Pela 1ª vez, mulher negra vence Miss Supranational e inaugura era na indústria

Sul-africana Lalela Mswane leva, pela primeira vez, a coroa do Supra para seu país

FONTEPor Fábio Luís de Paula, do F5
Lalela Mswane é a vencedora do Supranational 2022 (Foto: Reprodução/YouTube)

Representante da África do Sul, Lalela Mswane, 25, foi coroada na noite desta sexta-feira (15) como a nova Miss Supranational. Esta é a primeira vez que uma mulher negra ocupa o trono. É também a estreia da África do Sul entre os vencedores da competição mundial.

A Miss Brasil, Giovanna Reis, 21, entrou no primeiro anúncio, de 24 semifinalistas, mas não fez o corte seguinte, para o top 12. No segundo e terceiro lugares, respectivamente, ficaram a tailandesa Praewwanich Ruangthong e a vietnamita Nguyen Duyen. Completaram o top 5 Adinda Cresheilla, da Indonésia (4º lugar), e Ismelys Velásquez, da Venezuela (5º lugar).

Curiosamente, quem coroou Lalela como a 13ª Miss Supranational, foi uma colega do continente africano: a namibiense Chanique Rabe, 25, vencedora de 2021. Formada em direito pela Universidade de Pretória, Lalela é também modelo profissional e defendeu recentemente o seu país em outro concurso de beleza. Em dezembro passado, a jovem ficou em terceiro lugar no Miss Universo 2021, que foi vencido pela indiana Harnaaz Sandhu.

Entraram ainda no top 12, as misses Colômbia, Ilhas Maurício, Índia, Peru, Polônia, Quênia e República Tcheca. O mundial feminino trouxe neste ano um grupo forte de 70 candidatas.

Fora Lalela e Chanique, já venceram o Supra representantes da Tailândia (2019), Porto Rico (2018), Coreia do Sul (2017), Índia (2016 e 2014), Paraguai (2015), Filipinas (2013), Belarus (2012), Polônia (2011), Panamá (2010) e Ucrânia (2009).

NOVA ERA NA INDÚSTRIA MISS

Curiosamente, a vitória da sul-africana inaugura uma nova era na indústria mundial dos concursos de beleza feminina. Isso porque, entre os seis maiores tronos, apenas o Supranational ainda não havia coroado uma mulher negra.

As últimas ganhadoras negras das demais franquias foram a sul-africana Zozibini Tunzi, no Miss Universo 2019; a jamaicana Toni-Ann Singh, no Miss Mundo 2019; a americana Abena Appiah, no Miss Grand International 2020; a belizenha Destini Wagner, no Miss Terra 2021; e a porto-riquenha Valerie Hernández, no Miss International 2014.

Para quem não é familiarizado, vale pontuar que o Miss Supranational tem uma versão masculina, o Mister Supranational, que terá sua final na tarde de sábado (16). Neste, quem defende o país é o catarinense Guilherme Werner, 27. O show pode ser assistido apenas pela internet, no canal do concurso no YouTube, a partir das 15h (horário de Brasília).

-+=