terça-feira, novembro 24, 2020

    Tag: casos de racismo

    no tongues1

    O Racismo Lingüistico do Brasil

    Que o Brasil é um país entranhadamente racista é coisa sabida e consabida. As estatísticas estão aí, como se fosse necessário o positivismo dos dados para confirmar: embora os não-brancos representem hoje metade da população, somente 14% deles têm curso superior; só 13,1% têm assento no Congresso Nacional, ao mesmo tempo em que constituem 70% da população analfabeta. Se isso não é racismo, sr. Ali Kamel, então me diga o que é. Impregnado nas mais diversas esferas sociais, poucas pessoas, no entanto, se dão conta de que também existe um racismo profundo na história lingüística do Brasil. Por Marcos Bagno Logo após a Independência, nossa ínfima elite intelectual se divertiu com o debate sobre o estabelecimento de uma norma-padrão para o português brasileiro. De um lado, os defensores da "língua brasileira" sustentavam a autonomia do nosso português com relação ao falado na Europa e lutavam pelo reconhecimento das características idiomáticas da ...

    Leia mais
    igualdade

    Política de Extermínio

    A política de confronto posta em prática pelo governo Sérgio Cabral ganhou destaque no Relatório Preliminar do Relator da ONU para Execuções Sumárias, Arbitrárias e Extrajudiciais, Phillip Alston, sobre sua visita ao Brasil em novembro do ano passado. Apresentado em Genebra no último dia 2 de junho, na abertura do 8º. Período de Sessões do Conselho de Direitos Humanos, o relatório é contundente em afirmar que o modelo de Segurança Pública adotado no Rio de Janeiro é extremamente violento e pouco eficaz na redução da criminalidade.   O relatório de Alston reforça o que as organizações de direitos humanos e movimentos sociais do Rio de Janeiro vêm apontando: não há no Rio de Janeiro uma política de confronto, há uma política de extermínio. O governo Sérgio Cabral vem registrando uma elevação sistemática do número de "autos de resistência". Em 2007 foram 1330. Nos primeiros três meses de 2008, 358, o ...

    Leia mais

    Amy Winehouse aparece em vídeo cantando música racista

    Canção se refere aos diferentes imigrantes que moram no Reino Unido, mas em um tom depreciativo Do Estadão  John D. Shearer/BEI/BEI/Shutterstock Mais uma vez a cantora Amy Winehouse estampa a primeira página de publicações britânicas sobre celebridades. O site News of the World publicou nesta segunda-feira, 9, um vídeo caseiro em que a artista da soul music aparece cantando uma música racista. A fita foi, aparentemente, feita antes do casamento de Amy com Blake Fielder-Civil, em 2007, segundo informou o jornal El País. A música que Amy canta no vídeo é muito popular entre as crianças, e no Brasil chegou a ser gravada pela apresentadora Xuxa. A letra serve para aprender as partes do corpo: "cabeça, ombro, joelho e pé". Na gravação, contudo, Amy troca as palavras originais por: "blacks, pakis, gooks and nips, gooks and nips. And deaf and dumb and blind and gay" ("Negros, paquistaneses, orientais e japoneses. ...

    Leia mais

    Relatório dos EUA critica Brasil por uso de trabalho escravo

    Relatório do governo americano critica o Brasil por não cumprir "padrões mínimos" para a eliminação do tráfico de pessoas e faz um alerta sobre "o uso de trabalho escravo" no país. Mario Tama/Getty Images O documento -divulgado anteontem pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos- declara que o Brasil "é uma fonte" para o tráfico de homens, "para trabalhos forçados", e de mulheres e crianças, para a exploração sexual (dentro e fora do país). De acordo com o Relatório sobre Tráfico de Pessoas (Trafficking in Persons Report), o governo brasileiro demonstrou empenho "modesto" no combate ao problema no ano passado. O relatório dos Estados Unidos analisou a situação em 170 países. O texto destaca "o uso de trabalhos forçados" em plantações de cana-de-açúcar para a produção de etanol, "uma tendência crescente". Segundo o relatório do governo americano, aproximadamente metade dos cerca de 6.000 homens libertos em 2007 foi encontrada trabalhando ...

    Leia mais
    pfizer-1

    Nigéria processa Pfizer por testes de drogas em crianças

    A Nigéria está processando a gigante farmacêutica Pfizer por realizar testes com um medicamento contra a meningite que, segundo o governo nigeriano, seriam ilegais. Da BBC  O governo nigeriano espera receber uma recompensa e 3,5 bilhões de libras (R$ 14 bilhões) por danos causados às famílias de crianças que teriam morrido ou sofrido graves efeitos colaterais após tomar a droga Trovan.   A Pfizer, maior empresa farmacêutica do mundo, nega ter infringido as regras, e alega que os testes foram conduzidos segundo as leis nigeriana e internacional. O programa para testar o Trovan foi implantado no Estado de Kano, no norte do país, durante uma epidemia de meningite que atingiu milhares de pessoas em 1996. Cerca de 200 crianças teriam morrido, e outras desenvolveram deficiências físicas ou mentais. O governo nigeriano acredita que as mortes e deformidades tenham sido causadas pela medicação e diz que as crianças serviram de cobaia ...

    Leia mais
    menina_negra

    Negros vivem menos que brancos no Recife

    Sarah Fernandes Em 2006, o total de mortes de negros com até 59 anos foi três vezes maior que o número de óbitos de brancos na capital pernambucana. Negros vivem menos que brancos no Recife. O número de mortes de pretos e pardos com idade até 59 anos no Recife foi mais do que o triplo do total de óbitos registrados entre brancos, índios e amarelos no ano de 2006. A informação está no Quadro Epidemiológico de Mortalidade por Raça/Cor no Recife, levantamento sobre índices de mortalidade focado na questão racial. O estudo, promovido pela secretaria de saúde do município, indica 3.174 mortes de negros contra 929 de não-negros nessa faixa etária.   A morte de negros representa 77,4% dos óbitos, proporção maior do que os 53,22% da população que se autodenominaram de cor preta ou parda no Censo de 2000. Os números foram extraídos das declarações de óbito que traziam ...

    Leia mais
    Ronaldo-Zuenir

    O tal do cabelo ruim

    "Acho que fez bem em ir à televisão, embora devesse ter raspado a cabeça. Aquele cabelo bombril parecendo tingido me fez entender o que ele disse uma vez causando polêmica - que tinha 'cabelo ruim'." O segundo parágrafo do artigo publicado em O Globo de ontem (quarta-feira 07/05/2008) sob o título "A falha de Ronaldo" mostra bem o que o jornalista pensa a respeito dos cabelos dos negros. Incomodou o fato de Ronaldo estar com seu blackpower à mostra. Imagine: o ídolo que é pego em um deslize, aparece na televisão para dar entrevista pedindo desculpas. Mas mesmo assim não se humilha por completo, não raspa a cabeça, se livrando daquilo que, ao inverso de Sansão no embate contra os filisteus, só lhe trouxe fraqueza, feiúra, o tal "cabelo ruim". Para Zuenir, faltou a contrição absoluta: Ronaldo coberto de cinzas, tal e qual os hebreus antes de Cristo. Mas afinal, ...

    Leia mais
    veloz_furiosos

    Estúdio de Hollywood é processado por ‘racismo’

    Um ex-funcionário da Universal Pictures decidiu processar o estúdio de Hollywood porque afirma ter sido demitido por racismo. Frank Davis, que trabalhou na Universal Pictures como diretor-assistente no filme de ação + Velozes + Furiosos, de 2003, pede uma indenização pela demissão. O processo é apontado como um marco no desafio para os grandes estúdios de Hollywood de enfrentar uma questão que ativistas dos direitos civis afirmam ser freqüentemente escondida.   A Comissão Americana de Oportunidades de Emprego Igualitárias acusa a Universal Pictures de violar a Lei de Direitos Civis, de 1984, ao substituir Frank Davis por um diretor-assistente branco. O longa foi dirigido por John Singleton, que também é negro. Singleton indicou Davis, com quem tinha trabalhado em projetos anteriores. "Era uma grande oportunidade. Foi histórico no sentido de que, na história do cinema, e isso parece estranho, até este projeto, nunca havia existido um diretor negro e um ...

    Leia mais

    Lauryn Hill e a entrevista para a Rede Globo

    A cantora americana Lauryn Hill chega nos próximos dias para algumas apresentações. Dois dias atrás Ancelmo Góis, do jornal O Globo, noticiou que a bela cantora, para conceder entrevista à Rede Globo de televisão, solicitou que seu entrevistador fosse negro. Ao que a emissora, no melhor estilo Ali Kamel de ser, respondeu que contrata por critérios de competência, tal e tal e que não tolera práticas racistas. Anthony Barboza/Getty Images Muito bom, muito interessante. É sempre assim e assim fica. É a famosa situação cômoda onde quem está em situação de poder e de comando não se questiona em momento algum do porquê de não haver pessoas negras e de outras origens em determinados espaços. Agora, sob o argumento de que somos todos miscinegados (miscigenação esta imposta pelo estrupro sistemático de milhares de mulheres negras no passado), a moda agora virou dizer que são os negros brasileiros que estão querendo ...

    Leia mais
    (Foto: Marcus Steinmayer)

    Rede de advogados contra o racismo

    Em alguns estados, iniciam-se programas jurídicos para atendimento às vítimas de práticas de racismo Por Sueli Carneiro Foto: Marcus Steinmeyer Em 5 de agosto último, na cidade de São Paulo, cerca de setenta advogados, entre eles professores universitários, juízes de direito, promotores de justiça, defensores públicos, negros e brancos, de vários estados da Federação, constituíram a Rede Nacional de Advogados e Operadores do Direito contra o Racismo e a Desigualdade Racial, num encontro nacional promovido pelo Geledés (Instituto da Mulher Negra de São Paulo) em parceria com o Escritório Nacional para Assuntos da População Negra Zumbi dos Palmares de Brasília e o Ceap (Centro de Articulação de Populações Marginalizadas do Rio de Janeiro), resultado de um longo processo de construção de uma perspectiva político-jurídica de enfrentamento das práticas discriminatórias presentes na sociedade a partir do enfoque legal. No início da década de 90, diversas entidades do Movimento Negro deram início aos ...

    Leia mais
    RacismoCrime1

    Acórdão do TRF-4 revela o nome do professor da Ufrgs condenado por racismo

    Humberto do Adami ÍNTEGRA DO ACÓRDÃO DO TRF-4 APELAÇÃO CÍVEL Nº 2001.71.00.025177-7/RS RELATOR:Juiz ROGER RAUPP RIOS APELANTE:MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL APELADO:JOSE ANTONIO COSTA ADVOGADO:Celso Santos Rodrigues e outro APELADO:SERGIO NICOLAIEWSKY ADVOGADO:Marco Aurélio Costa Moreira de Oliveira e outros INTERESSADO:UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS ADVOGADO:Claudio Moraes Loureiro EMENTA DIREITO CONSTITUCIONAL. DIREITO DA ANTIDISCRIMINAÇÃO. PRECONCEITO RACIAL. DECLARAÇÕES DISCRIMINATÓRIAS EM SALA DE AULA. PRINCÍPIOS ADMINISTRATIVOS DA LEGALIDADE, IMPESSOALIDADE E MORALIDADE. ATIVIDADE DE MAGISTÉRIO SUPERIOR. IMPOSIÇÃO DE MULTA CIVIL. APELO PROVIDO. 1. Cabível ação civil pública por improbidade administrativa, uma vez que o artigo 11 da Lei nº 8.429, de 1992, alcança atos violadores dos princípios da administração pública, dentre estes a imparcialidade, a legalidade e a lealdade às instituições, cujo conteúdo abarca a vedação constitucional de discriminação por parte do agente público. 2. A legalidade, entendida de modo amplo, destaca o imperativo jurídico de não-discriminar, presente de modo explícito no ...

    Leia mais
    Página 236 de 236 1 235 236

    Últimas Postagens

    Artigos mais vistos (7dias)

    Twitter

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist