Em Pauta

Foto: Sérgio Lima/Poder360

Barroso, do STF, manda Senado instalar CPI da Covid, em revés para Bolsonaro

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), mandou o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), instalar uma CPI da pandemia da Covid-19. Em sua decisão, Barroso afirmou que estão presentes os requisitos necessários para a abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito, incluindo a assinatura favorável de mais de um terço dos senadores, e que o chefe do Senado não pode se omitir em relação a isso. Além do potencial de agravar a crise política e da insatisfação do presidente Jair Bolsonaro, a determinação do ministro do STF retomou a discussão —acalorada nos últimos meses— sobre a disputa por protagonismo e a interferência entre Poderes. Em entrevista à CNN Brasil, Bolsonaro disse que "não há dúvida de que há uma interferência do Supremo em todos os Poderes". O presidente questionou ainda se, como há pedidos de impeachment de ministros do STF parados no Senado, não seria também oportuno analisá-los. Já Pacheco afirmou que...

Leia mais
Cemitério da Vila Formosa, em São Paulo (Imagem: Nelson Almeida/AFP)

Templos abertos: Fundamentalismo ignora 4.000 mortes em nome dos ‘costumes’

O fundamentalismo reformado (de igrejas calvinistas) e (neo)pentecostal estão longe de qualquer semelhança da mensagem de Jesus. Seu cuidado com as pessoas está cada vez mais comprometido com qualquer coisa —inclusive com a morte— desde que preserve o que consideram ser a "pauta dos costumes" deles. É impossível pensar no ponto que o Brasil chegou nas últimas semanas letais da pandemia sem que se leve a sério as implicações da base religiosa-teológica que esses grupos têm proporcionado. Já não há mais fé nem sensibilidade religiosa. Eles são os fornecedores da "consciência tranquila" de quem governa um país em que o número de mortes só aumenta diariamente. O STF (Supremo Tribunal Federal) julga hoje (7) se libera ou não a realização de missas e cultos presenciais em meio ao agravamento da pandemia de covid-19 no país. O julgamento acontece após decisão do ministro Kassio Nunes Marques, cuja liminar permite a abertura dos templos....

Leia mais
Manifestantes levam marmitex vazios na avenida Paulista, em São Paulo, durante protesto pela manutenção do auxilio e contra a autonomia do BC (Foto: Danilo Verpa/ Folhapress)

Auxílio emergencial sem plano aprofundará desigualdade e afetará jovens 

Quando optou por disseminar o falso dilema sobre a escolha entre economia e saúde na pandemia de covid-19, o governo Bolsonaro negligenciou as políticas sociais. O efeito disso é devastador: um ano depois do primeiro diagnóstico de coronavírus no Brasil, 19 milhões de brasileiros enfrentam a fome em seu dia a dia. Atualmente, 116,8 milhões de pessoas não têm acesso pleno e permanente a alimentos, significa que mais da metade da população está submetida a algum nível de insegurança alimentar. É o maior patamar nos últimos 17 anos, segundo a pesquisa da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. A fome é o indicador mais agudo da pobreza mais extrema que existe. Faz com que mães e pais tenham que escolher qual dos filhos alimentar. É degradante e dilacerante. É também inaceitável e incompreensível que um país como o Brasil — que desenvolveu políticas sociais respeitadas...

Leia mais
Deputada Leci Brandão - Foto: Ag. Alesp - Sergio Galdino

Bancadas definem novos líderes partidários na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo

Os partidos com representação na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo definiram, neste mês, as novas lideranças que conduzirão as bancadas ao longo deste ano. A troca, que é a segunda desde o início da atual legislatura, está prevista no regimento interno da Casa. Na Alesp, os líderes são os representantes dos integrantes do seu partido e fazem o papel intermediário entre eles e os órgãos da Assembleia. É responsabilidade do líder da bancada, além de outras atribuições previstas no regimento, registrar o nome de candidato do partido para concorrer aos cargos da Mesa Diretora e indicar os componentes das comissões permanentes e parlamentares de inquérito. Com a mudança de líderes, o deputado Ricardo Madalena assumiu o comando do PL. Ele disse que a bancada está sempre pronta para votar leis que melhorem os serviços públicos e qualidade de vida da população. "A liderança do nosso partido tem uma...

