Analfabetismo: Sul e Sudeste têm vantagem histórica, mas o futuro aponta para resultados mais promissores no Nordeste

Enviado por / FonteO Globo, por Antônio Gois

Estados das regiões mais ricas apresentam melhores taxas de letramento entre adultos, mas estão ficando para trás em relação na alfabetização de crianças

Num intervalo de 11 dias, duas importantes pesquisas sobre analfabetismo foram divulgadas. Há três semanas, o Censo de 2022 do IBGE revelou o retrato do analfabetismo adulto. Na semana passada, foi a vez de o Inep/MEC publicar estatísticas sobre a qualidade da alfabetização de crianças. Mesmo sendo metodologias e públicos distintos, a comparação entre os dois levantamentos diz muito sobre o passado e o futuro da educação brasileira. O olhar para o retrovisor reflete a vantagem histórica do Sul e Sudeste, mas o futuro aponta para resultados mais promissores no Nordeste.

O IBGE calcula a taxa de alfabetização de adultos perguntando para toda a população acima de 15 anos se sabe ler e escrever um simples bilhete. Como o problema é concentrado nas gerações mais idosas, é um indicador que reflete muito mais o passado do que o presente das políticas educacionais. Dos 100 municípios com melhores indicadores, 85 são do Sul e 15 do Sudeste. O maior destaque é o Rio Grande do Sul, com 56 das 100 melhores cidades. Já o Inep calcula a alfabetização adequada de crianças no 2º ano do fundamental a partir de testes padronizados. O mesmo exercício nas 100 melhores cidades traz quadro bastante distinto, pois são 63 do Nordeste, 17 do Sul, 15 do Sudeste, quatro do Centro Oeste e uma do Norte. O destaque aqui é o Ceará, com 38 cidades, seguido do Piauí (16).

Olhar apenas para o topo do ranking de cidades pode gerar distorções, por serem, em geral, municípios pequenos. Mas o quadro não se altera quando comparamos médias gerais nas 24 unidades da federação onde é possível fazer a comparação em ambos os levantamentos (não há dados para DF, AC e RR na pesquisa do Inep). Na alfabetização adulta, o Ceará figura entre os cinco piores, com 14% de iletrados acima de 15 anos. Quando o foco é na qualidade do letramento infantil, porém, as redes municipais cearenses lideram, com 85% de alunos com alfabetização adequada.

Em contrapartida, São Paulo apresenta apenas 3% de iletrados adultos, sendo a terceira melhor UF nesse quesito. Mas, com apenas 52% de crianças plenamente alfabetizadas no conjunto de suas redes municipais, o estado mais rico da federação fica apenas na 15ª posição no levantamento do Inep. O Rio de Janeiro, que aparece como quarta melhor UF na alfabetização de adultos, fica apenas em 14º no levantamento de crianças plenamente alfabetizadas (52%).

No caso do Rio, os piores resultados estão em redes municipais da Baixada, como Nova Iguaçu (33%), Belford Roxo (35%), São João de Meriti (38%), Mesquita (38%), Queimados (38%) e Japeri (39%). Na capital, o percentual é de 56%. Em São Paulo, a capital puxa para baixo a média estadual, com 38% de crianças plenamente alfabetizadas na rede municipal paulistana, bem atrás, por exemplo, de Fortaleza (74%), Curitiba (70%), Goiânia (67%), Vitória (66%) ou Recife (62%). Outra rica cidade paulista também deixa a desejar: Ribeirão Preto (39%).

Pode-se ponderar que os dados do Inep são apenas das redes municipais e que, em cidades com maior proporção de habitantes na classe média, parte significativa das crianças estão na rede privada. Mesmo assim, era de se esperar que Estados e municípios mais ricos, portanto com maior possibilidade de investimento por criança, não apresentassem em sua rede pública um abismo tão grande em relação a entes federativos com orçamentos mais modestos e de maior passivo histórico educacional.

+ sobre o tema

para lembrar

A lei nº 10.639/03 faz história no Exame Nacional do Ensino Médio, 2011

por Arísia Barros Ao incluir uma questão sobre a lei...

Caçadas de Pedrinho no Brasil e a Exposição na Alemanha dedicada a Adolf Hitler * – Por: Roseli Rocha

Esforços foram realizados pelos organizadores para que fosse evitada...

Inscrições para o Sisu começam dia 22 e vão até 25 de janeiro

Sonhos, expectativas e escolhas. Tudo isso deve vir à...
spot_imgspot_img

Geledés publica boletins sobre a Primeira Infância nos estados brasileiros

Geledés Instituto da Mulher Negra está realizando as ações da segunda etapa do projeto “Primeira Infância no Centro: garantindo o pleno desenvolvimento infantil, uma...

PL do novo PNE apresenta avanços em equidade e dá primeiro passo em financiamento, mas precisa de melhorias estruturais e traz também retrocessos

O Projeto de Lei (PL) nº 2.614/2024, que prevê um Plano Nacional de Educação (PNE) para o período de 2024-2034, apresenta avanços relacionados à...

Jovens cientistas receberão apoio de mais de R$ 21 milhões para pesquisas   

O Instituto Serrapilheira anunciou, nesta quarta-feira (26), os 33 pesquisadores selecionados em dois editais que vão injetar mais de R$ 21 milhões em ciência no Brasil. Uma...
-+=