terça-feira, junho 15, 2021

Violência Racial e Policial

Kathlen de Oliveira Romeo (Reprodução/Instagram)

Violência no RJ vitimou 15 grávidas desde 2017, afirma plataforma Fogo Cruzado

A morte de Kathlen Romeu, grávida de quatro meses, na última terça-feira (8) é a 8ª morte de gestante na Região Metropolitana do Rio de Janeiro desde 2017. Segundo a plataforma Fogo Cruzado, 15 mulheres grávidas foram baleadas no Grande Rio, sete delas morreram. Desses 15 casos, nove bebês não resistiram. Segundo a Fogo Cruzado, apesar de todas terem sido vítimas da violência armada, as 15 grávidas baleadas no Grande Rio foram vitimadas de diferentes formas: 6 delas foram vítimas de balas perdidas, 4 foram vítimas de execução/homicídio, 3 foram baleadas durante roubo ou tentativa de roubo, 1 foi baleada com indícios de tortura e 1 não teve motivação identificada. Até março de 2021, a plataforma, que compila dados de segurança pública no estado do Rio, registrou 681 mulheres baleadas na Região Metropolitana do Rio: 258 delas não resistiram e morreram. Os motivos dos tiroteios que mais deixaram mulheres baleadas foram operação ou ação policial, que fez 194...

Leia mais
Kathlen Romeu foi morta pela polícia do Rio (Foto: Reprodução/Instagram_@rogeriojorgeph)

Passar pano para o genocídio negro: não em meu nome

"Grávida morre após ser baleada durante troca de tiros em comunidade no RJ". A manchete do UOL foi a gota que faltava para eu encerrar minha contribuição com a publicação Ecoa UOL. Há semanas não tenho conseguido manter ritmo de escrita semanal, já havia anunciado para minha editora a possibilidade de interromper a coluna, mas avaliamos que dava para esperar um pouco antes de decidir. Com a cobertura perversa da execução de uma mulher negra grávida em uma favela do Rio de Janeiro, mais um alvo do genocídio negro, fica evidente que a exaustão de repetir semanalmente a mesma coisa, em palavras diferentes, na tentativa de contribuir com o debate público sobre o genocídio tem sido pouco efetiva. Nem o próprio veículo se constrange em noticiar uma mentira como mais um fato isolado. Há um mês, logo depois da chacina de Jacarezinho, a home noticiava: "Ação da polícia deixa 25...

Leia mais
Kathleen Romeu, baleada durante operação policial no Rio. (Foto: Reprodução/ INSTAGRAM)

Kathlen e seu bebê, mais duas vidas negras interrompidas no Brasil

“Bom dia, neném”. Este foi o último post da Kathlen Romeu em seu perfil no Instagram, na manhã desta terça-feira, 8 de junho. Quem vê as fotos, se depara com uma jovem feliz com a recente descoberta da gravidez, relatando um misto de surpresa, alegria e medo. Kathlen tinha medo dos desafios da maternidade, das coisas que uma mãe de primeira viagem ia descobrir pelo caminho. Mas não deu tempo. Ela foi morta aos 24 anos em meio a uma ação policial em Lins de Vasconcelos, na zona norte do Rio de Janeiro. Curiosamente, o bairro é um dos poucos onde ainda há Unidade de Polícia Pacificadora, a UPP, que foi estrela da política de segurança na última década e faliu. Moradores foram às ruas protestar contra a morte da jovem designer de interiores. E na capa de um dos maiores portais de notícias do país era possível ler a manchete “Protesto fecha autoestrada Grajaú-Jacarepaguá”. A...

