Presidente da Guiné Equatorial pede que se repare “injustiça histórica” para com África

Teodoro Obiang Nguema (Foto: Alliance/DPA/S. Lecocq)

“É irónico que, embora os assuntos africanos constituam 75% da agenda do Conselho de Segurança, África não tenha plena voz e esteja em inferioridade de condições nesse órgão quando é para abordar assuntos de importância vital para o continente”, disse o Presidente da Guiné Equatorial, Obiang, durante o seu discurso na 75.ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em vídeo pré-gravado devido à pandemia de covid-19.

O Presidente da Guiné Equatorial acrescentou que a Guiné Equatorial “acredita firmemente nos três pilares” da ONU, referindo-se ao “desenvolvimento, direitos humanos, e paz e segurança”, e defendeu a “supremacia do direito internacional que se baseia na Carta das Nações Unidas”.

-+=