PEC desenvolve projeto com ONG que prevê cumprimento de pena humanizado para para travestis e transexuais

e Charqueadas (PEC) firmou parceria com a ONG Nuances para humanizar o cumprimento de pena de travestis e transexuais. A iniciativa é do setor técnico, por meio da psicóloga Débora Oliveira, da direção do estabelecimento prisional e da Atividade de Segurança e Disciplina (ASD).

Do Susepe

Na prática, a ideia é promover atendimento individual com atenção às necessidades básicas deste público. Serão executadas, mensalmente,  oficinas sobre diversos temas como prevenção. O projeto contempla ainda serviço de embelezamento,  que conta com o apoio de cabeleireiros voluntários. Há expectativa ainda de articular junto a Secretaria Municipal de Saúde a concessão de preservativos e palestras sobre saúde .

” Identificamos a baixo autoestima deles no que diz respeito a impossibilidade de se vestirem como desejam, entre outras questões”, falou a assistente social Michele Tassoni. Além disso, ainda enfrentam a carência de acesso ao trabalho, cursos artesanais e Educação no ambiente prisional, situação essa relatada em dados colhidos pelo setor técnico.

Para Débora a população de travestis, transexuais e seus companheiros é, historicamente, alvo de discriminações e violências cotidianas. No âmbito do sistema prisional, as discriminações são ainda mais evidentes, ficando essas pessoas expostas a situações de vulnerabilidade, abusos e diversos tipos de violência: física, psicológica, sexual e institucional, por isso.  “Com isso, é necessário intervenção técnica, de acordo com suas especificidades, no atendimento a esta população, com o intuito de proporcionarmos melhores condições de convivência durante o cumprimento de pena, bem como, na perspectiva da inclusão social”, explicou a profissional.

Nuances 

Grupo Pela Livre Expressão Sexual foi criado em 1991 com o objetivo de lutar pelos direitos civis, políticos e sociais de LGBTs.  Atua em projetos nas áreas de direito, cultura, saúde, educação e comunicação. Em sua trajetória, a ONG  inclui: modificação e proposição de leis; articulação e mobilização popular; atuação em políticas de educação, saúde e cultura voltadas à diversidade; encaminhamento e acompanhamento de denúncias; controle social. Em 2002 e 2003, na área da Segurança Pública especificamente, relaizaram a capacitação de policiais militares e agentes de segurança do Estado. De 2006 a 2009, coordenaram o Centro de Referência em Direitos Humanos, em parceria com o Ministério da Justiça. E, mais recentemente, em 2016 realizamos oficinas com apenadas LGBTs em parceria com a Superintendência Estadual de Serviços Penitenciários.

+ sobre o tema

Convite às mulheres negras na construção de projetos de luta antirracista!

“Mulheres Negras com Silvio Humberto e Olívia Santana”, este será...

Fé, menina. De homem pra homem.

30 homens estupraram uma menina. 30! e sabe o que mais? eles...

De Jean Wyllys a Marina: “Você mentiu a todos nós”

O deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) reagiu, indignado, ao recuo...

para lembrar

22 países europeus ainda tinham esterilização obrigatória para pessoas trans

Esterilização não é mais obrigatória para pessoas trans em...

Após cair para 957ª, Stephens atropela Keys em final de estreantes e fatura US Open

Americana Sloane Stephens, de 24 anos, conquistou primeiro título...

25 lições feministas para os meus filhos

"Se você quer alguma coisa na vida, você precisa...

Fé, menina. De homem pra homem.

30 homens estupraram uma menina. 30! e sabe o que mais? eles...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=