Leia mais
Comissão ARNS (Divulgação )

Comisión Arns denuncia ante la ONU violaciones de derechos humanos en la matanza de Jacarezinho, en Río de Janeiro

La matanza Fue planificada para buscar a criminales conocidos y ejecutarlos, pero, al inicio del procedimiento, un policía civil fue muerto. Eso probablemente transformó algo que ya de por sí podría tener una alta letalidad en una operación descontrolada», declara Brecha Silvia Ramos, socióloga y coordinadora de la Red de Observatorios de Seguridad del Centro de Estudios de Seguridad y Ciudadanía (CESEC), de la Universidad Cândido Mendes, frente a los hechos ocurridos en Jacarezinho. Cuando un policía es asesinado en una comunidad, generalmente la venganza ocurre después, a través de grupos paramilitares o de policías de particular. Eso fue lo que ocurrió el jueves 6 de mayo en Jacarezinho, favela de la zona norte de Rio de Janeiro, cuando la Policía civil mató a 28 personas en una operación que, supuestamente, tenía como objetivo capturar a líderes del Comando Vermelho. De acuerdo a la fuerza pública, los miembros de ese...

Leia mais
Viviane e Maria Célia morreram após ser baleadas no Curuzu (Foto: Arquivo pessoal/Arte G1)

Pai de uma das mulheres mortas em ação policial no Curuzu critica PM e lamenta: ‘Não vai trazer a vida da minha filha’

“As corporações estão cheias de despreparados, atirando de tudo quanto é jeito. E agora? Como fica essa vida que se foi? Duas vidas que se foram". O desabafo emocionado é de Jair Pedreiro, pai de Viviane Soares, de 40 anos, uma das duas mulheres mortas na noite de sexta-feira (4), no Curuzu, bairro da Liberdade, em Salvador, durante ação policial. A outra vítima foi identificada como Maria Célia de Santana, de 73 anos. Jair questionou a atuação dos policiais militares, durante perseguição a suspeito, e afirmou que registrará queixa na corregedoria da corporação. "Vou na corregedoria para ver como vai ficar. Não vai trazer a vida da minha filha, não. Minha filha não me deu desgosto. Minha filha corria atrás: trabalhava, fazia unha, fazia faxina. E agora, como é que fica essa situação?”, falou. Motoboy Jorge Pereira criticou ação (Foto: Reprodução/TV Bahia) Testemunhas contaram que policiais militares perseguiam um homem em...

Leia mais
Imagem: Geledes

‘Foi racismo mesmo’, diz homem xingado de ‘lixo’, chamado de ‘negão’ e agredido por PM em SP; veja vídeos da abordagem

"Foi racismo mesmo", disse nesta segunda-feira (31) Kaio Souza, de 33 anos, sobre a abordagem violenta da Polícia Militar (PM) da qual foi vítima, no último sábado (29), em Caieiras, na Grande São Paulo. Vídeos que circulam nas redes sociais mostram um policial militar xingando o autônomo de 'lixo", chamando-o de "negão" e depois lhe dando um soco no rosto. A vítima cai no chão após a agressão, enquanto é observada por outro PM (veja acima). Além de Kaio, outros dois amigos dele, todos negros também, foram abordados pelos dois PMs por suspeita de que estariam pilotando duas motos com sinais de embriaguez e acelerando, fazendo barulho, no bairro das Laranjeiras. Os três rapazes negaram as acusações, mas foram algemados e presos pelos PMs. Levados à delegacia, acabaram indiciados pela Polícia Civil pelos crimes de "embriaguez ao volante, resistência e desobediência". Depois foram liberados. PM admite soco [caption id="attachment_161428" align="aligncenter"...

Leia mais
Episódio mostra o que é ser negro no Brasil, dizem seguidores nas redes (Foto: Reprodução/ Twitter)

Vídeo: abordagem policial a youtuber negro em Goiás revolta redes sociais

O que acontece se você for negro e estiver treinando manobras no parque com sua bike? Não sabe? Veja o que aconteceu hoje na Cidade Ocidental. pic.twitter.com/1fbu4LYL5O — Gabriel Eduardo (@oblogdobiel) May 28, 2021 O vídeo de uma abordagem policial na Cidade Ocidental (GO), a cerca de 50 km de Brasília, provocou indignação e revolta nas redes sociais. Enquanto filmava manobras que fazia em sua bicicleta para o canal que mantém no Youtube, o jovem negro Filipe Ferreira é surpreendido por dois policiais, que descem de uma viatura, mandando-o se afastar da bicicleta. Um dos policiais aponta a arma para Filipe assim que o youtuber pergunta o que está acontecendo. “Coloca a mão na cabeça”, diz o policial. "Por que você está apontando a arma pra mim?", pergunta o ciclista. "É uma abordagem", responde o PM. O rapaz pede respeito, diz que é trabalhador e está apenas gravando as manobras.“Não...

Leia mais
Perifa Connection/Divulgação

Um ano depois do assassinato de Floyd, negros ainda sofrem com violência policial

Há um ano, em Minneapolis (EUA), George Floyd, homem negro, pai, segurança e conhecido por seu jeito afetuoso e por gostar de basquete e de futebol, foi assassinado pelo policial militar branco Derek Chauvin. O crime foi cometido sem nenhum pudor diante da câmera do celular da adolescente negra Darnella Frazier. Caso a garota de 17 anos não tivesse publicado o vídeo em uma rede social, possivelmente o crime não teria tido a grande repercussão em nível global, causando revolta e indignação, da população mais humilde a empresários, artistas, organizações sociais e sociedade civil. Em tempos de pandemia, a frase “eu não consigo respirar”, dita pela vítima, virou reivindicação em várias partes do mundo pelo combate ao racismo estrutural. Derek Chauvin foi condenado e espera sua sentença final que pode chegar a 40 anos de reclusão. Nos Estados Unidos, aumentou-se a vigilância ao trabalho de profissionais de segurança pública e...

Leia mais
(Foto: REUTERS - RICARDO MORAES)

Polícia do Rio impõe sigilo de 5 anos a documentos de operações, inclusive a do Jacarezinho

A Secretaria de Polícia Civil do Rio de Janeiro impôs sigilo de cinco anos a todos os documentos de operações desde junho de 2020, inclusive a do Jacarezinho. A operação mais letal da história do Rio de Janeiro deixou 28 mortos e muitos questionamentos sobre a ação policial. Moradores relataram invasão de casas, celulares confiscados, cenas de crime desfeitas e o mais grave: denúncias de execuções. Policiais foram acusados de matar suspeitos que já tinham sido rendidos. Mas as informações sobre o que aconteceu na favela do Jacarezinho, no dia 6 de maio, não vão ser conhecidas pela população tão cedo se depender da Polícia Civil do Rio de Janeiro. A Secretaria de Polícia Civil impôs sigilo reservado de cinco anos a qualquer informação sobre a operação na favela e a todas as outras operações policiais feitas nos últimos 12 meses. Foi a resposta a pedidos de acesso às informações...

Leia mais
Maria Carolina Trevisan (Foto: André Neves Sampaio)

Um ano da morte de Floyd: antirracismo precisa avançar também no Brasil

Desde que George Floyd foi morto, sufocado pelo joelho do policial branco Derek Chauvin, há um ano, nos Estados Unidos, o movimento antirracista não só se consolidou como também se ampliou. De imediato, tomou as ruas e se tornou uma grande mobilização social em diversos estados americanos, mesmo durante a grave pandemia de coronavírus que acometia o país. Os protestos foram uma das forças mais importantes para a troca de liderança na presidência dos Estados Unidos. O então presidente Donald Trump, que negava a existência do racismo e sua influência como motor da violência policial, foi derrubado. Em maio de 2021, outro fato histórico: o ex-policial Derek Chauvin foi considerado culpado pelo júri, por unanimidade, em três categorias de homicídio. Pela primeira vez, o estado de Minnesota responsabilizou um policial pela morte de uma pessoa negra. O reconhecimento da culpa do ex-agente abriu também a possibilidade de revisão de outros...

Leia mais
Philonise Floyd, irmão de George Floyd, fala em audiência da Comissão Judiciária da Câmara dos Deputadosn (Foto: Foto: Greg Nash -10.jun.2020/ Pool/ AFP/ Getty Images)

Biden receberá família de George Floyd na Casa Branca nesta terça-feira (25)

O presidente dos EUA, Joe Biden, receberá a família de George Floyd na Casa Branca nesta terça-feira (25) para marcar o primeiro aniversário de sua morte nas mãos da polícia, confirmou um funcionário da Casa Branca à CNN. A visita à Casa Branca ocorre quando os legisladores provavelmente perderão o prazo inicial de 25 de maio estabelecido pelo presidente para aprovar um projeto de reforma policial bipartidário. A secretária de imprensa Jen Psaki disse na última sexta-feira (21) que a Casa Branca tem "confiança nas negociações", mas não ofereceu um prazo concreto para quando Biden quer um projeto de lei em sua mesa, dizendo apenas que gostaria que fosse "o mais rápido possível". Biden conheceu a família Floyd em junho de 2020, quando viajou para Houston para oferecer suas condolências antes do funeral de George Floyd. O presidente falou com parentes em algumas ocasiões no ano passado, incluindo uma conversa...

Leia mais
Sasha Johnson, ativista do movimento Black Lives Matter, durante manifestação em Londres
Foto: Thabo Jaiyesimi/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

Ativista do Black Lives Matter está em estado crítico após ser baleada na cabeça

A ativista britânica do movimento Black Lives Matter, Sasha Johnson, está em estado crítico depois de ser baleada na cabeça em Londres, disse seu partido político neste domingo (23). "É com grande tristeza que informamos que nossa Sasha Johnson foi brutalmente atacada e recebeu um tiro na cabeça", disse o Taking the Initiative Party (TTIP) em um comunicado. "Ela está atualmente em tratamento intensivo e em estado crítico." O comunicado diz que o ataque aconteceu "após inúmeras ameaças de morte como resultado de seu ativismo". A Polícia Metropolitana de Londres respondeu a relatos de tiros no sudeste de Londres por volta das 3 da manhã, horário local, neste domingo, segundo um comunicado. A polícia disse que os paramédicos transportaram uma mulher de 27 anos com ferimentos à bala para um hospital no sul de Londres e que o incidente parece ter acontecido perto de uma festa em uma casa em...

Leia mais
Manifestação marca o primeiro aniversário da morte de George Floyd em Minneapolis, nos EUA
Imagem: REUTERS / Nicholas Pfosi

Passeata marca um ano da morte de George Floyd em Minneapolis, nos EUA

Familiares de George Floyd e cidadãos de Minneapolis organizaram uma passeata no domingo para marcar o primeiro aniversário da morte do afro-americano por um policial branco, um fato que desencadeou protestos históricos contra a injustiça racial nos Estados Unidos. Quase 1.500 manifestantes ouviram discursos e se uniram aos integrantes da família Floyd e de outras pessoas que morreram em ações da polícia. Floyd, 46 anos, foi assassinado em 25 de maio 2020 pelo agente Derek Chauvin, que se ajoelhou sobre o pescoço da vítima por mais de nove minutos. O agora ex-policial, condenado por um júri por assassinato e homicídio culposo, receberá a sentença em 25 de junho. A passeata começou com discursos nas proximidades do Hannepin County Government Center, no centro de Minneapolis, onde Chauvin foi julgado. "Foi um longo ano, um ano doloroso. Tem sido muito frustrante para mim e para minha família", disse a irmã de George,...

