segunda-feira, maio 25, 2020

    Resultados da pesquisa por 'Frantz Fanon'

    mumia3

    Ato-debate internacional pela liberdade do ex-pantera negra Mumia Abu-Jamal

    Mumia Abu-Jamal é um preso político. Ex-Pantera Negra, jornalista, sempre denunciou (e o faz até hoje) o terror policial nas comunidades negras dos EUA. Em dezembro de 1981, Mumia foi preso, acusado de assassinar um policial em Filadelfia. Apesar de provas que apontam outra pessoa como o provável assassino, ele foi condenado à morte. Em 2011, depois de anos de ações de um amplo movimento internacional em seu apoio, ele saiu do corredor da morte e agora segue preso, condenado à prisão perpétua. A luta de Mumia foi e segue sendo contra essa sociedade racista e pela liberdade. Aqui como lá, ainda hoje a violência policial e o encarceramento em massa têm alvo certo: os jovens negros e pobres das periferias de todo o Brasil. Em tempos em que a violência policial em São Paulo vive uma escalada de horror, debater a liberdade de Mumia e relembrar sua história ganha ...

    Leia mais
    IsaacJulien

    Isaac Julien: Geopoéticas

    Curadoria de Solange FarkasDe 4 de setembro a 16 de dezembro de 2012No SESC Pompeia, São Paulo, e SESCTV   Quatro instalações em múltiplas telas, criadas ao longo da última década, compõem o segmento central da primeira individual do artista britânico Isaac Julien no Brasil. A exposição Isaac Julien: Geopoéticas tem curadoria de Solange Farkas e acontece no SESC Pompeia, com exibição paralela de destaques da filmografia de Julien pelo SESCTV. A mostra abrange um período de duas décadas de produção de Julien, e procura revelar ao público brasileiro o duplo caráter de sua obra: a exposição dá relevo tanto à profunda preocupação do artista com os temas de identidade cultural, afirmação social e questões de gênero e políticas quanto à sua rigorosa atenção aos aspectos formais, que envolvem um uso muito preciso de cores e matizes, construções narrativas multifacetadas e sobreposições visuais e sonoras. O título da exposição refere-se ...

    Leia mais
    Consciencia Negra 2011 na Franca

    Ações brasileiras contra discriminação em destaque na França

    Luiza Duarte Militantes, pesquisadores, representantes de organizações não governamentais e líderes políticos se reúnem em Paris para a Quarta Semana da Consciência Negra Brasileira, organizada pela associação Afromundos. Até este domingo 23 de outubro, será o momento para fazer um balanço das ações e políticas defendidas pelos diferentes atores do movimento negro. No Brasil, 10,6% da população indígena e afrodescente vive com menos de um dólar por dia, segundo dados publicados no último ano pelo IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, enquanto 5,1% da população eurodescendente vive na mesma situação. Mesmo sendo possível constatar entre 1999 e 2009 uma melhora estatística, como a do percentual de jovens negros que concluíram o ensino superior, os indicadores raciais comparativos determinam que estamos longe de garantir a igualdade de condições de acesso a saúde, educação, moradia e mercado de trabalho no país e de superar o racismo. A RFI conversou com Mireille ...

    Leia mais

    Definições sobre a branquitude

    por Hernani Francisco da Silva Os Estados Unidos, principalmente nos anos 1990, com os critical whiteness studies tornaram-se o principal centro de pesquisas sobre branquitude. Todavia, existem produções acadêmicas sobre essa temática na Inglaterra, África do Sul, Austrália e Brasil. No entanto, W. E. B. Du Bois talvez seja o precursor em teorizar sobre a identidade racial branca com sua publicação Black Reconstruction in the United States. Na galeria dos pioneiros em problematizar a identidade racial branca não podemos deixar de considerar Frantz Fanon. Em 1952, esse pensador caribenho e africano com sua publicação Peau noire, masques blancs defendeu o argumento de abolição da raça. Esse autor estava preocupado em libertar o branco de sua branquitude e o negro de sua negritude, porque a identidade racial seria um encarceramento que obstaculizava a pessoa de chegar e gozar sua condição humana. O ativista Steve Biko também pode ser incluído entre os ...

    Leia mais
    A História de Luísa - Tornar-se Negro - Cap. V

    Narcisismo e Ideal de Ego – resumo “Tornar-se negro” – Cap. IV

    por José Ricardo D' Almeida Ao fim do capítulo anterior (III) Neusa Santos observa que seu estudo é exemplificado com trechos de depoimentos obtidos em entrevistas e marcados por sua própria experiência "na pele". Eles servem assim de referência para dar voz ao negro que "enquanto sujeito introjeta, assimila e reproduz como sendo seu o discurso do branco e os seus interesses". Isto é viabilizado pela eficácia dos mecanismos ideológicos que possuem suporte nos processos psíquicos. Para compreender este funcionamento é preciso conhecer como ela indica, dois conceitos fundamentais da teoria da psicanálise: Narcisismo e Ideal de Ego, "forças estruturantes do psiquismo que desempenham um papel chave na produção do negro enquanto sujeito - sujeitado, identificado e assimilado ao branco". Dois outros conceitos são ainda referidos - Ego Ideal e Super Ego - e são também essenciais para compreendermos o que se procura explicar, e com uma ...

    Leia mais
    politicamente correto

    As origens da expressão “politicamente correto”

    Se pudéssemos resumir de forma simplificada a grande descoberta dos estudos da linguagem no século XX, o resumo seria: a língua não é um instrumento neutro. Dito assim, parece à toa. Mas quando desempacotamos as premissas e conclusões que se desprendem desse enunciado, algumas consequências se impõem para a prática política de esquerda. Não se trata só de que os sujeitos que se utilizam da linguagem não são neutros, mas que os próprios vocábulos, estruturas e entonações da língua trazem consigo uma história carregada de sentidos culturais e políticos. Não é do interesse dos que lutam ao lado dos mais fracos ignorar ou minimizar essa história. A expressão "politicamente correto" se firmou na língua inglesa como parte de uma ofensiva da direita estadunidense nas chamadas guerras culturais dos anos 1980 e 1990. Embora haja ocorrências da expressão em textos da New Left (a Nova Esquerda), foi naquelas batalhas que o ...

    Leia mais
    1214

    ONGs denunciam “sabotagem” a reunião contra o racismo

    por Thalif Deen, da IPS   Nova York, Estados Unidos, 16/8/2011 – Uma coalizão de organizações não governamentais acusa a Secretaria Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) de "sabotar" uma reunião de alto nível contra o racismo, ofuscando-a com outra cúpula, sobre segurança nuclear, marcada para o mesmo dia. A reunião de alto nível da Assembleia Geral para comemorar o décimo aniversário da Declaração de Durban Contra o Racismo já estava marcada para 22 de setembro, em decisão tomada pelos Estados-membros em dezembro do ano passado. Contudo, depois da crise nuclear no Japão, em março, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, por iniciativa própria, decidiu realizar uma cúpula sobre segurança atômica por ocasião da próxima sessão da Assembleia Geral. Esta reunião foi agendada para o mesmo dia do encontro de alto nível sobre racismo, gerando protestos por parte da sociedade civil. A Coalizão Durban+10 inclui a Rede dos Estados ...

    Leia mais
    ABDIAS3

    ABDIAS DO NASCIMENTO, EL ORICHA QUE INCORPORÓ AL NEGRO BRASILERO

    Abdías fue el líder negro más importante del Brasil en el siglo XX e inicios del XXI. Fue gran amigo de Manuel Zapata Olivella y lo acompañó, encabezando una delegación de su país, en el Primer Congreso Negro de las Américas llevado a cabo en Cali en 1978. Falleció a los 97 años, el 24 de mayo pasado en Rio de Janeiro y fue enterrado con todos los honores por el gobierno brasilero. Publicamos apartes de su discurso al recibir el Doctorado Honoris Causa por la Universidad Federal de Bahía. Traducción: Jenny Alzate Estudiante de Licenciatura en Literatura Recibo un título de doctor de la misma academia que hace décadas vengo cuestionando y contestando por su postura de marginalizar, humillar, despreciar y discriminar al pueblo afrodescendiente. Vuelvo y reitero: continúo cuestionando y contestando a la academia brasilera. Sé que la postura de esa academia no mudó de forma significativa, pues ...

    Leia mais
    16e8bfabalanza400p

    Apio ao escracho

    Por Lia Os comentarios contra o escracho e a inversão dos fatos Sobre a necessidade de ser amado e o pacto com agressores! Pensando no escracho e nas posiçoes de pessoas, que assim como eu, não fica quieta, não compactua, e não se faz de mansinha quando assiste cenas de agressões, machistas, classistas ou racistas percebi algo em comum que acontece quando anunciamos aquilo que esta em nossa frente: a violência, a agressão e etc muitas vezes é invertida e colocada naquele que faz o anuncio (caso do escracho). Deixa explicar melhor : andamos numa rua e tem uma bosta bem fedida na calçada, ai uma pessoa chega e diz : olha a bosta alí. Muitas vezes, o outro que escutou você dizer que a bosta estava lá sai reclamando que a pessoa que anunciou que a bosta estava na rua é o culpado por acabar com o passeio feliz ...

    Leia mais
    mumiaj

    Mumia Abu Jamal: Do corredor da morte ao mundo

    "Porque é preciso muita gente para fazer a revolução, e muita gente para preservá-la". Durante um ano tentamos uma entrevista com Mumia, um dos presos políticos mais conhecidos do mundo.   Enviamos cartas e pedidos através de todos os contatos possíveis que tivemos à mão, entre eles os membros do coletivo Amigos de Mumia México, os quais se ofereceram amavelmente para nos apoiar com uma gestão que tinha como destino o corredor da morte da prisão de Waynesburg, Pensilvania, onde Mumia permanece preso há 29 anos. Até que, certo dia, deslizou por baixo da porta um envelope com o nome de M. A. Jamal como remetente. Chegava a nós a primeira entrevista que concede a um meio mexicano o ativista da causa afroamericana nos Estados Unidos, ex-membro do Black Panthers Party, o Partido dos Panteras Negras. Na carta de duas páginas escrita a máquina, Mumia fala da necessidade de organização ...

    Leia mais
    mumiaj

    Mumia Abu Jamal: Do corredor da morte ao mundo

    "Porque é preciso muita gente para fazer a revolução, e muita gente para preservá-la". Durante um ano tentamos uma entrevista com Mumia, um dos presos políticos mais conhecidos do mundo. Enviamos cartas e pedidos através de todos os contatos possíveis que tivemos à mão, entre eles os membros do coletivo Amigos de Mumia México, os quais se ofereceram amavelmente para nos apoiar com uma gestão que tinha como destino o corredor da morte da prisão de Waynesburg, Pensilvania, onde Mumia permanece preso há 29 anos. Até que, certo dia, deslizou por baixo da porta um envelope com o nome de M. A. Jamal como remetente. Chegava a nós a primeira entrevista que concede a um meio mexicano o ativista da causa afroamericana nos Estados Unidos, ex-membro do Black Panthers Party, o Partido dos Panteras Negras. Na carta de duas páginas escrita a máquina, Mumia fala da necessidade de organização social, ...

    Leia mais
    sonduila

    Expressões artísticas devem ser apreciadas

    A dança é para o historiador Simão Souindoula uma das expressões artísticas de relevo no seio das comunidades africanas A Assembleia-Geral das Nações Unidas declarou 2011como o “Ano Internacional dos Afro descendentes”. Em entrevista concedida, ontem, ao Jornal de Angola, o perito do Fundo das Nações para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), Simão Souindoula, afirmou que essa decisão da ONU é posta em prática através de um programa específico da UNESCO, sendo esse organismo encarregue das questões educacional, científica e cultural. Afirmou, ainda, que a execução desta decisão surgiu da necessidade, urgente, de se dar mais atenção às populações afro descendentes, à semelhança do que tem sido a realização do Festival Mundial de Artes Negras (FESMAN), cuja terceira edição aconteceu em Dezembro último. Por essa razão, o historiador fez um balanço do FESMAN, realizado em Dakar, no Senegal. Jornal de Angola - A UNESCO realiza de 27 deste mês ...

    Leia mais
    cuba-racismo

    Cuba y el racismo daltónico

    por: José Steinsleger En una declaración dirigida al presidente Raúl Castro, más de 60 intelectuales y líderes políticos "afroamericanos" exigieron que se ponga fin al innecesario y brutal acoso de los ciudadanos negros en Cuba, que defienden sus derechos civiles.   La réplica no se hizo esperar. Un grupo de destacados intelectuales cubanos estimó que tal exhortación "... parecería una delirante elucubración si no fuera porque detrás de esas ficciones se evidencia la aviesa intención de sumar a respetables voces de la comunidad afronorteamericana, a la campaña anticubana que pretende socavar nuestra soberanía e identidad".   Esta vez, el escenario no fue ocupado por los que viven del negocio de la libertad para Cuba, sino por personalidades como el profesor Cornel West, predicador y profesor de la Universidad de Princeton, la veterana actriz Ruby Dee Davis, o el pastor Jeremiah Wright, un convencido de que Dios maldijo a su país ...

    Leia mais
    Foto: AFP Gett Images

    Amilcar Cabral

    Nasceu a 12 de setembro de 1924 em Bafatá Guiné-Bissau. Amilcar Cabral é ainda estudante do liceu em Saõ Vicente (ilhas de Cabo Verde) , quando começa a afirmar o seu comportamento de ruptura com a política assimilacionista praticada pelo governo colonial português. Após a sua chegada a Lisboa em 1945, data em que inicia os estudos universitários no Instituto Superior de Agronomia, manifesta uma grande preocupação em integrar-se nas correntes de pensamento político e cultural que então agitavam o mundo. Traduz essa preocupação participando na campanha pela paz, nos movimentos da juventude progressista e sobretudo no lançamento das bases para a conscientização dos estudantes africanos. No período das férias de 1949, dirige um programa cultural de rádio em Cabo Verde que tem considerável repercussão em todos os meios sociais das ilhas, a tal ponto que as autoridades coloniais proibem a sua difusão. Em Lisboa , Amilcar Cabral e um ...

    Leia mais
    Reprodução/Facebook

    Reverenc’Yás: memória, resistência e preservação

    O quilombo é um avanço, é produzir um momento de paz. Quilombo é um guerreiro quando precisa ser um guerreiro. E também é o recuo se a luta não é necessária. É uma sapiência, uma sabedoria. A continuidade da vida, o ato de criar um momento feliz, mesmo quando o inimigo é poderoso, e mesmo quando ele quer matar você. A resistência. Uma possibilidade nos dias de destruição  Maria Beatriz do Nascimento     Por Cássia Cristina – Makota Kidoiale e  Jair da Costa Junior, enviado para o Portal Geledés Nas tradições de matriz africana, na cultura africana, e esta refletida na cultura afro-brasileira como herança de nossos ascendentes (ancestrais), bem como nas comunidades e populações afro-brasileiras, de maioria negra, as mais velhas e os mais velhos têm uma importância vital na transmissão e preservação de saberes e conhecimentos que estão sendo esquecidos ao longo dos anos e dos processos institucionalizados ...

    Leia mais
    Reprodução/facebook

    Sérgio Camargo e a síndrome de Stephen

    As razões que levaram o governo Bolsonaro a nomear um negro racista para presidir a Fundação Cultural Palmares são muito evidentes e coerentes com o fato de elegerem a cultura como inimiga; assim como sua tentativa de reverter qualquer conquista dos descendentes daqueles que produziram a riqueza e construíram a civilização brasileira por mais de três séculos e meio. Nomeação essa que, de tão estapafúrdia, foi vetada pela Justiça e revogada pelo próprio governo. Todavia, para além da perplexidade que nos causam as declarações do jornalista Sérgio Camargo, há que se refletir acerca das razões e das condicionantes históricas, econômicas, políticas, sociológicas e psicológicas que levam ao surgimento de indivíduos com falas e comportamentos tão abomináveis.  Por Ramatis Jacino, enviado para o  Portal Geledés  Ramatis Jacino- Reprodução/facebook Foi a ficção e não a vida real que lançou luzes sobre um tipo de personagem que parece inverossímil, ...

    Leia mais
    A filósofa e ativista brasileira Djamila Ribeiro participou do programa da chancelaria francesa Personalidades do Amanhã.

    “Feminismo negro não exclui, amplia”: Djamila Ribeiro debate ativismos a convite da França

    Em entrevista exclusiva à RFI, em Paris, Djamila Ribeiro recupera momentos dessa trajetória que a transformaram em um dos principais nomes do feminismo e do ativismo brasileiro e comenta as descobertas feitas na França, país que ela ainda não conhecia. Por Márcia Bechara no RFI A filósofa e ativista brasileira Djamila Ribeiro participou do programa da chancelaria francesa Personalidades do Amanhã. RFI:Márcia Bechara   A última vez que a escritora, pesquisadora e ativista Djamila Ribeiro conversou com a RFI Brasil foi no Dia Internacional dos Direitos da Mulher do ano passado, 8 de março de 2018. Menos de uma semana depois, a vereadora carioca Marielle Franco seria assassinada a tiros junto com seu motorista no Rio de Janeiro. O baque marcou a trajetória de Djamila Ribeiro, que foi recebida esta semana em Paris pela diplomacia francesa, um convite que partiu do governo de Emmanuel Macron para que ela ...

    Leia mais
    Reprodução/Facebook

    Black Blanc Beur !!!

    "Nem todos os torcedores croatas são fascistas. Nem todos os torcedores franceses são multiculturalistas. Por Juarez Xavier, no Facebook    Reprodução/Facebook Não são todos os croatas que entoam "bojna cavoglave", canção de apologia aos nazifascistas na II Guerra Mundial. Nem são todos admiradores do partido Ustasha - de extrema direita, nacionalista, fascista e racista - que preparou, em Zagreb, a capital do país, a recepção às tropas nazistas. São essas narrativas que se enfrentam no domingo. Essa é a outra final da Copa do Mundo". e 750 mil sérvios, ciganos," judeus, gays e antifascistas, entre 1941 e 1945. Tampouco fazem a saudação "za dom spremni" (prontos para a pátria) dos extremistas do Ustasha. Assim como nem todos os torcedores franceses criticam o papel do país nas ações racistas que moldaram o Ocidente: a escravização do povos africanos, a barbárie da colonização e a segregação sócio-étnico-espacial, violência que ...

    Leia mais

    Dança contemporânea africana: uma oposição criativa às imagens estereotipadas da africanidade

    “Ninguém, nem mesmo em África, pode definir para outrém o que é África” Boyze Cekwana, Coreógrafo Sul Africano por Nadine Siegert Do Buala Este artigo insere-se num longo projecto de investigação sobre representações de identidades e corporalidade na dança contemporânea africana. Processos considerados estratégias artísticas complexas e interligadas em redes locais e internacionais.  Por um lado, tento compreender como a dança africana e as corporalidades consideradas africanas são usadas enquanto meio estético em práticas culturais comuns à Europa. Como e que imagens da dança e performance africanas são criadas pelo discurso  europeu? Por outro, e de modo crucial, enquadro na perspectiva africana para observar (re)acções e escolhas individuais dos bailarinos e coreógrafos africanos face a vários desafios. Que influência tem o discurso europeu  nas decisões dos bailarinos e coreógrafos africanos? O estudo baseia-se na suposição de que a dança permite conclusões quanto às estruturas partilhadas pelos bailarinos como sobre as condições estéticas ...

    Leia mais

    Entre o grotesco e o risível: o lugar da mulher negra na história em quadrinhos no Brasil

    Between the grotesque and the laughable: the place of black woman in comics in Brazil Por Marcolino Gomes de Oliveira Neto na Revista Brasileira de Ciência Política RESUMO Neste artigo, discuto formas estereotipadas de representação do corpo da mulher negra na sociedade brasileira no século XX. Uso como fonte de interrogação três personagens de histórias em quadrinhos - Lamparina, Maria Fumaça e Nega Maluca -, por entender que estas apresentam características reforçadoras de hierarquias raciais e de gênero ao operarem com uma lógica que procura estabelecer conceitos de normalidade com base no pertencimento racial. O corpo negro é então apresentado como o outro, sendo o campo da paródia e do risível um dos poucos espaços onde é autorizado a transitar. Meu debate dialoga com as reflexões pós-estruturalistas, tomando como referencial teórico o conceito de dispositivo desenvolvido por Michel Foucault, o qual considera que todo dispositivo, em maior ou menor proporção, é um dispositivo ...

    Leia mais
    Página 5 de 6 1 4 5 6

    Últimas Postagens

    blank

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist