultura e, conseqüentemente, construir cidades para alojar milhares ou milhões de pessoas, a luta pelo controle político e pela hegemonia econômica recrudesceu. Desta luta deriva todo tipo de preconceito, inclusive o pior deles: o racismo. O preconceito do racismo é a forma mais infame e cruel de intolerância moral que o ser humano pôde expressar, porque se trata da negação da vida, da negação de Deus. O racista nega a vida e reafirma a indiferença, a desigualdade social e a violência. A pobreza material de grande parte dos povos da África negra e do povo brasileiro é ...

    Leia mais

    C&A é condenada por manter trabalho análogo à escravidão

    A C&A Modas foi condenada a pagar R$ 100 mil de indenização por descumprir uma série de normas trabalhistas, reduzindo seus empregados a condição análoga à de escravo em suas unidades em shoppings em Goiás. As informações são do Tribunal Superior do Trabalho (TST). A empresa teve seu recurso negado na última quarta-feira pela Quarta Turma do TST, por unânime. As irregularidades foram encontradas nas unidades da rede nos shoppings Goiânia e Flamboyant, na capital goiana, e Buriti, em Aparecida de Goiânia. Entre outras irregularidades, a C&A obrigava o trabalho em feriados sem autorização em convenção coletiva, não homologava rescisões no sindicato dos trabalhadores, não concedia intervalo de 15 minutos quando a duração do trabalho ultrapassava quatro horas, impedia o intervalo para repouso e alimentação em situações diversas, prorrogava a jornada de trabalho além do limite legal de duas horas diárias e não pagava horas extras no mês seguinte à prestação de serviços. Por entender que havia um dano social ...

    Leia mais
    Página 8 de 190 1 7 8 9 190

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist