08 de Novembro – Encontro mobiliza crianças e adolescentes para debater o Plano de Educação da cidade de São Paulo

No próximo dia 8/11, terça-feira, das 10h às 17h, cerca de cem crianças e adolescentes de nove escolas de São Paulo estarão reunidos no Centro Cultural Vergueiro para discutir idéias e propostas para o Plano de Educação da Cidade de São Paulo. A iniciativa é da organização Ação Educativa, viabilizada por meio de recursos do Fumcad – Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, com apoio do Unicef, Cieds, Revista Viração, Instituto C&A e Instituto Paulo Montenegro.

Divulgação/Ação Educativa

Os Planos Municipais e Estaduais de Educação estão previstos no Plano Nacional de Educação (PNE), lei aprovado pelo Congresso Nacional em 2001. O PNE de 2001 e o novo Plano Nacional de Educação (2012-2021), em tramitação no Congresso Nacional, estabelecem que todos os estados e municípios brasileiros construam seus planos de educação com metas para os próximos dez anos visando ampliar o atendimento e melhorar a qualidade de educação para toda a população. Mais da metade dos estados e cerca de 50% dos municípios brasileiros ainda não contam com planos de educação.

O novo PNE deve fixar um prazo de 1 a 2 anos para que todos os municípios e estados tenham seus planos e definir que eles sejam construídos por meio de processos participativos envolvendo a população. “Planos tecnocráticos e de gaveta, construídos sem o diálogo com a realidade local, tendem a fracassar diante dos complexos desafios dos municípios e estados brasileiros. A participação da população na construção de planos, o que inclui efetivamente a participação das crianças e adolescentes, é fator fundamental para a melhoria da qualidade do atendimento”, observa Denise Carreira, coordenadora de Educação de Ação Educativa. “E é necessário destacar que as crianças e adolescentes tem muito a dizer sobre o que devem ser as prioridades das políticas públicas, entre elas, a demanda gigantesca nas comunidades por lazer e por atividades culturais e lúdicas”, afirma Uvanderson Silva, assessor de Ação Educativa.

A partir do Encontro e da metodologia de discussão desenvolvida nas escolas participantes, será produzido um documento e um vídeo a serem entregues por uma comissão de crianças e adolescentes à Câmara Municipal de Educação e à Assembléia Legislativa do Estado. Será produzido também um material, com os acúmulos, aprendizagens e metodologias da experiência, visando estimular a participação de crianças e adolescentes na construção de planos de educação em outras regiões do país.

Plano de Educação de São Paulo

Em resposta a reivindicações históricas de movimentos sociais e entidades sindicais, a Secretaria Municipal de Educação de São Paulo convocou em agosto de 2008 a construção participativa do Plano de Educação da cidade. Depois de mais um ano de debate na Comissão Executiva, constituída por várias organizações da sociedade civil, o processo foi para as ruas no início de 2010. Cerca de 2 mil atividades de discussões foram realizadas nas escolas e em plenárias livres comunitárias. O resultado do trabalho foi sistematizado por uma equipe de pesquisadores e pesquisadoras da Universidade de São Paulo e debatido na Conferência de Educação da Cidade, realizada em junho de 2010.

As propostas sistematizadas da Conferência deram base para a construção de um Projeto de Lei do Executivo que ainda se encontra na Prefeitura. As organizações da sociedade civil e sindicatos aguardam que o Executivo Municipal encaminhe nos próximos dias a proposta do PL para a Câmara Municipal de São Paulo e o documento de sistematização da Conferência contendo o conjunto das propostas discutidas no evento.

Com a entrega do documento à Câmara Municipal, tem inicio o processo de tramitação no legislativo municipal e a realização de audiências públicas. A aprovação do Plano de Educação da Cidade deve ocorrer até o início de 2012.

Contato para a imprensa:

Ana Mielki (assessora de comunicação da Ação Educativa) – 3151-2333, ramal 160 ou 9651-8091

Uvanderson Silva – 8577-6673

Adriano José – 8253-2250 e 6033-4111

+ sobre o tema

Bolsista do ProUni convida Lula para festa de formatura

A estudante de jornalismo Rita Correa Garrido, de 26...

UNEafro abre inscrições para cursinho

UNEafro abre inscrições para cursinho VAGAS ABERTAS 2017 Você quer ser...

Universitários brasileiros são brancos, moram com os pais e estudam pouco

Pesquisa traçou perfil do estudante que cursa os últimos...

Como a Academia se vale da pobreza, da opressão e da dor para sua masturbação intelectual

Texto originalmente publicado em RaceBaitR como “How Academia Uses...

para lembrar

Obra infanto-juvenil em inglês aborda preconceito racial

Lançamento do livro “The Black Butterfly” (A borboleta Preta), de...

Educação física, arte, sociologia e filosofia ficam no Ensino Médio

A Câmara dos Deputados decidiu incluir na reforma do...

Nova Zelândia oferece bolsas de estudo para brasileiros; veja como participar

Quem sempre teve o sonho de estudar no exterior,...

A crítica de Marcien Towa às doutrinas de identidade africana

O presente trabalho propõe tematizar a crítica que o...
spot_imgspot_img

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...
-+=