Amazonas, Bahia e Rio De Janeiro recebem pré-estreia de série sobre educação antirracista no Brasil

Enviado por / FonteSeta

Evento será nesta quarta-feira, 6. Produção é uma parceria do Projeto SETA com o Canal Futura e a Fundação Roberto Marinho.

Amanhã, 06 de abril, o território indígena Parque das Tribos, em Manaus (AM), a comunidade Quilombo Rio dos Macacos, em Salvador (BA) e o Complexo de Favelas da Maré, no Rio de Janeiro (RJ) recebem a pré-estreia da série “Seta – Caminhos Possíveis: por uma educação antirracista”, produção audiovisual inédita composta por quatro episódios que abordam a importância da educação antirracista no Brasil a partir das perspectivas indígena, quilombola e periférica. A ação ocorrerá em horários diferentes nos três locais:  às 14h, na Garagem do Quilombo Rio dos Macacos, às 17h, na Lona Cultural da Maré e às 19h, na Maloca Parque das Tribos. 

A série é uma parceria do Projeto Seta com a Fundação Roberto Marinho e o Canal Futura e conta com depoimentos de moradores dos três territórios, que compartilharam suas vivências: Alva Rosa, Vanessa Vasconcelos, Naditália Kelly, Maurile Jeritz Jacinto, Ana Claudia Martins, Vivian Torres Barreto; Pâmela Carvalho, Rodrigo, Lucas Buda, Nijah, Helena Edir; Dona Olinda, Rosimeire Silva, Juliana Costa, Taiana dos Santos, Franciele Silva e José Rosalvo. A produção traz ainda uma análise de especialistas sobre o tema no Brasil. Os episódios estarão disponíveis no Globoplay e no Canal Futura até a primeira quinzena de maio. 

Destaque e voz para territórios marginalizados na sociedade

Pesquisadora, ativista, moradora do Complexo da Maré e uma das personagens da série, Pâmela Carvalho, fala sobre a possibilidade de poder contar suas experiências pessoais e de trabalho. “A série fala sobre os territórios que são muito importantes, fundamentais na prática da educação antirracista, mas, muitas vezes não são reconhecidos na sociedade. Praticar a educação antirracista a partir de um lugar que não é necessariamente acadêmico, são pontos relevantes, uma vez que a série percorre territórios que são marginalizados na sociedade”, destaca Pâmela. 

Franciele Silva, universitária e moradora do Quilombo Rio dos Macacos, conta que um dos pontos positivos em ter participado da produção foi a oportunidade de dar destaque ao dia a dia de trabalho dos moradores de sua região. “Dar visibilidade a luta do nosso território, a nossa trajetória de vida é muito importante e, ainda, poder mostrar o quão difícil foi chegarmos aonde estamos hoje, pois enfrentamos muitas dificuldades para estudar e essa série trará um pouco disso nas nossas falas”, comenta Franciele. Naditália Kelly, universitária, comenta que as piadas sobre sua origem sempre foram presentes e, por isso, a importância da educação antirracista. “Na infância soube lidar com os comentários, mas, no Ensino Médio, essas falas começaram a ser mais violentas, como crescer ouvir que eu não era bonita o suficiente, por exemplo. E demorou anos para eu achar que todas as minhas características são bonitas. Quando fui para a faculdade descobri um outro mundo, onde me senti mais acolhida”. 

No quarto episódio, o/as especialistas Jefferson Barbosa, da Rede PerifaConecction, Alva Rosa, professora e integrante da Makira E’ta e Vilma Reis, socióloga, ativista e conselheira do Projeto Seta são os responsáveis pelas reflexões. A narração fica por conta do ator e ativista, Júnior Vieira. Para ele, alcançar um sistema de educação público antirracista é fundamental termos escolas livres de violência, justas e transformadoras, que respeitem as diferenças e possibilitam acesso aos saberes do Brasil. 

O Projeto Seta (Sistema de Educação por Uma Transformação Antirracista) é uma aliança inovadora, com sete organizações da sociedade civil nacional e internacional: ActionAid, Ação Educativa, Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ), Geledés – Instituto da Mulher Negra, Makira-E’ta e a Uneafro Brasil. O Seta ainda é um dos finalistas da ação global da Fundação Kellogg para promoção da equidade racial (Racial Equity 2030).

Saiba mais em http://projetoseta.org.br 

+ sobre o tema

Educação e racismo no Brasil

A Relatoria do Direito Humano à Educação terá como...

Especialistas: professores não sabem lidar com sexualidade

Apesar de avanços sensíveis na formação dos profissionais de...

ENEM: Perguntas e respostas explicam notas do exame em cada área

Existe uma nota global do Enem? – Não, o...

para lembrar

Precisamos falar sobre branquitude e seu papel na luta antirracista

“Por que você gostaria de me entrevistar?”, perguntou o...

Racismo: e eu com isso?

Sempre me perguntei o que leva um ser humano...

Carta do Audiovisual Negro às Candidaturas Antirracistas é lançada em Brasília

A Associação de Profissionais do Audiovisual Negro (Apan) lançou no dia 23...
spot_imgspot_img

Gênero e reparação histórica na Guiné-Bissau e Além: entrevista com a intelectual Joacine Katar Moreira

No ano da celebração do 50º Aniversário da Independência da Guiné-Bissau, o Sesc Pompeia e o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP...

Crescimento pardo e preto reflete avanço na luta contra o racismo

Os dados do Censo 2022 revelam uma mudança na demografia brasileira, marcada pelo aumento da população que se autodeclara parda, atingindo 45,3%, e pelo...

GT sobre comunicação antirracista amplia prazo de consulta pública

O Grupo de Trabalho Interministerial (GTI) formado para elaborar um Plano Nacional de Comunicação Antirracista prorrogou o prazo para contribuições da sociedade sobre o...
-+=