Abigail Moura e sua Orquestra Afro-Brasileira

Por Jota A. Botelho

Orquestra Afro-Brasileira do Maestro Abigail Moura (Arquivo Carlos Negreiros-RJ)

A ORQUESTRA AFRO-BRASILEIRA

abigail_moura_orquestra_afro-brasileira1

Fundada pelo maestro Abigail Moura (1904-1970) em 1942, o grupo musical lançou apenas dois discos, sendo que o de 1968 foi considerado um clássico da música popular brasileira. O som mesclava, entre outros ritmos, o opanijé e alujá (especiais para Omolú e Xangô, respectivamente), com as bases das múltiplas cadências encontradas nos cultos das religiões de matriz africana. A orquestra mesclava instrumentos da tradição ocidental, a exemplo do sax e da clarineta, e instrumentos afro-brasileiros, como o agogô e o berimbau (2). As músicas são cantadas em bantu, nagô, nheengatu e em português (3). A história da Orquestra é marcada tanto pela presença do divino como por fatos estranhos. Por exemplo, Maria do Carmo – sua cantora oficial, certo dia, ao fim de uma apresentação, teria enlouquecido, jamais voltando a cantar (4).

Da vida do visionário mineiro Abigail Moura pouco se conhece: foi parceiro musical em canções de relativo sucesso, como Que é o amor, Poeira, Chorar é meu Consolo. Na Rádio MEC exerceu a função de copista de partituras. Nos últimos anos de vida morou no Benfica, na zona norte do Rio e morreu na pobreza extrema (2).

“O maestro Abigail Moura fundamentava suas composições e arranjos como um religioso cuja vocação tem por mister reverenciar a divindade. Deveria ser extraordinário assistir a uma performance de Abigail, que, antes da apresentação da sua Orquestra Afro-Brasileira, agia como um sacerdote invocando antigos deuses, como se o palco de um teatro ou um auditório fosse de fato um espaço sagrado”, diz Emanoel Araujo, diretor curador do Museu Afro Brasil (2).

***
AS GRAVAÇÕES DA ORQUESTRA AFRO-BRASILEIRA
(5)

OBALUAYÊ! Orquestra Afro-Brasileira 
Selo TODAMERICA, 1957

abigail_moura_orquestra_afro-brasileira2

01. Apresentação – locução: Paulo Roberto
02. Chegou o Rei Gongo
03. Calunga
04. Amor de Escravo
05. Saudação ao Rei Nagô
06. Festa de Congo
07. Babalaô
08. Liberdade
09. Obaluayê

Orquestra Afro-Brasileira
Selo CBS, 1968

abigail_moura_orquestra_afro-brasileira3

01. Agô Lonan
02. Tire o Calundú
03. Índia
04. Palmares
05. Babaloxá
06. Canto Para Omulú
07. Mo-fi-la-do-fê
08. Saudação aos Orixás
09. Xangô
10. Nagana
11. Os Oinho de Iaiá
12. Rei N’aruanda

***
Fontes Pesquisadas:
(1) Raça Brasil
(2) Museu Afro Brasil
(3) Deck Disc
(4) Vinyl Maniac
(5) La Cumbuca
***

 

Fonte: Luis Nassif Online

+ sobre o tema

Escravidão foi berço do tráfico para exploração sexual

Livro traça panorama sobre delito presente em todos os...

Pantera Negra leva para casa 4 prêmios em premiação de melhores trailers

Que Pantera Negra é um sucesso ninguém duvida. Um...

O racismo e o extermínio dos jovens negros

Esse texto de análise debate a prática racista, a...

para lembrar

Documentário sobre a vida de Nina Simone chegará ao Brasil via Netflix

What Happened, Miss Simone?" estará disponível em junho Por Paula M....

Paris: ‘Um Fogo Negro num País de Brancos’

O primeiro negro numa aldeia belga nos anos 90 Paris:...

Pesquisa atesta que mulheres quilombolas são mais hipertensas

Estudo da Faculdade de Nutrição aponta riscos de saúde...
spot_imgspot_img

Mães e Pais de Santo criam rede de solidariedade para apoiar comunidades de matriz africana afetadas no Sul

Quando a situação das enchentes se agravou no Rio Grande do Sul, Ialorixás e Babalorixás da cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre,...

Dia 21, Maurício Pazz se apresenta pela primeira vez no Instrumental Sesc Brasil

Maurício Pazz, paulistano, nos convida a mergulhar nos diferentes sotaques oriundos das diásporas africanas no Brasil. No repertório, composições musicais do próprio artista, bem...

6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O fim da escravidão no Brasil completa 136 anos em 13 de maio deste ano. Em 1888, a princesa Isabel, filha do imperador do Brasil Pedro 2º,...
-+=