terça-feira, julho 7, 2020

    Em Pauta

    Reed Hastings, co-fundador e CEO do Netflix (Foto: dgard Garrido/Reuters)

    Netflix vai destinar US$ 100 milhões para bancos que pertencem a negros

    (Lucas Shaw/ WP Bloomberg) – A Netflix vai transferir US$ 100 milhões para instituições que atendem à comunidade negra, tornando-se a ser a maior empresa a dividir receitas com instituições financeiras historicamente subfinanciadas. O serviço de streaming começará transferindo US$ 25 milhões para a Iniciativa de Desenvolvimento Econômico Negro, um novo fundo que investirá em instituições financeiras de propriedade de negros e que atendem a comunidades de baixa renda, e US$ 10 milhões para a Hope Credit Union. No futuro, a empresa direcionará 2% dos recursos que têm em mãos,, que atualmente é de cerca de US$ 5 bilhões, para organizações financeiras que apoiam diretamente as comunidades afro-americanas. Grandes empresas americanas correram para mostrar apoio aos afro-americanos após a morte de George Floyd, um dos vários negros mortos pela polícia nos últimos meses. Muitas empresas, milionários e bilionários prometeram dinheiro para causas de direitos civis, incluindo o CEO da Netflix,...

    Leia mais
    O cofundador da holding de impacto social, Rosenildo Ferreira: apoiando a sobrevivência e crescimento de empreendedores em vulnerabilidade socioeconômica (Imagem retirada do site Forbes)

    Vale do Dendê potencializa inovação na periferia de Salvador

    A empresa de impacto social Vale do Dendê está reforçando suas atividades para combater o impacto da pandemia em novos negócios na periferia de Salvador e prepara o novo estágio de seu trabalho no desenvolvimento do ecossistema de inovação e empreendedorismo na capital baiana. Em operação desde o final de 2016, a Vale do Dendê atua nas frentes de educação, consultoria e aceleração de ideias desenvolvidas por empreendedores em situação socioeconômica vulnerável. Mais de 90 negócios já passaram pela iniciativa, que em sua mais recente rodada contou com o suporte de organizações como Fundação Itaú Social, Financial For Good Brazil, British Council Brasil e FIIMP. Existem diferenças entre as dinâmicas de apoio a empreendedores na periferia soteropolitana e o que pode acontecer nos grandes centros urbanos como São Paulo e Rio de Janeiro. A aceleradora, que conta com um braço na capital paulistana no centro de impacto social Civi.co para...

    Leia mais
    Foto Getty Images

    Aos amigos do rei, as munições

    Na segunda-feira (29/06), a Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados do Exército Brasileiro abriu uma consulta pública para que a sociedade civil faça recomendações sobre normas de marcação de armas de fogo e munições e sobre seus dispositivos de segurança. Essas normas são fundamentais para ampliar nossas capacidades de controlar e rastrear as armas e munições, contribuindo para as investigações dos crimes violentos e para o enfrentamento do seu tráfico ilícito. Em um país onde cerca de 70% dos homicídios são cometidos por armas de fogo e onde armas de guerra são utilizadas por organizações criminosas no controle de territórios, essa é, sem dúvida, uma agenda que requer toda a responsabilidade em sua condução. A consulta pública acontece pouco mais de dois meses depois da publicação e revogação de três portarias do Exército sobre esses mesmos pontos, e que incluíam melhorias recomendadas pelo Tribunal de Contas da União, que desde...

    Leia mais
    Coronel Marcelino Fernandes, ex-corregedor da Polícia Militar de São Paulo 17.mai.2018 (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

    João Doria incentivou policiais militares ao confronto, diz ex-corregedor 

    Em meio à série de denúncias de casos de violência policial nas últimas semanas, cresceu também nos últimos meses o número de pessoas mortas por policiais militares no estado. Para o coronel Marcelino Fernandes, que chefiou até fevereiro deste ano a Corregedoria da corporação — órgão responsável por investigar possíveis irregularidades de policiais militares —, a situação é fruto direto de ações e de discursos do governador João Doria (PSDB). Doria foi eleito governador de São Paulo nas eleições de 2018 afirmando que, durante sua gestão, a polícia iria "atirar para matar". No dia em que foi eleito, prometeu "os melhores advogados" aos policiais que matam no estado. Depois, elogiou ação da polícia com 11 suspeitos mortos e afirmou que a redução da letalidade policial seria algo que poderia acontecer, mas sem obrigatoriedade. A política de segurança do governador causou alta na letalidade policial. "Três fatores foram preponderantes para o...

    Leia mais
    (foto: Gomez)

    Morra quem morrer, o Brasil mostra que não está nem aí para o coronavírus

    Acabou. O Brasil decidiu mostrar a cara, sem proteção alguma, ao inimigo que matou 63 mil pessoas em pouco mais de três meses. Essas vidas perdidas para o novo coronavírus já superam em muito o total de brasileiros vítimas de mortes violentas por ano — em torno de 41 mil, segundo estudos mais recentes. De nada adiantou o sofrimento das famílias e amigos que perderam pessoas queridas e nem puderam se despedir. Tornou-se inglória a luta constante dos profissionais de saúde, que põem a vida em risco, enfrentam jornadas extenuantes, muitas vezes em condições dificílimas, para atender a doentes que exigem tratamento por horas, dias, semanas a fio. Caíram no vazio os alertas do ministro Mandetta; o “fique em casa”, recomendação seguida em todas as partes do mundo; ficaram na memória as entrevistas coletivas, diárias e transparentes, nas quais assistíamos a um esforço de conscientizar a população sobre os riscos...

    Leia mais
    iStock

    A nova etapa do mapeamento da covid-19 em São Paulo mostra duas epidemias

    Por mais que a gente pudesse supor que seria assim, não dá para encarar a dura realidade dos números trazidos pelo SoroEpi MSP sem entrar em choque. O projeto, envolvendo médicos e cientistas da Universidade de São Paulo, do Grupo Fleury e do Ibope Inteligência — e que conta ainda com o apoio do Instituto Semeia e do Todos Pela Saúde —, criado para medir a proporção de indivíduos que já têm anticorpos contra o Sars-CoV 2 no município de São Paulo, mostra que a maior cidade da América Latina vive, no mínimo, duas epidemias que se propagam em velocidades bem diversas. Em uma delas, 6,5% das pessoas já tiveram contato com o vírus e seu organismo produziu anticorpos para se defender. A outra, porém, é bem mais cruel, porque nessa espécie de universo paralelo o coronavírus já infectou nada menos do que 16% da população. É, sim, o mesmíssimo...

    Leia mais
    Manifestação de entregadores de aplicativo por melhores condições de trabalho e equipamento de segurança. (Foto: Roberto Parizotti – 05/06/2020)

    Greve dos entregadores expõe precarização do trabalho por aplicativos

    As medidas de isolamento social impostas pela pandemia de Covid-19 colocaram em evidência o trabalho dos entregadores de aplicativos e as condições a que estes trabalhadores e trabalhadoras estão submetidos, com jornadas extenuantes, critérios de remuneração pouco claros e completa ausência de direitos ou benefícios sociais. Por conta disso, neste 1º de julho acontece a primeira paralisação nacional dos entregadores de aplicativos. Para avaliar as irregularidades deste modelo de trabalho à luz da legislação trabalhista e pensar alternativas que contemplem direitos aos trabalhadores, Conectas ouviu, separadamente, dois dos mais importantes pesquisadores brasileiros que estudam relações contemporâneas do trabalho. Ruy Braga é professor do departamento de sociologia da USP (Universidade de São Paulo) e autor do livro “A política do precariado” e Ricardo Antunes é professor titular de Sociologia no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e autor do livro “O privilégio da servidão”. Confira...

    Leia mais
    Perguntas serão entregues aos 47 membros do Conselho de Direitos Humanos da ONU (Foto: Xinhua/Xu Jinquan)

    Bolsonaro será alvo de pressão internacional por pandemia

    O governo de Jair Bolsonaro será alvo de uma série de denúncias formais na ONU por sua resposta considerada como insuficiente diante da pandemia da covid-19. Um documento elaborado por entidades nacionais e internacionais será tratado nesta semana em Genebra, pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, enquanto outras acusações serão submetidas ao longo dos próximos dias. Além disso, o organismo vem coletando informação sobre a política brasileira em relação ao coronavírus, elevando a pressão sobre um governo com uma imagem externa já desgastada. O debate sobre a pandemia estará no centro da agenda do Conselho nesta semana, com a alta comissária da ONU para Direitos Humanos, Michelle Bachelet, apresentando um informe sobre a situação internacional. Entidades como a Conectas e Comissão Arns prometem usar a ocasião para denunciar o Brasil. Outra iniciativa está sendo liderada por entidades como Amazon Watch, Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), Conectas Direitos...

