Homossexualidade pode levar a pena de morte em 5 países

O casamento entre duas pessoas do mesmo sexo é permitido em dez países, enquanto a homossexualidade é ilegal em 78 nações e pode implicar em pena de morte em cinco, informou um estudo global publicado nesta terça-feira.

O documento “Relatório sobre Homofobia Patrocinada pelo Estado”, divulgado hoje pela Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais (ILGA) mostra um panorama sobre a situação da homossexualidade no mundo.

O texto revela que 113 países autorizam a homossexualidade, enquanto 78 consideram que praticar sexo entre duas pessoas do mesmo gênero constitui um ato ilegal, entre eles, dez do Caribe.

Entre as nações que penalizam a homossexualidade com pena de morte estão Irã, Arábia Saudita, e Iêmen, Mauritânia, Sudão, as regiões do norte da Nigéria e o sul da Somália.

Enquanto isso, quinze países fixaram parâmetros para determinar a idade de consentimento para relações sexuais heterossexuais e homossexuais. Contudo, o relatório também mostra que 24 nações proíbem a incitação ao ódio baseado na orientação sexual.

Com relação ao reconhecimento de direitos, dez nações permitem o casamento homossexual. Por ordem cronológica são eles: Holanda, Bélgica, Espanha, Canadá, África do Sul, Noruega, Suécia, Portugal, Argentina, e Islândia. Em outros 14 países, os casais do mesmo sexo contam com o reconhecimento de suas uniões civis, com direitos similares aos casais heterossexuais.

A adoção de crianças por casais homossexuais é admitida em 12 nações em igualdade de condições que os casais de sexo diferente, entre eles o Brasil, e 18 possuem legislação específica para as pessoas que passaram por um processo de mudança de gênero.

A Europa é a região do mundo onde os direitos dos homossexuais são mais atendidos. Só o norte do Chipre proíbe as uniões do mesmo gênero. No entanto, os homossexuais europeus ainda sofrem discriminação e violência, além de não terem a liberdade de expressão e demonstração de identidade totalmente reconhecidas.

Na América Latina, o maior problema enfrentado pelos homossexuais é a violência, pois a maioria dos países não possui uma legislação que proíbe a homofobia, o que permite que muitos crimes fiquem impunes.

Metade dos países da Ásia ainda criminaliza a homossexualidade e na África “a homofobia patrocinada pelo Estado aumentou na última década”, disse a ILGA.

 

 

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Facebook apresenta novas ferramentas para prevenir o assédio

O Facebook anunciou outras alternativas para combater o assédio...

Cabelo afro: Alguns dos principais salões do mundo não cortam esses fios

A influencer britânica Freddie Harrel é conhecida nas redes por...

Hora de Marcia Tiburi pagar o preço

Com livro novo, prefaciado por Lula, Tiburi é forçada...

Maya Angelou: ativista negra, poeta e mulher revolucionária

Conheça a história de Maya Angelou, mulher inspiradora que...

para lembrar

STJ mantém adoção por casal de lésbicas

Crianças moram há oito anos com o casal em...

Lei quer dar mais tempo para os pais ficarem com o recém-nascido

Um projeto no Congresso Nacional pode ampliar o tempo...

Maria Marighella se torna a primeira presidente nordestina da Funarte

A vereadora baiana Maria Marighella foi a escolhida pela ministra da Cultura Margareth...

Ciclo “Mulheres Negras – Uma história que nos negaram”

A FLUP chega aos 10 anos reconhecendo o feminismo...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=