Leia mais
Foto: Agência Pública

Quase 117 milhões de brasileiros não se alimentam como deveriam, aponta pesquisa

A pandemia tem muitos reflexos e um dos mais cruéis aqui no nosso país é a fome. Segundo um novo estudo, que traz uma série de dados preocupantes, quase 117 milhões de brasileiros não se alimentam como deveriam, com qualidade e em quantidade suficiente. Destes, 19 milhões não tem nem o que comer. A fome no Brasil também tem cara e tem cor: mulheres da periferia, chefes de família, negras, com pouco estudo. A pesquisa, feita em 128 municípios, mostra que a pandemia acelerou um processo que o país já estava enfrentando desde 2015. No Norte e Nordeste estão os maiores percentuais de perda de emprego, redução de rendimento familiar e corte de despesas. Quase quase 60% dos entrevistados dessas regiões contaram com auxilio emergencial. A nova rodada do benefício começa a ser paga na próxima terça-feira (6) para quem já está cadastrado no aplicativo da Caixa ou no Cadastro...

Leia mais
A atriz Camila Pitanga e os cantores Zeca Pagodinho e Emicida são alguns dos apoiadores de campanha do movimento negro contra a fome (Imagem: Divulgação/Mostra de Tiradentes, Roberto Filho/WikiMedia Commons e WikiMediaCommons)

Ação do movimento negro contra fome reúne artistas e levanta mais de R$ 5 mi

Projeto quer ajudar 223 mil famílias Zeca Pagodinho e Emicida apoiam PoderData revela dados sobre tema Problema atinge 36% dos brasileiros   “Tem gente com fome”. Esse é o mote de campanha do movimento negro que já arrecadou mais de R$ 5 milhões em doações para combater a insegurança alimentar no Brasil. A ação é coordenada pela Coalizão Negra por Direitos, articulação que reúne mais de 200 organizações sociais ligadas à temática racial. O grupo mapeou 222.895 famílias em situação de vulnerabilidade e, desde 17 de março, distribui alimentos em pontos físicos nas 5 regiões brasileiras. De acordo com os coordenadores da campanha, até a manhã deste domingo (4.abr.2021), 22 mil famílias já foram atendidas. Cada uma recebe alimentos que somam valor de R$ 200. O valor arrecadado na plataforma on-line já chegou a R$ 5.106.523,00, vindo de 15.901 doadores. De acordo com os organizadores, para todas as famílias mapeadas...

Leia mais
Carolina Maria de Jesus (Foto: Audálio Dantas)

Netas de escritora Carolina Maria de Jesus dizem viver ‘Quarto de Despejo 2’

Liliam, de 48 anos, vive da renda de faxinas e de bicos num restaurante e numa pizzaria em Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, para manter as duas filhas que vivem com ela. Ela já catou frutas na xepa da feira e costuma levar uma marmita com o que sobra no trabalho para não faltar comida em casa. “A gente deixa atrasar duas, três, cinco contas e vai dando prioridade para o alimento para as meninas.” Adriana, de 40 anos, teve a luz cortada em sua casa em São José dos Campos, no interior paulista, ficou desempregada e passou a depender do auxílio emergencial e do salário do filho, como menor aprendiz, para sobreviver. “Eu vivo de doação. O pessoal fala 'Adriana, você quer um arroz?'. Eu falo que quero, porque não tenho de onde tirar.” Elisa, de 45 anos, mãe de quatro filhos, mora em Interlagos, na zona sul...

Leia mais
Banco de Imagens Pixabay

‘A Covid é só mais uma das pandemias que enfrentamos’, diz líder de Paraisópolis que trabalhou ao lado do Pastor do Funk

As vielas de Paraisópolis são testemunhas das mais diversas histórias. Na Três Corações, Igor Alexsander fazia atendimentos a jovens e intermediava conflitos durante a noite do baile funk. Na viela Conceição, Renata Alves produziu comerciais e novelas que circularam o país tendo a favela como cenário. A relação de Igor e Renata com as ruas e a comunidade de Paraisópolis foi fundamental para mitigar os efeitos da pandemia na segunda maior favela de São Paulo. Igor, 26, nasceu na Paraíba. Teve uma infância curta. Aos 11, conheceu as drogas e o crime organizado. O pai, taxista, passava a madrugada trabalhando. Aos 16, saiu de casa e deixou Campina Grande. Morou na rua, passou fome e conflitos pessoais, até que a missão de uma igreja evangélica o levou a Paraisópolis, em 2017. Igor Alexsandre, o Pastor do Funk, coordenou as casas de acolhimento em Paraisópolis (Foto: Arquivo...

Leia mais
Crise prolongada deixa jovens num limbo, sem emprego e sem perspectivas (Foto: Hermes de Paula / Agência O Globo)

Crise prolongada deixa jovens num limbo, sem emprego e sem perspectivas: ‘Dá uma sensação de potencial desperdiçado’

Em plena recessão de 2016, quando a economia brasileira encolheu 3,3%, Shayenne dos Santos Monteiro se formou na Faculdade de Enfermagem. Mesmo com a pandemia, aos 28 anos, ainda não conseguiu trabalhar na profissão. Foi babá e cabeleireira, trabalho que vem mantendo, enquanto ainda tenta ser enfermeira, fazendo estágio não remunerado e capacitação: — Coloquei currículo em hospital de campanha e nada. De um tempo para cá, nem a rejeição chega. A gente faz o cadastro, nem a recusa enviam mais. Não dão conta de todos os currículos que chegam. Só entra com indicação, tem muita gente desempregada. Foto: Criação O Globo Um ano antes de Shayenne, Vinícius de Almeida, de 31 anos, formou-se em Relações Internacionais. Outro ano recessivo, quando o Produto Interno Bruto (PIB) retraiu 3,5%. E também nunca conseguiu trabalho na sua área. Fez mestrado, mas desistiu. Hoje cursa Direito e estuda para...

Leia mais
(Foto: Marta Azevedo)

Vacina não é privilégio

O Brasil chegou ao fim do mais letal mês em um ano de pandemia, e o presidente da Câmara dos Deputados se dirigiu à nação para defender a furada de fila da vacinação por grandes empresas privadas. Ato assombroso, no dia — aniversário de 57 anos do golpe militar, por sinal — em que o país contou quase quatro mil mortos por Covid-19. Desnecessário, uma vez que os laboratórios têm insistido em informar que só negociam com governos centrais, e somente eles. Antiético, porque o chefe da Casa do Povo não deveria legislar pelo privilégio privado, especialmente numa nação desigual como o Brasil, onde a pandemia é particularmente letal para pobres, pretos, indígenas, favelados. Estúpido do ponto de vista sanitário, porque imunização de uma parte não protege o todo. Arthur Lira (PP-AL) foi o político que, há poucas semanas, escreveu e se deixou filmar lendo para o embaixador da China...

Leia mais
Foto: Divulgação

ONGs lançam campanha para combater a fome de famílias imigrantes e refugiadas

A Associação Projeto Parabéns e o Instituto Vozes sem Fronteiras, organizações da sociedade civil com atuação na cidade de São Paulo, lançam uma campanha de financiamento coletivo para arrecadar fundos para uma ação emergencial de enfrentamento à fome e à miséria. A campanha tem como foco famílias de imigrantes e refugiados que vivem em várias regiões da cidade e que tiveram suas condições sociais e econômicas agravadas pela pandemia de COVID-19. “Nossa meta é distribuir cestas básicas e kits com itens de higiene e limpeza a centenas de famílias de várias partes do mundo, que encontraram refúgio no Brasil. A distribuição deve acontecer no dia 24 de abril, seguindo todos os protocolos de segurança das organizações de saúde. Mas, para que isso seja possível, precisamos arrecadar R$ 15 mil”, explica Lilian Ambar, uma das co-fundadoras da Associação Projeto Parabéns. De acordo com Rosely Oliveira, à frente do Instituto Vozes sem...

Leia mais
Em carta, indígenas brasileiros dizem querer ser incluídos em qualquer debate promovido pelos EUA para negociação sobre o meio ambiente do Brasil, sem a intermediação da administração de Jair Bolsonaro (Foto: BRUNO KELLY/AMAZÔNIA REAL)

Indígenas pedem linha direta com governo Biden em conversas sobre Amazônia

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) enviou há duas semanas uma carta ao presidente americano Joe Biden e ao seu Enviado Especial Climático, John Kerry, na qual pede um "canal direto" de comunicação com o governo dos EUA sobre assuntos ligados à Amazônia brasileira. Os indígenas querem ser incluídos em qualquer debate promovido pelos EUA para negociação sobre o meio ambiente do Brasil, sem a intermediação da administração de Jair Bolsonaro, como seria praxe na relação diplomática entre os dois países. Eleito com a proposta de enfrentar o desafio das mudanças climáticas, Biden chegou a citar o desmatamento da floresta Amazônica brasileira como um dos seus focos de atenção durante debate ainda na campanha presidencial. Atualmente, Kerry e sua equipe organizam uma Cúpula do Clima, em 22 de abril, na qual Biden pretende selar seu protagonismo global no assunto e arrancar compromissos no tema de países como o...

Leia mais
Clientes em caixas eletrônicos de banco no centro de Ribeirão Preto - Márcia Ribeiro

Pesquisa nos EUA mostra que gerente branco cobra juros maiores de minorias raciais

Nos Estados Unidos, um gerente branco oferece um empréstimo imobiliário a um cliente também branco, e outro empréstimo imobiliário a um cliente negro (ou hispânico, asiático, ou de outra minoria racial). Ambos os clientes têm o mesmo perfil de crédito, ou seja, rendas e históricos de crédito parecidos. Um artigo que acabou de ser publicado na prestigiosa revista acadêmica The Review of Financial Studies mostra que o gerente branco cobra juros de 3% a 5% maiores do cliente pertencente a alguma minoria. O banco de dados utilizado no artigo é inédito e traz informações sobre raça e etnia das duas partes envolvidas no empréstimo, o gerente e o tomador, em 300 mil negociações. Os autores, então, documentam a existência dessas diferenças nas taxas de juros, que têm toda a cara de discriminação. Como dito no exemplo do primeiro parágrafo, eles mostram que quando o gerente é branco, ele cobra de...

Leia mais
(Foto: Marta Azevedo)

Sem o Censo, é o fim

O apagão estatístico sempre esteve à espreita do Brasil no governo Jair Bolsonaro. Mais de uma vez, tanto o presidente da República quanto integrantes do primeiro escalão lançaram dúvida, tentaram interferir ou desqualificaram órgãos e profissionais responsáveis pelo arcabouço de estatísticas e dados essenciais ao autoconhecimento da sociedade brasileira. Ainda anteontem, o Ministério da Saúde, recém-assumido pelo cardiologista Marcelo Queiroga, tentou alterar o sistema de registro de óbitos por Covid-19 — recuou por pressão de secretários estaduais e municipais. Por complexa, a manobra alteraria, para baixo, o total de vítimas, retardando a confirmação da marca macabra de 300 mil pessoas mortas em um ano de pandemia, atestado da incompetência e da indiferença genocida do mandatário federal e de seus aliados civis e militares. Desde 2019, seguidos episódios atestaram o desapreço da gestão federal pelos que produzem informações sobre o Brasil. O presidente já pôs em dúvida a taxa de desemprego...

Leia mais
Ato de idosos contra Bolsonaro ganha força na internet e apoio de José Trajano (Foto: Reprodução/Wikimedia Commons)

Geração 1968 de volta: Idosos vacinados planejam ir às ruas contra Bolsonaro

Cresce nas redes sociais a possibilidade da geração de 1968 voltar às ruas antes dos jovens para uma grande manifestação contra o governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Tudo isto, é claro, após receber a segunda dose da vacina. Um dos entusiastas da manifestação é o jornalista José Trajano, de 74 anos. “Os jovens terão que ficar em casa e torcer pelos avós”, afirmou ele ao repórter Eduardo Morgado, do Último Segundo. O jornalista já tomou a primeira dose e tomará a segunda no dia 9 de abril. Ele se colocou à disposição para ir às ruas “tirar o genocida” da presidência. “Agora, é bom esperar para ter mais gente. Com 90, 80 anos é mais difícil ir. Se esperarmos até junho, mais pessoas terão tomado a segunda dose. E é preciso esperar mais duas semanas para se considerar imunizado. Não é tomar a segunda dose e sair ‘ pererecando’...

Leia mais
Foto: Shutterstock

Ao sugerir que presos sejam cobaias, Xuxa se mostra racista e desumana 

Como se não bastasse a desvalorização da vida pela mortal gestão da crise sanitária liderada pelo governo Bolsonaro, agora temos uma das maiores celebridades brasileiras sugerindo que pessoas presas sirvam como cobaias — no lugar de animais — para a indústria farmacêutica desenvolver medicamentos e vacinas. Em uma live em defesa dos animais, nesta sexta (26), no canal da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (na Alerj, isso mesmo!), Xuxa achou apropriado lançar a ideia de trocar os animais usados nos testes por seres humanos privados de liberdade, sob custódia do Estado. "Na minha opinião, existem muitas pessoas que fizeram muitas, muitas coisas erradas e estão aí pagando pelos seus erros num ad eternum, para sempre em prisões. Poderiam ajudar nesses casos", disse Xuxa, que é vegana. Em seguida, completou: "pelo menos serviriam para alguma coisa antes de morrer, para ajudar a salvar vidas." Xuxa deve se crer no mesmo...

Leia mais
Fodé Mané: "Professores estão a ser simplesmente amordaçados"

Aumenta violência contra defensores dos direitos humanos na Guiné-Bissau

Antigo reitor da universidade Amílcar Cabral e advogado, Fodé Mané fez esta constatação após um périplo pelo interior da Guiné-Bissau, na sequência de várias denúncias de ativistas de que estão a ser ameaçados, expulsos ou transferidos dos seus locais de trabalho por defenderem os direitos humanos dos cidadãos. Fodé Mané disse que quando confrontadas com o fenómeno de aumento de violência contra ativistas dos direitos humanos, as autoridades respondem que a população não está a respeitar as normas impostas para evitar o alastramento do novo coronavírus. A região de Quinará, no sul da Guiné-Bissau, "é a zona mais critica", disse Fodé Mané, apontando para "situações inaceitáveis" de violência contra os defensores dos direitos humanos. Protesto contra o Governo em Bissau "Os professores, que são ativistas e líderes de opinião naquela região, estão a ser simplesmente amordaçados com ameaças de despedimento, transferência ou de suspensão por parte dos responsáveis...

Leia mais
Foto: PAULO PIMENTA

Portugal tem de se empenhar a combater racismo e violência contra mulheres, avisa comissária europeia

A comissária para os Direitos Humanos do Conselho da Europa, Dunja Mijatović, apela às autoridades portuguesas para que se empenhem mais resolutamente no combate ao aumento do racismo no país, assim como na prevenção e combate à violência contra as mulheres e à violência doméstica. Num memorando publicado esta quarta-feira, a comissária manifesta preocupação face ao aumento do número de crimes motivados pelo ódio racial, assim como do discurso do ódio, visando particularmente os ciganos, os afrodescendentes e as pessoas percepcionadas como estrangeiras em Portugal. E recomenda a implementação de um plano de acção abrangente contra o racismo e a discriminação, exortando as autoridades a condenar firme e publicamente todas as manifestações de discurso do ódio ao mesmo tempo que insta vivamente os políticos para que se abstenham de utilizar ou tolerar retórica racista. Saudando as medidas tomadas para melhorar o quadro jurídico e institucional contra a discriminação, a comissária...

Leia mais
Vídeo retrata experiência do Fundo de População das Nações Unidas na promoção da equidade nos espaços de trabalho (Divulgação/Imagem retirada do site UNFPA)

Fundo de População da ONU reafirma compromisso com Durban em vídeo sobre promoção da equidade em seu próprio ambiente de trabalho

Com o objetivo de reafirmar o compromisso com a promoção da equidade no ano em que se celebra duas décadas da Conferência Mundial das Nações Unidas contra o Racismo, a Discriminação Racial, a Xenofobia e a Intolerâncias Correlatas, realizada em 2001 na cidade de Durban, na África do Sul, o Fundo de População das Nações Unidas no Brasil (UNFPA) conta sua própria experiência em vídeo para engajar mais instituições a respeito da promoção da equidade no ambiente de trabalho. Assista clicando aqui. Há anos, o Fundo de População das Nações Unidas desenvolve ações de promoção da equidade. A ação de maior destaque no Brasil é o Programa de Estágio Afirmativo, que desde 2016 promove a inclusão de estudantes de grupos historicamente discriminados ao sistema, como jovens negros e negras, indígenas, LGBTI e de baixa renda. Para João Lima, Assistente de Recursos Humanos do UNFPA, que também foi estagiário,  as instituições ganham quando...

Leia mais
Com crise sanitária em fase crítica, aumenta a demanda por doações; saiba como ajudar - Divulgação / Caio Caciporé

Com crise sanitária em fase crítica, aumenta a demanda por doações; saiba como ajudar

Organizações da sociedade civil voltam a se mobilizar para atender comunidades vulneráveis, em meio ao agravamento da crise sanitária, social e econômica da Covid-19. O Monitor das Doações, plataforma alimentada pela Associação Brasileira dos Captadores de Recursos - ABCR, chegou a R$ 6,5 bilhões destinados por empresas e pessoas físicas para o enfrentamento da pandemia entre 31 de março de 2020 e 28 de fevereiro de 2021. Após crescimento vertiginoso no início da mobilização, as doações estacionaram no final do ano passado. Os dados apontam para um aquecimento diante da fase mais crítica da pandemia. “Desde janeiro temos visto o volume de doações voltar a crescer, mas muito menos do que no início”, avalia João Paulo Vergueiro, diretor executivo da ABCR. A quantidade de doações no início da pandemia, segundo ele, foi inédita e surpreendente. “Em parte a redução se dá porque a capacidade de doação é menor agora, muita gente...

Leia mais

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist