Transição capilar: como voltar a ter cachos após anos de alisamentos

A ditadura do cabelo liso finalmente acabou! Agora, a ordem é valorizar a beleza natural. Mas uma rotina de anos de alisamento químico pode tornar refém do babyliss, aplique ou megahair quem quer ter os cachos de volta, já que, durante o processo de transição capilar, o fios apresentam mais de uma textura. A alternativa, nesse caso, é optar pelo big chop (BC) – corte de toda extensão alisada. Na série O Dentista Mascarado, de 2013, Taís Araújoadotou o cabelo joãozinho, bem curtinho, para recuperar a ondulação natural dos fios. Um ano depois, na novela Geração Brasil, ela  já exibia cachos na altura do pescoço.

Para algumas mulheres, o BC marca o início da transição capilar. Para outras, o fim. “Eu alisava o cabelo desde os 11 anos. Por causa do excesso de química os fios começaram a mofar e fui obrigada a cortar”, conta Lellêzinha, atriz e dançarina do Dream Team do Passinho. Quem tem receio de adotar o look curtíssimo pode modernizar o visual com tiaras e lenços, por exemplo. “Eu me sentia feia. Então, quando começou a crescer, fiz luzes e ganhei estilo”, diz.

Produtos que removem resíduos químicos não restauram os cachos, especialmente os que foram alisados com amônia. “Os cosméticos ajudam, mas não eliminam a necessidade do corte”, afirma Danilo Andrade, cabeleireiro do House of Beauty. Não quer fazer o BC? Pare de alisar, espere o cabelo crescer um pouco, até poder fazer um penteado simples, e só depois corte a parte quimicamente tratada. “O coque é versátil, pode ser usado em diferentes ocasiões e disfarça bem a diferença de texturas”, sugere o especialista.

Enquanto os fios apresentarem características diferentes, é possível disfarçar usando um cosmético específico para modelar os cachos com as mãos. “Se preferir, use difusor ou chapinha para igualar o cabelo, mas aplique protetor térmico, para evitar o ressecamento. Bem cuidado, o cabelo pode crescer até 1 centímetro por mês”, destaca Andrade.

Lellêzinha alisava o cabelo desde os 11 anos até que os fios começaram a mofar. Então ela fez o BC e voltou a exibir seus cachos naturais (Foto: J Vitorino )

Rotina de cuidado:

• Corte o cabelo a cada três meses. “E sempre com os fios secos”, diz Alessandra Carelli, do Studio dos Cachos. A orientação de um especialista que possa indicar o corte ideal para deixar cada tipo de cacho definido e com volume adequado é indispensável.

• Use xampus e condicionadores sem sulfato e petrolatos, para preservar elementos naturais que hidratam os fios. Quem pratica low poo  e no poo exclui essas substâncias da rotina

• Durma com touca ou fronha de cetim para diminuir o frizz.

• Hidrate semanalmente os fios. “Escolha um creme sem parafina líquida e deixe-o no cabelo por 30 minutos”, sugere a cabeleireira.

• Utilize secador sempre com difusor. “Assim o ar sai ‘espalhado’ e não estraga os cachos”, recomenda Alessandra.

O que é low/ no poo?

Ambas as técnicas caíram no gosto das cacheadas após serem divulgadas no livro Curly Girl (garota encaracolada, em tradução livre), da cabeleireira americana Lorraine Massey. Quem pratica low poo (pouca espuma, em tradução livre) exclui da rotina de beleza xampus com sulfato e petrolatos (parafina líquida, óleo mineral e vaselina), agentes altamente limpantes que podem agredir a fibra capilar e ressecar ainda mais os fios encaracolados, que já têm essa característica. Com a popularização da técnica, alguns cosméticos com agentes de limpeza de caráter leve ganharam a identificação “low poo” na embalagem. Condicionadores, cremes de hidratação e para pentear também não podem ter substâncias agressivas. As adeptas do no poo (nenhuma espuma), por sua vez, não usam nenhum tipo de xampu. A ideia é evitar também os silicones insolúveis. Elas lavam o cabelo com condicionador.

O cabelo cacheado é mais seco do que o fino, o que dificulta a chegada dos lipídios produzidos pelo couro cabeludo – que hidratam naturalmente os fios – à extensão do cabelo. Eles ficam mais tempo concentrados na raiz. Xampus altamente limpantes removem totalmente os lipídios, que podem ser benéficos aos cachos.

+ sobre o tema

Coletivo Negro estreia Revolver – Um Experimento Cênico – Entrada Franca

O Coletivo Negro, grupo de pesquisa cênico-poético-racial que se...

Quilombo Oliveira Silveira é inaugurado

Com a presença da ministra da Secretaria de Políticas...

Portela fecha a noite no Desfile das Campeãs, na Sapucaí

A Portela, grande vencedor do carnaval, fechou o desfile...

para lembrar

Campinas: Eventos comemoram Mês da Consciência Negra

Além da mostra de artes, haverá um colóquio para...

Serena vence Kerber e iguala Graf como recordista de Grand Slams

Após duas tentativas frustradas com derrotas nas finais do...

Marcelo dá boas-vindas, e Alex Sandro deseja homenagear Pelé com ouro

Dupla de laterais da Seleção agradece apoio do Rei...

Show de Rihanna no Super Bowl foi o mais assistido na história

Show de Rihanna no Super Bowl foi histórico. Além...
spot_imgspot_img

Mostra sobre Lélia Gonzalez vê negros e indígenas como centro da cultura nacional

As escolas de samba do Rio, os blocos afro da Bahia, as congadas de Minas Gerais, as comemorações da Semana Santa e do Natal. O que todas essas celebrações têm...

Aos 105, Ogã mais velho do Brasil, que ajudou a fundar 50 terreiros só no Rio, ganha filme e exposição sobre sua vida

Luiz Angelo da Silva é vascaíno e salgueirense. No mês passado, ele esteve pela primeira vez no estádio de São Januário, em São Cristóvão,...
-+=