Conto de fadas brasileiro quebra paradigmas ao contar história de amor entre duas mulheres

Um conto de fadas geralmente traz uma receita já estabelecida: a princesa conhece o príncipe e, após algumas intempéries, acabam juntos com a clássica frase “e viveram felizes para sempre”. No entanto os tempos são outros e, assim como não é nada saudável fazer as crianças acreditarem em uma vida de felicidade ininterrupta, príncipes e princesas também precisam ganhar roupagens mais realistas agregando mudanças de valores sociais.

Por Tuka Pereira Do Estilo

Pois um livro infantil diferente está quebrando muitos paradigmas ao apresentar a história de amor entre duas personagens femininas. Escrito pela psicóloga Janaína Leslão, “A Princesa e a Costureira” é um conto de fadas que narra a história da princesa Cíntia, prometida em casamento para Febo, o príncipe do reino vizinho. Quando Cíntia vai encomendar seu vestido para a cerimônia conhece a costureira Isthar, por quem se apaixona.

A princesa Cíntia ainda se diferencia das tradicionais mocinhas de contos de fadas não apenas por sua orientação sexual, mas também por não ostentar longas madeixas loiras e pele alva: ela é negra. Outro detalhe: os principais apoiares do casal lésbico são o próprio príncipe preterido (com seus frondosos dreadlocks) e a irmã da protagonista, Selene, que não possui uma das mãos (imagem abaixo).

febo_selene

O livro, que pretende auxiliar famílias e escolas, tanto na discussão sobre a diversidade humana como sobre a luta mais ampla pelos direitos das pessoas LGBT, teve sua venda anunciada no Facebook da autora há poucos dias e causou bastante rebuliço. Muitos se mostraram indignados e escreveram a respeito:

Olha, acho que cada um tem que viver sua vida conforme queira, mas plantar na cabeça de uma criança essas relações é complicado, até porque a maioria já tem uma imagem na cabeça de pai e mãe (homem e mulher) então, é preciso rever certas atitudes pra não confundir a mente de um inocente”, escreveu uma internauta.

Além dos comentários negativos também haviam muitos aplaudindo a iniciativa e dissertando sobre a importância de obras que abordem esta temática para o público infantil:

Ótimo! É fundamental que as crianças cresçam convivendo naturalmente com as diversas opções sexuais. Acho engraçado esses comentários “deixem as crianças fora disso”. Fora “disso” o que, cara pálida? Fora da realidade? Para crescerem ignorantes e homofóbicas?”, escreveu um incentivador.

A escritora falou com o Estilo Catraca Livre a respeito: “A repercussão está sendo ótima! Muita gente aprovando a ideia de termos um livro que ensine a convivência harmoniosa entre as pessoas, de amor, tolerância. Muitos pais dizendo que irão comprar para seus filhos, para ensiná-los desde cedo que ‘consideramos justa toda forma de amor’ (frase de música de Lulu Santos). Sim, existem indignados, mas apoiados em seus próprios preconceitos. O livro não é para criancinha. Foi escrito para pré-adolescentes e adolescentes. Até porque tem muito texto e é necessário que se tenha uma boa leitura”, explicou.

O livro “A Princesa e a Costureira” é uma publicação da Metanoia Editora, custa R$ 35 e está em pré-venda pela internet (aqui). O lançamento oficial da obra será no próximo dia 26, durante a 4ª Semana da Diversidade em Santos, São Paulo.

+ sobre o tema

Violência contra mulher terá multa

Diminuir o número de casos da violência contra mulher...

Spa para meninas a partir de cinco anos gera polêmica na Espanha

Ativistas acusam empresa de difundir modelo 'sexista' que reforçaria...

Mãe Stella: Que orixá rege o ano?

Este é um artigo que possui objetivo esclarecedor. Tentarei...

para lembrar

Denúncias de violência contra a mulher no Ligue 180 aumentam 60% após campanha

Brasília – A ministra da Secretaria de Políticas para as...

Contra estupros, indianos criam sutiã que dá choque

Sutiã é capaz de dar choques de até 3.800...

Criei um exército de armas harmônicas, diz presidente do bloco Ilú Obá de Min

Criado em 2005, bloco de Carnaval reúne 450 mulheres...

Sandra de Sá

Sandra Cristina Frederico de Sá nasceu no Rio de...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=