Nova geração de drag queens discute a questão dos gêneros e protagoniza websérie

Uma das mais famosas drag queens dos anos 90, RuPaul Charles voltou a ser pop no Brasil desde que a Netflix começou a exibir aqui as seis temporadas de seu reality show, “RuPaul’s Drag Race”, um concurso para descobrir a “America’s next drag superstar”. O aumento da popularidade do programa no país revelou, ou melhor, botou em foco, uma nova geração de drag queens cariocas. Com idade entre 19 e 28 anos, estes performers estão renovando a cultura drag a partir de novos códigos visuais que incluem barba, pinturas corporais inspiradas no grafite e discurso que questiona o modelo feminino perseguido por outras gerações.

neo_queens-2

no Globo enviado por Aretha Sadick para o Portal Geledés

— Depois que o RuPaul foi para o Netflix, a drag ficou mais popular — observa a cientista social e diretora Bia Medeiros.

— O programa do RuPaul acrescentou muito na divulgação desta cultura. Mas o boom das redes sociais também contribuiu — acrescenta Caio Riscado, integrante do grupo de teatro Miúda e doutorando em criação colaborativa com foco no estudo dos gêneros não-binários (além do feminino e do masculino).

maxresdefault

Instagram e Facebook documentam a nova geração de drags que surgiu na noite carioca. Festas como V de Viadão, promovida pelo DJ Edu Castelo, e a Rebola, em boates como a La Cueva, em Copacabana, e a La Paz, na Lapa, apresentam estas novas personagens da cidade, que estrelam nosso editorial de moda da capa. Aretha Sadick, 25 anos, tem formação em Teatro, está terminando a faculdade de Moda e trabalha no CCBB. Alma Negrot, 19 anos, é de Gramado (RS), chegou há três semanas ao Rio e pinta seu rosto e corpo como tela de street art. Pandora Yumê, 25 anos, tem uma estética de rock decadente e faz questão de manter a barba e os pelos das axilas. E Aurora Boreallis, 24, mantém a tradição das drags, com sua caracterização mais próxima de uma diva pop.

Fernando Cozendey -Casa de Criadores Verão 2016 abril/2015 Foto: Marcelo Soubhia/ Agência Fotosite
Fernando Cozendey-Casa de Criadores – Verão 2016 – abril/2015
Foto: Marcelo Soubhia/ Agência Fotosite

— Estas festas impulsionaram uma liberdade maior no agir e vestir. A pessoa vê alguém de barba e vestido nas redes sociais e percebe que também pode se vestir de maneira camaleônica — diz Bia, que está filmando a websérie documental “Drag-se”, com incentivo da RioFilme.

Dona de uma produtora de documentários e estudiosa de questões como caracterização de gêneros não-binários e orientação sexual, Bia irá mostrar em dez episódios que serão exibidos num canal drag no Youtube (criado por ela) um dia na vida de 12 drag queens e 1 drag king (mulher que se caracteriza de homem).

— Existe uma diversidade grande no movimento. Entre as personagens que selecionamos, tem uma que trabalha nos Correios, outra na Câmara de Vereadores. Mostraremos o que elas fazem além de se vestir para uma festa. A cultura drag ainda é marginalizada, embora algumas pessoas hoje em dia comecem a fazer drag e se surpreendam com a boa aceitação. Mas esse fenômeno de crescimento é muito restrito — pontua Bia.

As quatro modelos da nossa edição também estarão na websérie e, hoje, no fim da tarde, vão à pocket edition da V de Viadão, na Praia do Leme.

— A drag queen é um homem que se traveste de mulher em performance. Mas a caracterização de parte desta nova geração, que tem barba e vestido, por exemplo, questiona a construção social do modelo feminino tradicional ao transitar entre os dois gêneros sem se restringir a um só deles. O interessante é que elas estão fazendo drag para assumir que o gênero é uma construção social e para romper com o padrão binário, que divide a sociedade entre feminino e masculino — descreve Caio.

GÓTICA, GLAM E TRASH

A barba cuidadosamente aparada se mistura ao glitter que faz as vezes de pinta, ao piercing no nariz e ao batom preto. Pandora Yumê — ou Gabriel de La Torre — define sua estética como gótica trash. Tem ascendência chilena e peruana e aprendeu com a mãe a gostar de rock. Era fã de Marilyn Manson e David Bowie.

— Sempre fui interessado em glam rock e androginia. O Manson é praticamente uma drag queen — diz Pandora.

Nascido e criado em Copacabana, começou a caprichar nos looks para ir a festas aos 20 anos. Quando “ficava muito louco”, brincava dizendo que “baixou a Pandora em mim”.

Foi aos 22, depois de trabalhar como garçom na Comuna, em Botafogo, que propôs aos sócios do coletivo que começasse a trabalhar vestido de drag queen. Assim surgiu Pandora Yumê, o trabalho como hostess e a militância cultural.

— Queria propor a desconstrução de gênero. A drag queen clássica é a que se veste de plumas e paetês. Meu glamour é mais alternativo. A minha ideia é questionar os modelos tradicionais de feminino e masculino. Por isso, faço questão de manter a barba, porque ela é um símbolo — conta Pandora, que é inspirada em ícones como a pin-up Bettie Page e “Elvira, a rainha das trevas”

Pandora produz o evento Drag Attack, uma ocupação/festa/mesa-redonda, em que convidava as pessoas a se “montarem”, desconstruindo o gênero binário.

PERFORMANCE CONCEITUAL E DISCURSO POLITIZADO

De dia, Robson Rozza trabalha como arte-educador no CCBB. À noite, estuda Moda na Cândido Mendes. E quase de madrugada, nas festas, surge como Aretha Sadick, uma drag queen que tem nome inspirado na cantora Aretha Franklin e visual sado-masô que lembra o videoclipe “Human nature”, de Madonna.

Nascido e criado em Caxias, Robson foi eleito Miss Gay Rio de Janeiro em 2011 e ficou entre os finalistas na etapa nacional. Em 2012, foi para Londres como ator e designer para participar do Rio Occupation durante as Olimpíadas. Ficou impactado com a cena gay londrina.

— Quando voltei ao Rio, fiquei decepcionado. A noite era limitada para drags. Ou você batia cabelo ou se enchia de Swarovski — lembra Robson, 25 anos.

Em 2014, ele foi à festa Rebola como Aretha Sadick. Assim surgiu sua drag politizada. Uma figura forte e desconcertante.

— Comecei a ver esses meninos maravilhosos desta nova geração trazendo uma superdiscussão sobre gêneros e comecei a desenvolver meu trabalho. Entre o X e o Y existe uma porrada de coisas que somos nós! Acho importante ter um discurso. Tenho um papel de militância e acabei incorporando também a causa da mulher negra.

Entre suas performances, com base em teóricos como a americana Judith Butler, que estuda a lógica dos gêneros não-binários, está “Esta não sou eu”. Na apresentação, Aretha caminha entre os convidados de uma festa com um cigarro na mão e vai queimando aos poucos páginas de revistas de moda como a “Vogue”. Ela também está documentando em foto e vídeo sua presença nas festas e na cidade. E, sim, também dubla Whitney Houston e Christina Aguilera.

— Quero fazer Grace Jones.

Aretha Sadick2

 

ECO DRAG COM BODY DE SACO DE LIXO

Aos 19 anos, Alma Negrot é novidade entre as drags cariocas. Chegou ao Rio há três semanas e impressiona com o make inspirado na street art. A personagem, uma espécie de entidade abstrata sem sexo definido, veste basicamente os desenhos que ela mesma faz no rosto e no corpo com tinta acrílica fosca, caneta, colagem de papel e maquiagem. O resto é reciclagem, com figurinos ecologicamente corretos feitos com materiais reutilizados.

— Meu visual sempre foi de lixo. Posso pegar um saco e fazer dele um body. Algo como uma eco drag — diz.

Rapha Jacques nasceu em Gramado (RS). Fugiu de casa aos 15 anos, percorreu o Brasil de carona e foi trabalhar como barman, aos 18 anos, numa sauna gay em Porto Alegre. Lá viu pela primeira vez um show de drag queens clássico. Dublagens, cílios postiços, vestidos bordados e plataformas metalizadas.

— As drags da sauna eram bem plumas e paetês. Fiquei encantado, mas queria fazer algo diferente. Queria chocar, misturar belezas e trazer à tona novas possibilidades de existir. — comenta.

Ele decidiu, então, criar a personagem Alma Negrot, fazendo do próprio corpo a plataforma para sua arte: a pintura e os desenhos. A personagem tem página no Facebook, onde descreve: “Alma surge como uma intervenção política, que vem dessa necessidade de falar o que estava preso dentro de um corpo, da insatisfação de ser uma coisa só, de um posicionamento contra a obrigatoriedade dos gêneros. Ser homem ou mulher?”

— Tento levar a perfomance para além das festas privadas. Eu me apresento também em locais públicos, nas ruas — conta Rapha, artista plástico e visual.

Em 2014, Caio de Azevedo Castro foi à Noruega pela primeira vez e viu a Aurora Boreal. A experiência foi tão impactante que, no ano seguinte, ao decidir fazer drag queen (elas usam o verbo fazer, e não ser, por se tratar de uma performance) escolheu o nome artístico Aurora Boreallis.

AOS 8 ANOS, DUBLAGEM DE WHITNEY HOUSTON

Aos 24 anos, estudante de Arquitetura da Universidade Santa Úrsula, Caio faz projetos de decoração de dia e, à noite, apresenta shows com dublagens (lip sync), cantando e dançando de Whitney Houston a Beyoncé, passando por Rihanna em festas como a V de Viadão, na La Cueva e na La Paz. No próximo sábado, irá tocar como DJ na festa “Wallpaper”, na The Week.

— Minha irmã conta que quando eu tinha 8 anos, ela entrou no quarto e eu estava dublando escondido a Whitney Houston, acredita? — revela Caio, nascido e criado em Copacabana. — Eu era sempre aquele que queria quebrar padrões. Acho que por isso, decidi criar esta personagem em cima da experiência da viagem.

Aurora Boreallis tem perfil no Facebook e no Instagram. Como uma pop star, mostra o look do dia, a performance da noite, a balada com as amigas na noite e publica convites de festas, anunciando sua agenda. A cada postagem, recebe comentários como “dyva”, “rycah”, “histórika”, musa, gata e por aí vai.

Seu visual é o mais tradicional das quatro modelos. É feminino, glamouroso, fashion e delicado. Em algumas fotos, chega a lembrar a transexual Lea T.

— A Aurora é chique, it-girl, classic, fina. E sua essência é a mesma do Caio — diz, usando a terceira pessoa.

+ sobre o tema

Jornalista Etiene Martins cria canal para falar sobre literatura negra

A jornalista e publicitária Etiene Martins, inaugura  canal para...

As chances das mulheres na universidade

Estudo sugere que disciplinas com alta presença feminina não...

Salvador registrou 234 casos de abusos em 234 dias do ano

A Bahia lidera o ranking de denúncias de violência...

Mulher negra e pobre é quem mais paga imposto no Brasil

A violência e a corrupção são terríveis, mas seríamos...

para lembrar

Claudia Silva Ferreira: negra e moradora da periferia – Por: Mariana Raquel

Cláudia Silva Ferreira era casada, mãe de quatro filhos...

Mulheres negras se unem para cuidar da saúde mental: ‘Ser negra é viver em sofrimento psíquico’

Tempos de liquidez pedem análises minuciosas sobre os fatos....

Roberto Osuna é suspenso por 75 jogos por violar política de violência doméstica

O comissário Rob Manfred anunciou, nesta sexta-feira, que o...

Elisa Lucinda: Folhas de uma apostila de uma educação para adulto

Elisa Lucinda: ”Proponho mais coerência, menos violência, menos falsos...
spot_imgspot_img

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...

Em reunião com a ministra das Mulheres, movimentos denunciam casos de estupros e violência em abrigos para atingidos pelas enchentes no RS

Movimentos feministas participaram de uma reunião emergencial com a ministra da Mulher, Cida Gonçalves, no final da tarde desta terça-feira (7), de forma online....

Documentário sobre Ruth de Souza reverencia todas as mulheres pretas

Num dia 8 feito hoje, Ruth de Souza estreava no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. O ano era 1945. Num dia 12, feito...
-+=