    Leia mais
    Todos os americanos, e em especial os americanos brancos, estão passando por um rápido aprendizado dos fardos suportados diariamente pelos americanos negros Foto: Roberto Schmidt/AFP

    Cinco crises simultâneas dos EUA

    Cinco mudanças gigantescas ocorrendo nos EUA hoje. A primeira delas é o fato de estarmos perdendo a luta contra a covid-19. Nosso comportamento nada tem a ver com a realidade ao nosso redor. Simplesmente cansamos e, por isso, desistimos. A segunda: todos os americanos, e em especial os americanos brancos, estão passando por um rápido aprendizado dos fardos suportados diariamente pelos americanos negros. Esse aprendizado continua, mas a opinião pública já está mudando com velocidade impressionante. A terceira: estamos no meio de um realinhamento político. O público americano está rejeitando com veemência o Partido Republicano de Donald Trump. O sinal mais claro disso é o fato de o partido ter desistido de si, um culto à personalidade cujo líder está acabado. A quarta: uma quase-religião está buscando o controle das instituições culturais americanas. Os acólitos dessa quase-religião chamada Justiça Social defendem uma ideologia simplificadora: a história é essencialmente uma disputa...

    Leia mais
    O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Luís Roberto Barroso (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)

    TSE tem 2 votos a favor de financiamento proporcional a candidatos negros

    O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, votou hoje a favor de que o dinheiro do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral seja destinado de forma proporcional pelos partidos a candidatas e candidatos negros. Barroso também defendeu que a proporcionalidade seja observada na divisão entre os candidatos do tempo na propaganda em rádio e TV do horário eleitoral gratuito a que o partido tem direito. O voto de Barroso foi proferido ao responder a consulta elaborada pela deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ). Luís Roberto Barroso, presidente do TSE "Sob o prisma da igualdade, há um dever de integração dos negros em espaços de poder, noção que é potencializada no caso dos parlamentos. É que a representação de todos os diferentes grupos sociais no Parlamento é essencial para o adequado funcionamento da democracia e para o aumento da legitimidade das decisões tomadas", disse o ministro. Após o...

    Leia mais
    Foto: Tiago Queiroz

    Ações da sociedade civil e união de moradores beneficiam comunidade do Jardim Lapena

    O Jardim Lapena, bairro da zona leste de São Paulo onde está localizado o Galpão ZL, núcleo de Prática Local da Fundação Tide Setubal, é marcado por fatores diversos ligados à vulnerabilidade social, logo, praticar o isolamento social tem sido desafiador. Por esse motivo, a ação de moradores do território e de entidades de diversos setores da sociedade civil tem auxiliado a população local a ter condições mínimas para poder cumprir o isolamento social. Para Marcelo Ribeiro, coordenador de Prática Local da Fundação Tide Setubal, é importante ressaltar o protagonismo de quem mora na área para minimizar esse aspecto. “Nada mais justo e coerente do que valorizar o tecido social existente na região, uma vez que faz a ajuda chegar mais rápido para as pessoas. Elas estão bem organizadas, têm cuidado uma das outras e têm o protagonismo para fazer entregas por meio da autogestão.” Moradora...

    Leia mais
    Logotipo da iniciativa que pede mudança no nome da rua Barão de Cotegipe, em Porto Alegre (Reprodução/Imagem retirada do site Folha de São paulo)

    ‘Contra o racismo na rua’, moradores de Porto Alegre se unem para alterar nome da r. Barão de Cotegipe

    Um grupo de amigos se reuniu no WhatsApp para conversar sobre as manifestações antirracistas que varrem o mundo. Formado por historiadores como Maria do Carmo Aguilar e Marçal de Menezes Paredes, o bate-papo evoluiu para a decisão de agir contra o racismo coletivamente a partir das suas vidas cotidianas. Virou o manifesto “Porto Alegre contra o racismo na rua”, petição recém-criada que já ultrapassa 600 assinaturas e que ganhou o apoio de diversas entidades unidas ao propósito de alterar o nome da rua Barão de Cotegipe, personagem da história brasileira que batiza várias localidades brasileiras e também um logradouro no bairro São João, área nobre da capital gaúcha. O objetivo é eliminar a homenagem a “um barão, um senador, isolado em um contexto cultural que já reconhecia a brutalidade da escravidão, e que votou contrário à sua abolição”, explica o manifesto. “A Porto Alegre que reconhece Abdias do Nascimento, que...

    Leia mais
    O deputado lembra que "o projeto prevê a criação do 'Museu da História da Escravidão e Invençãoda Liberdade (Foto: Ascom)

    PL que determina a retirada de estátuas de escravocratas em espaços públicos é apresentada na Bahia

    A Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA) recebeu projeto de lei de autoria do deputado Hilton Coelho (PSOL) que determina a retirada de estátuas, monumentos, placas, ou toda e qualquer outra forma de homenagem ou valorização de figuras históricas que estiveram ligadas ao comércio escravagista com a África. Deve ser feita a retirada dos prédios, espaços públicos, ruas, rodovias, viadutos e logradouros, e de toda e qualquer obra ou bem público do Estado da Bahia. Essas peças serão encaminhadas para um Museu estadual criado para este fim e também previsto no projeto de lei. De acordo com o projeto uma comissão elaborará relatório acerca dos principais personagens históricos que contribuíram para a escravização humana no Brasil, no período de 1500 a 1888. Identificará, também, a localização das peças que se refiram a tais personagens históricos. “Com a aprovação de nosso projeto, fica proibida a atribuição de nomes d e tais personagens,...

    Leia mais
    Milton Nascimento, abraçado a seu violão, que nunca perde de vista (Foto: Fernando Priamo)

    Milton Nascimento sobre o governo Bolsonaro: “Bicho, que pesadelo é esse? É uma tragédia sem parâmetro”

    Milton Nascimento deu entrevista para O Tempo, de MG, sobre sua live, e acabou falando do Brasil: Você já foi vítima de racismo na infância, na carreira, já se posicionou contra esse tipo de preconceito diversas vezes. Devido aos recentes acontecimentos, houve diversos protestos pelo mundo e artistas e outras personalidades levantaram suas vozes contra o racismo.  Toda essa mobilização pelo mundo é uma prova de que nada disso ia ficar em vão. Mas é muito importante que esse movimento agora ganhe mais força. É preciso continuar, porque é só o começo. Minha vida foi marcada pelo racismo, e isso desde a minha infância em Três Pontas, onde nem no clube da cidade me deixavam entrar. Eu ficava ouvindo os shows na praça, do lado de fora. E esse é só um único fato. O racismo, infelizmente, está aí até hoje, em todos os lugares e, aqui no Brasil, cada...

    Leia mais
    Foto; Chiraag Bhakta

    Museu remove busto do ex-presidente do COI por causa de “legado racista”

    O Museu de Arte Asiática de São Francisco (Estados Unidos) retirou o busto do ex-presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) Avery Brundage de seu saguão por causa de preocupações com seu "legado racista". O busto foi inaugurado pela Comissão de Arte Asiática em 1972 e está no hall de entrada desde então, em homenagem ao patrono fundador da instituição, conforme noticiado pelo The New York Times. Brundage, que havia representado os Estados Unidos nos Jogos Olímpicos de Estocolmo 1912 no atletismo, atuou como Presidente do COI de 1952 a 1972, tendo ingressado como membro em 1936. Ele morreu em 1975 e se opôs ao boicote aos Jogos Olímpicos de 1936 em Berlim durante seu tempo como Presidente do Comitê Olímpico Americano, como era então chamado. Houve pedidos, liderados por políticos nos EUA, de boicotar os Jogos por causa de preocupações com a moral de apoiar uma Olimpíada em um país...

    Leia mais
    Times da NFL e da MLB removem estátuas de antigos donos racistas — Foto: Twitter/ Kingman Park Kaleidoscope

    Washington Redskins apaga homenagens a ex-dono racista George Marshall

    O Washington Redskins vem, aparentemente, tentando cada vez mais aderir à luta contra o racismo. Segundo a “NBC”, o clube vai retirar todas as últimas homenagens que restaram ao ex-dono George Preston Marshall. O nome do ex-proprietário da equipe será apagado do “Hall da fama” e do “muro da história” que fica em frente ao vestiário do clube. George Preston Marshall era reconhecidamente racista. Ele se recusava a contratar jogadores negros para seu time. E isso só aconteceu depois que foi obrigado pelo governo. O Washington Redskins foi o último clube a ter negros em seu elenco, em 1962. A remoção do nome de Marshall do “hall da fama” e do “muro da história” é um desdobramento das medidas que o clube já vinha fazendo para acabar com as homenagens feitas ao ex-dono. O monumento que homenageava Marshall e que ficava em frente ao estádio R.F.K, na capital dos Estados...

    Leia mais
    A bandeira do estado do Mississipi, fotografada em 24 de julho de 2016, durante manifestação na Filadélfia - AFP/Arquivos

    Mississipi se prepara para retirar símbolo confederado de sua bandeira

    O estado americano de Mississipi se dispõe a eliminar o símbolo confederado de sua bandeira, após semanas de protestos contra o racismo nos Estados Unidos. Dois terços dos deputados e senadores locais adotaram uma resolução que autoriza o tratamento de um projeto de lei para redesenhar a bandeira do estado. O texto, que poderia ser submetido a votação a partir desde domingo, deve ser ratificado por um referendo em novembro. A cruz azul na diagonal, demarcada por pequenas estrelas brancas com um fundo vermelho representou os estados do sul, contrários à abolição da escravatura, durante a Guerra Civil americana (1861-1865). A bandeira faz parte, assim como as estátuas dos generais confederados ou líderes escravagistas, dos símbolos questionados no âmbito das grandes manifestações antirracistas que sacodem os Estados Unidos há um mês, após a morte em 25 de maio do afro-americano George Floyd por um policial branco. Com um longo passado...

    Leia mais
    (Foto; Hulton Archive/Getty Images)

    Princeton removerá nome de ex-presidente americano de faculdade

    O presidente da Universidade Princeton, Christopher L. Eisgruber, anunciou por meio de um comunicado neste sábado (27) que removerá o nome do ex-presidente americano Woodrow Wilson, que governou o país entre 1913 e 1921, da faculdade de políticas públicas e de um residencial estudantil da instituição. O conselho da universidade decidiu que o "pensamento e as políticas racistas" do ex-presidente fazem com que o uso de seu nome seja inapropriado para "uma escola ou universidade cujos alunos e ex-alunos precisam se posicionar com firmeza contra o racismo em todas as suas formas", afirmou Eisgruber. "O racismo de Wilson foi considerável e teve consequências mesmo para os padrões de sua época." Durante seu mandato, trouxe para o governo políticos sulistas que buscaram fortalecer ações de segregação, sem que ele se opusesse. Wilson permitiu a exibição do filme "O Nascimento de uma Nação" na Casa Branca. A produção tenta justificar o preconceito...

    Leia mais
    Brasil pela Democracia (Imagem retirada do site Mundo Sindical)

    Entidades e movimentos sociais se unem em defesa da democracia e da vida

    Mais de 60 organizações, entre entidades nacionais, centrais sindicais, movimentos sociais, articulações pró-democracia e organizações não-governamentais lançam, na próxima segunda-feira (29), a campanha #BrasilpelaDemocracia #BrasilpelaVida A ação é uma resposta à situação enfrentada pelo país, que exige a união de todos em defesa da democracia, ameaçada pelo ataque permanente e inconcebível às instituições, à imprensa, ao Estado Democrático de Direito e aos direitos dos cidadãos e cidadãs consagrados na Constituição Federal. As entidades se unem também em defesa da vida, ameaçada pela descoordenação do governo federal no combate à pandemia do novo coronavírus, agravando a já crítica situação sanitária e econômica, implicando mais sofrimento a trabalhadoras e trabalhadores, às populações vulneráveis e inviabilizando a sobrevivência de empreendedores, em especial micro e pequenos empresários. Para marcar o lançamento, na próxima segunda, acontece uma grande mobilização nas redes sociais da campanha, com participação das entidades e personalidades, o lançamento do site, que...

    Leia mais
    Os movimentos sociais que estão pedindo o fim do racismo nos EUA estão gerando a reação de grandes corporações contra o Facebook (Crédito: AFP)

    Inatividade contra o racismo pode custar caro ao Facebook

    A falta de atividade contra o racismo e o discurso de ódio nos posts do Facebook está fazendo com que aumente o número de empresas que não querem anunciar na maior mídia social do planeta. Uma coalizão de grupos que lutam pelos direitos civis nos Estados Unidos lançou a campanha #StopHateforProfit na semana passada, quando instou as principais empresas do país a interromperem a publicidade no Facebook. A reação no mundo dos negócios foi imediata e em poucos dias, redes como a The North Face e Patagonia disseram que apoiariam o movimento contra o Facebook. Outras empresas famosas nos Estados Unidos, como Upwork e Dashlane, além de marcas globais como a Coca-Cola, Hershey’s, Honda, JanSports, Levi Staruss, Verizon, Bem & Jerry’s e Unilever também aderiram. A preocupação dessas empresas vai de encontro ao movimento de combate ao racismo nos Estados Unidos e, principalmente, o reflexo da polarização que a eleição...

    Leia mais

    Últimas Postagens

    blank

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist