Casamentos homoafetivos quadriplicam em 10 anos no Brasil

Enviado por / FonteG1, por Bruna Yamaguti

Em média, são 7,6 mil celebrações por ano; 56% envolvem mulheres e 44% homens. No DF, registros cresceram sete vezes desde 2013, quando CNJ garantiu que pessoas do mesmo sexo podem se casar no civil.

Os registros de casamentos homoafetivos no Brasil cresceram quatro vezes desde 2013, quando o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) regulamentou a união entre pessoas do mesmo sexo (relembre mais abaixo). Em média, são realizadas 7,6 mil celebrações por ano no país.

  • 56% são entre mulheres
  • 44% entre homens

Os números são de um levantamento feito pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil). No Distrito Federal, os registros de casamentos homoafetivos cresceram sete vezes desde 2013.

Até abril de 2023, houve 2.369 uniões homoafetivas em Brasília. Há 10 anos, haviam sido registradas 83 celebrações na capital federal (veja gráfico abaixo).

Casamentos homoafetivos no Distrito Federal

Números no Brasil

No Brasil, em 10 anos os cartórios contabilizaram 76.430 casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Em 2013, primeiro ano de vigência da autorização nacional, foram 3.700 celebrações (veja a evolução ao longo dos anos abaixo).

Casamentos homoafetivos no Brasil 

Mulheres lideram

Ainda segundo a Arpen, os casamentos entre duas mulheres representam 56% do total de uniões homoafetivas no Brasil. Desde 2013, foram 42.872 celebrações deste tipo em cartório. No ano passado, foram 6.793 cerimônias, um aumento de 21% em relação a 2021.

Já os matrimônios entre casais masculinos representam 44% do total, tendo sido realizadas 33.558 celebrações deste tipo em cartório, em 10 anos. No ano passado, foram 6.194 cerimônias, um aumento de 72% em relação ao ano anterior.

Regulamentação

Em 2011, o Supremo Tribunal Federal (STF) criou jurisprudência para o reconhecimento da união entre pessoas do mesmo sexo como entidade familiar. No entanto, havia brechas para que pedidos de união estável continuassem a ser recusados, por não haver regulamentação específica.

Em 14 de maio de 2013, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) publicou a Resolução 175, que passou a garantir aos casais homoafetivos o direito de se casarem no civil. Com a resolução, tabeliães e juízes ficaram proibidos de se recusarem a registrar a união.

Desde então, os direitos civis dos casais LGBTI+ foram ampliados em âmbito nacional e distrital. Em 2019, o plenário do STF decidiu, por unanimidade, que a Lei 6.160 do Distrito Federal, que estabelece políticas públicas para famílias, não pode excluir a união homoafetiva como entidade familiar.

+ sobre o tema

Por que é um problema ser gay afeminado?

Opinião e gosto podem ser muito influenciados por preconceito,...

Cineasta baiana é finalista do Prêmio ABRA de Roteiro

A diretora e roteirista baiana, Ana do Carmo, foi...

Liniker canta Forever Young em campanha sobre a expectativa de vida de pessoas trans

Filme alerta que, no Brasil, devido à violência e...

para lembrar

Sobre meninas e lobos – por Dulci Lima

Essa noite tive pesadelos. Velhos fantasmas voltaram para me...

Marcha das Mulheres Negras 2018: Uma mistura de emoção e militância

Uma mistura de emoção e militância, ocorreu durante a...

‘A Receita’ debate a violência contra mulheres negras

A peça ‘A Receita’, do grupo O Poste Soluções...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=