Leia mais
Morte de Douglas Rafael da Silva Pereira, conhecido como DG, dançarino do Esquenta (Foto: Redes Sociais/Reprodução)

Família de ‘DG’ ganha processo contra o Estado e vai receber indenização pela morte do dançarino em operação policial

A família do dançarino Douglas Rafael da Silva Pereira, o 'DG', ganha processo contra o Estado e vai receber indenização por danos morais e materiais pela morte do filho, em 2014, no Pavão Pavãozinho. A decisão foi dada pela juíza Aline Maria Gomes, da 10ª Vara da Fazenda Pública, e chega depois de o processo se arrastar na Justiça desde 2015. À época, DG morreu após ser baleado por um policial militar da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade durante uma operação policial no local. De acordo com a decisão, o Estado vai ter que pagar pensão à filha do dançarino, de 11 anos, até ela completar 25, no valor correspondente a 2/3 do salário de DG em vida. Na época, Douglas Rafael era dançarino do programa dominical da Rede Globo"Esquenta", apresentado pela atriz Regina Casé. Por danos morais, o Estado vai arcar com os custos do sepultamento de Douglas. Sob...

Leia mais
Montagem com as fotos dos três meninos desaparecidos no dia 27 de dezembro, em Belford Roxo. (REPRODUÇÃO / FACEBOOK)

‘Tenho esperança de encontrar os três vivos’, diz mãe de um dos meninos desaparecidos na Baixada Fluminense

Três mães devastadas de tanto sofrimento. Há 140 dias, elas não sabem nem "onde", nem "como" estão os filhos Lucas, Fernando e Alexandre. As crianças desapareceram em um domingo, dia 27 de dezembro de 2020. Rana é mãe de Alexandre e tia de Lucas. Os dois primos foram brincar em uma quadra ao lado do condomínio onde moram. Lá se encontraram com Fernando. “Eu tenho esperança de encontrar os três vivos. Os três”, diz Tatiana da Conceição Ribeiro, mãe de Fernando Henrique. As crianças saíram de uma área do Rio de Janeiro dominada por traficantes de uma facção onde eles moram e chegaram a uma área dominada pela milícia. A polícia não esconde que isso é um obstáculo para fazer o seu trabalho. Sem uma conclusão da polícia, as famílias se mobilizam pregando cartazes nas redondezas e indo pessoalmente atrás das crianças quando recebem informações anônimas pelo telefone.

Leia mais
Divulgação

Parcialidade das investigações compromete combate à violência policial

Ser ameaçado, agredido e torturado pela polícia, denunciar à Justiça e ver os colegas fardados de seus agressores serem responsáveis pela investigação dos crimes. Este cenário é a realidade da maioria das pessoas presas em flagrante  e que denunciam a violência policial em audiências de custódia. De acordo com o relatório “Investigações em labirinto: os caminhos da apuração das denúncias de violência policial apresentadas em audiências de custódia”, produzido pela Conectas em parceria com o IDDD (Instituto de Defesa do Direitos de Defesa) a partir de uma análise qualitativa de casos denunciados em São Paulo, via de regra, a resolução e responsabilização destes crimes é nula. Isso enfraquece  um dos principais objetivos das audiências: o combate à tortura e maus-tratos por agentes de segurança do Estado. Em outubro de 2017, a sanção da lei 13.491 mudou a forma como os casos de violência policial eram julgados após denúncia nas audiências de custódia....

Leia mais
Cada vez surgem mais dados técnicos a reforçar a tese de que uma chacina aconteceu em Jacarezinho - Foto: Roberto Parizottim / Fotos Públicas

Boletins médicos de Jacarezinho indicam extermínio policial, não mortes em confronto

Boletins médicos sobre os corpos de parte dos 28 mortos na operação Exceptis no Jacarezinho, a mais letal da história do Rio de Janeiro, mostram que as vítimas foram atingidas por disparos de armas de fogo no rosto, abdômen e nas costas. As descrições, de acordo com informações do jornal Extra, constam em 25 Boletins de Atendimento Médicos (BAMs). Os documentos foram produzidos pelos hospitais municipais Evandro Freire e Souza Aguiar, duas das três unidades para as quais foram levados os baleados na operação. Os registros mostram que no Hospital Souza Aguiar, que recebeu a maioria das vítimas, 20 homens, em pelo menos três documentos há descrição de corpos eviscerados. Isto é, que chegaram à unidade com as vísceras para fora. Os relatórios do Hospital Evandro Freire ainda apontam que cinco vítimas tiveram as “faces dilaceradas”. As primeiras análises vêm colocando em xeque a narrativa de confronto levantada pela Polícia Civil desde o dia 6 de maio, quando foi...

Leia mais
João Pedro Mattos Pinto, morto em operação em São Gonçalo — Foto: Reprodução/TV Globo

João Pedro, que gostava de pizza e igreja, morreu há um ano, e caso pouco avançou

O irmão de Rebeca, 5, adorava comer pizza portuguesa no shopping, ver o Neymar fazer gol e de ir à sua igreja evangélica. Ela sente falta dele. Às vezes, vê seu rosto na TV, em algum noticiário, por exemplo. "A reação dela muda", diz o pai, Neilton Pinto, 41. Rebeca faz a mesma pergunta sempre: "Papai, por que a polícia matou meu irmão?". Neilton e a esposa, a professora Rafaela Matos, então, respondem que "foi um erro que eles cometeram e que agora o irmão dela tá com o papai do céu". Há um ano, no dia 18 de maio de 2020, João Pedro Matos Pinto foi jogar videogame na casa de um primo, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo (RJ). Três policiais civis, em operação conjunta com a Polícia Federal, rondavam a região de helicóptero. Do ar dispararam 29 vezes, como contaram depois, em depoimento. Um dos tiros de fuzil...

Leia mais
O adolescente João Pedro, morto após ser baleado em ação policial Foto: Reprodução/ redes sociais

Caso João Pedro: Quando o Estado mata nossos filhos a Justiça não acontece, diz mãe do adolescente morto em operação policial

Já faz um ano desde que a professora de educação infantil Rafaela Coutinho Matos viveu os piores dias de sua vida. João Pedro, seu filho de 14 anos de idade, foi morto com uma bala de fuzil durante uma operação policial no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, enquanto brincava com amigos na casa dos tios. O crime ocorreu no mesmo mês do assassinato de George Floyd, nos Estados Unidos, cujo vídeo do policial branco com os joelhos sobre o pescoço do homem negro gerou protestos em todo o mundo. No Brasil, a comoção em torno do assassinato de João Pedro foi tão grande que, no mês seguinte ao crime, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), proibiu em decisão liminar (provisória) a realização de operações policiais em comunidades do Rio durante a pandemia do novo coronavírus, exceto em "hipóteses absolutamente excepcionais", com anuência do Ministério Público. As...

Leia mais
Policiais durante operação contra o tráfico na comunidade do Jacarezinho, no Rio de Janeiro (Foto: Severino Silva/Agencia O Dia)

Jacarezinho: saiba quem são, onde morreram e o que dizem famílias e polícia sobre os 27 mortos

A operação que resultou em 28 mortes no Jacarezinho, incluindo a de um policial civil, completou uma semana na quinta-feira (13). O pontapé de partida da investigação ocorreu no ano passado, quando policiais militares apreenderam fotos de traficantes e o caso foi remetido à Polícia Civil. A partir daí, foram feitas buscas em redes sociais e o Ministério Público pediu 21 prisões, com base nas imagens da internet. No ação do dia 6 de maio, três deles foram presos e outros quatro foram mortos. A polícia diz que todos os outros mortos entraram em confronto com os agentes. A Defensoria Pública alega que há indícios de execuções e o Ministério Público investiga o caso. O G1 reuniu relatos de parentes de 14 mortos. Eles afirmam que seus parentes foram assassinados, em alguns casos mesmo após terem sido baleados e se entregado -- a polícia nega qualquer execução e diz que...

Leia mais

Últimas Postagens

Artigos mais vistos (7dias)

Twitter

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist