O futuro negro nas mãos de um Estado branco

Segundo pesquisa, 77% dos alunos das escolas mais afetadas pela violência são negros

FONTEFolha de São Paulo, por Thayná Alves*
Perifa Connection/Divulgação

“Mãe, o que eu fiz? O blindado me deu um tiro. Eles não me viram com roupa e material da escola?”

Eu já havia lido essa frase em algumas matérias, mas ouvi-la ao telefone em uma entrevista é algo de que nunca vou me esquecer. Falava com Bruna da Silva, mãe de Marcos Vinicius, um estudante negro, de 14 anos, morto em 2018 a caminho da escola, em uma operação policial no conjunto de favelas da Maré, zona norte do Rio de Janeiro.

A operação aconteceu em horário de funcionamento escolar. Apenas em 2019, 74% das escolas do Rio foram afetadas por pelo menos um tiroteio com a presença de agentes do Estado. É o que mostra a pesquisa “Tiros no Futuro”, do projeto “Drogas: quanto custa proibir”, do CESeC (Centro de Estudos de Segurança e Cidadania).

Em uma parceria inédita com a Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro e a plataforma Fogo Cruzado, o projeto teve acesso ao Sistema de Gestão Acadêmico, que permitiu traçar o perfil socioeconômico de estudantes do 5º e 9º ano do ensino fundamental, e o banco de dados do Fogo Cruzado com relatos de violência no entorno das escolas. Mapear a violência a partir desses dados marca a originalidade da pesquisa.

A análise revela dois fundamentos da sociedade brasileira que tão bem conhecemos hoje: o racismo e as desigualdades sociais. E como quando interligados, os fenômenos definem a intensidade da violência.

Eu me chamo Thayná Alves. Sou negra, jornalista e coordenadora de comunicação do projeto. Na data em que lançamos o estudo, 7 de fevereiro de 2022, a cruel realidade que narramos mostrou-se evidente na prática. No dia que marcava o retorno das aulas presenciais, após dois anos de restrições devido a pandemia da Covid 19, uma operação policial impediu que 27 escolas da zona oeste do Rio de Janeiro voltassem a funcionar.

Mais da metade das operações policiais que resultam em morte no Estado do Rio de Janeiro acontece em horário escolar. E quanto mais violento o entorno das escolas, mais negro e pobre é o seu perfil. A pesquisa mostra que 77% dos alunos das escolas mais afetadas pela violência são negros. Ou seja, é a estrutura do racismo que legitima o terror e sua intensidade nas favelas e periferias.

E ser exposto a tamanha violência significa também aprender menos. Como a pesquisa mostra, estudantes do 5º ano do ensino fundamental tiveram uma perda de 64% do aprendizado esperado em língua portuguesa para o ano letivo. Em matemática, a perda foi de praticamente todo o aprendizado que os estudantes deveriam adquirir nessa etapa de ensino.

Como mostramos na pesquisa, aniquilar futuros é também uma forma de matar. A escolha política do Estado, justificada pela chamada guerra às drogas, é o que o filósofo e professor camaronês, Achille Mbembe, define como necropolítica. É a escolha por quem deve morrer e como. No Brasil, país forjado pelo racismo, ela tem cor e CEP.

Marcos Vinícius é também João Pedro, que já foi Ágatha Félix, que viria a ser Kathlen Romeu e seu bebê de três meses ainda no ventre. Todos mortos pela polícia no Rio de Janeiro.

Thayná Alves
coordenadora de Comunicação do projeto Drogas: quanto custa proibir

Sendo mulher negra, me pego sempre pensando sobre como projetar futuros possíveis quando somos constantemente lembrados do presente-passado anti-negro, sedimentado na supremacia branca e na aniquilação dos nossos corpos, subjetividades e do nosso futuro. Esse é um exercício diário para nós que compreendemos a interrupção como marca histórica nas nossas trajetórias.

O futuro para nós é uma narrativa em constante disputa, ainda que, enquanto pessoas negras, as forças de poder e dominação do Estado nos coloquem em um constante lugar não humano. Rememoramos todos os dias as atualizações do tronco e do açoite perpetuadas pelas diferentes formas de controle dos nossos corpos. Marcos Vinícius é também João Pedro, que já foi Ágatha Félix, que viria a ser Kathlen Romeu e seu bebê de três meses ainda no ventre. Todos mortos pela polícia no Rio de Janeiro.

Pesquisas como “Tiros No Futuro” nos ajudam a refletir o quanto as políticas de segurança pública ainda perpetuam o genocídio do povo negro brasileiro, e também escancaram que a mesma escolha política que aperta o gatilho que dispara o tiro que acerta o futuro pode construir um novo horizonte para nossas crianças e jovens.

A pergunta é: o dia em que a política de drogas mudar no Brasil e no mundo, qual será o álibi que o Estado vai usar para matar e prender pessoas negras?


Thayná Alves*

Jornalista e coordenadora de Comunicação do projeto Drogas: quanto custa proibir

-+=