terça-feira, novembro 24, 2020

    Resultados da pesquisa por 'Zika '

    Uma avó segura o neto com microcefalia no Rio de Janeiro. ANTONIO LACERDA EFE

    O silêncio sobre o zika oprime as mulheres

    Em 2018, 1.657 recém-nascidos foram notificados como em risco para os efeitos do zika no Brasil. As mães são mulheres pobres, que vivem na região mais vulnerável do país e cujas dores não são estampadas nos jornais Por Débora Diniz/Giselle Carino no Él Pais Brasil Uma avó segura o neto com microcefalia no Rio de Janeiro. ANTONIO LACERDA (EFE)   Não se fala mais em Zika. A palavra “epidemia” é incorreta para descrever os novos casos de recém-nascidos afetados pelo vírus, segundo os epidemiologistas —não vivemos mais um surto, os números caem a cada ano. Desde novembro de 2016, não há mais situação de “emergência global” para a Organização Mundial de Saúde: sabemos que o vírus Zika na gravidez pode causar a síndrome congênita nos fetos, mais conhecida pelo sinal da microcefalia. Por razões complexas e algumas ainda inexplicáveis pela ciência, o vírus Zika foi uma ameaça global ...

    Leia mais

    Negras, pobres e sem estudo: O dia a dia das mães que lutam com as consequências do zika

    O impacto da distância da capital e da falta de comprometimento do Estado na rotina das mães de filhos com síndrome congênita do zika no sertão de Alagoas. Por Marcella Fernandes, do  HuffPost Brasil Foto: JUL SOUSA/ESPECIAL PARA O HUFFPOST BRASIL Patrícia Santos Silva, com o filho Gabriel, o “caso zero” de síndrome congênita do zika em Santana do Ipanema (AL). Quando Gabriel Santos Silva nasceu, em 9 de novembro de 2015, sua mãe, Patrícia Santos Silva, 24 anos, ouviu pela primeira vez o diagnóstico: "aquele probleminha do mosquito". Foi assim que ela soube que seu sexto filho tinha a síndrome congênita do zika. Gabriel foi considerado o "caso zero" da síndrome em Santana do Ipanema, a maior cidade do sertão alagoano, com 45 mil habitantes e a 207 quilômetros de Maceió. No mesmo dia, outra criança no município nasceu também com sequelas da infecção da mãe pelo vírus. Eles são parte ...

    Leia mais

    Human Rights Watch cobra do Brasil obras de infraestrutura para combater o Zika

    Relatório divulgado nesta quinta-feira (13) pela Human Rights Watch diz que os problemas de direitos humanos existentes no Brasil há muito tempo e que permitiram a intensificação da epidemia de Zika vírus não foram solucionados pelo governo, apesar de as autoridades terem declarado, em maio de 2017, o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin) para o vírus. O anúncio do governo, por meio do Ministério da Saúde, foi feito 18 meses depois da decretação da emergência. Segundo o relatório, é preciso que as autoridades brasileiras invistam em infraestrutura de água e saneamento para controlar a reprodução dos mosquitos e melhorar a saúde pública. “As autoridades devem também fornecer informações abrangentes sobre saúde reprodutiva e fornecer serviços de saúde para mulheres e meninas, descriminalizar o aborto e garantir que crianças com síndrome de Zika tenham acesso de longo prazo a serviços que lhes proporcionem a melhor qualidade de vida possível”, diz ...

    Leia mais
    Josemary da Silva, 34, bathes Gilberto, five months old, her fifth child and born with microcephaly, at her house in Algodao de Jandaira, Brazil, February 17, 2016. Picture taken on February 17, 2016. To match story HEALTH-ZIKA/INEQUALITY. REUTERS/Ricardo Moraes TPX IMAGES OF THE DAY

    O vírus Zika não desapareceu da vida das mulheres. Foi apenas silenciado

    É hora de reafirmar o quadro de emergência em curso no país – zika é ainda um tormento para as mulheres por Debora Diniz no HuffPost Há dois meses, o Ministro da Saúde declarou o fim da emergência de zika no País. A declaração foi recebida com tristeza pelas mulheres com filhos afetados pela síndrome congênita, e com medo por aquelas que estão neste momento grávidas. O repelente contra mosquitos não foi incluído no pré-natal; não há informação sobre o riscos de transmissão sexual da doença nas escolas ou nos hospitais; não houve mudançasefetivas nas políticas sociais para proteger as crianças afetadas. A ação de zika no Supremo Tribunal Federal espera há quase um ano pela decisão. Fui a Alagoas conhecer mulheres grávidas e com sintomas de zika. Uma delas é Thaynara, uma adolescente de 16 anos. Thaynara não usou repelente na gestação e surpreendeu-se com a informação sobre o risco de ...

