MPE dá parecer favorável à união de casal gay em MT

As mulheres P.M e A.S.C anexaram ao pedido as certidões de nascimento atualizadas e atestado de testemunhas, documentos exigidos conforme previsto no Código Civil, comprovando que não existe impedimento ao casamento; Constituição Federal fixa o dever de o legislador infraconstitucional facilitar a conversão da união estável em casamento

Por: Katiana Pereira

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da Promotoria de Justiça da Comarca de Alto Taquari (479 km ao Sul d Cuiabá), emitiu parecer inédito na comarca, favorável à união estável a um casal homoafetivo.

As mulheres P.M e A.S.C anexaram ao pedido as certidões de nascimento atualizadas e atestado de testemunhas, documentos exigidos conforme previsto no Código Civil, comprovando que não existe impedimento ao casamento.

A Constituição Federal, no artigo 226, fixa o dever de o legislador infraconstitucional facilitar a conversão da união estável em casamento.

Além de estarem amparado na CF, as uniões homoafetivas foram reconhecidas, por unanimidade, pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), há quase dois anos.

O STF decidiu que não há diferença entre homossexuais e heterossexuais. Os ministros do STF consideraram que casais gays formam uma família e que possuem os mesmos direitos e deveres.

O promotor João Batista de Oliveira explicou que a decisão do STF deu a esses casais uma segurança jurídica em relação a alguns direitos como pensão, herança, compartilhamento de planos de saúde.

Oliveira argumentou que a Constituição Federal estabelece, como objetivo fundamental da República Federativa do Brasil, promover o bem de todos sem preconceitos de sexo e quaisquer outras formas de discriminação, incluída a opção ou orientação sexual da pessoa.

Na manifestação favorável à união das duas mulheres de Alto Taquari, o promotor destacou que a Carta Magna também prevê, como direito e garantia fundamental, a inviolabilidade da intimidade e da vida privada das pessoas, mostrando o interesse do Estado em proteger a promover os direitos de todos, sem discriminação de ordem sexual.

 

Fonte: Brasil 247

+ sobre o tema

Como ser solteira

Passamos parte da vida tentando nos encontrar em outro...

Os 21 empregos mais bem pagos para as mulheres no Brasil

A desigualdade de gênero no mercado de trabalho ainda é uma...

Na origem de um feminismo negro

Nova obra destaca, entre sonho e história, figura mítica...

Sessão do filme “Estrelas Além do Tempo” vai reunir brasileiras empoderadas

Filme Estrelas Além do Tempo conta a história de...

para lembrar

Policial mulher passa a ter aposentadoria especial

A presidente Dilma Rousseff sancionou a lei que reduz...

Como é namorar alguém que é assexual?

Sophie e George são jovens, apaixonados e…assexuais. Mas um...

As ideias feministas fazem toda a diferença nas eleições – Por: Fátima Oliveira

Sou e estou feminista desde adolescente. É como feminista...

Vereadores de Goiânia são indiciados por racismo após homofobia em plenário

Quatro vereadores de Goiânia foram indiciados pela Polícia Civil...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=