Quando R goza, por Adriana Graciano

por Adriana Graciano

Quando R goza

Meu coração quase se esquece de como bater

Antes de reaprender aquela batida que sempre conheceu mas julgava perdida

Meus olhos (abertos ou não) vêem em cores que só conheço em sonho

Meus ouvidos e sentidos se comportam com a reverência e entrega

De quem ouve uma sinfonia amada pela milésima inédita vez

Quando R goza

Minha primavera eclode

E morro minha pequena morte

-+=