    Leia mais

    Epidemia de zika e microcefalia evidenciam desigualdades sociais e de gênero

    Nesta sexta-feira (11), completa-se um ano desde que o Brasil foi oficialmente atingido por uma das maiores epidemias de sua história: o vírus Zika. Os pesquisadores correm atrás do desconhecido, entretanto, a epidemia coloca em evidência uma realidade bem conhecida de desigualdade e discriminação. “Por trás da epidemia, há mais que um mosquito e um vírus. Tem um sujeito oculto que precisa ser lembrado, ser trazido para o centro da narrativa: a mulher jovem negra em idade fértil”, afirma a médica Jurema Werneck, integrante da ONG Criola. A declaração revela a preocupação diante da epidemia em torno da situação da mulher, em especial a negra. Especialistas são unânimes em afirmar que a epidemia do vírus zika revela uma série de violações de direitos, a começar pela invisibilidade. Os números oficiais divulgados pelas secretarias municipais e estaduais de saúde referem-se somente aos bebês que nasceram com alteração neurológica. Quase um ano ...

    Leia mais

    Conheça a luta de famílias pobres afetadas pelo Zika no Supremo Tribunal Federal

    Maria Carolina e Joselito vivem em um sítio em Esperança, no sertão da Paraíba. Têm um filho de dois anos. Em fevereiro, enquanto a Organização Mundial de Saúde anunciava uma emergência de saúde pública de importância internacional diante das desordens neurológicas causadas pelo vírus zika, nascia a segunda filha do casal. Gabriela é uma bebê da primeira geração de crianças afetadas pela síndrome congênita do zika. O pré-natal e parto de Gabriela foram marcados por negligência de serviços de saúde e violência obstétrica, mas também pela força de Carolina e Joselito na defesa dos direitos da filha. A família narra a luta no blog. Por Sinara Gumieri, do Justificando  Maria Carolina e Joselito conseguiram acesso ao Benefício de Prestação Continuada (BPC) para a bebê Gabriela. O BPC é a garantia de um salário mínimo mensal para idosos acima de 65 ou pessoas com deficiência de longo prazo, que afete suas ...

    Leia mais

    Oito em cada dez bebês com danos do zika nascem de mães negras

    Oito de cada dez bebês nascidos com microcefalia e outras alterações cerebrais ligadas ao vírus da zika são filhos de mulheres negras (pretas e pardas, pela nomenclatura oficial), de acordo com dados do Ministério da Saúde. Da Folha de S. Paulo No Nordeste, região com maior incidência, o percentual mais alto é do Ceará –93,9% das mães de bebês com má-formação ligada ao zika são negras. Pelo Censo 2010 do IBGE, pretos e pardos somam 66,4% da população do Estado. No país, representam pouco mais de metade. Os números foram obtidos pela Folha via Lei de Acesso à Informação e se referem a 44,2% das 8.703 notificações feitas pelos Estados ao governo federal até 23 de julho –na maioria, o quesito cor/raça não foi preenchido.

    Leia mais

    Grupo aciona Supremo por direito a aborto se mulher tiver zika

    A Associação Nacional de Defensores Públicos ingressa nesta quarta-feira (24) com ação no STF (Supremo Tribunal Federal) para pedir que grávidas afetadas pelo vírus da zika e que estejam em "grande sofrimento mental" tenham direito ao aborto. Por CLÁUDIA COLLUCCI, da Folha de S, Paulo  Não consta na ação a obrigatoriedade de comprovar microcefalia ou outros danos cerebrais no bebê –condição atualmente chamada de síndrome congênita da zika. Isso foi cogitado inicialmente pelo grupo. O diagnóstico da síndrome, no entanto, é tardio (após a 21ª semana de gestação), o que poderia inviabilizar o aborto. Segundo o defensor público Joaquim Neto, presidente da associação, a ação não intenciona "autorização aberta" para aborto. Isso ocorreria apenas em casos "muito excepcionais", em que o sofrimento mental da gestante esteja comprovado por laudos médicos e psicológicos. A ação, sem prazo para chegar ao plenário do STF, reúne também outros quatro pedidos –entre eles, que as mulheres ...

    Leia mais

    Conheça Jordan Kunzika, angolano e co-fundador do “BAE” aplicativo para encontros de pessoas negras

    Aos 21 anos, Jordan Kunzika é um dos co-fundadores da BAE (Before Anyone Else), uma aplicação de encontros lançada nos EUA à medida do perfil de homens e mulheres negros. Em busca do par ideal para contar esta história. no Novo Jornal Elas têm menos 20% de probabilidades de serem escolhidas, enquanto a taxa de rejeição deles pode rondar os 27%. Num cada vez mais popularizado mundo dos encontros virtuais, negras e negros tendem a ser preteridos por brancas e brancos, revela um estudo do site de encontros OK Cupid, indissociável das inquietações que conduziram ao lançamento da aplicação de encontros BAE. Nascida em Abril de 2015 nos EUA, por iniciativa conjunta de Jordan Kunzika e dos irmãos Justin e Brian Gerrard, a ferramenta foi desenvolvida para promover a inclusão da comunidade negra no mundo dos encontros online. "Em apenas um ano entrámos para o top 50 de aplicações de ...

    Leia mais

    Racionais MC’s lança novo clipe da música ‘Um Preto Zika’; assista

    “Um Preto Zica” é o primeiro videoclipe do álbum “Cores e Valores” dos Racionais MC’s lançado nesta terça-feira (26). O vídeo é dirigido pelo ‘mago’ do funk ostentação KondZilla, codinome do guarujaense Konrad Cunha Dantas. Por Alexandre de Melo, do Virgula  Além dos Racionais, Kondizilla assina clipes de MC Guimê, MC Tati Zaqui e MC João, cujo “Baile de Favela” ultrapassou as 100 milhões de visualizações. O clipe de “Um Preto Zica” teve 2 mil curtidas em menos de 1 hora e recebeu muitos elogios na fanpage do Racionais MC’s O trabalho de Kondizilla também foi reconhecido.

    Leia mais

    Cientistas brasileiros descobrem novo distúrbio cerebral em adultos ligado ao Zika

    CHICAGO (Reuters) - Cientistas brasileiros revelaram um novo distúrbio cerebral em adultos associado ao Zika vírus: uma síndrome autoimune chamada encefalomielite disseminada aguda, ou Adem, que ataca o cérebro e a espinha dorsal. Por Julie Steenhuysen Do Reuters O Zika já havia sido relacionado a outro distúrbio autoimune, a síndrome de Guillain-Barré, que ataca os nervos periféricos fora do cérebro e espinha dorsal, causando uma paralisia temporária que pode, em alguns casos, fazer com que os pacientes precisem da ajuda de equipamentos para respirar. A nova descoberta mostra que o Zika pode provocar também um ataque imune contra o sistema nervoso central. Com isso, aumenta a lista de danos neurológicos associados ao Zika vírus. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, existe um grande consenso científico de que, além da Guillain-Barré, o Zika pode causar a microcefalia em recém nascidos, embora a produção de provas conclusivas ainda deva demorar meses ...

    Leia mais

    “Mulheres devem estar no centro da resposta ao surto de zika”

    Apelo é da diretora-executiva da ONU Mulheres; Phumzile Mlambo-Ngcuka pede que homens apoiem parceiras grávidas; ela lembra que milhares de casos de microcefalia no Brasil ainda estão sendo estudados. Leda Letra, da Radio Onu As mulheres devem estar no centro da resposta ao zika vírus, na opinião da diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka. A ONU Mulheres está trabalhando com a Organização Mundial da Saúde, OMS, no combate à epidemia. A diretora da agência quer garantir que os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres estejam no centro das políticas de resposta ao surto. Brasil Segundo Phumzile, pelo menos 52 países já foram afetados pelo zika, a maioria dos casos registrados no Brasil e na Colômbia. No estado da Bahia, 65% dos pacientes são mulheres. Sobre a microcefalia, a diretora da ONU Mulheres lembra que a OMS e cientistas estão estudando o aumento dos casos e a relação com o zika. ...

    Leia mais
    Foto: Adriana Medeiros

    A epidemia de zika vírus e as mulheres negras: 2o dados não oficiais 70% bebês com microcefalia são filhos de negras

    Informações Gerais Zika é a doença causada por um vírus parecido com outros que já conhecemos. Ela é transmitida entre nós pelo Aedes aegypti infectado, da mesma forma que outras doenças como febre amarela, dengue e chikungunya, tendo vários sintomas semelhantes. Trata-se de um vírus que surgiu em Uganda, na África, na dé- cada de 40 do século XX em macacos rhesus e na década de 50 provocou doen- ças lá e também na Tanzânia. Desde então, apesar de ter se tornado presente em vários continentes (África, Ásia e Pacífico, Américas) pouco foi observado e falado a seu respeito, até que em 2007 houve um surto da doença na Micronésia, no Camboja em 2010 e em 2013 na Polinésia Francesa, país com menos de 300 mil habitantes no Pacífico, onde 11% da população procurou os serviços de saú- de devido à infecção. Continue lindo o PDF: A epidemia de zika ...

    Leia mais

    Está grávida? Veja 10 cuidados para se proteger do zika vírus

    Melhor forma de combater doença é eliminando os focos de reprodução do Aedes aegypti, mas há outras formas de evitá-la Do iG O desespero com uma possível infecção pelo zika vírus levou a rotina de gestantes de todo o Brasil a mudar abruptamente. Mesmo que as principais suspeitas sobre a relação da doença com casos de microcefalia tenham surgido no final do ano passado, período em que as pessoas costumam viajar para visitar parentes ou descansar, grávidas passaram a cancelar seus passeios, evitar aglomerações em público, usar repelentes de forma descontrolada a fim de evitar qualquer contaminação. O surgimento de casos em países vizinhos só fez o pânico crescer. De repente, a Colômbia iniciou campanhas pela luta contra o Aedes aegypti e, assim como o Brasil, viu o combate à doença se tornar a maior preocupação nacional na Saúde pública do país. Infectados surgiram nos EUA, Europa, Ásia, fazendo o temor crescer. No início do mês, a ...

    Leia mais

    Au Brésil, le virus Zika relance le débat sur l’avortement

    Il y a plusieurs semaines, un infectiologue de São Paulo diagnostiquait sur une de ses patientes, enceinte de quelques semaines, la présence du virus Zika. Elle savait qu’il était associé depuis peu à la multiplication des cas de microcéphalies au Brésil, une malformation très rare du cerveau. Do La Croix « On ne sait pas quelles sont les chances que son bébé soit atteint de microcéphalie, avoue le médecin. Comme la malformation ne peut être diagnostiquée qu’au bout du troisième trimestre de grossesse, elle a préféré avorter. » « Être enceinte en ce moment, ce n’est pas une bonne nouvelle » Illégal au Brésil, sauf en cas de viol, danger pour la mère et depuis 2012, d’anencéphalie (absence de cerveau), l’avortement a dû être réalisé clandestinement. « Être enceinte en ce moment, ce n’est pas une bonne nouvelle », résume Fatima Oliveira, médecin, féministe et membre du Réseau de santé des femmes latines-américaines et des Caraïbes. ...

    Leia mais

    Reprovamos: New York Times destila preconceito sobre Brasil, zika e Carnaval

    Em um artigo intitulado ‘Brasileiros ignoram o medo da zika para cair na alegria do Carnaval', publicado na quarta-feira de cinzas (10), o New York Times esbanjou preconceito contra a cultura brasileira. A publicação americana minimizou a preocupação da população com o vírus e atacou a maneira como as pessoas se comportam e se vestem. Por Grasielle Castro, do HuffPost Brasil “Do ponto de vista do mosquito, as multidões suadas e minimamente vestidas nas ruas das cidades do Nordeste na segunda-feira devem ter parecido especialmente deliciosas”, inicia o texto. “Bêbados de cerveja e preocupados com as prodígias possibilidades carnais, jovens dançavam ao longo da Avenida Oceânica (em Salvador) acompanhando ícones da música brasileira”, segue. A publicação afirma que, apesar da preocupação da comunidade internacional com relação ao vírus, os brasileiros esqueceram o zika para celebrar o Carnaval. Argumenta que poucas pessoas vestiam calças ou blusas de mangas longas, sem lembrar do verão mais ...

    Leia mais
    Pregnant women wait for their monthly medical test at Guatemalan Social Security maternity hospital in Guatemala City, Tuesday, Feb. 2, 2016. According to Guatemalan health authorities, the country does not have any confirmed case of pregnant women infected by Zika virus. The virus is suspected to cause microcephaly in newborn children. There is no treatment or vaccine for the mosquito-borne virus, which is in the same family of viruses as dengue. (AP Photo/Moises Castillo)

    Zika vírus: Biopolítica e controle dos corpos das mulheres

    "Sexo é para amadores, gravidez é para profissionais", a frase do ministro da saúde, Marcelo Castro, sobre os cuidados que gestantes deveriam ter diante da epidemia do Zika Vírus é um exemplo da distância perversa entre os centros de poder e a população. por Daniela Lima do Huffpost Brasil A divisão hierárquica entre mulheres "profissionais" e "amadoras" que o ministro fez reflete as recomendações do Plano de Enfrentamento à Microcefalia apresentado no ano passado. O Plano sugere que as gestantes usem repelente, roupas que não deixem braços e pernas à mostra e que evitem frequentar lugares onde haja proliferação do mosquito. Daí se pode concluir que, segundo a biopolítica atual, ser "profissional" é assumir individualmente a responsabilidade pela prevenção do contágio.É ter condições materiais para comprar repelentes e não morar em lugares derisco. Ser "profissional" é pertencer às classes dominantes. Foucault falou pela primeira vez em biopolítica na conferência O ...

    Leia mais

    O que é falso e o que é verdadeiro nos boatos sobre zika

    Nas últimas semanas, mensagens escritas e em áudio nas redes sociais – especialmente no WhatsApp – têm criado alarme na população ao narrar cenários catastróficos sobre o surto de zika vírus e sua relação com a epidemia de microcefalia no país. por Camilla Costa no BBC Até o dia 30 de janeiro, foram notificados, segundo o Ministério da Saúde, 4.783 casos suspeitos de microcefalia, má-formação que prejudica o desenvolvimento do cérebro do bebê. Destes, 404 casos de microcefalia foram confirmados - 17 têm ligação confirmada com o zika vírus, os outros estão sendo investigados. Outros 709 foram descartados e 3.670 continuam sob investigação. O Ministério da Saúde, a Fiocruz e especialistas consultados pela BBC Brasil explicam o que é falso, o que é verdadeiro e o que ainda não está totalmente confirmado entre as afirmações dessas mensagens. Falso: Vacinas contra sarampo e coqueluche causaram microcefalia Diversos boatos circulam nas redes sociais ...

    Leia mais

    Zika na saliva é insuficiente para dizer que pode haver contágio, diz ministério

    O Ministério da Saúde informou no final da tarde desta sexta-feira (5) que a detecção do Zika em amostras de saliva de pacientes não é suficiente para afirmar que a presença do vírus nesse tipo de fluido pode infectar outras pessoas. "Serão necessários outros estudos". A informação foi divulgada pela pasta por meio das redes sociais. do Jornal do Brasil A recomendação do governo é que, neste momento, sejam tomadas atitudes de cautela e prevenção. "É importante seguir as orientações conhecidas para outras doenças, como evitar compartilhar objetos de uso pessoal e lavar as mãos". Grávidas, segundo a pasta, devem tomar especial cuidado. Mais cedo, a Fundação Oswaldo Cruz, órgão vinculado ao ministério, divulgou, por meio de coletiva de imprensa, a constatação da presença do vírus Zika ativo (com potencial de provocar infecção) em amostras de urina e saliva de pacientes.

    Leia mais

    Zika: ONU defende aborto em casos de microcefalia

    Alto comissário cobrou revogação de leis que limitem a prática O alto comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Zeid Al Hussein, pediu nesta sexta-feira (5) a revogação de leis que limitem o acesso a serviços de saúde sexual e reprodutiva, inclusive o aborto, para fazer frente à disseminação do vírus zika, que pode causar microcefalia em fetos. do Jornal do Brasil "O conselho formulado por alguns governos às mulheres de retardar a gravidez ignora o fato de que muitas não podem simplesmente exercitar o controle sobre si ou em quais circunstâncias engravidar, sobretudo em ambientes onde a violência sexual é tão comum", diz uma nota assinada pelo chefe do Acnudh. Segundo ele, os esforços para conter o zika não serão potencializados apenas com conselhos para atrasar a decisão de ter um filho. "Muitas das questões-chave giram ao redor do fracasso dos homens em apoiar os direitos ...

    Leia mais
    Página 1 de 6 1 2 6

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist